A influência militar e das industrias brasileiras de armamentos na África

Na África, a influência do Brasil se estende para além das seis países de língua portuguesa do continente. Seu comércio total com países africanos inchou de cerca de US $ 4,3 bilhões em 2000 para 28,5 bilhões dólares em 2013. Não é surpreendentemente a parceria de segurança do Brasil com a África, pois é motivada em grande medida pelo desejo de expandir oportunidades de negócios das empresas brasileiras de defesa.

Em 1994, por exemplo, o Brasil assinou um acordo de cooperação de defesa com a Namíbia ; Hoje, o Brasil é o fornecedor e parceiro de treinamento primário da Marinha da Namíbia. Em 2001, o Brasil garantiu sua presença na África Austral, abrindo uma missão consultiva naval em Walvis Bay,na Namíbia seu maior porto comercial e único porto de águas profundas.

Namíbia foi apenas o primeiro. O Brasil também assinou acordos de cooperação de defesa com Cabo Verde (1994), África do Sul (2003), Guiné-Bissau (2006), Moçambique (2009), Nigéria (2010), Senegal (2010), Angola (2010), e da Guiné Equatorial (2010 e 2013). Na sequência realizou exercícios conjuntos com a Marinha de Benin, Cabo Verde, Nigéria e São Tomé e Príncipe em 2012, e exercícios adicionais com Angola, Mauritânia, Namíbia e Senegal, no ano seguinte, o Brasil abriu uma outra missão naval brasileira em 2013, em Cabo Verde .

.
Enquanto isso, um acordo de cooperação de defesa com o Mali está atualmente sob revisão, e do Ministério da Defesa do Brasil anunciou planos para uma terceira missão naval em São Tomé e Príncipe, para abrir este ano.

O Brasil também está fornecendo cooperação militar com África , em atividades aeréas, e na formação da marinha. Entre 2003 e 2013, a Escola Naval brasileira e Escola de Guerra Naval treinou cerca de 2.000 oficiais militares da Namíbia. A Força Aérea Brasileira tem prestado apoio aos pilotos de Angola, Guiné-Bissau e Moçambique. E desde 2009, a Agência Brasileira de Cooperação fez uma parceria com o Ministério da Defesa do país , orçamentação aproximadamente 3,2 milhões de dólares no período de 2009-2013, para os programas de formação para o pessoal militar africanos.

A enxurrada de acordos de cooperação indica um sinal forte aos empreiteiros do setor de defesa brasileiros para fazer negócios na África. Ambas as empresas públicas e privadas estão ficando em linha, e não menos, organizações comerciais, como a Defesa do Brasil e Associação das Indústrias de Segurança, Comdefesa , e a Agência Brasileira de Promoção de Investimentos .
Fabricantes de armas brasileiras envidam seus esforços para alinhar o desenvolvimento de armas e tecnologia de produção de dutos com a demanda Africana. A Embraer, por exemplo, intermediou várias ofertas para vender suas aeronaves como o Super Tucano A-29 , juntamente com treinamento e assistência técnica. A empresa assinou contratos com Angola, Burkina Faso, Mauritânia que atingiram mais de 180 milhões dólare.
Da mesma forma, Gana , Mali e Senegal tem ofertas de contratos assinados ou manifestaram a intenção de comprar Super Tucano da Embraer. Estas ofertas são insignificantes em comparação com aqueles que a empresa fez com o Estados Unidos , Suécia, e os Emirados Árabes Unidos , mas eles são importantes, uma vez que eles significam uma relação de aprofundamento de relações com o Brasil.

O Brasil também participou em feiras internacionais de armas, e alguns de seus principais clientes estão na África. O país exportou mais de US $ 70 milhões em pequenas armas e munição para 28 países africanos entre 2000-2013, de acordo com os mais recentes dados disponíveis da ONU . Argélia encabeça a lista de armas de pequeno porte no Brasil e clientes de munição, com compras de mais de US $ 23 milhões. Argélia é seguida por Botswana, África do Sul, Quênia e Angola.

Feiras de armas oferecem oportunidades importantes para o Brasil para aprofundar a sua cooperação Sul-Sul com a África. Em 2013 a feira América Latina Aeroespacial e Defesa , a maior da região, o ministro da Defesa do Brasil reuniu-se com 14 ministros ou vice-ministros de países africanos e latino-americanos ao longo de apenas três dias. Tais acontecimentos confirmam que cresce o poder do Brasil através do Atlântico Sul. No processo, o Brasil está usando a África para sinalizar a sua chegada como um player global no cenário mundial.

fonte:https://www.foreignaffairs.com/articles/africa/2015-06-11/blue-amazonscreen_shot_2015-06-09_at_3.04.24_pm

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s