A situação no Burundi se agrava

0,,1

O mundo acompanha com preocupação as eleições parlamentares que deverão ocorrer na segunda feira, contrariando autoridades americanas, europeias e das organizações intergovernamentais e ameaçando a frágil democracia e o Estado de direito do Burundi.

O Brasil não tem embaixada no país, mas acompanha com preocupação a maior  crise política, desde a tragédia da guerra civil ocorrida em 2005. O diagnóstico das autoridades brasileiras coincide com o das Nações Unidas e dos Estados Unidos, que é que o calendário eleitoral deveria ser adiado e o presidente Pierre Nkurunziza deveria desistir do terceiro mandato e respeitar o acordo de Arusha.

Tudo caminha para o aumento das tensões e a realização de uma eleição ilegítima com o aumento da violência e a fuga de milhares de pessoas do país. A oposição já anuncia que não irá participar desse processo eleitoral.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-Moon, na sexta-feira, falou que a eleição deveria ser adiada, dizendo-se “profundamente preocupado com a segurança e  o ambiente político do país”.

A eleição parlamentar está prevista para acontecer nessa segunda-feira com a eleição presidencial no 15 de julho, segundo afirmou o Embaixador do Burundi para a ONU, sr Albert Shingiro,  aos 15 membros do Conselho de Segurança da ONU.

Os Estados Unidos afirmaram que suspenderiam a assistência eleitoral ao Burundi e ao presidente Pierre Nkurunziza, caso mantivesse essa decisão decisão, pois não apresenta as condições necessárias para uma eleição credível.

O Departamento de Estado dos EUA disse ainda, que estava tomando essa posição “à luz dos esforços contínuos do Presidente Pierre Nkurunziza em violar o Acordo de Arusha, insistindo no terceiro mandato e mantendo as datas eleitorais em uma ambiente sem as necessárias  condições  para realização de eleições credíveis.”

Os EUA “opõem-se firmemente” a quaisquer ações dos Estados regionais que possam desestabilizar ainda mais o Burundi, disse o Departamento de Estado.
Estamos preparados para tomar medidas adicionais contra os indivíduos responsáveis, ou cúmplices, que procuram minar a  democracia e o Estado de direito e promovem a instabilidade no Burundi.

fonte: http://www.dw.com/en/burundi-opposition-to-boycott-parliamentary-elections-as-un-calls-for-delay/a-18544394

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s