Presidente reeleito da Costa do Marfim diz que crise é passado

003

ABIDJAN (Reuters) – O presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, que obteve uma vitória folgada nas eleições do fim de semana, disse nesta quarta-feira que o primeiro pleito presidencial pacífico desde a guerra civil de 2011 vai permitir que o seu país avance depois de anos de turbulência.

Mais de 3.000 pessoas foram mortas num conflito curto iniciado pela recusa do ex-presidente Laurent Gbagbo em aceitar a sua derrota para Ouattara nas últimas eleições presidenciais, em 2010, no país do oeste da África.

Desta vez, os principais rivais de Ouattara no domingo o parabenizaram de pronto pela reeleição para um segundo mandato de cinco anos, um sinal de que a Costa do Marfim está politicamente mais estável, ao mesmo tempo que investidores correm para o maior produtor mundial de cacau.

“Isso significa que a página está sendo completamente virada sobre a crise que nós tivemos, e que nós podemos nos dedicar de fato ao futuro”, afirmou Ouattara, no seu primeiro pronunciamento público depois de eleito, transmitido pela TV estatal.

Favorecido pelos índices de crescimento de quase dois dígitos e enfrentando uma oposição dividida, ele conquistou quase 84 por cento dos votos, de acordo com o resultado anunciado nesta quarta.

(Por Ange Aboa e Loucoumane Coulibaly)

http://noticias.r7.com/internacional/presidente-reeleito-da-costa-do-marfim-diz-que-crise-e-passado-28102015

Gallery

TPI adia início do julgamento do ex-PR da Costa do Marfim para 28 de janeiro

15
O TPI anunciou que o julgamento do ex-Presidente da Costa do Marfim Laurent Gbagbo, acusado de crimes contra a Humanidade, foi remarcado para 28 de janeiro de 2016.

O Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciou hoje que o início do julgamento do ex-Presidente da Costa do Marfim Laurent Gbagbo, acusado de crimes contra a Humanidade, foi remarcado para 28 de janeiro de 2016.

Inicialmente, a instância penal internacional, com sede em Haia, tinha agendado o início do julgamento do antigo líder costa-marfinense para o próximo dia 10 de novembro.

Esta decisão também abrange o ex-ministro costa-marfinense Charles Blé Goudé, réu no mesmo processo (desde março passado por deliberação do TPI) e acusado igualmente de crimes contra a Humanidade, cometidos entre dezembro de 2010 e abril de 2011.

Num comunicado, o TPI informou que a defesa de Gbagbo solicitou na terça-feira a presença de três peritos designados pela instância internacional para avaliar o estado de saúde do antigo Presidente costa-marfinense e a sua capacidade de resistência ao julgamento.

Perante tal pedido, a instância penal internacional, criada ao abrigo das Nações Unidas, decidiu remarcar a audiência para conhecer os detalhes e para “avaliar cuidadosamente e considerar os relatórios dos peritos”.

“Os promotores vão começar com a apresentação das suas provas diretamente após as declarações iniciais em janeiro de 2016”, precisou a mesma nota.

Em junho de 2014, a instância penal internacional confirmou as acusações de homicídio, violação, atos desumanos e degradantes, tentativa de homicídio e perseguição contra Gbagbo, de 70 anos. Este processo teve início em 2011.

Os crimes foram presumivelmente cometidos durante a repressão das manifestações na Costa do Marfim entre dezembro de 2010 e abril de 2011, quando Laurent Gbagbo quis permanecer no poder, mesmo depois de ter perdido as eleições presidenciais contra Alassane Ouattara, em 2010.

Durante os tumultos morreram cerca de 3.000 pessoas, segundo os dados das Nações Unidas.

Laurent Gbagbo foi presidente da Costa do Marfim entre 2000 e 2011, enquanto Blé Goudé foi um antigo líder da formação Jovens Patriotas e foi ministro da Juventude de Gbagbo.

http://observador.pt/2015/10/28/tpi-adia-inicio-do-julgamento-do-ex-pr-da-costa-do-marfim-para-28-de-janeiro/

Gallery

Candidato do poder vence eleição presidencial na Tanzânia

1x-1ab

Dar es Salaam, 29 Out 2015 (AFP) – O candidato do partido no poder na Tanzânia, John Magufuli, venceu a eleição presidencial com mais de 58% dos votos, anunciou nesta quinta-feira a Comissão Eleitoral Nacional, um resultado rejeitado pela oposição que reivindicou a vitória.

“Declaro oficialmente que John Pombe Magufuli foi eleito presidente da República Unida da Tanzânia”, declarou o presidente da comissão eleitoral, Damian Lubuva.

Magufuli conquistou 58,46% dos votos e superou sem dificuldades o seu maior rival, Edward Lowassa, membro do Chadema (Partido para a Democracia e o Desenvolvimento), que registrou 39,97% dos votos.

Mas o ex-primeiro-ministro Lowassa recusou-se a aceitar esses resultados e proclamou sua vitória, acusando a comissão eleitoral de ter falsificado os resultados.

“Nós nos recusamos a aceitar esta tentativa de privar os cidadãos dos seus direitos democráticos, que é exatamente o que fez a Comissão Eleitoral Nacional ao anunciar os resultados que não são reais”, disse Lowassa.

“Pedimos que a Comissão Eleitoral anuncie que Edward Lowassa é o novo presidente da República Unida da Tanzânia”, acrescentou.

O Chama Cha Mapinduzi (CCM), único partido até 1992, e o Tanu (União Nacional Africana do Tanganiza) do qual procede, governaram o país desde a sua criação, em 1964, por meio da fusão entre Tanganica continental e Zanzibar.

Magufuli, de 56 anos, sucede Jakaya Kikwete, que o governo o país por dois mandatos.

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2015/10/29/candidato-do-poder-vence-eleicao-presidencial-na-tanzania.htm

Gallery

Comunicado Conjunto por ocasião da viagem à Argélia do Ministro das Relações Exteriores, Embaixador Mauro Vieira, Argel,

Comunicado Conjunto
por ocasião da viagem à Argélia do Ministro das Relações Exteriores,
Embaixador Mauro Vieira

Argel, 28 de outubro de 2015

A convite do Ministro dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional da República Argelina Democrática e Popular, Embaixador Ramtane Lamamra, o Ministro das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil, Embaixador Mauro Vieira, realizou, nos dias 27 e 28 de outubro de 2015, visita de trabalho à Argélia.

A visita inseriu-se no contexto do fortalecimento dos tradicionais laços de amizade e de solidariedade entre a Argélia e o Brasil e representa uma etapa importante no processo de relançamento do diálogo político e da concertação em torno de questões bilaterais, regionais e internacionais de interesse comum, bem como no processo de fortalecimento da cooperação bilateral.

A visita constituiu, igualmente, oportunidade para realizar a I Sessão do Mecanismo bilateral de Diálogo Estratégico, criado durante a IV Sessão da Comissão Bilateral Mista, ocorrida em Brasília, em julho de 2010.

O Chanceler brasileiro foi recebido em audiência por Sua Excelência o Sr. Abdelaziz Bouteflika, Presidente da República Argelina. Ele também foi recebido em audiência pelo Primeiro-Ministro argelino, Abdelmalek Sellal.

O Ministro Mauro Vieira e o Ministro Ramtane Lamamra mantiveram reunião de trabalho aprofundada, na qual trataram sobre o estado das relações bilaterais e as perspectivas para seu fortalecimento, especialmente por meio da implementação de programas, projetos e iniciativas de parceria, mutuamente benéficos, em diversas áreas.

Ambos os Ministros reafirmaram, nesse contexto, o compromisso de trabalhar no sentido de fortalecer e diversificar as relações econômicas bilaterais. Convieram que as complementaridades e as potencialidades das economias de ambos os países constituem ativos que merecem ser melhor explorados.

Convergiram, ademais, na necessidade de fortalecer o arcabouço jurídico existente e de incentivar o desenvolvimento da cooperação e do intercâmbio bilateral nos domínios da energia, da saúde, do comércio, das obras públicas, da agricultura, do desenvolvimento social, da pesquisa científica e da cooperação universitária.

Expressaram a importância de realizar reuniões de seguimento setoriais, em preparação para a próxima Sessão da Comissão Bilateral Mista, em data a ser estabelecida de comum acordo.

Os dois Ministros discutiram, com particular interesse, o desenvolvimento da cooperação bilateral no domínio da energia, em um momento em que os preços internacionais do petróleo sofreram uma forte depreciação, a qual vem afetando significativamente as economias dos países produtores. Sublinharam a importância da estabilidade do mercado petrolífero na preservação dos interesses dos países produtores e dos países consumidores.

Ao abordar as questões regionais e internacionais, os dois Ministros sublinharam, com satisfação, a convergência de suas avaliações e visões sobre diversos temas de interesse comum. Reiteraram, nesse contexto, a vontade comum de fortalecer a cooperação e a coordenação das posições brasileiras e argelinas em foros multilaterais

A Argélia e o Brasil sublinharam a importância que atribuem ao fortalecimento do papel das Nações Unidas, por meio, sobretudo, da urgente reforma do seu Conselho de Segurança, com vistas à obtenção de um sistema mais justo, representativo e equilibrado.

Ambos os Ministros reafirmaram a necessidade de prosseguir com os esforços internacionais voltados à luta contra o terrorismo e sublinharam o papel fundamental da cooperação regional e internacional nesse contexto, em particular a estratégia das Nações Unidas de combate e prevenção contra esse flagelo transnacional. Expressaram, ademais, sua disposição de contribuir para os esforços internacionais voltados à prevenção e ao combate ao crime organizado transnacional.

Referindo-se aos conflitos regionais no Norte de África e no Sahel, o Chanceler brasileiro saudou o papel fundamental que desempenha a Argélia como um ator regional de relevo, tanto no âmbito da União Africana quanto por meio de suas iniciativas mediação. Ressaltou, nesse contexto, que a Argélia é um parceiro de grande importância para o Brasil, tendo em vista o papel estabilizador que o país desempenha na esfera regional.

Em relação à situação no Mali, o Brasil congratulou os esforços de mediação internacional conduzidos sob os auspícios da Argélia, que resultaram na assinatura, em 15 de maio de 2015, do Acordo de Paz e Reconciliação no Mali, ao qual se juntaram todas as partes envolvidas, em 20 de junho de 2015.

Os dois Ministros instaram as partes líbias a engajarem-se resolutamente e de boa fé no diálogo conduzido pelo Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para a Líbia, Bernardino Leon, com vistas a chegar a uma solução política definitiva, que preserve a unidade, a integridade territorial e a estabilidade do país e da região de uma intervenção militar estrangeira de consequências imprevisíveis.

Saudaram, ademais, a iniciativa dos países vizinhos da Líbia para chegar a uma solução política para o conflito.

Passando à questão do Saara Ocidental, os dois Ministros reafirmaram seu apoio aos esforços do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, e de seu Enviado Especial, Christopher Ross, para alcançar solução política justa e duradoura, que preveja a autodeterminação do povo saarauí, em conformidade com as resoluções pertinentes do Conselho de Segurança e da Assembleia Geral da ONU.

Os dois Ministros reiteraram seu compromisso com a soberania, a independência, a unidade e a integridade territorial da Síria, e conclamaram todas as partes envolvidas no conflito a privilegiar o caminho do diálogo voltado a uma solução política para a crise.

No que concerne à questão da Palestina, os dois Ministros reafirmaram a urgência de se alcançar uma solução justa e definitiva, com base nas resoluções da ONU. Reiteraram seu apoio inabalável ao legítimo direito dos palestinos a um Estado viável, independente e soberano.

Ambos os Ministros saudaram, ademais, a conclusão do diálogo sobre o programa nuclear do Irã, entre o P5 + Alemanha e o Irã, o qual contribuiu para que fosse alcançada solução abrangente, mutuamente aceitável e duradoura, capaz de preservar a paz e a estabilidade no Oriente Médio.

Ao tratar da próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, a ser realizada em Paris, de 30 de novembro a 11 de dezembro de 2015, os dois Ministros convergiram quanto à urgência de obter-se resultado que favoreça a promoção do desenvolvimento sustentável e a prevenção do aquecimento global e de catástrofes naturais.

Os Ministros se congratularam com o entendimento alcançado, em Cuba, em 23 de setembro de 2015, sobre reparação a vítimas e justiça, ponto crucial nas conversações entre o Governo colombiano e as FARC. Nesse contexto, saudaram o papel dos países garantes, Cuba e Noruega, e o compromisso das partes em assinar, até março de 2016, acordo final com vistas à reconciliação nacional.

Os dois ministros expressaram, igualmente, sua satisfação pelos progressos alcançados no processo de normalização das relações entre os Estados Unidos da América e Cuba.

Em relação a mecanismos de concertação inter-regionais, os dois países reconheceram o potencial positivo dos Mecanismos América do Sul-Países Árabes (ASPA), e América do Sul-África (ASA), cujas próximas reuniões de Cúpula estão previstas para ocorrer, respectivamente, em Riade, nos dias 10 e 11 de novembro de 2015, e em Quito, em maio de 2016.

O Ministro Vieira, por fim, exprimiu ao Ministro Lamamra os seus sinceros agradecimentos pela calorosa recepção, reservada a ele e a toda a delegação que o acompanhou, durante a sua estada na Argélia.

O Ministro Mauro Vieira formulou convite para que o Ministro Ramtane Lamamra realize visita oficial ao Brasil, em datas a serem fixadas de comum acordo. O Ministro Lamamra aceitou com satisfação o convite.

Gallery

A greve de professores continua em Guiné Bissau

greve de professores

Governo pede a sindicato de professores para adiar marcha

Bissau – O governo da Guine Bissau apelou esta quarta-feira, 28 de Outubro, ao Sindicato Democrático dos Professores ﴾SINDEPROF﴿ para “protelar” a marcha agendada para esta quinta-feira a fim de permitir ao governo apreciar “em profundidade” o teor das suas reivindicações.

Através de um comunicado assinado pelo Ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares, Malal Sane, o Governo guineense convida o SINDEPROF a participar numa reunião convocada para esta quinta-feira, 29 de Outubro, com os representantes do governo nomeadamente, Ministra da Educação, Maria Odete Costa Semedo, da Economia e Finanças, Geraldo Martins, assim como da Função Pública e Trabalho, Luís Aníbal Vaz Fernandes, com intuito de debater e adotar uma nova calendarização para o cumprimento do acordo.

O Governo apela ainda aos pais e encarregados de educação para aconselharem os seus educandos à abdicarem de participar na projetada marcha de SINDEPROF, tendo em conta “os aproveitamentos” que normalmente se associam a essas manifestações com todas as consequências que daí poderão advir.

O executivo liderado pelo Carlos Correia termina o comunicado apelando às forcas de ordem e segurança a tomarem as disposições legais de forma a salvaguardar o clima de paz e tranquilidade que “o país vem registando, precavendo de eventuais desacatos”, contudo reitera a total disponibilidade em privilegiar o diálogo e a concertação como via para a obtenção de consensos sobre matérias objecto de reivindicação.

http://www.jornaldigital.com/noticias.php?noticia=46551

Gallery

Cabo Verde perde duas posições no ranking “doing business”

Cidade da Praia

Cidade da Praia

Na passada terça-feira, como todos os anos desde 2003, o Banco Mundial publicou o seu ranking “doing business” sobre a facilidade de fazer negócios para as pequenas e médias empresas a nível mundial, país por país, Singapura tendo tornado este ano a ocupar a posição dianteira seguida pela Nova Zelândia, a Dinamarca, a Coreia do Sul e Hong Kong, Portugal ocupando a 23ª posição e a França o 27° lugar.

Neste ranking em que entram nomeadamente critérios como a facilidade de criação de empresas, a fiscalidade, o acesso ao crédito e à electricidade, o Banco Mundial também se debruçou sobre a África subsariana, as Maurícias continuando a ser líder da região com o 32° lugar, seguida pelo Ruanda com 62° lugar, o Botsuana em 72ª posição e logo a seguir a África do Sul.

Na África Lusófona, a Guiné-Bissau melhorou o seu desempenho passando da 181ª posição para 178ª e Angola também melhorou passando do 183° para 181°lugar. Moçambique, pelo contrário, piorou o seu desempenho passando do 128° lugar para 133°; no mesmo sentido, São Tomé e Príncipe também perdeu posições passando do lugar 163 para o 166 e, por fim, Cabo Verde também viu a sua classificação degradar-se da 124ª posição para a 126ª, uma noticia que o primeiro-ministro José Maria Neves preferiu desdramatizar.

http://www.portugues.rfi.fr/cabo-verde/20151029-cabo-verde-perde-duas-posicoes-no-ranking-doing-business

Estudo relaciona planejamento urbano com evolução das doenças crônicas em Cabo Verde

cabo_verde05

As doenças crônicas estão a ganhar terreno em Cabo Verde e o planeamento das cidades e as desigualdades sociais têm implicações diretas nesse avanço, conclui um estudo apresentado hoje na cidade da Praia.

Estudo relaciona planejamento urbano com evolução das doenças crônicas em Cabo Verde

“As principais conclusões apontam para que existe excesso de peso e obesidade mais acentuadamente nas mulheres do que nos homens. Em termos alimentares encontramos excesso de sal e de gorduras e tudo isto está a influenciar o aparecimento de doenças cardiovasculares” afirmou Luzia Gonçalves, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa, entidade responsável pela elaboração do estudo.

“Cabo Verde está numa fase de transição em saúde e as doenças crônicas estão a ganhar cada vez mais terreno quando comparadas com as doenças transmissíveis”, acrescentou a coordenadora do estudo, que envolveu cerca de duas mil pessoas em três bairros da capital cabo-verdiana.

A recolha de dados decorreu em 2014 na zona histórica do Plateau, numa parte do mais recente bairro do Palmarejo e nas zonas periféricas de Vila Nova e Safende.

“O estudo mostra que a zona informal, que é a zona de Vila Nova tem indicadores de saúde mais pobres do que as restantes zonas”, adiantou Luzia Gonçalves, sublinhando que as desigualdades sociais se traduzem em desigualdades na saúde.

Nesse sentido, a responsável pela investigação, que foi financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia de Portugal, defendeu a necessidade de apostar na prevenção em articulação com os vários setores da cidade.

Como exemplo, apontou a questão da segurança dos espaços urbanos.

“Se a segurança na cidade não é propícia para que as pessoas se sintam bem a andar e a fazer exercício físico nos locais públicos evidentemente que terá muita implicação nos aspetos da saúde”, disse.

Sublinhou também o papel das próprias comunidades, destacando que durante a elaboração do estudo se verificou uma boa adesão das populações que evidenciaram vontade de mudar os hábitos alimentares.

Questionada sobre se os dados deste estudo poderão ser extrapolados para a realidade de outras ilhas e cidades cabo-verdianas, Luzia Gonçalves admitiu que algumas questões, como o excesso de sal, serão transversais a outras localidades, mas aconselhou prudência numa leitura mais alargada dos resultados.

Considerou, por isso, importante o alargamento do estudo a outras cidades do arquipélago.

Para a presidente do Instituto de Saúde Pública de Cabo Verde, Joana Alves, os resultados do estudo vem confirmar e sistematizar a ideia que as autoridades de saúde já tinham relativamente à influência do planeamento urbano na saúde das populações.

“O planejamento urbano tem implicações na saúde. O crescimento desordenado tem implicações na adução de água e no saneamento. O fluxo das pessoas do campo para a cidade faz com que os determinantes de saúde se aprofundem, a disparidade aumente e tenha implicação na saúde”, disse.

Adiantou que o estudo agora divulgado irá “permitir incentivar medidas de promoção da saúde e de comportamento para a mudança de atitude” das populações.

O estudo, apresentado no âmbito de um seminário sobre “Espaço Urbano e Saúde”, que decorre hoje e sexta-feira na cidade da Praia, visou relacionar as questões do planeamento urbano com alguns indicadores de saúde, nomeadamente a obesidade e doenças cardiovasculares.

http://www.sapo.pt/noticias/estudo-relaciona-planeamento-urbano-com_563220dfff7554db1fcf8277

Gallery

Botswana dá asilo político a 10 jogadores da Eritreia

eritrea.jpeg

Estão num centro de refugiados desde 13 de outubro

Botswana dá asilo político a 10 jogadores da Eritreia
O Governo do Botswana concedeu asilo político a 10 jogadores da Eritreia, que se recusaram a voltar para o seu país de origem após um jogo de qualificação para o Mundial 2018, adiantou o advogado dos jogadores.

Dick Barford disse que foi informado da decisão pelos responsáveis do Governo do Botswana, que anteriormente tinha indicado que os jogadores seriam deportados, num processo travado por ordem do Tribunal Superior de Gaborone.

Os 10 jogadores estão num centro de refugiados em Francistown (cidade onde se disputou a partida) desde 13 de outubro, data do jogo que ditou a vitória dos da casa sobre a Eritreia por 3-1.

Este não é um caso isolado. Nos últimos anos foram vários os jogadores do Eritreia a pedir asilo político após deslocações a outros países. Em 2007, seis jogadores fizeram o mesmo em Angola, em 2009, numa deslocação ao Quênia foram 12 a fazê-lo e por fim em 2012, no Uganda, 18 jogadores pediram asilo.

http://www.maisfutebol.iol.pt/internacional/29-10-2015/botswana-da-asilo-politico-a-10-jogadores-da-eritreia

Gallery

Integração financeira de África constitui meta da SADC

Mapa-Africa-Austral-2Luanda – A aceleração da integração financeira do continente africano foi uma das preocupações defendidas pelo delegado da Zâmbia, Leonard Kalinde, na reunião do Comité dos Governadores dos Bancos Centrais da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), que decorre desde quarta-feira, 28, em Luanda.
Em declarações hoje à imprensa, Leonard Kalinde sublinhou que, neste domino, Angola joga um papel preponderante e, por este facto, vai apresentar alguns resultados de pesquisas e levantamentos sobre esta temática.

“Esperamos que depois deste encontro possamos dar um avanço sobre a integração regional”, sublinhou Leonard Kalinde.

Neste sentido, disse, a Zâmbia, como qualquer outro país, depende das matérias-primas para alavancar a sua economia, que está a passar por momentos difíceis, uma vez que o preço do cobre no mercado internacional sofreu baixa e a economia chinesa atravessa alguma dificuldade.

Esta situação, prosseguiu o delegado zambiano, está a ter incidência sobre a Zâmbia e também Angola.

Por sua vez, o representante do departamento de finanças da África do Sul, Leon Myburgh, espera que as perspectivas do encontro sejam as melhores para o continente.

Referiu que a África do Sul tem estado a enfrentar também uma certa volatilidade no mercado financeiro, mas, de qualquer maneira, está a tentar fazer tudo para ter parcerias com outros países, nomeadamente Japão e China, onde tem encontrado maior facilidade.

“A África do Sul tem estado a acompanhar a queda de alguns preços dos seus produtos, pelo que notamos que neste domínio, a china pode ser um parceiro e ajudar a alavancar a nossa economia”, disse.

Afirmou não ser apenas uma situação da África do Sul, mas também de outros países. Por isso, a África Sul, como país emergente, está a tentar estabelecer-se no mercado mundial.

Sublinhou que devido a crise que se vive, é possível e compreensível que o seu país enfrente alguma inflação, mas admitiu estarem preparados para fazer tudo o que for possível e olhar para o futuro com firmeza para que se tenha uma economia estável.

http://www.portalangop.co.ao/angola/pt_pt/noticias/economia/2015/9/44/Angola-Integracao-financeira-Africa-constitui-meta-SADC,3c49e470-a366-4074-a3bf-ffdd1c74267f.html

Dlamini-Zuma bebeu suco de múkwa de Angola, e gostou



0000000000000Nkosazana-Dlamini-Zuma1

A presidente da Comissão da União Africana (UA), Nkosazana Dlamini-Zuma, visitou o pavilhão de Angola na Expo-Milão, e na hora da despedida, degustou uma das nossas iguarias, o sumo de múkua.

Como mandam as regras protocolares, a dirigente foi recebida pela comissária geral e responsável pelo pavilhão de Angola, a engenheira Albina Assis Africano.

A dança tradicional angolana fez parte da festa e Nkosi Zuma não ficou alheia a excelente exibição do grupo Kina Umoxi.

Durante a sua permanência no pavilhão de Angola na Expo-Milão, a presidente da Comissão da União Africana, não escondeu a sua admiração sobre a beleza arquitetónica do pavilhão, e elogiou a forma pedagógica que o conteúdo museográfico introduz o visitante sobre a realidade agrícola de Angola.

Na sala nobre do pavilhão de Angola, a presidente da UA, assinou o livro de honra, onde realçou a generosidade do acolhimento dos angolanos. “Obrigado Angola, pois é o prestígio de todos nós (África)”, escreveu Nkosazana Dlamini-Zuma.

0000000000aa sumo de múkwa0000000000aa sumo de múkwaq

E, já na despedida, Albina Assis convidou Nkosazana Dlamini-Zuma, a degustar o sumo de múkwa, que ela tanto apreciou. Gente mostra aqui, as imagens que retratam a passagem da presidente da União Africana.

http://jornaldeangola.sapo.ao/gente/nkosazana_encantada_com_iguarias_de_angola