Namíbia ou Uruguai “têm condições” para pedir adesão à CPLP

cplp1
 
 
 
O secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Murade Murargy, considerou hoje que a Namíbia e o Uruguai “têm condições” para solicitar a adesão à organização lusófona, com base nas relações históricas e nos falantes de português.
 
 
Em entrevista à Lusa a propósito dos 20 anos da comunidade, que se assinalam no domingo, dia 17, Murade Murargy afirmou que “um dia, esses países que são observadores vão pedir também” a adesão à CPLP como membros de pleno direito.
 
 
 
O secretário-executivo referia-se, em concreto, à Namíbia, país que é observador associado da CPLP desde 2014 e onde há “uma grande comunidade que fala português, até mais que noutros países” membros da CPLP.
 
Por outro lado, a Namíbia tem “relações muito fortes” com Angola e Moçambique, comentou o diplomata.
 
Outro país que pode vir a pedir a adesão à comunidade lusófona é o Uruguai, “usando os mesmos argumentos da Guiné Equatorial”, ou seja, que foi colonizado pelos portugueses antes de passar para a posse dos espanhóis, considerou Murargy.
 
“[A adesão pode acontecer] desde que comunguem dos nossos valores e que queiram seguir os mesmos objetivos que a CPLP defende. Não podemos é descaracterizar a CPLP”, disse o secretário-executivo.
 
Questionado sobre se a entrada da Guiné Equatorial, há dois anos, não descaracterizou a organização, por se tratar de um país que fala, maioritariamente, espanhol, Murade Murargy negou.
 
“A nossa diferença é que somos muito unidos. Quem entra tem de se envolver nestes valores, que achamos que são sagrados: língua, direitos humanos, democracia, paz, estabilidade”, defendeu.
 
O Uruguai é um dos países que vai solicitar o estatuto de observador associado na próxima cimeira da CPLP, que deverá decorrer no Brasil em novembro, a par da Hungria e da República Checa.
 
Outros países já manifestaram a intenção de apresentar também candidaturas a observador associado, nomeadamente Itália, Eslováquia ou, na América do Sul, Colômbia, México e Peru.
 
“Vários povos vão unir-se cada vez mais, num estreitar de relações, também do ponto de vista económico e cultural”, salientou Murargy.
 
O secretário-executivo comentou que, por vezes, os Estados da CPLP “não sabem olhar-se ao espelho e os outros é que veem a importância” da comunidade lusófona.
 
“Há cada vez mais países que pretendem ser observadores associados da CPLP, porque há um grande potencial económico”, disse, referindo que estes Estados pretendem fazer parcerias com a CPLP a nível económico e empresarial e também no domínio da língua portuguesa.
 
A CPLP, sustentou, “tornou-se um ponto de referência, todos os países querem cooperar” com a organização.
 
A comunidade foi criada a 17 de julho de 1996, integrando Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe. Após a sua independência, Timor-Leste aderiu em 2002 e a Guiné Equatorial entrou em 2014.
 
Os observadores associados podem participar, sem direito de voto, nas cimeiras de chefes de Estado e de Governo e no Conselho de Ministros, bem como em reuniões técnicas.
 
A Guiné Equatorial e a República da Ilha Maurícia foram os dois primeiros países a conquistar este estatuto, em 2006, seguindo-se o Senegal (2008). Namíbia, Turquia e Japão tornaram-se observadores associados em 2014.
 
 
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s