Um americano na presidência da Somália

mogadiscio-1982

Mogadíscio – Milhares de habitantes de Mogadíscio manifestaram, na quinta-feira, a sua alegria pela eleição do novo Presidente, Mohamed Abdullahi Farmajo, que consideram o único que pode unir a Nação.

PRESIDENTE ELEITO DA SOMÁLIA, MOHAMED ABDULLAHI FARMAJO

FOTO: MUSTAFA HAJI ABDINUR

“Este homem vai impor a boa governação e unir os somalis. Ele é o Presidente do povo, e apoiamo-lo”, declarou a AF um dos seus apoiantes Idris Sharif.

Antigo Primeiro-ministro durante oito meses, entre 2010 e 2011, Mohamed Abdullahi Farmajo Mohamed goza de uma verdadeira popularidade de muitos somalis, incluindo os da diáspora, e a sua eleição por um colégio de 329 parlamentares marca uma transição pacífica.

Com 184 votos, o antigo primeiro-ministro, com cidadania somali e norte-americana, obteve mais de metade dos votos dos 329 deputados na segunda volta, depois de o atual chefe de Estado, Hassan Sheikh Mohamud, que concorria à reeleição, reconhecer a derrota.

37457599_401

“Fez-se história, nós tomámos este caminho na direção da democracia e agora quero felicitar Mohamed Abdullahi Farmajo”, declarou Hassan Sheik Mohamud.

bandeira-da-somalia

O Presidente cessante, Hassan Sheikh Mohamud, pertencente a uma das principais tribos do país, os Hawiye, reconheceu a sua derrota, depois da segunda volta, permitindo a eleição do novo Presidente, sem constatação.

Quarta-feira, no seu discurso de investidura, prometeu um governo do povo, cuja actividade será baseada nas necessidade e nas aspirações da população.

 

“Tarefa assustadora”

“Tenho uma tarefa assustadora à minha frente”, reconheceu o novo Presidente no seu discurso perante os membros do Parlamento logo após o resultado. “Vou trabalhar arduamente para realizar os vossos sonhos”, prometeu Farmajo.

O novo Presidente  confrontará com uma difícil realidade, que tem a ver com o governo federal que apenas controla uma pequena porção da Somália, graças ao apoio vital dos 22 mil homens da força da União África (AMISOM).

AL SHABAAB NA SOMÁLIAGrupo extremista islâmico domina região do país

Nos últimos 12 meses, os shebab multiplicaram os atentados mortíferos na capital, e ataques coordenados nas bases da AMISOM. Por outro lado, o país sofre de uma seca, desde 2010-2011, que ameaça cerca de três milhões de habitantes.

captura-de-pantalla-2015-06-25-a-las-01-18-06

Como o resume Rashid Abdi, director do Programa do Corno de África para a International Crisis Group (ICG), ” ser popular é uma coisa, ser eficaz é uma outra: Tem um enorme potencial para fazer boas coisas, mas presentemente, trata-se de transformar este potencial em actos”.hambruna-en-africa-1-728

EUA lamentam irregularidades

Os Estados Unidos  (EUA) já felicitaram Mohamed Abdullahi Farmajo pela sua eleição como Presidente da Somália num clima eleitoral “relativamente seguro”, apesar de lamentarem as “irregularidades registadas durante esse processo”.

“Felicitamos os milhares de somalis de todo o país, incluindo jovens e mulheres, que puderam votar em maior número do que nas eleições de 2012, mas lamentamos as inúmeras informações credíveis de irregularidades no processo eleitoral”, lê-se num comunicado do Departamento de Estado.

Os EUA instam o novo Governo a estabelecer um sistema eleitoral de “uma pessoa, um voto” para que as eleições de 2020 sejam “livres e justas”, ao contrário das de 2016 e 2012.

País mais corrupto do mundo

Essa é a primeira tentativa em 25 anos de se constituir um governo central na Somália, o país mais corrupto do mundo, segundo a organização não-governamental Transparência Internacional. O país estava sem um governo funcional desde a queda do regime de Siad Barre, em 1991.

O anterior Presidente Hassan Sheikh Mohamud foi altamente criticado por doadores internacionais por envolvimento em escândalos de corrupção.

O processo eleitoral, que deveria ter decorrido em agosto de 2016, foi marcado por trocas de acusações sobre compra de votos. 275 membros do Parlamento e 54 senadores foram nomeados por 14 mil chefes de clã e tiveram que escolher o vencedor entre 21 candidatos.

O jornal “The New York Times” classificou o processo eleitoral como o mais fraudulento da história da Somália.

 

Fontes:

http://www.angop.ao/angola/pt_pt/noticias/africa/2017/1/6/Somalia-Alegria-esperanca-pela-eleicao-novo-Presidente,bce1aeea-98f9-4e7a-acdf-115fcff74414.html

http://www.dw.com/pt-002/novo-presidente-da-som%C3%A1lia-fez-se-hist%C3%B3ria/a-37475210

Advertisements