Sindicalistas brasileiros realizam cooperação com namibianos

sindicalistas

 
 
Representantes sindicais dos países do sul da África, principalmente da Namíbia, estiveram reunidos com sindicalistas da CUT Brasil em São Paulo na manhã desta segunda-feira (03) e ouviram atentamente a conjuntura política que os brasileiros e brasileiras estão passando depois do golpe parlamentar, jurídico e midiático que aconteceu há quase um ano.
 
 
 
O intercâmbio sindical Brasil-África, que tem apoio da CONTRACS (Confederação Nacional dos Trabalhadores no comércio e serviços), CONTRAF (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) acontecerá até a próxima sexta (7) e tem como principal objetivo a troca de experiências de lutas e através da TUCNA (Congresso Nacional de Organizações Sindicais de Trabalhadores) potencializar a internacionalização do movimento sindical para melhorar as condições de vida e de trabalho do povo africano.
 
A vinda desses representantes sindicais de Namíbia para o Brasil foi a primeira ação dessa integração. A ideia agora é que uma delegação sindical brasileira vá até lá e conheça as experiências deles de perto. “A África faz parte da nossa história e da nossa cultura. Para a CUT as relações africanas são prioridades”, frisou Lisboa.
 
Segundo o secretário, essa integração foi um processo que começou na base, de sindicato para sindicato, com apoio das centrais, e a ideia partir daqui é abrir para outros países do sul da África, como Angola e Moçambique. Lisboa contou que a participação do secretário geral da TUCNA, Mahoagora Kavihuha, no programa da Universidade Global do Trabalho (Global Labour University – GLU), em Campinas, foi à porta de entrada para este encontro.
 
Mohoagora contou que o que o trouxe para o Brasil foram as políticas progressistas implementadas no governo Lula e as políticas, influência e compromisso da CUT na luta a favor dos direitos sociais e trabalhistas da classe trabalhadora.
 
“A ideia aqui é aprendermos uns com os outros como desenvolver mecanismo de cooperação, como deslanchar a solidariedade, a capacitação dos trabalhadores, programas de justiça social, campanhas nacionais laborais e possivelmente encontro com as duas populações para fortalecer a luta do movimento sindical mundo”. O secretário geral da TUCNA terminou dizendo que “o objetivo é aumentar essa cooperação Sul Sul para melhorar as condições de vida e de trabalho do nosso povo”.
 
Para a presidenta do Sindicato dos Professores de Namíbia, Toini U.P. Nauyama , a troca de experiência com o movimento sindical brasileiro melhora e fortalece a representação dos trabalhadores e das trabalhadoras independente do setor que representa. “Não queremos que a classe trabalhadora africana seja vítima do capitalismo. Como sindicalistas a gente precisa aprender novas ideias e novas habilidades para corresponder às novas expectativas dos trabalhadores contra os abusos diretos e indiretos dos trabalhadores neste momento neoliberal e encontrar alternativas de como lutar contra isso”.
 
A secretária adjunta Nacional de Combate ao Racismo, Rosana Souza fez uma apresentação sobre o histórico e a importância da secretaria criada em 2009 junto com a criação da secretaria nacional do governo Lula para debater políticas públicas e lutar por melhores condições de vida e de trabalho para os trabalhadores e as trabalhadoras negras do país.
 
Rosana também convidou toda a delegação para conhecer a periferia de São Paulo para realmente conhecer a realidade da maioria do povo brasileiro, principalmente das mulheres negras. A dirigente além de falar de inúmeras políticas públicas dos governos Lula e Dilma que facilitaram o acesso do negro a melhores trabalhos e a educação, desmistificou a democracia racial e disse que o racismo ainda é muito forte no país. “O preconceito fica mais evidente quando você olha para a realidade população negra do Brasil, que é mais de 50% da população. Os jovens são mortos todos os dias, os negros estão nos trabalhos mais precários e são os que ganham menos, principalmente as mulheres negras”, destacou.
 
A dirigente também falou das diferenças entre homens e mulheres e fez o recorte racial da desigualdade no mundo do trabalho.
 
Toini afirmou que os problemas brasileiros são bem parecidos com os de Namíbia, principalmente no que se refere à desigualdade de gênero. Ela diz que o país e a sociedade na Namíbia são machistas e que as mulheres, mesmo sendo maioria no país, ainda estão longe de conquistar a igualdade. “Na TUCNA, por exemplo, tem política de gênero que busca a igualdade de gênero, mas mesmo em categorias majoritariamente femininas, como professores, por exemplo, elas não estão nos cargos de poder”, critica.
 
Fonte: Érica Aragão – CUT Nacional – 03/04/2017
 
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s