Há livrarias na Nigéria? perguntou uma jornalista francesa a escritora Chimmanda Ngozi Adichie

chimamanda-novo-livroQuestionamento irritou Chimamanda Ngozi Adichie, que denunciou falta de conhecimento que o mundo tem sobre a África

Jazzhole é a livraria favorita da autora Chimamanda Ngozi Adichie | Foto: Facebook / Reprodução / CP

Jazzhole é a livraria favorita da autora Chimamanda Ngozi Adichie | Foto: Facebook / Reprodução / CP

“Existem livrarias na Nigéria?”. A pergunta feita por uma jornalista francesa na semana passada, irritou a romancista nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie. Em um evento realizado em um elegante edifício do governo de Paris sob candelabros de cristal, a escritora denunciou “a arrogância francesa percebida” e falta de conhecimento que o mundo tem sobre a África. “Eu acho que reflete muito mal nos franceses que você precise me fazer essa pergunta. Meus livros são lidos na Nigéria. Eles são estudados nas escolas. Não apenas lá, em todo o continente africano”, disse a autora de 40 anos.

chimam

A indignação posterior nas redes sociais talvez fosse previsível: insultos lançados contra a repórter em meio a acusações de racismo e preconceitos coloniais. Chimamanda, que hoje vive nos Estados Unidos, fez uma publicação no Facebook argumentando que a questão da livraria servia apenas para “dar legitimidade a uma ignorância deliberada, intitulada, cansativa e abrangente sobre a África”.

Mas nem todos concordam completamente. “Você não pode dizer que não há livrarias ou bibliotecas na Nigéria, isso é ridículo”, comenta a Tabia Princewill, colunista do jornal local The Vanguard. “Mas elas não são muitas, e muitas vezes são livros religiosos ou livros educacionais. Nas bibliotecas públicas, quase não há livros. É vergonhoso e não é ser anti-africano admitir isso. A elite africana não quer enfrentar a realidade”, completa.

chimamanda-696x463

O debate da livraria é tão polarizante porque não se trata apenas de acesso a livros, mas também sobre o sistema de educação problemático do país. À medida que a população da maior economia da África Ocidental explode, o governo está lutando para educar seus 190 milhões de habitantes. A Nigéria tem uma taxa de alfabetização de 60%, uma das mais baixas entre os mercados fronteiriços, de acordo com a empresa de banca de investimentos Renaissance Capital em uma nota lançada nesta terça. Existem grandes discrepâncias regionais no país, com o sul com taxas de alfabetização muito maiores do que o norte, mas a qualidade dos professores e a participação dos estudantes são problemas perenes.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s