Presidente da África do Sul coloca condições para renunciar ao governo

zuma1O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, aceitou renunciar tão logo conclua uma lista de precondições para deixar o cargo, afirmou na noite desta terça (6) o jornal sul-africano “Times” em sua versão on-line, citando fontes envolvidas no debate.

A decisão seria fruto de um acordo entre Zuma e Cyril Ramaphosa, seu vice e atual líder do CNA (Congresso Nacional Africano), o partido governista. O presidente havia convocado uma reunião de emergência de seu gabinete para esta terça (6) em meio à pressão da legenda para que ele deixe o cargo, mas adiou o encontro após o acordo.

zumazxZuma, 75, está envolvido em uma série de escândalos de corrupção, o que deu início ao movimento para tirá-lo do cargo. Seu segundo mandato, iniciado em 2014, acaba em 2019.

O Parlamento sul-africano aceitou também nesta terça (6) um pedido feito pela oposição para que o Discurso sobre o Estado da União que Zuma faria na quinta (8) fosse adiado.

O pronunciamento será remarcado para depois do dia 22, quando a Casa deve votar uma moção de desconfiança contra o presidente, o que pode tirá-lo do cargo que ocupa desde 2009.

20170706101648zuma6

Crise

 

No domingo (4), líderes do CNA (Congresso Nacional Africano), partido de Zuma, se encontraram com o presidente em sua residência para discutir o futuro político da África do Sul.

Segundo a imprensa local, Zuma recusou na ocasião um pedido para que renunciasse, o que levou à reunião desta terça, agora adiada.

Eleito em 2009 e reeleito cinco anos depois, Zuma vem perdendo poder desde o início dos escândalos de corrupção e vive em queda de braço constante com Ramaphosa.

As principais denúncias contra o presidente envolvem uma série de reformas feitas em sua casa e pagas com dinheiro público e sua ligação com os Gupta, influente família que é acusada de subornar diversas autoridades sul-africanas.

 

SETOR DE MINERAÇÃO V~E COM OTIMISMO A SAÍDA DE ZUMA

O novo otimismo sobre o futuro da mineração da África do Sul percorreu a indústria nesta semana, focado nas esperanças de reformas empresariais sob a nova liderança do partido no poder. A maior conferência de investimento em mineração do mundo começou na Cidade do Cabo na segunda-feira, quando o partido do ANC se reuniu para discutir se o presidente Jacob Zuma poderia ser substituído em breve por seu deputado Cyril Ramaphosa. Ramaphosa, um ex-ex-executivo mineiro, assumiu recentemente o cargo de chefe do Congresso Nacional Africano de Zuma.

 

“Pela primeira vez, é possível olhar para a frente com uma esperança razoável, em vez de uma sensação de pressentimento”, disse Roger Baxter, CEO da Câmara de Minas da África do Sul, quando a conferência “Mining Indaba” abriu. Mais de 460 mil pessoas trabalham na indústria de mineração da África do Sul. Mas um impasse entre o governo e os negócios sobre a legislação chave paralisou a indústria, enquanto um contínuo escândalo de corrupção em torno do presidente Zuma assustou os investidores.

 

A eleição em dezembro de Ramaphosa para liderar o ANC foi motivo de “um novo senso de esperança”, afirmou Baxter. “Há um vento positivo de mudança soprando”, disse ele. A África do Sul sofreu duas avaliações de baixa no ano passado, enquanto as relações entre a indústria e o governo entraram em colapso em um stand-off sobre a carta de mineração, um documento orientador para transformar a propriedade racial do setor. Uma nova versão da carta foi introduzida em junho, mas todos os lados disseram que não foram consultados adequadamente no processo de redação. – tensões da indústria –

 

No ano passado, a Câmara dos Minas disse que perdeu a confiança no ministro dos recursos minerais de Zuma, Mosebenzi Zwane, acrescentando que a carta “destruirá a indústria” se totalmente implementada. Um pedido para que a carta seja reservada será discutido no tribunal no final deste mês. Zwane também esteve implicado no amplo escândalo de corrupção de “captação estadual” que atualmente acumula a política sul-africana.

Antes de Ramaphosa assumir o ANC, a perspectiva de mineração foi “subjugada”, disse Peter Leon, analista de mineração e co-presidente da empresa legal Herbert Smith Freeholds ‘Africa Group, à AFP. “Investidores globais com interesse na África do Sul realmente adotaram uma atitude de espera até depois da conferência eletiva do ANC”, disse ele. “Ramaphosa é um comunicador muito eficaz e ele está fazendo todos os ruídos corretos”.

A reação a Ramaphosa se tornando presidente do ANC – derrotando a ex-esposa de Zuma, Nkosazana Dlamini-Zuma – foi imediata, com o fortalecimento do RN contra o dólar dos EUA.

Cyril Ramaphosa5“Não há dúvida de que o sentimento em relação à África do Sul melhorou consideravelmente”, explicou o economista sênior do Bureau for Economic Research, Hugo Pienaar. – Tainted by Marikana – Um sindicalista-virado-magnata, Ramaphosa é visto por muitos como atravessar as fronteiras muitas vezes carregadas entre negócios, governo e trabalho. Ele fundou a União Nacional de Trabalhadores de Minas na década de 1980, construindo-a na maior e mais poderosa união do país. Mas, como diretor não-executivo na minera de platina Lonmin, ele pediu infames por “ação concomitante” contra grevistas no Marikana em 2012, dias antes de 34 mineros terem sido mortos a tiros pela polícia.

Cyril-RamaphosaEmbora um inquérito sobre o massacre o tenha esclarecido de responsabilidade, o incidente é uma grande cicatriz em sua reputação e um ponto-chave de fraqueza identificado por seus adversários políticos.

No mês passado, no Fórum Econômico Mundial em Davos, Ramaphosa falou sobre a corrupção e trabalhou duro para atrair investidores – abordando diretamente os problemas da indústria de mineração. “A carta de mineração precisa ser discutida minuciosamente com jogadores de papel chave, para que possamos encontrar uma solução para desbloquear o setor de mineração para a África do Sul”, disse ele. “Nós não queremos perder o boom da mercadoria que está se desenrolando”.

Delegados na Indaba, na Cidade do Cabo, seguiram as últimas manobrações dentro do ANC com interesse, tentando avaliar quando Ramaphosa assumirá o cargo de presidente da Zuma. Zuma deve demitir-se antes das eleições no ano que vem, mas parece estar resistindo a severas pressões para se demitir imediatamente. “Há muita fricção em torno de dois centros de poder”, disse o economista do Velho Mutual, Tinyiko Ngwenya, à AFP. “Se Zuma partir, esperamos que seja breve”. 5 (100%) 1 vote

Em dezembro de 2017, a candidata apoiada por Zuma, sua ex-mulher Nkosazana Dlamini-Zuma, perdeu por margem estreita a disputa pela liderança do CNA. À frente do partido majoritário, Ramaphosa já era o favorito para substituir Zuma no comando do país em 2019.

Parte da cúpula do CNA teme que a derrocada da popularidade do atual presidente prejudique a legenda hegemônica nas próximas eleições, abrindo espaço para a oposição, e por isso quer que ele deixe o cargo.

A sigla, que tem como maior símbolo o ex-presidente Nelson Mandela (1918-2013), comanda o país desde o fim do apartheid, em 1994.

Em 2016, o presidente Zuma chegou a enfrentar uma votação de impeachment, mas obteve vitória.

 

FONTES:- Jornal Folha de Goiás: https://folhadegoias.info/jornal-de-goiania-industria-de-mineracao-ansiosa-pela-mudanca-de-lideranca-na-africa-do-sul.html

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s