Recordar Uanhenga Xitu

unhaenga xitu Mesdes de Carvalho

Manuel Costa

No dia 18 de Fevereiro de 2014, fez domingo último quatro anos, Calomboloca estava cheia: gentes de todos os cantos do país despediam-se  do “mais emblemático dos nacionalistas”, subscrevendo o jornalista Carlos Gonçalves.

Uanhenga Xitu é o nome Kinbundu de Agostinho André Mendes de Carvalho
Uanhenga Xitu baixou à sepultura no dia 18 de Fevereiro de 2014, na sua terra natal, que neste dia testemunhou uma enchente impressionante. Para lembrá-lo deixo-vos com esta oração de sapiência:(…)Eu sou, na minha terra, um “mais velho”, pessoa a quem a idade permite, independentemente, do saber das escolas, conhecer a vida por a ter vivido, e conhecer a vida por ter escutado de outros mais velhos o relato das suas experiências. Cada um de nós, “os mais velhos” que na nossa terra existem, resume em si a memória de centenas de anos. Cada dia mais rica, porque vivemos hoje mais tempo do que viviam os nossos avôs. Cada dia mais rica, porque vivemos tempos mais movimentados e de maior experiência. Cada dia mais rica, porque tem ao nosso dispor as técnicas que nos enriquecem com a experiência sem fronteiras de outros povos. Cada um de nós, “mais velhos” que na nossa terra existem, vão vendo definhar a importância da sua experiência. Se somos mais ricos, estamos cada dia mais pobres, porquea juventude não aprende já pela nossa boca.Se ficamos mais ricos, estamos cada vez mais pobres, porque a juventude de tanto outro saber que parece acumular, tem com o velho que fala o ar condescendente de quem ouve inutilidades, de quem não precisa, de quem já sabe para lá do que lhes dizemos. Os “mais velhos” da nossa terra vão morrendo na importância. À medida que nos urbanizamos, que a memória dos avôs vai perdendo o interesse para os mais novos, que a juventude deixa as nossas tradições para se apropriar da moda do seu tempo e que não deixa de ser, de certo modo, a tradição de outros povos. Não como a nossa, que era uma tradição para passar de pais para filhos, sem custos nem interesse (…).”xitu1
Enfermeiro de profissão, Uanhenga  Xitu exerceu clandestinamente actividades políticas, visando a independência de Angola, tendo sido preso pela polícia colonial “PIDE” durante a luta.Uanhenga Xitu, seu pseudónimo literário, foi julgado pelo Tribunal Militar e condenado a 12 anos de prisão maior, medidas de segurança de seis meses a três anos prorrogáveis e perda de direitos políticos por quinze anos.
Na prisão começou a escrever as suas histórias. Em liberdade, manteve a sua actividade política e depois de alcançada a independência de Angola exerceu as funções de ministro da Saúde, Comissário Provincial de Luanda e embaixador da República Popular de Angola na Alemanha. Foi deputado à Assembleia Nacional, pela bancada do MPLA, e membro do seu Comité Central até 1998.
Uanhenga Xitu foi membro da União dos Escritores Angolanos, que recentemente o homenageou, pela sua inquestionável importância dentro do cenário literário angolano. Foi autor das obras O Meu Discurso, Mestre Tamoda, Bola com Feitiço, Manana, Vozes na Sanzala (Kahitu),  Os Sobreviventes da Máquina Colonial Depõem, Os Discursos do Mestre Tamoda, O Ministro e Cultos Especiais.Em 2006 recebeu a distinção do Prémio de Cultura e Artes, na categoria de literatura, pela qualidade do conjunto da sua obra literária.

http://jornaldeangola.sapo.ao/opiniao/artigos/recordar_uanhenga_xitu

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s