Menu

Vale vai repatriar 250 empregados de operações em Moçambique

moçambique valeVale decidiu trazer de volta ao Brasil 250 empregados e seus familiares que residem em Moçambique, onde a mineradora tem operações de carvão na mina de Moatize. A medida visa proteger o grupo da pandemia da covid-19.

A mineradora explica que fretou um avião para providenciar o retorno destas pessoas, uma vez que a maior parte das rotas regulares saindo do país africano foram suspensas. Ainda não há confirmação da data da chegada dos funcionários ao Brasil.

“A companhia reforça que está em conformidade com os protocolos de saúde e segurança estabelecidos pelas autoridades e agências de cada um dos países em que opera e está monitorando o desenvolvimento da situação”, disse por meio de sua assessoria de imprensa.

Fonte:https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2020/03/25/internas_economia,1132358/coronavirus-vale-vai-repatriar-250-empregados-de-operacoes-em-mocambi.shtml

Aos 23 anos jovem é nomeada Ministra na Namíbia

Emma Theofelus

Bacharel em Direito (com distinção) pela Universidade da Namíbia, a jovem ministra tem um diploma em Feminismo Africano e Estudos de Género, pela Universidade da África do Sul, e um diploma em Administração de Empresas, pela Amity Universidade da Índia.

Emma Theofilus tem 23 anos e é a mais nova ministra da Namíbia a integrar um governo naquele país e de África. Theofilus foi nomeada, segunda-feira, 23 de março, vice-ministra de Tecnologia da Informação e Comunicação da Namíbia, pelo presidente Hage Geingob.

O recorde anterior pertencia a Yacine Oualid, 26, a ministra mais jovem do governo da Argélia. Emma Theofelus também foi nomeada membro da Assembleia Nacional, entre os oito membros que o Presidente da Namíbia está autorizado a nomear. Além de ser a ministra mais jovem de África, Emma Theofilus também se torna a deputada mais jovem da Namíbia.

Bacharel em Direito (com distinção) pela Universidade da Namíbia, a jovem ministra tem um diploma em Feminismo Africano e Estudos de Género, pela Universidade da África do Sul, e um diploma em Administração de Empresas, pela Amity Universidade da Índia.

GPAN@AfricaRepublic

Young People Taking Over Power:

A YOUTHFUL EMMA THEOFILUS, At 23, She becomes the youngest MP and deputy minister of Information and communication technology in Namibia.

Ver imagem no Twitter
Antes da sua nomeação, Emma Theofilus era notavelmente membro do Parlamento Infantil, onde atuou como vice-presidente. Nessa posição, era a representante oficial da juventude e foi articulada entre o governo e os jovens da Namíbia, como defensora dos direitos da criança e contribuiu para a formulação de políticas para promover o desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Emma Theofelus também foi advogada do Ministério da Justiça, na Diretoria de Serviços Jurídicos, que lida com questões de direito internacional humanitário, assistência jurídica mútua, cooperação internacional, questões de manutenção, serviços mútuos processos civis e outros.

Informanté@InformanteNews

The youngest ever MP, 23-year-old Emma Theofilus, newly appointed Deputy Minister of Information,Communication and Technology takes her oath.

Vídeo incorporado

Desde dezembro de 2017, também é membro do conselho de administração do Conselho Nacional de Educação Superior da Namíbia, responsável por monitorar a evolução do cenário do ensino superior na Namíbia em termos de mecanismos novos e aprimorados. foram estabelecidos no setor e estimulam e garantem a qualidade nas instituições de ensino superior da Namíbia, a fim de alcançar padrões de qualidade de classe mundial.

Enquanto estudava, Emma Theofelus era consultora jurídica da organização nacional de estudantes da Namíbia.

Entre os ministros mais jovens de África estão Bogolo Joy Kenewendo, 33 anos, Ministro de Investimentos, Comércio e Indústria do Botsuana; Maha Issaoui, 32, Secretária de Estado do Ministro da Saúde da Tunísia; Kamissa Camara, 37, Ministra da Economia Digital e Prospectiva do Mali e Kirsty Coventry, 36, Ministra da Juventude, Esporte , artes e recreação do Zimbábue.

Fonte: https://www.bantumen.com/2020/03/25/23-anos-emma-theofilus-ministra-namibia/

FMI e Banco Mundial propõem perdão imediato da dívida dos países mais pobres

O Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) defenderam hoje, com efeito imediato, um perdão da dívida oficial bilateral dos países mais pobres, entre os quais estão os lusófonos Guiné-Bissau, Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.


África 21 Digital com Lusa


“Com efeito imediato, e consistente com as leis nacionais dos países credores, o Grupo BM e o FMI apelam a todos os credores oficiais bilaterais que suspendam os pagamentos de dívida dos países [abrangidos pela] Associação para o Desenvolvimento Internacional (IDA, na sigla em inglês) que assim o solicitem”, lê-se num comunicado conjunto difundido hoje em Washington pelas duas instituições financeiras internacionais.

“Isto vai ajudar os países da IDA com necessidades imediatas de liquidez a lidarem com os desafios colocados pela pandemia do novo coronavírus e dar tempo para uma análise do impacto da crise e sobre as necessidades de financiamento para cada país”, lê-se ainda no texto.

A IDA é uma instituição que funciona no âmbito do Banco Mundial com a missão de apoiar os 76 países mais pobres, entre os quais estão todos os países lusófonos africanos, à exceção de Angola e Guiné Equatorial.

Neste apelo ao G20, o BM e o FMI apelam a estes países “que façam esta avaliação, incluindo a identificação dos países em situação de dívida insustentável, e preparem propostas para uma ação abrangente dos credores oficiais bilaterais sobre as necessidades de financiamento e de alívio de dívida nestes países”.

O grupo dos 20 países mais industrializados está esta semana a realizar um conjunto de reuniões no seguimento da pandemia da covid-19, tentando delinear um plano de ação conjunto.

“O FMI e o BM acreditam que neste momento é imperativo fornecer um sentimento global de alívio aos países em desenvolvimento, bem como um forte sinal aos mercados financeiros”, conclui-se no comunicado, que incide apenas sobre a dívida bilateral e não sobre a dívida emitida nos mercados internacionais e detida por investidores privados ou institucionais.

Dos países lusófonos, apenas São Tomé e Príncipe não tem, até ao momento, registo de contágio pelo novo coronavírus.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

O continente africano registou 64 mortes devido ao novo coronavírus, ultrapassando os 2.300 casos.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Fonte: https://africa21digital.com/2020/03/25/fmi-e-banco-mundial-defendem-perdao-imediato-da-divida-dos-paises-mais-pobres/