marrocos-e-guine

A emergência de uma nova África

trigo

A agricultura, a segurança alimentar e a energética são os pilares da integração africana no século XXI. Essas três áreas permitirão que a integração do continente se torne uma realidade tangível. Tal ambição goza de um consenso crescente entre os países africanos.angola-petroleo
Ela é efetivada por um setor privado africano empreendedor, juntamente com um sistema bancário continental cada vez mais eficiente e com multinacionais que apostam mais do que nunca na África. A parceria Marrocos-Etiópia, que envolve a produção de fertilizantes, com investimento total de US$ 2,5 bilhões, permitirá à Etiópia alcançar sua autossuficiência em fertilizantes agrícolas em 2025. O gasoduto Marrocos-Nigéria, com cinco mil quilômetros, transformará a paisagem energética da Costa Oeste da África.
As joint-ventures na área de telecomunicações ou de bancos, os projetos em infraestrutura e em habitação social… São todos levados por uma nova geração de managers africanos. Esses projetos estão moldando a África do século XXI. Uma África definitivamente emancipada dos espólios da Guerra Fria, das manipulações ideológicas, das guerras civis e da gangrena do separatismo.
Liberta destas desvantagens, a África de hoje toma confiança, seguindo o caminho da decolagem econômica, com a ambição de ter um posicionamento mais competitivo na globalização. Ademais, esta dinâmica é apoiada por uma nova elite política africana, que prioriza a eficiência nas políticas públicas e o pragmatismo nas relações interafricanas. O regresso do Marrocos à União Africana, celebrado semana passada, em Adis Abeba, constitui, sem dúvida, um grande marco para uma África mais homogênea e mais unida.

image65

Sua Majestade, o Rei Mohammed VI, sempre colocou a África na essência da projeção diplomática do país, através parcerias globais com vários países africanos. Parcerias que articulam, ao mesmo tempo, projetos econômicos, paz e seguridade, desenvolvimento humano, política de gênero, cooperação educacional e acadêmica, bem como a promoção de um Islã aberto e tolerante. Ao voltar a assumir o seu papel histórico dentro da família institucional africana, o Marrocos dará um impulso ainda mais ambicioso à sua política para o continente.

A iniciativa que o país tinha tomado com a organização de uma cúpula dedicada especificamente à África à margem da COP-22, realizada em Marrakesh, em novembro passado, reflete o compromisso claro que o Marrocos tem em relação às questões do desenvolvimento sustentável do continente africano.
Vista do Brasil, essa dinâmica na África criará um movimento ainda mais promissor, na costa atlântica da África. O espaço geopolítico que compartilha com o Brasil, além da história e da geografia, um potencial forte de cooperação e de ações conjuntas. Os países africanos estão entusiasmados para lançar com o Brasil uma parceria Sul-Sul inovadora, que envolva uma maior integração industrial e comercial na agricultura e na pesca, que aumente a conectividade logística entre os dois lados do Atlântico e que acrescente a integração de redes de investigação científica e inovação digital.
Há consenso de que a África é o continente que mais crescerá no século XXI. Cabe-nos, africanos e brasileiros, tornar o Atlântico Sul um espaço seguro, próspero e aberto. Nabil Adghoghi é embaixador do Marrocos no Brasil

Fonte: http://oglobo.globo.com/opiniao/a-emergencia-de-uma-nova-africa-20884182

plataforma_petroleo

Qual o modelo o Brasil deve seguir na exploração do petróleo: Nigéria ou Noruega?

por Paulo Moreira Leite

Reação na Petrobras: “querem trocar a Noruega pela Nigéria”

Num evento que marca a primeiro reação de empresários diante do desmanche da Petrobras e do setor industrial  promovido pelo governo Michel Temer, nesta quinta-feira irá ocorrer uma reunião no Anexo IV da Câmara dos Deputados, em Brasília. Estarão presentes deputados ligados a Frente Parlamentar em Defesa da Engenharia, Infraestrutura e Desenvolvimento Nacional e dirigentes de entidades representativas da Engenharia e da Indústria. O assunto é a defesa da indústria, em particular da política de conteúdo local mínimo,  uma proposta que permitiu a recuperação da Petrobras durante os governos Lula e Dilma, e que esteve por trás da criação do parque industrial de São Paulo durante o governo de Juscelino Kubitscheck, na década de 1950. Um dos articuladores do encontro, Pedro Celestino, presidente do Clube de Engenharia, falou ao 247 sobre o significado político do evento. “A indústria, mesmo aqueles setores que apoiaram o impeachment, despertou para a gravidade do desmonte que está ocorrendo no país e começa a ir atrás do prejuízo” afirma Celestino. “Estão querendo trocar um modelo bem sucedido, inspirado pela Noruega, por um desastre econômico e social, cujo símbolo entre estudiosos é a Nigéria.”

BRASIL 247 — Por que tantos setores da indústria resolveram reagir à política econômica do governo Temer-Meirelles e defender uma política de conteúdo local mínimo?

PEDRO CELESTINO — O desconforto da indústria com a política econômica não é recente. Juros altos e câmbio apreciado têm, ao longo do tempo, efeito devastador sobre as cadeias produtivas. Aqui não houve desindustrialização no sentido clássico porque a indústria, mantendo a instalação fabril, passou a importar componentes que antes ela mesma produzia. De 2015 para cá aplicou-se uma política de exclusivo interesse do capital financeiro, que veio a se acentuar com a posse de Michel Temer, cuja visão é absolutamente descompromissada com o interesse nacional. Haja vista o que ocorre com a Petrobrás, submetida a um autêntico desmonte, para que passe a ser produtora, por algum tempo, de petróleo bruto, já que abriu mão até de explorar a maior reserva descoberta no planeta nos últimos 30 anos, a do Pré Sal. Desfaz-se, sem transparência, a toque de caixa, de ativos valiosos, comprometendo irreversivelmente seu futuro como empresa integrada de petróleo, como as grandes congêneres mundiais. São 60 anos de história irresponsavelmente destruídos. A indústria de óleo e gás aqui instalada despertou para a gravidade do desmonte na discussão, em curso, da política de conteúdo local mínimo, que as petroleiras estrangeiras, desta vez com decidido apoio da Petrobras, querem revogar.

247 — Por que tantos estudiosos falam que o governo Temer está trocando o modelo da Noruega pelo da Nigéria?

CELESTINO — O bem sucedido esforço de recuperação da Petrobras na ultima década e meia tinha como base a demanda de projetos, máquinas e equipamentos necessários à exploração do pré-sal. Por essa razão, a Noruega serviu de modelo e como exemplo. Ali, a indústria do petróleo funcionou para alavancar o desenvolvimento, arrancando o país de uma posição atrasada entre vizinhos europeus para se transformar em uma nação próspera do ponto de vista da economia e equilibrada como sociedade, que hoje possui um dos mais altos Índices de Desenvolvimento Humano do planeta. Destruída a Petrobrás, as empresas estrangeiras se apossarão do nosso petróleo, sem compromisso de prestar qualquer contrapartida em termos de transferência de tecnologias, geração de empregos — a não ser os de baixa ou nenhuma qualificação, que não interessam aos trabalhadores de seus países —  e pagamento de impostos. É o que ocorre na Nigéria.

247 — O que ocorre na Nigéria?

CELESTINO — Embora este país esteja entre os maiores produtores de petróleo do mundo, 70% da sua população vive abaixo da linha de pobreza e a taxa de desemprego é superior a 20%. Este país é um barril de pólvora.  É o que acontecerá conosco, se a Petrobrás deixar de cumprir o seu papel histórico, o de âncora do nosso desenvolvimento industrial.

247 — Dá para explicar a importância desta “âncora”?

CELESTINO — É preciso entender que a superação do atraso econômico de um país não é um processo inevitável, uma felicidade garantida que está ao alcance de todos, em qualquer época. É necessário que, em determinados momentos, sejam tomadas medidas concretas que podem estimular — ou atrasar — estes avanços. As empresas que podem concentrar essas decisões são “âncoras” e aqui no Brasil a principal delas é a Petrobrás. Por que? Porque estamos falando de uma empresa responsável pela formação de cadeia de mais de 5000 fornecedores, nacionais e estrangeiros, com uma capacidade de intervenção sobre o conjunto da economia, com efeitos reconhecidos sobre a qualidade de vida da sociedade, fruto da criação de centenas de milhares de empregos. Essa  indústria trava agora batalha decisiva para a sua sobrevivência, pois é simplesmente impossível competir com produtos importados com absoluta isenção fiscal, a do Repetro, o maior programa de renúncia fiscal da nossa história, vigente há 20 anos e que se quer prorrogar, sob a alegação de facilitar vultosos investimentos estrangeiros.

247 — Qual o balanço que podemos fazer da política de conteúdo local mínimo, seja do ponto de vista da indústria nacional e da criação de empregos?

CELESTINO — Desde a década de 1950, em particular a partir do governo Juscelino, as políticas de conteúdo local mínimo, aliadas a taxas de juros diferenciadas para investimentos, possibilitaram a rápida industrialização do Brasil. Essa foi a grande mudança ocorrida em nosso país, que permitiu a construção de um parque industrial respeitável pelo tamanho e pela relativa sofisticação tecnológica, eliminando aquela visão de que o Brasil estava condenado a ser uma grande nação agrícola e atrasada.  Sem o BNDE e sem  o GEIA (Grupo Executivo da Indústria Automobilística), que estabeleceu metas de progressiva nacionalização de partes e componentes de veículos automotores, São Paulo não teria se transformado na nossa locomotiva industrial. Mesmo o desenvolvimento mais recente do agronegócio, que não tem relação com o latifúndio retrógrado do passado, não teria sido possível sem aquele parque industrial. Também não podemos deixar de lembrar um ponto importante, reconhecido em artigo recente de José Velloso, presidente da Abimaq (Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos) onde escreveu: “Desde o primeiro leilão de blocos exploratórios, em 1999, as exigências de conteúdo local têm sido empregadas como ferramenta de desenvolvimento nacional conduzida com sucesso pela Petrobras. Àquela época a Petrobras adquiria mais de 65% de suas demandas de bens no Brasil. Portanto a Política de Conteúdo Local não nasceu no governo anterior e sim no Governo de FHC.”

247 — A curto prazo, a exigência de conteúdo local pode implicar em custos maiores, que acabam prejudicando o consumidor?

CELESTINO — É uma visão simplista, que conduz a erros graves, a partir da noção de de que produzir aqui é mais caro para o consumidor. Sem produção local não há emprego, e sem emprego não há como sustentar uma população de mais de 200 milhões de pessoas — e tudo se torna  insuportavelmente caro. Se não valorizarmos o nosso mercado interno, um dos maiores do mundo, teremos como resultado a queda na renda, empobrecimento e mesmo a miséria.  Ninguém discute mais, hoje, o fracasso, do ponto de vista da maioria da população, dos acordos de livre comércio. Frutos de uma globalização sem limites, estes acordos  resultaram na desindustrialização e no empobrecimento. Ninguém pode explicar a vitória de Donald Trump em regiões operárias dos Estados Unidos, que tradicionalmente votavam nos candidatos do Partido Democrata, sem compreender que milhões de eleitores  expressaram a indignação contra a exportação de empregos que foram para a China e outros países onde os salários são mais baixos. Este foi o fator que decidiu a eleição. O discurso de Trump sobre economia e mesmo determinadas medidas práticas, como a retirada do Tratado do Pacífico, procuram dar uma resposta a isso. Enquanto isso aqui, o governo Temer está na contramão do de Trump, abrindo indiscriminadamente a nossa economia à dominação estrangeira.

247 — Mesmo setores do empresariado que se beneficiaram — legitimamente — de uma política de conteúdo local na Petrobrás apoiaram o  impeachment da presidente Dilma. Hoje, criticam o governo que, há menos de um ano,  ajudaram a instalar. Como entender isso?

CELESTINO — O empresariado apoiou o impeachment sem ter uma noção clara do que iria ocorrer. Embarcou na ilusão de que bastava afastar a presidente para o país voltar a crescer e se desenvolver. Agora paga o preço da aventura. Já percebeu que, a seguir neste caminho aberto de forma radical e sem freios  a integração do Brasil no mercado global será vantajosa apenas para produtores de grãos, carne e minérios, sem falar no setor financeiro. Mas não haverá lugar para a indústria aqui instalada, nacional ou estrangeira. Ressalte-se que as multinacionais que vêm para o Brasil, têm como foco atender ao nosso mercado interno.  Não fazem daqui plataforma de exportação, como ocorre em outros lugares.  Comportam-se, assim, como se nacionais fossem. Em contradição com isso, a política econômica do governo Temer-Meirelles possui inúmeros defeitos mas não pode ser acusada de incoerente. A ambição de destruir a indústria se faz com método e persistência. Assim, ao mesmo tempo em que o Banco Central reduz a Selic, decide-se elevar a Taxa de Juros do Longo Prazo, uma medida que tem um efeito óbvio e direto: dificultar as condições de  financiamento da indústria pelo BNDES, o que ajuda a entender a previsão de mais um milhão de postos de trabalho eliminados ao longo deste ano.

247 — Por que era tão difícil perceber que, do ponto de vista dos interesses da indústria, a opção por Temer-Meirelles seria a tragédia que está se revelando?

CELESTINO — É preciso entender que a indústria entrou a reboque na articulação contra o governo Dilma. Basta ver as bancadas que apoiam o governo no Congresso, com uma audácia entreguista como nunca se viu em nossa história, para entender quem liderou o impeachment e manda no Estado brasileiro depois disso. Foram as bancadas do agronegócio, interessadas unicamente na exportação. Foram evangélicos, que funcionam como correia de transmissão de grandes igrejas norte-americanas. Foi o  grande  capital financeiro. O novo governo é dominado por essas forças, que não têm compromisso com o interesse nacional. Com efeito, ao agronegócio interessa apenas bom acesso aos portos e renúncia fiscal, pouco se importando com o mercado interno e a democracia. Quanto aos evangélicos, concentram-se em pautas reacionárias e manifestam absoluta submissão a interesses externos; estão a serviço do desmonte do Estado Nação. E o capital financeiro, desde sempre é a grande sanguessuga da nossa economia.

247 — Por que o governo Dilma não conseguiu apoio da indústria?

CELESTINO — Dilma nunca dialogou com a sociedade, nem mesmo quando tomou medidas corretas, tais como a redução da taxa de juros e o conseqüente alívio da carga fiscal. A última tentativa de aproximação da indústria com o governo Dilma, quando a crise já se encontrava em um nível  profundo e sua popularidade era inferior a 10% se deu em 3 de dezembro de 2015, quando o Eduardo Cunha já havia anunciado a decisão de aceitar a denúncia que levou ao impeachment. Naquela ocasião um conjunto importante de entidades do setor industrial assinou  um documento que propunha uma mudança na orientação econômica. Entre outras coisas, dizia que não era possível “aceitar passivamente as projeções de um 2016 perdido” e propunha construir “a mais rápida transição para a retomada do crescimento e desenvolvimento econômico e social.” Além de reunir as mais importantes centrais sindicais de trabalhadores, o documento trazia a assinatura de  associações comerciais, da Confederação Nacional da Indústria e diversas entidades industriais. Depois de aprovado, fomos a Brasília para uma reunião com Dilma. Nenhum eco! O governo já estava paralisado.

247 — Como explicar, aqui, o impeachment de Dilma?

CELESTINO — No regime presidencialista, quem dá as cartas é o presidente da República, que é o centro do poder de Estado. A presidente Dilma caiu quando deixou de ser o centro de poder, que se deslocou para o Congresso, que tinha disposição e capacidade para fazer isso. O empresariado, como quase toda a sociedade, queria uma solução que superasse a paralisia do Executivo e possibilitasse o funcionamento normal da economia. Iludiu-se. Agora começa a correr atrás do prejuízo.

https://www.brasil247.com/pt/blog/paulomoreiraleite/278916/Rea%C3%A7%C3%A3o-na-Petrobras-%E2%80%9Cquerem-trocar-a-Noruega-pela-Nig%C3%A9ria%E2%80%9D.htm

xenofobia

Nova onda de xenofobia na África do Sul


Obian Kenneth, imigrante nigeriano, teve carro queimado, Rosenttenville, África do Sul

Obian Kenneth, imigrante nigeriano, teve carro queimado, Rosenttenville, África do Sul

Nigerianos atacados em Rosenttenville alegadamente por serem traficantes de drogas e promoveram a prostituição

Cidadãos sul-africanos decidiram fazer justiça pelas próprias mãos destruindo casas, carros e estabelecimentos comerciais de emigrantes africanos em Rosenttenville, o sul de Joanesburgo, numa alegada guerra contra suspeitos traficantes de droga e promotores de prostituição.

O presidente da cidade de Joanesburgo, Herman Mashaba, evita condenar a justiça popular e defende a deportação de todos os emigrantes ilegais para seus países de origem por acreditar que são promotores da criminalidade na chamada “cidade de ouro”.

O ambiente está muito tenso, mas calmo em Rosettenville, depois de a policia ter reforçado a segurança com unidades de patrulha.

Entretanto, este reforço não foi suficiente para salvar os bens do emigrante nigeriano Obian Kenneth, que teve acasa e o carro queimados.

O emigrante é suspeito de ser traficante e vendedor de drogas e de usar sua residência como bordel, mas ele desmente e diz que não sabe qual é o problema de fundo entre sul-africanos e nigerianos, porque não é traficante de drogas e nem promotor de prostituição.

“Não lido com drogas, esse não é meu negócio”, diz Kenneth que vende roupas.

A escassas centenas de metros da residência arrendada de Obian vivem outros cinco emigrantes nigerianos, cuja casa foi igualmente queimada por residentes locais.

Para o chefe do grupo, a destruição dos seus bens a fogo posto é uma clara manifestação de xenofobia contra emigrantes africanos, sobretudo nigerianos.

No entanto, nem ele nem Obian apresentaram queixas à policia, alegando que os agentes da corporação são coniventes.

O emigrante moçambicano residente no mesmo bairro, Mussa Ussene, considera que a população local está a vingar-se contra a venda de droga e prostituição.

Dados oficiais indicam que o consumo de droga na África do Sul é duas vezes superior ao consumo considerado normal a nível mundial.

Pelo menos 15 sul-africanos em cada 100 habitantes têm problemas de consumo de droga, o que custa ao país 20 mil milhões de randes por ano, cerca de 1,5 milhão de dólares.

http://www.voaportugues.com/a/nova-onda-imigrantes-africa-sul/3709441.html

tecno-criancpas

O novo colonialismo digital em África

crianca-460x310É preciso advertir que na África são poucos os atores domésticos mencionados no relatório de 2011 que conseguiram sobreviver até hoje. Na categoria das lojas online, por exemplo, só se manteve em pé a sul-africana Exclus1ves. Agora, muitas das tendências citadas há cinco anos não apenas perduraram, mas se intensificaram de maneira acelerada. Estamos nos referindo, em particular, à explosão dos celulares como plataforma privilegiada para o comércio online, para a interação social e para a leitura digital, à influência das incubadoras de start-ups na cena local e ao impacto crescente dos projetos de cooperação tecnológica promovidos – direta ou indiretamente – pelos gigantes globais de Internet. Todos esses fatores acabam sendo decisivos para compreender a singular configuração do ecossistema africano de edição digital.

Nesta primeira parte, analisamos o papel crucial que desempenham os celulares no comércio eletrônico da região, assim como o avanço das grandes plataformas globais como Facebook na vida digital africana.

Os celulares no centro da cena: seu impacto no comércio eletrônico.

Nos últimos cinco anos, os celulares transformaram profundamente o panorama das comunicações na África. Segundo um relatório da GSMA, de julho de 2016, o continente alberga atualmente 565 milhões de usuários de celulares, dos quais mais da metade – 303 milhões – possuem acesso à Internet. Em um contexto caracterizado por limitações de infraestrutura de todo tipo, esses dispositivos relativamente econômicos e flexíveis se transformaram em uma plataforma central para a economia digital. Se tomarmos como variável o tráfego de Internet que circula por celulares medido como porcentagem do tráfego total nacional, Nigéria e África do Sul lideram o ranking mundial, com 82% e 75%, respectivamente – o que indica que, nesses países, o acesso à Internet é realizado predominantemente por via móvel.

No terreno do comércio eletrônico, os grandes atores globais ainda não desembarcaram no continente. Isso pode ser explicado em parte pelos problemas de infraestrutura que mencionávamos anteriormente: na verdade, os obstáculos em termos de transporte, telecomunicações, bancarização e alfabetização atrasaram aconsolidação do e-commerce ao estilo europeu ou norte-americano. No entanto, o acelerado crescimento econômico da região – que muitos comparam com o progresso dos países asiáticos nos anos 60 – favoreceu o surgimento de um bom número de atores locais e, com eles, a formação de um ecossistema singular.

Fundado em Lagos em 2012 com fundos da incubadora alemã Rocket Internet, o portal Jumia conseguiu se transformar em um verdadeiro gigante da Internet, com presença em mais de 10 países da África. Vale a pena remarcar que mais de 50% dos usuários do Jumia acessam a plataforma usando celulares. Como explica Tunde Kehinde – cofundador e diretor da empresa até 2014 –, no ambiente digital, as barreiras do mundo físico podem ser aproveitadas como vantagens:

“Na Nigéria vivem 160 milhões de pessoas que sempre vão precisar comprar uma camisa para alguma ocasião, um telefone para entrar em contato com um amigo o um livro para ler, mas não existe um mercado organizado onde possam conseguir o que precisam, de maneira simples e ao preço que querem. De modo que dissemos: não vamos construir um shopping center; vamos nos jogar na web(). Estamos construindo uma Amazon em um país que não teve um mercado organizado em seus 50 anos de independência. É uma oportunidade única.”

jumiaa
O site do grupo Jumia, líder pan-africano de comércio eletrônico

Apesar de que o Jumia representa talvez o caso mais chamativo, é preciso reconhecer que na África surgiram inumeráveis portais que apostam no digital como meio para superar as limitações próprias do comércio analógico. Entre eles podemos citar também a nigeriana Konga, as sul-africanas Bidorbuy e Takealot (http://www.takealot.com/) ou a queniana Rupu. Para responder aos desafios logísticos, muitas destas plataformas implementaram sistemas de envio de produtos com motocicletas e até terceirizaram a logística em redes de usuários externos – trata-se do crowd-shipping ou transporte colaborativo.

O meio de pagamento mais utilizado costuma ser em dinheiro na entrega, por causa da baixa penetração dos cartões de crédito e a falta de confiança nas operações online. No entanto, o segmento dos pagamentos móveis ganhou um peso considerável em anos recentes. Além de M-Pesa – serviço pioneiro na transferência de fundos por SMS, que no Quênia é usado por 7 de cada 10 adultos –, na região proliferaram as soluções como Afrimarket, Paga, eTranzact, além de outros sistemas que atraem milhões de usuários. Pouco a pouco, esses serviços incorporam a possibilidade de realizar pagamentos não apenas em nível nacional, mas também internacional. Orange Money – que conta com 19 milhões de participantes – já permite enviar dinheiroentre alguns países africanos e incluso entre esses países e a França.

Assim, parece claro que o comércio eletrônico africano, longe de seguir exatamente o esquema dos países desenvolvidos, apresenta uma configuração própria. Rania Belkahia – diretora de Afrimarket – explica sem rodeios:

“Os modelos calcados no que é realizado em outras partes do mundo não funcionam. [Na África] é preciso conseguir que a oferta esteja adaptada às necessidades locais e possa ser entregue de forma rápida.”

Sacha Poignonnec, atual diretor do Jumia, expressa um ponto de vista similar:

“Nos EUA, o comércio eletrônico está modificando os antigos hábitos de compra lentamente. Aqui, está criando os hábitos. Os usuários estão realizando compras pela primeira vez e fazem isso online, através dos smartphones.”

No final das contas, apesar de – ou talvez, por causa de – todos os desafios pré-existentes, o comércio eletrônico africano conseguiu abrir caminho de um modo sumamente dinâmico. Segundo dados do eMarketer de dezembro de 2015, as vendas online tiveram na África e Oriente Médio um crescimento interanual superior a 28%, enquanto que na América do Norte e Europa ocidental, o aumento foi menor – em torno de 14%.

Aplicativos de mensagens móveis

A região também está passando por um crescimento no terreno das redes sociais. Segundo dados de We Are Social, em vários países da região, o número de usuários ativos cresceu em 2015 a um ritmo superior ao do total de usuários da Internet. No Egito, por exemplo, a quantidade de participantes das redes sociais saltou 20%, enquanto que a base de usuários de Internet cresceu mais lentamente – 8%.

Agora, por causa do particular contexto tecnológico da África, são os aplicativos de mensagens para celulares que mostram maior atividade. No relatório de 2011, retratamos o caso do Mxit, um projeto sul-africano que utilizava os celulares mais básicos como plataforma de funcionamento e que tinha alcançado uma base de vários milhões de usuários. A chegada de smartphones cada vez mais acessíveis e o subsequente ingresso do Whatsapp na região significou um duro golpe no Mxit, que em outubro de 2015 precisou fechar suas operações comerciais e ceder sua tecnologia à Reach Trust – uma entidade sem fins lucrativos. Certamente, o Whatsapp é atualmente o aplicativo de mensagens número um na Nigéria, Quênia e África do Sul – onde, na verdade, exibe os maiores índices de utilização do mundo. Embora menos popular, o aplicativo WeChat – do grupo chinês Tencent – também procura ocupar seu espaço.

Projetos de conectividade impulsionados por empresas tecnológicas globais: o caso de Internet.org / FreeBasics (Facebook)

 

Em contraste com o que ocorre na Ásia ou na América Latina, a penetração do Facebook na África ainda é limitada – apenas 8% do tráfego global da plataforma vem desta região –, o que pode ser explicando em boa medida pelo elevado custo dos planos de dados. Dentro deste marco, o Facebook lançou em 2013 a iniciativaInternet.org, com o objetivo de garantir conectividade – um “direito humano básico”, segundo Mark Zuckerberg – a milhões de pessoas em países em desenvolvimento. Graças a uma aliança com diferentes operadoras de celulares, o Facebook oferece acesso gratuito à rede social e a alguns serviços de terceiros, através do aplicativo FreeBasics, disponível em 44 países – a metade deles está na África. Ao mesmo tempo, a empresa impulsiona diversos programas de conectividade a baixo custo, como ocorre com o drone Aquila ou o sistema WiFi Express.

Apesar de estar claro que em todo o mundo em desenvolvimento a infraestrutura de conectividade apresenta enormes desafios, a solução proposta pelo Facebook não está isenta de complicações, em especial porque se trata de um projeto que expande as possibilidades de conexão, mas não satisfaz plenamente outras necessidades, especialmente a questão dos conteúdos. Na verdade, Internet.org/FreeBasics apenas proporciona aceso aos materiais disponíveis no Facebook e nos aplicativos que aceitarem ser parte do programa. Tal como advertiram numerosas organizações sociais, este tipo de esquema podem atentar contra a neutralidade da web, pois dá prioridade a certo tipo de dados e conteúdos – aqueles transmitidos pela rede social californiana e por seus serviços associados. Este argumento foi decisivo para proibir o FreeBasics na Índia (http://indianexpress.com/article/technology/tech-news-technology/facebook-free-basics-ban-net-neutrality-all-you-need-to-know/). Na África, no entanto, o projeto teve uma melhor acolhida, a tal ponto que, em certos países, as autoridades regulatórias da área de telecomunicações admitiram (http://qz.com/614953/african-regulators-are-unlikely-to-replicate-indias-ban-of-facebooks-free-basics/) que o fornecimento de serviços de dados é hoje mais importante que a questão da neutralidade da web.

Além das regulações adotadas em cada nação, é preciso advertir que em nivel global, Internet.org/FreeBasics levou a um forte debate. Muitas vozes chegaram a denunciar que por trás das medidas filantrópicas do colosso tecnológico pode se esconder uma tentativa de “colonialismo digital”. Por exemplo, Deepika Bahri, professora da Universidade de Emory especializada em estudos pós-coloniais, enumera as semelhanças que existem entre o discurso do Facebook e o modus operandi próprio do colonialismo. Segundo a investigadora, nos dois casos a estratégia aponta para:

1. apresentar-se como um salvador;

2. repetir palavras como “igualdade”, “democracia”, “direitos básicos”;

3. ocultar as motivações de longo prazo;

4. justificar os beneficios parciais como algo que termina sendo melhor que nada;

5. associar-se com as elites locais e com grupos de interesses criados;

6. acusar os críticos de ingratos.

Por outro lado, o engenheiro e ativista indiano Kiran Jonnalagadda estabelece umparalelismo entre a extração de recursos naturais e a captura de dados em grande escala realizada pelas empresas multinacionais como Facebook:

“De um ponto de vista econômico, o colonialismo representa a extração de recursos primários de forma bruta e, simultaneamente, a venda aos consumidores sem que exista uma criação de uma classe capitalista entre os dois elos. Trata-se aqui do mesmo: procuram obter os dados de forma bruta do consumidor e vender serviços. Mas não querem intermediários.”

Por último, Ethan Zuckerman – diretor do Centro de Meios Cívicos do MIT – descreve de maneira crua qual pode ser, no final das contas, o objetivo do Facebook – uma constatação que na verdade poderia ser aplicada a um bom número de projetos tecnológicos parecidos:

O projeto do Facebook me parece colonialista e enganador. Tenta resolver um problema que não compreende, mas não precisa compreender o problema porque já conhece a solução. A solução contribui de forma eficaz para consolidar o Facebook como a plataforma dominante do futuro, em um momento no qual os mercados desenvolvidos estão crescendo menos.”

 

Este artigo foi publicado originalmente no site da Aliança Internacional de Editores

octavio-kulesz

Octavio Kulesz é formado em Filosofia pela Universidade de Buenos Aires e atualmente dirige a Teseo, uma das principais editoras digitais acadêmicas da Argentina. Em 2010, criou a rede Digital Minds Network, junto com Ramy Habeeb (do Egito) e Arthur Attwell (da África do Sul), com o objetivo de estimular o surgimento de projetos eletrônicos em mercados emergentes. Em 2011, escreveu o renomado estudo La edición digital en los países en desarrollo, com apoio da Aliança Internacional de Editores Independentes e da Fundação Prince Claus. Sua coluna busca apresentar um panorama dos principais avanços da edição eletrônica nos países em desenvolvimento. Tablets latino-americanos, leitura em celulares na África, revoluções de redes sociais no mundo árabe, titãs do hardware russos, softwares de última geração na Índia e colossos digitais chineses: a edição digital no Sul mostra um dinamismo tanto acelerado quanto surpreendente.

TAGS: ÁFRICA
era-digital

Boa notícia! Tecnologia da informação incentiva à leitura na África

Livros digitais sem fins lucrativosera-digital

Garotos beneficiados pela ONG Worldreader cuja missão é missão ‘levar livros digitais a cada criança e a sua família, com o objetivo de melhorar suas vidas’| © Redes Sociais

Além dos projetos de conectividade promovidos por Facebook – ou por outras empresas como Google, com seu projeto Loon –, quais projetos sem fins lucrativos estão sendo impulsionados na África no terreno específico da leitura e edição digital? Também aqui poderíamos mencionar iniciativas filantrópicas procedentes de atores internacionais. O exemplo mais importante é talvez Worldreader. Fundada em 2010 por David Risher – ex-executivo da Microsoft e da Amazon –, esta organização sem fins lucrativos coloca como sua missão “levar livros digitais a cada criança e a sua família, com o objetivo de melhorar suas vidas”. Se no começo – tal como apontávamos no relatório de 2011 – esta entidade só usava dispositivos Kindle, em 2012 incorporou os celulares como plataforma adicional. O catálogo deles chega hoje aos quase 40.000 títulos escritos em 43 idiomas, que foram disponibilizados por 150 editoras, dos quais quase a metade são africanos. Em termos de impacto, os livros digitais da Worldreader alcançaram quase 4 milhões de pessoas em 50 países, principalmente na África. Para esta tarefa, a entidade se associou com diferentes empresas tecnológicas, especialmente com o Facebook – para aparecer listada em FreeBasics –, com a Microsoft – para o desenvolvimento do aplicativo de leitura, entre outros – e com a Amazon – para a organização e a hospedagem dos dados. Vale a pena esclarecer que, em princípio, a Worldreader não doa os dispositivos, estes devem ser financiados por terceiros – chamados “sponsors” – ou pelas próprias escolas e bibliotecas, que devem escolher entre dois tipos de pacotes:

  1. O “blue box”, que contém 50 Kindles carregados com 100 textos (custo: US$ 7 mil).
  2. Ou o “book pack”, que contém entre 100 e 200 textos, mas sem dispositivos, já que estes devem ser disponibilizados pela escola ou biblioteca (US$ 4,5 mil).

Observamos também que a Worldreader não se dedica somente à tarefa de facilitar a leitura, também realiza um acompanhamento exaustivo de todos os dados envolvidos. Isso pode ser visto, por exemplo, no relatório do projeto LEAP, realizado pela Worldreader e o Serviço Nacional de Bibliotecas do Quênia (KNLS), com financiamiento da fundação Bill & Melinda Gates. O programa apresentou, entre seus objetivos, estudar durante o ano de 2014 o uso, função e adoção dos dispositivos Kindle no contexto das bibliotecas. O relatório posterior – bastante detalhado – explica que esta aprendizagem servirá para compreender “a expansão dos programas de leitura digital nas bibliotecas do Quênia e da África Subsaariana”. Por outro lado, em agosto de 2016, no marco da iniciativa Kindle Reading Fund, a Amazon anunciou que doaria milhares de Kindles para apoiar programas de leitura no mundo em desenvolvimento e que colaboraria novamente com a Worldreader para colocar em marcha o projeto LEAP 2.0 em 61 bibliotecas do Quênia.

A Worldreader – que tem uma ampla cobertura da imprensa internacional – pode aumentar sua presença no ecossistema do livro digital africano, à medida que forem se somando novas instituições – tanto públicas como privadas – ao projeto. Contudo, seria importante perguntar se não está repetindo aqui um esquema parecido com o do Facebook com Internet.org/FreeBasics, especialmente pelo fato de que as corporações intervindo extraem dados muito valiosos – tais como preferências temáticas, hábitos de leitura, entre outros –, obtidos de um modo muito simples e que poderiam significar uma vantagem decisiva quando chegar o momento de vender conteúdos digitais ou dispositivos, tanto aos governos quanto aos indivíduos.

 

Além das iniciativas internacionais, existem na África numerosos projetos sem fins lucrativos realizados por entidades locais e FunDza é, talvez, o mais conhecido. Criado em 2012 pela equipe da editora Cover2Cover, esta organização tem a proposta de estimular a leitura entre adolescentes e jovens adultos da África do Sul. Através do seu website – especialmente adaptado às telas de celulares – e de seu aplicativo para Android, FunDza oferece um catálogo de centenas de livros digitais gratuitos – contos, poesias e textos de não ficção. Em 2015, suas atividades beneficiaram cerca de 400.000 usuários que, no conjunto leram mais de 10 milhões de páginas. Os livros do FunDza estão incluídos nos serviços de FreeBasics na África do Sul e em outros países do continente, como Nigéria e Gana. Ao mesmo tempo, o site YoZa – que apresentamos no relatório de 2011 como um dos pioneiros no terreno da leitura móvel na África Subsaariana – cedeu sus textos à plataforma, para sua posterior distribuição.

Zimkhitha Mlanzeli – autora e editora do FunDza – faz uma interessante reflexãosobre a importância de utilizar os celulares no terreno da leitura:

“Os jovens querem ler sobre temas que conhecem, em uma linguagem compreensível. Os contos que escrevo falam diretamente com eles, que conseguem ver o mundo através dos olhos de cada personagem. Sei disso pelos comentários que me enviam. Também ajuda muito o fato de que minhas histórias são compartilhadas no lugar que os jovens passam a maior parte do tempo: em seus celulares. Meu celular não é meu melhor amigo – não consigo ficar olhando para ele o tempo todo. Mas eles conseguem. E precisamos fechar essa brecha que nos separa.”

Outro projeto relevante – também com sede na África do Sul – é o Book Dash, focado desde 2014 na criação colaborativa de livros infantis. As obras são oferecidas com uma licença Creative Commons, tanto em PDF pronto para imprimir como em formato original – InDesign –, para possíveis readaptações. Book Dash surgiu em certa medida como resultado das lições que seu principal impulsionador, o especialista em publicações digitais Arthur Attwell, extraiu da experiência de Paperight, uma plataforma que – como apresentamos no relatório de 2011 –, distribuía ebooks para imprimir em cibercafés e que precisou fechar suas portas no final de 2014. Em seu balanço retrospectivo, Attwell enumera diferentes fatores que podem ter dificultado o avanço do empreendimento, entre os quais poderíamos destacar os seguintes:

  • as publicações oferecidas gratuitamente por Paperight eram muito solicitadas pelos usuários; no entanto, quando a empresa tentou cobrar por elas – inclusive somas modestas, como 1 ou 2 dólares por cópia –, a demanda caiu abruptamente;
  • as editoras tradicionais que forneciam os textos originais não pareciam dispostas a explorar o novo modelo de negócio, de modo que só entregavam seus títulos menos atraentes.

É neste contexto que, para Attwell, faz muito sentido a ideia de distribuir conteúdos digitais com licenças abertas, como propõe a Book Dash:

Capa do livro What is it?, editado pela Book Dash

Capa do livro What is it?, editado pela Book Dash

“Na África do Sul, as soluções comerciais não alcançaram o sucesso esperado: se os clientes são apenas uns poucos early-adopters, então nunca haverá um mercado significativo. Para a maioria dos sul-africanos, os livros são um luxo ao qual jamais poderão ter acesso”.Por outro lado, a iniciativa African Storybook – impulsionada pelo Instituto Sul-africano de Educação à Distância (SAIDE) – oferece a possibilidade de criar, traduzir e adaptar livros ilustrados para um público infantil: suas mais de 400 obras, que foram traduzidas para 60 línguas do continente, podem ser baixadas de maneira gratuita, tanto para leitura digital como para impressão. Finalmente, Bookly e Nal’ibali também utilizaram as novas tecnologias – em especial dos aplicativos de Mxit – para distribuir conteúdos editoriais.

Em janeiro de 2015, com o patrocínio do Instituto Goethe, várias organizações e empreendimentos sociais citados anteriormente se encontraram em Joanesburgo. O encontro tomou como ponto de partida o relatório da UNESCO Leitura na era da mobilidade de 2014 e teve como objetivo discutir as oportunidades e os desafios da alfabetização e a leitura através dos celulares.

Publicações educativas distribuídas por agregadores e startups locais.

Nos últimos anos, surgiu na África um número considerável de empreendimentos digitais focados nos conteúdos educativos. Com sede em Nairóbi, o agregador Ekitabuabastece de livros eletrônicos 650 escolas da África oriental. A empresa tirou seu nome da palavra “Kitabu” – que significa “livro” no idioma suaíli – e em apenas 4 anos conseguiu criar um catálogo de 500.000 títulos em formato PDF e EPUB, fornecidos por mais de 40 editoras, tanto locais quanto internacionais.

E-limu, é outra empresa queniana que vende conteúdos pensados para os alunos de escolas primárias. Os materiais são distribuídos através de um aplicativo criado para dispositivos Android. No começo, a E-limu entregava os materiais pré-carregados em tablets, para evitar o problema da falta de conectividade. No entanto, a proposta deixava dois problemas sem resposta: 1) como fariam para atualizar os conteúdos? e 2) como iam assegurar a durabilidade dos dispositivos? Para enfrentar esses desafios, E-limu recorreu à BRCK: este empreendimento – surgido como tantos outros da incubadora local iHub – fabrica um tablet ultrarresistente chamado Kio e umroteador WiFi que capta sinais de celulares e é ideal para oferecer conectividade em regiões que não possuem acesso à Internet fixa, inclusive sem eletricidade.

Também podemos mencionar aqui o caso do QuickDo-BookBox, um serviço concebido em 2011 pelo engenheiro informático de Camarões – radicado na França – Dominique Buendé, para “converter e distribuir conteúdos em países do Sul, “especialmente em universidades, bibliotecas e centros culturais. QuickDo-BookBox oferece terminais dotados de 500.000 livros eletrônicos de diversas editoras, que podem ser baixados de tablets concebidas ad hoc. O projeto terminou ganhando oprêmio Orange dado a empreendedores sociais africanos (2013) e o prêmio ao empreendedor africano na França (2014).

Também lançado em 2011, Snapplify constitui um dos principais agregadores digitais do continente. Com escritórios em Durbanville, Londres e Nova York, esta empresa distribui os livros eletrônicos de mais de 250 editoras e os integra em sua plataforma de educação virtual. Em 2014, Snapplify apresentou SnappBox, um dispositivo que permite aos estudantes terem acesso aos conteúdos eletrônicos através de uma intranet, em vez da Internet.

Agregadores gerais e lojas por assinatura

Além dos empreendimentos tecnológicos que distribuem conteúdos educativos, existem diversos agregadores gerais e plataformas que propõem um catálogo deebooks por assinatura. Lançado em 2014 por Algérie Télécom, o site Fimaktabatioferece livros digitais de centenas de editoras. O acesso a seus dois portais – acadêmico e geral – custa 22 dólares por ano e pode ser abonado através de cartões pré-pagos. Além disso, a empresa impulsionou a criação da Nooonbooks, uma loja exclusivamente focada em textos em árabe, com mais de 30.000 títulos de ciências exatas, administração, ciências humanas, direito e cultura geral.

Fundado pela empreendedora nigeriana – residente no Reino Unido – Gersy Ifeanyi Ejimofo também em 2014, o projeto Digitalback Books propõe diversos títulos de literatura africana com um custo de assinatura mensal de 13 dólares. As obras podem ser lidas em aparelhos móveis, tanto Android como iOS.

O projeto egípcio Kotobarabia foi um dos primeiros agregadores de livros eletrônicos em árabe do mundo. Desde 2005, já digitalizou milhões de páginas e tem como principais clientes as bibliotecas dos EUA e da Europa.

Kotobi é outra plataforma com sede no Egito. Lançada pela Vodafone em 2014, essa livraria digital comercializa títulos em EPUB e está voltada principalmente para os aparelhos móveis. Uma das vantagens de Kotobi é que os pagamentos não são realizados apenas por cartão de crédito, mas também pela conta do telefone e até por SMS. Assim, não é casual que a plataforma tenha crescido consideravelmente: seu aplicativo para Android foi descarregado mais de 500.000 vezes, por usuários que consumiram mais de 1 milhão de livros. Com uma linha parecida ao que falávamos sobre comércio eletrônico africano, para Alaa Zaher – responsável pela área de Estratégia e Inovação de Vodafone e promotor do projeto Kotobi –, as limitações da distribuição física podem se transformar em uma grande oportunidade para a venda digital:

“Os leitores que moram fora das grandes cidades sempre se queixam da falta de livrarias. Querem ler, mas não encontram livros. Eles acabam vindo à Feira do Livro do Cairo uma vez por ano e voltam para suas cidades com bolsas cheias de exemplares. Esse é o segmento que temos como alvo. Nosso objetivo de longo prazo é fornecer livros digitais a todo o mundo árabe.”

No próximo artigo: as editoras africanas na era digital; os audiolivros: um formato em crescimento; a autoedição e a impressão sob demanda.

Octavio Kulesz é formado em Filosofia pela Universidade de Buenos Aires e atualmente dirige a Teseo, uma das principais editoras digitais acadêmicas da Argentina. Em 2010, criou a rede Digital Minds Network, junto com Ramy Habeeb (do Egito) e Arthur Attwell (da África do Sul), com o objetivo de estimular o surgimento de projetos eletrônicos em mercados emergentes. Em 2011, escreveu o renomado estudo La edición digital en los países en desarrollo, com apoio da Aliança Internacional de Editores Independentes e da Fundação Prince Claus. Sua coluna busca apresentar um panorama dos principais avanços da edição eletrônica nos países em desenvolvimento. Tablets latino-americanos, leitura em celulares na África, revoluções de redes sociais no mundo árabe, titãs do hardware russos, softwares de última geração na Índia e colossos digitais chineses: a edição digital no Sul mostra um dinamismo tanto acelerado quanto

http://www.publishnews.com.br/materias/2017/02/07/a-edicao-digital-na-era-da-mobilidade-africa-2/3

ligaguineensedireitoshumanos

Liga dos Direitos Humanos de Guiné Bissau descreve quadro sombrio

liga-dos-direitos-humanos-de-guine-bissau

A cidade de Bissau acolhe nesta segunda-feira, 6, uma conferência internacional sobre direitos humanos, numa altura em que os debates no país estão a ser animados pelos crimes cometidos por parte dos agentes policiais contra civis.

Há casos também de alegados suicídios, em circunstâncias duvidosas e mortes por tortura nas celas de esquadras policiais, assim como as péssimas condições nos centros prisionais em Bissau, concretamente, na 2a esquadra e na Polícia Judiciária.

Neste cenário, acrescenta-se ainda a violência contra as mulheres e crianças, os casamentos precoces e a mutilação genital feminina, um fenômeno que a lei ainda não consegue conter, mesmo com as medidas punitivas previstas na legislação.

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto Mário da Silva, apresentou um quadro sombrio da violação dos direitos do homem na Guiné-Bissau, e afirmou que os direitos humanos não têm sido uma das prioridades do Estado guineense.

“Depois de mais de 40 anos da independência, a problemática dos direitos humanos continua longe das prioridades dos sucessivos inquilinos do poder, fazendo da Guiné-Bissau parte integrante de uma lista restrita de países sem nenhum plano ou estratégia nacional pública de promoção e respeito pelos direitos humanos”, acusou Silva.

Participam na conferência, representantes de organizações internacionais, sobretudo da sub-região africana.

O presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, aproveitou a abertura do evento para deixar um apelo à classe política guineense para respeitar o Acordo de Conacri.

“Apelo à classe política, com ênfase ao Presidente da República para colocarmos os interesses dos guineenses em primeiro lugar, deixando de lado as nossas querelas, as nossas divergências pessoais e partidárias e assim implementar o acordo de Conacri”, sublinhou.

Fonte:http://www.voaportugues.com/a/direitos-humanos-debate-guine-bissau/3708102.html

000000000000000000

Reforma do Judiciário de Guiné-Bissau: é urgente – Liga dos Direitos Humanos

guinea-bissau-political-map

Bissau – O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto Silva, defendeu nesta segunda-feira ser “urgente” reformar o sistema de justiça do país que classifica como um instrumento de propagação de incertezas, noticiou a Lusa.-A

MAPA DA GUINÉ-BISSAU

O dirigente falava na abertura de uma conferência internacional sobre Direitos Humanos co-organizada com duas instituições portuguesas no âmbito do projecto Observatório dos Direitos.

Augusto Mário da Silva aproveitou a ocasião para criticar a recente decisão da justiça guineense que mandou desalojar cerca de duas centenas e meia de famílias num bairro periférico de Bissau, acusadas de ocupação ilegal de terreno.

As famílias conseguiram reverter a situação por ordens do Governo guineense, volvidas algumas horas ao relento.

Os desalojados prometem contestar a decisão junto do Supremo Tribunal de Justiça.

Para o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, a situação foi “uma demonstração clara da urgente e imperiosa necessidade de se proceder à reforma do sector da justiça”.

“Esta inovadora decisão judicial, para além de ser insensata, viola de forma grosseira o direito vigente na Guiné-Bissau”, observou Augusto Mário da Silva.

O dirigente da Liga dos Direitos Humanos notou serem recorrentes situações semelhantes “em que o Estado prejudica e violenta dos cidadãos” pelo que, disse, a reforma do sistema judicial é necessária e urgente, defendeu.

O delegado da União Europeia, na Guiné-Bissau, o português Victor Madeira dos Santos, cuja instituição financia o projecto Observatório dos Direitos, sublinhou que em democracia o Estado deve trabalhar para a melhoria das condições de vida da população.

Cada governante “deve saber contribuir para expandir a liberdade individual de cada cidadão”, frisou.

http://www.angop.ao/angola/pt_pt/noticias/africa/2017/1/6/Guine-Bissau-Reforma-sector-justica-urgente-Liga-dos-Direitos-Humanos,d2c1a667-ad5d-43c9-80c0-8ca4179ab959.html

adelinotimoteo

“Um dos problemas da literatura moçambicana é estar trancada num beco sem saída”

adelino-timoteo

Adelino Timóteo é um dos escritores nacionais que mais publica na actualidade. Tal evento concorre para que o autor de Nós, os do Macurungo seja alvo de alguns “ataques” por parte dos seus homólogos. Mas Timóteo não se deixa levar com as “querelas” à volta da sua velocidade de escrita. Pelo contrário, nesta entrevista, o artista realça o seu compromisso com a escrita – escrevendo como se quisesse resgatar o tempo furtivo da infância –, fala dos valores que lhe caracterizam como homem, dos traços que lhe são peculiares como criador, refere-se a alguns problemas da literatura moçambicana e deixa recados aos escritores e aos políticos.

A sua obra perpetua um fascínio por civilizações antigas. Por exemplo, a Grécia e, mais recentemente, o Egito lá estão. Como reage a esta constatação?  

Antes de tudo, devo confessar-te a minha paixão literária. Tenho um vínculo muito forte com a língua e com a leitura, desde os meus nove, dez anos. E por vezes surpreendo-me nestas constatações, trabalhadas ao nível do inconsciente. Lembro-me agora de um livro que li para aí aos dez anos, Escorpiões do Deserto, de Hugo Pratt, que me permitiram o fascínio ao Egito daspirâmides, dos mitos. Na quinta classe, o Egipto foi também um dos temas de fascínio. A escrita nasce dessa herança entre o transcendental e a contemplação. Li o livro Carta a Greco, de Nikos Kazantzakis, nos meus dezassete anos. Fiquei fascinado com a quantidade de imagens. Mais tarde, aos trinta e quatro, surpreendi-me a escrever Viagem à Grécia. Portanto, o meu grande trabalho talvez esteja na leitura, depois tudo frui como marcas de entrosamento com outras coordenadas. Trabalho de rescrita e desconstrução, que termina na criação do meu universo.

adelinotimoteo

E esse processo da configuração civilizacional e espacial faz-se através de uma viagem que entrecruza tempo e espaço, como se pretendesse sugerir que o melhor da Humanidade está no passado… Quis com O corpo de Cleópatra estabelecer uma relação da rainha egípcia com o continente?

Não pretendo sugerir que o melhor da Humanidade esteja no passado. Devo dizer-te que tudo opera debaixo da matriz em que me sinto um cidadão do mundo, porque a minha formação cultural e literária são nutridas dessa dimensão de ser, do sentir. Escrevo como se quisesse resgatar o tempo furtivo, da infância, da adolescência, conectar-me com vozes e ressonâncias universais. Repara, hoje se fala do feminismo e vão buscar exemplos a Madame Bovary. Mas temos aqui perto a Cleópatra, as donas dos prazos. É um pouco um piscar de olhos a um espaço geográfico e mito que nos pertence por herança, mas de que somos passivos.

 

Publicou, há alguns anos, uma obra dedicada ao público infanto-juvenil, Na aldeia dos crocodilos, a qual mergulha no Zambeze com realismo fantástico. Porquê escolher esta linha do (im)provável e terror nesta conversa com as crianças?

As minhas primeiras leituras infantis foram Os cinco e os sete, de Enid Blyton. Se chama isso terror não sei como encararia os livros de Blyton, onde não faltam fantasmas e mistério. Com Na aldeia dos crocodilos pretendi oferecer histórias que ouvia em miúdo, sobre aquele universo que tanto me fascinou, de um submundo, contraponto de Alice no País das Maravilhas. Repara que os alunos da Escola Portuguesa de Maputo encenaram Na aldeia dos Crocodilos. Um grupo de canto e dança da Beira tem estado a encenar o mesmo livro.

 adelinotimoteo1

É muito ligado à sua terra – Nós, os do Macurungo é um exemplo claro disso. É daqueles autores que tem ou teria dificuldade em escrever fora do país?

Devo esclarecer-te que escrevi Nós, os do Macurungo, para aí aos 40 anos. É um livro de pausa. De exercício memorialístico. Muito preocupado com a verdade e a contemplação do tempo. Talvez nunca mais fique curado dessa ligação intrínseca a Macurungo. E ainda bem. Saí de lá aos 26, mas precisei de muitos anos de distância para escrever sobre o mesmo. E o resultado foi óptimo. É muito procurado. Está praticamente esgotado. Tenho já esboçado a segunda parte deNós, os do Macurungo. É uma questão de metodologia. Mais tarde, encontrei a mesma perspectiva sistemática, quando li O peixe na água, de Vargas Llosa, ou mesmo A tia Júlia e o Escrevidor, desse mesmo autor. Se quiser, Viver para contá-la, de Garcia Marquez. Ou Não chora, criança, de Ngugi wa Thiong’o. Se teria dificuldade de escrever fora do país? Diria que não. Fiz uma experiência pioneira com Não chora, Carmen, em 2009, quando cheguei à Espanha. Tenho pretensão de escrever algo sobre a comunidade africana de Lisboa, uma das cidades intrinsecamente ligadas a minha vida, pois penso que um dos problemas da nossa literatura é estar trancada num beco sem saída. Elementos e símbolos externos enriquecem qualquer literatura.

adelino-timoteo

Falando na terra, há oito anos publicou Nação pária, obra que inventa o desaparecimento de uma nação, questiona a existência de cidadãos e não se esquece do medo. Escreveu este livro tentando vaticinar o que hoje caracteriza a sociedade moçambicana?

Não tentei vaticinar nada. O livro fez-me o favor de ser intemporal. Eu tenho o hábito de ir fechando etapas, ir fechando épocas que vivi ou sobre as quais descorri, ouvi falar. A guerra foi uma delas. Quando era adolescente ouvi como os capitães de exército se enriqueciam à custa da guerra. Daí, em Nação Pária, há uma personagem que diz algo assim: “Nós inventamos a guerra para enriquecermos”. E sempre que isso se passar em Moçambique o livro ganhará actualidade. Vimos como foi urdido o processo das aquisições de armas e com quem ficou o dinheiro. Vimos como se inventaram as duas últimas guerras. Eu acho que a guerra é uma invenção com certas premissas, ou totalitárias ou de enriquecimento ou de domínio de uma tribo sobre a outra.

 

O que julga que os moçambicanos, sobretudo aqueles que não gostam e nem investem na política, devem fazer para recuperar a utopia de que se constrói o projecto de nação?

Para recuperar a utopia devemos ser mais tolerantes. O país deveria criar um fórum nacional sobre a paz, para discutir mensalmente cada questão que periga a paz, ser uma instituição que promova debates itenerantes. Que esse fórum funcionasse como uma instituição que juntasse actores políticos e da sociedade civil independente, onde se pudesse desperir da balalaica e do casaco partidário e se discutisse activamente a cidadania.

Acredita no seu país?

Acredito em Moçambique, razão porque falo de um fórum da paz a diversos níveis, onde os partidos beligerantes, cada chefe local, todos os segmentos da sociedade, fossem chamado a representar e dialogar. Uma vez por mês subia ao púlpito, na voz de políticos representante das suas hostes, e falavam das linhas de fraquezas e forças da paz, buscar caminhos conjuntos. Sermos mais abertos, porque sempre somos atropelados quando as coisas não têm conserto, quando o fogo nos tem dentro da sua cintura. Se fosse assim por um período de 10, 15, 20 anos, seríamos um país com as instituições consolidadas e fortes. Moçambique tem tudo para ser uma potência de África e do mundo. Tem riqueza que chega para todos. Falta é de inteligências.

 

Numa apresentação do seu livro vinquei que “apocalipse” é um tipo de literatura próprio das épocas de perseguição e de crise, tentando convencer aos deprimidos que a vitória final será dos bons. Agrada-lhe que Apocalipse dos predadores possa ter esta interpretação?

Não tinha reparado nisso. Ainda bem que a tua sensibilidade captou essa mensagem de esperança.

 

Uma personagem desse livro diz: “O segredo desta burguesia é que criou uma utopia e, enquanto nós nos distraímos da utopia socializante, eles esbanjam do erário público, para acumular propriedades, as suas fartas mansões, os seus faustosos carros de luxo”. Identifica-se com esta reflexão?

Eu identifico-me com essa reflexão, pois quando miúdo bebemos muito a ideologia do partido Frelimo. A música era o internacionalismo, o campesinato, o proletariado e a solidariedades com os mauberes, namíbios e saharuis. Havia aquela imagem dissuasora do Xiconhoca nos jornais de parede e na revista Tempo. De repente, nos tempos que correm, alguém proferiu um discurso cheiroso prometendo que vai haver mais roubo. E uma vez a lição que nos transmitiram iluminava para a austeridade, fica-se num vácuo. E lembro-me que nos meus dezanove anos, quando o Estado ressentiu-se da falta de escolas, criaram-se escolas comunitárias. Eu e o Carlos Pinto fomos dar aulas, debaixo de cajueiros, em casa da anciã Laura Arouca. Não ganhávamos nada, mas estávamos contentes. Custa muito convencer o povo sobre o voluntariado, porque lá em cima o ensinamento que se incute é apego ao dinheiro.

 

Para quê questiona a heroicidade dos libertadores da pátria à luz dos comportamentos revelados ao longo das últimas quatro décadas, em Apocalipse dos predadores?

Esta pergunta parece ter resposta nas anteriores. O oportunismo da esquerda produziu novos ricos, que ao mesmo tempo querem ser visto como puros. Cada um quer ser legítimo para deslegitimar o outro.

 

Desafio-lhe a comentar o seguinte excerto de Amílcar Cabral, retirado do livro de Oleg Ignatiev: “Camaradas, isto é que é África! A nossa tradição é essa! Quem é chefe é cantado, e quem vem atrás para cantar de vez em quando recebe uns tostões e fica calado”.

Na cultura em que me eduquei não se fica calado, nem há espaço a bolas de sabão. Manda-se às urtigas. Isso! Às urtigas!

 

É um autor que está a escrever e a publicar constantemente, o que não é comum no país. E isso, eu sei, já lhe criou algumas “incompreensões”. As críticas dirigidas à sua velocidade de publicação condicionam-lhe? Que conclusões tira dessa estupefação dos seus homólogos?

Já me apercebi que alguns começaram a padecer de urticária desde que me tornei regular. No meio em que eu nasci e cresci este ambiente de hostilidade, quase mobbing, quase bullying, não existe. Na Beira cada novo livro meu é celebrado. De Maputo, vem as zangas. Jorge Luís Borges diz que “quando te detractam é sinal de que estás no bom caminho”. Ainda bem que tenho educação. Estou num dos momentos mais plenos de vida e de criador. Continuarei com o meu ritmo. Alguns querem vir no meu “mercedes”, mas no meu volante ninguém pega! O Rui Knopfli, meu mestre, dizia: “Não deixa que o óxido dos políticos entre na lâmina dos teus versos”. Vê, cada um pode oxidar-se como quer. Quando em 1996 o Filimone Meigos, fazendo digressão pelo país, para estabelecer equilíbrio na difusão da literatura, escalou a Beira, à busca de escritores com originais, eu fui o único que tinha pronto Os segredos da arte de amar. E foi acontecendo que nesse espírito, de que escritor é quem escreve, fui amontoando a gaveta de outros livros. Como não sou assíduo de barracas, tenho opção. Lá vou escrevendo.

 

Paulina Chiziane e Mia Couto foram alvos de muitos ataques ao longo da carreira literária. Sente-se na condição de ser alvo de alguém ou de alguma coisa?

Eu entrei para a escrita muito ingénuo. Tinha aquela concepção de que escrever é antes de tudo ler os contemporâneos. Eu li os meus contemporâneos todos e fui publicando recessões escritas no Savana e na Lua Nova, da AEMO. Quando Os segredos da arte de amar ficou pronto, para lançamento, ninguém me quis apresentar o livro. Lembrei-me muito daquela rapsódia do Nikos Kazantzakis, A Escola Comunal, que para mim, deve ter inspirado As mãos dos pretos. Fala com um e este dizia para ter com o outro, aquele, aqueloutro, etc, jogo de empurra. E depois um crítico escreveu um texto no Savana sobre “um escritor da Beira, de cujo nome esqueço-me sempre”. Eu era durante muitos anos “aquele escritor da Beira, de quem se esqueciam sempre do nome”. E a graça está aqui. Uma forma de manter a velha premissa de esquecimento é obullying, assassínio de carácter. Ou seja, criarem-se artifícios de tipo donos da bola: “Não escreva poesia”, “não, escreva poesia e nunca prosa, porque isso não é para ti”. Eu estudei o fenómeno. Isto passa-se também na Espanha. O problema é o mercado. O mundo literário é feito de vaidade. Os egos feridos.

 

Sente-se um escritor incompreendido?

A escrita deu-me prestígio, muito mais do que eu imaginei alguma vez e não posso exigir mais.Eu sinto que sou um autor não só compreendido, como acarinhado. Sinto-me privilegiado como autor de Moçambique, pelo crescente número de estudos sobre a minha obra não só no país, como em universidades de Portugal, Espanha e Brasil. Quando vou pelas ruas há algo muito marcante, o afecto das pessoas. Não quero mais do que o muito carinho que recebo, sinal óbvio de que a minha mensagem as têm alcançado. Alguns noviços me tratam por mestre. Não me suscita vaidade, pois passo a relacionar-me como amigo deles. Pedem-me todas as semanas que leia seus manuscritos. Pedem-me que os prefacie. E o problema é que, infelizmente, não consigo responder a todos como desejava, porque a demanda é maior e escasseia-me o tempo.

 

De onde vem esse poderio todo e urgência de querer dar voz às palavras?

Simplesmente tenho certo comprometimento com a escrita e uma “disciplina jornalítica”. Não é por acaso que no passado a maioria de escritores faziam carreira depois de passarem pelo jornalismo ou paralelamente. Escrever não é um fim em si. Há todo aquele trabalho de ourives. Burila-se, até sete ou oito versões do mesmo livro, em dois ou três anos. O tempo que medeia um e outro livro é no mínimo esse. É difícil ser faquir, daí haver mais propensão para frequentar barracas e apedrejar aqueles que investem oito horas por dia, curvados a acariciar os teclados.

 

Se pudesse reinventar Moçambique através da ficção, como seria?

Uma mãe que tem vinte e cinco milhões de filhos. Não uma gata borradeira. Mas uma mãe generosa, com um regaço onde cabem todos. Uma mãe-galinha, talvez, que não desampara os seus filhos, que os acoita, no seu útero. Um pouco infantil essa ideia, porque temos uma mãe-galinha que não consegue exercer a providência social e é apedrejada, velipendiada, depois se lhe queimam os pés, lhe saqueiam os ovos. A mãe-galinha pobre coitada que não tem um único ovo para si mesma, inconsolada a chorar, porque não tem nada com que abastercer os pintainhos, pois os corvos, essas aves de rapina, abocanharam-lhe todos os ovos.

Sugestões artísticas para os leitores do jornal O País?

Ventos do apocalipse, de Paulina Chiziane, e Maputo blues, de Nelson Saúte.

 

 

Perfil

Adelino Timóteo nasceu a 3 de Fevereiro de 1970, na Beira. É formado em Docência de Língua Portuguesa e em Direito. Além de escritor, é poeta, artista plástico e jornalista. Possui vários livros publicados, como: Os segredos da arte de amar, Mulungu, A virgem da babilónia, A fronteira do sublime, Viagem à Grécia através da Ilha de Moçambique, Livro mulher, Dos frutos do amor e desamor até à partida. É vencedor do Prémio Literário BCI (2011), do Prémio Nacional Revelação de Poesia AEMO (2001) e do Prémio Anual do SNJ para a Melhor Crónica Jornalística.

 

isabel

Isabel dos Santos viaja para Portugal e ‘reclama’ do tempo de espera

dd

Isabel dos Santos viajou para Portugal este sábado, dia 4, como mostrou nas redes sociais “A nossa Taag a voar mais alto…”, escreveu a filha do presidente angolano, José Eduardo dos Santos, na legenda da montagem fotográfica publicada no Instagram, onde mostra o bilhete de avião. Mais tarde, quando chegou a Lisboa, Isabel dos Santos voltou a recorrer à mesma rede social para se ‘queixar’ do tempo que esteve à espera no autocarro. “A cara que se fica às 6:30 da manhã aeroporto de Lisboa – 30 minutos fechados dentro do autocarro cheio esperando… esperando…”, disse.

Fonte: Noticias ao minuto/RM

http://tpa.sapo.ao/noticias/sociedade/isabel-dos-santos-viaja-para-portugal-e-reclama-do-tempo-de-esper

mandume2

Rei Mandume-ya-Ndemufayo (1917-2017), de Angola

mandume2

“Resistência à ocupação no sul de Angola, século XX”, uma mostra comemorativa do centenário da morte do soberano cuanhama Mandume-ya-Ndemufayo (1917-2017) , organizada pelo Arquivo Nacional de Angola. Segundo o secretário de Estado, existe muita matéria documental sobre os soberanos em Angola, que precisam de ser do conhecimento público. O modelo de gestão do seu território, as técnicas de guerra e as tomadas de medidas políticas e econômicas, devem ser inseridos nos manuais escolares de Angola.

mandume1Os documentos em posse do Arquivo Nacional de Angola refletem as ideias das autoridades portuguesas e inglesas sobre os feitos de Mandume, considerados como atos de vandalismo.
Parte desses arquivos estão no formato de telegramas codificados, demonstrando a confidencialidade do tema em tratamento, tradução de um território das autoridades alemã e inglesa sobre a chamada “atrocidades”, do soberano e troca de correspondência entre as autoridades portuguesas e as alemãs.

mandume
Os documentos fazem ainda referência à notícia sobre a morte de Mandume, publicada em jornais portugueses, às armas encontradas com o soberano após a sua morte e também a algumas fotografias de Mandume junto de uma delegação inglesa, tirada em 1915. Segundo alguns documentos expostos, o rei Mandume foi um hábil diplomata, político e líder que soube resistir à ocupação colonial nos seus territórios, congregando forças de vários povos para esse efeito, que usou todas as armas ao seu alcance.
Os documentos realçam que os seus inimigos reconheciam a sua bravura e estratégia, tecendo-lhe elogios, como o do general Pereira de Eça que chefiava as forças portuguesas na batalha do Môngua. Esses registos aguardam estudos, análises e interpretação para se desvendar e melhor conhecer a resistência imposta pelos autóctones no sul de Angola à penetração e ocupação colonial, contribuindo para colocar mais um alicerce na história de Angola.

Cunene

O centenário da morte do rei Mandume-ya-Ndemufayo foi celebrado, ontem, na localidade Oihole, município de Namacunde, província do Cunene.
Mandume-ya-Ndemufayo foi soberano destemido dos cuanhamas, e liderou a resistência contra a ocupação colonial portuguesa na região Sul de Angola, que preferiu a morte, por suicídio a 6 de Fevereiro de 1917, para não ser dominado.
Segundo o programa da efeméride, estão reservadas inúmeras actividades que decorrem no Complexo Turístico de Oihole, com destaque para a realização de uma conferência com os temas “Mandume-ya-Ndemufayo, último rei dos cuanhamas, 100 anos da batalha de Oihole” e um resumo dos acontecimentos do Vau do Pembe até à batalha de Oihole.
Passados 100 anos, Mandume é venerado pelo povo da tribo ambó, localizado no sul de Angola e no norte da Namíbia, por preferir a morte, ao invés de ser capturado e, consequentemente, colonizado pelos portugueses. Para enaltecer a figura do rei, em 2000, foi construído o Complexo Turístico em Memória do Rei, cujo acto inaugural foi presidido pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, ladeado pelo antigo Presidente da Namíbia Sam Nujoma.
No túmulo, lê-se as suas célebres palavras: “se os ingleses me procuram, eu estou aqui, e eles podem vir e montar-me um ardil, não farei o primeiro disparo, mas eu não sou um cabrito nas mulolas, sou um homem…e lutarei até gastar a minha última bala.”

http://jornaldeangola.sapo.ao/cultura/patrimonio/rei_mandume_homenageado_na_terra_natal