Menu

Brasileiros disputam o mercado de leite, queijos, iorgutes na Africa do Sul e Botswana

Africa_s Big 7 Saitex

Pela primeira vez, uma missão comercial de prospecção brasileira esteve nas cidades de Johannesburgo (África do Sul), Gaborone (Botsuana) e Windohoek (Namíbia) com objetivo de promover produtos do agronegócio com foco, principalmente, em lácteos (leite em pó, queijos, iogurtes, requeijão) para ampliar as exportações.

Reuniões – Delegação, formada por representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e de cooperativas agropecuárias do Mercosul, participou de reuniões com órgãos do governo e de rodada de negócios com associações e empresas importadoras. A missão se encerrou neste domingo (01/07).

Ampliação – De acordo com o secretário de Mobilidade Social, Produtor Rural e Cooperativismo do Mapa, José Doria, a missão visou ampliar exportações, aproveitando acordo de comércio entre os dois blocos, e traçar estratégias para ação conjunta na região. Acordo Mercosul – Sacu (União Aduaneira formada pela África do Sul, Namíbia, Botsuana, Lesoto e Suazilândia) assegura preferências tarifárias a produtos brasileiros, possibilitando acesso a um mercado de cerca de 65 milhões de consumidores.

Saitex_Africa_Big_7_0003.jpg

Feira – A delegação brasileira participou na última segunda-feira (25/06) da Feira Africa’s Big 7/ Saitex, em Joanesburgo. Com participação de 36 países, a feira comercial de alimentos e bebidas, reuniu fornecedores e compradores de vários segmentos de atividades de todo o continente africano.

Africas Big 7Saitex

Principais produtos – Os principais produtos agrícolas exportados pelo Brasil para a região são soja, milho, sorgo, arroz, carnes de aves, fumo não faturado, açúcar, entre outros. (Mapa)

http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/index.php/sistema-ocepar/comunicacao/2011-12-07-11-06-29/ultimas-noticias/118318-mercado-brasil-busca-mercados-em-paises-da-africa-para-produtos-lacteos

 

Advertisements

Ensinar é um acordo entre duas pessoas, um que será o professor e outro que será o aluno.

É hora de criar formas de avaliar habilidades do século 21

A professora norte-americana Katherine Merseth quer mudar a maneira como os professores aprendem, para que eles possam ensinar de forma diferente

Por: Soraia Yoshida
Katherine Merseth é professora sênior da Escola de Educação da Universidade de Harvard e veio ao Brasil para o lançamento do livro Desafios reais para o cotidiano brasileiro   Foto: Acauã Fonseca 

A professora norte-americana Katherine Merseth está em busca de casos. Ela e sua equipe já acompanharam as aflições, problemas e conquistas de professores em países como Chile, África do Sul e, mais recentemente, Brasil. Ao levantar e publicar as histórias de professores e seus desafios em sala de aula, Katherine expõe fracassos – mas também incríveis vitórias. “O maior elogio que posso receber de um professor é quando ele pega meu livro e diz: ‘Mas essa escola da qual você fala aqui parece com a minha escola’”, afirma. “Quando falamos nos desafios da Educação, há questões que são comuns a professores nos Estados Unidos, Alemanha ou Japão e que nos conectam aos estudantes”.

katherine merseth

O livro “Desafios reais do Cotidiano Escolar Brasileiro: 22 dilemas vividos por diretores, coordenadores e professores em escolas de todo o Brasil” reúne relatos de professores e gestores sobre experiência em sala de aula e na organização escolar. Professora sênior da Escola de Educação da Universidade de Harvard, Katherine Merseth coordenou o trabalho que utilizou a metodologia da instituição norte-americana para levantar a discussão sobre os desafios enfrentados pelos educadores nas escolas brasileiras. Há casos de bullying, violência, questões étnico-raciais, tudo dentro da experiência de quem viveu o problema e foi buscar uma solução – com a ajuda dos colegas, gestores, alunos e da comunidade escolar.

 

Para Katherine, o estudo dos casos, com suas evidências, é uma forma de compartilhar experiências com professores em situações muito similares, ainda que separados por fronteiras estaduais e municipais. Da mesma maneira, poderia servir ainda para dar exemplos em sala de aula de como adotar competências socioemocionais, seguindo o que diz a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). “Os professores podem ler casos de outros professores que dão uma aula que envolve o aprendizado de competências socioemocionais. E, com isso, eles passam a entender melhor”, afirma. É muito mais fácil assimilar a experiência de alguém que passa pelas mesmas dificuldades e fala a mesma língua, garante a professora. “Precisamos de mais casos para que os formadores, os professores em início de carreira e os professores experientes possam assimilar essas competências”.

 

A dinâmica desse aprendizado também é um ponto muito importante. Com a implementação da Base, há uma discussão que toma corpo sobre como deve ser feita a formação dos professores. Katherine é enfática em sua posição. “A melhor maneira de um professor aprender é estudando um caso, não através de aula expositiva. Então precisamos registrar mais casos sobre aprendizado de colaboração, resolução de problemas, resiliência, pois essas são as habilidades que os alunos precisam. Eles não precisam de mais aulas sobre como conjugar verbos”.

Ainda que Katherine possa ter um olhar crítico para as demandas não atendidas em sala de aula, ela não se vê acima dos educadores que, diariamente, enfrentam os desafios de transpor as barreiras da desigualdade para oferecer conhecimento. Toda vez que ela tinha de se apresentar, não hesitava: “Eu sou uma professora”. “É assim que eu me apresento às pessoas porque é o que eu sou”.

Em sua passagem pelo Brasil, a convite do Instituto Peninsula, Katherine Merseth conversou com NOVA ESCOLA sobre os dilemas dos professores, formação continuada e algumas observações para melhorar a Educação no país.

Em seus estudos sobre a experiência dos professores em sala de aula em países como Chile e África do Sul, você encontrou semelhanças com o cenário brasileiro?
No trabalho que fizemos no Chile, encontramos um diretor que tinha em sua escola de ensino médio alunos bolivianos e chilenos. Os bolivianos queriam comemorar o Dia da Independência na Bolívia, mesmo vivendo no Chile. Aqui no Brasil, registramos o caso de um professor que fala sobre os venezuelanos que cruzaram a fronteira e estão no Brasil. Em qual nível, as escolas dessas cidades de fronteira devem respeitar a cultura venezuelana é uma questão levantada por ele. Aqui estamos falando de assimilação da comunidades. Tivemos casos em que o problema não estava na escola, mas no entorno. Conversamos com Jefferson, um diretor de uma escola situada em uma comunidade no Rio de Janeiro. O dilema dele era decidir se, em certos dias, ele deveria manter a escola aberta ou fechá-la, sabendo que a escola estivesse fechada, as crianças voltariam para casa e estariam suscetíveis ao perigo nessa caminhada, além de ficarem sozinhas em casa, pois os pais trabalham. Mas há casos semelhantes na África do Sul se pensarmos em termos de diminuir a desigualdade, um desafio que pode ser visto em muitos lugares e culturas. Há um caso de um educador na favela de Sowetto que tenta educar crianças que não contam com apoio da família. E há casos semelhantes aqui no Brasil. Então há semelhanças e, claro, diferenças. E acho que essa é a coisa mais poderosa nesse trabalho.

Como a sra. espera que professores façam uso desses casos?
Eles podem conhecer e entender experiências vividas por outros professores, seja em Brasília, no Amazonas, no Rio de janeiro. Eles podem ler os casos e ver algo que pode servir para eles. O maior elogio por parte de um professor é quando ele pega meu livro e diz: “Esta escola parece com a minha escola” ou “Isso aconteceu comigo ontem”. Quando falamos nos desafios do ensino, há desafios que enfrentamos nos Estados Unidos, na Alemanha, no Japão. Existe uma questão que é comum conectando os professores aos estudantes.

 

Em seus estudos em outros países, a sra. se deparou com alguma solução que poderia ser usada em qualquer escola ou sempre há uma barreira local que torna isso impossível?
O contexto de uma escola, onde está localizada, quem são os alunos, como é a comunidade, se essa escola tem apoio do governo, qual a política pública para esse local, todas essas coisas vão variar bastante. Mas quando estou dentro da sala de aula, quando estou diante dos meus alunos, é um contrato entre eu e meus estudantes. Ensinar é um acordo entre duas pessoas, um que será o professor e outro que será o aluno. E isso é universal. Quanto mais pudermos ajudar os professores brasileiros a reconhecer os alunos que estão diante deles, a educação se tornará melhor. E isso considerando famílias, pais, governos, dadas todas as diferenças. O problema é que vemos uma ânsia enorme em vários países em copiar o que está sendo feito na Finlândia, Singapura, Japão ou Canadá. Algumas coisas vão funcionar, mas você não pode simplesmente pegar um modelo e colocar em prática, na esperança que os professores levem a ideia adiante.

No ano passado, tivemos a aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). 
Eu acho que o Brasil deu o primeiro passo ao aprovar a Base e isso é excelente. Todos agora têm um objetivo em comum e há um entendimento sobre o que deve ser ensinado. E poderá ajudar os professores a entender como dar sua aula de forma diferente. É um exemplo perfeito de boa política pública. Agora, se vai fracassar ou se será bem-sucedido vai depender de quão bem será implementada, como a maioria das políticas públicas.

A Base deixa claro que o ensino das disciplinas deve ser perpassado pelo ensino de competências socioemocionais. É claro que não existe receita de bolo, mas como trazer essa nova mentalidade para a sala de aula?
A melhor maneira de um professor aprender é estudando um caso, não através de uma aula expositiva. Precisamos registrar mais casos sobre o aprendizado de habilidades socioemocionais para que os formadores, os professores em início de carreira e os professores experientes possam assimilar esse ensino. Podem ser casos sobre colaboração, resolução de problemas e outras competências que os estudantes precisam desenvolver. É disso que eles precisam, não mais aulas sobre como conjugar verbos.

Então o que precisamos fazer é colocar os professores, durante a formação, no lugar do aluno em atividades colaborativas, para que saibam como dar essa aula depois aos seus alunos?
É isso mesmo. Professores ensinam do jeito que foram ensinados. Não deveria ser uma surpresa, portanto, que um professor que aprendeu através de aula expositiva, vá ensinar seus alunos com aulas expositivas. Se os professores forem ensinados com atividades, trabalho colaborativo, eles vão dar aulas com essas características a seus alunos. É por isso que precisamos mudar a prática de trabalho. Se continuarmos apenas com aulas expositivas, acabaremos nos concentrando na teoria e eles não estarão preparados para dar aula nesse novo formato. Então eles precisam ser ensinados em uma nova maneira, exatamente como você mencionou. Precisamos quebrar esse círculo.

E para quebrar esse círculo, a sra. acha que deveríamos primeiro atacar a formação dos professores que ainda estão na faculdade ou pegar aqueles que já são experientes?
Eu quero os dois. Esse processo vai depender de quantos novos professores são necessários no Brasil. Nos Estados Unidos, já contamos com um bom número e nosso esforço tem de ir para a formação continuada. Os professores experientes são mais difíceis de convencer porque eles querem entender o que é essa novidade, se isso significa mais trabalho. Outro ponto, além do fato de que professores ensinam do jeito que foram ensinados, é que quando você implementa mudanças em qualquer organização, governo, escola, negócio, há uma perda. Eu sou professora de Matemática e adoro esta equação: mudança = perda. Como seres humanos, não gostamos de perder coisas e, portanto, nós reagimos. Mesmo que estejamos mudando para algo melhor, seja nos negócios, na lei, na medicina, as pessoas vão resistir. Os professores não são exceção. “Não preciso disso. Eu sei como dar aula”.

Outro aspecto da mudança é que leva tempo. Não podemos mudar a prática em sala de aula do dia para a noite. Mas nós podemos começar. E eu defendo a tese de que se você não começar em algum lugar, você nunca vai mudar nada. E se você começar, será capaz de mostrar evidências. Será capaz de mostrar que há escolas com melhor desempenho, nas quais os estudantes estão se saindo melhor, estão mais engajados porque suas aulas são interessantes. Eles vão para a escola mais animados porque o professor está ensinando algo que querem aprender, em lugar de uma aula expositiva chata, cheia de teoria.

Como professora, a sra. acredita que essa mudança pode ganhar mais força se professores compartilharem boas práticas com os colegas?
Com certeza. Uma prática que funciona no Japão e que poderia ser adotada aqui chama-se estudo de lição (lesson study). Um grupo de professores que dá aula da mesma disciplina e do mesmo assunto trabalha junto para montar a melhor aula, digamos, de divisão de frações. Esse plano de aula é executado por um deles em sala de aula, enquanto os outros ficam no fundo da sala observando e fazendo anotações. Eles se reúnem outra vez e discutem o que não funcionou na classe e revisam o plano de aula. O plano é levado para os alunos novamente para ver se funciona. Depois de três ou quatro aulas práticas, nós temos um plano de aula muito bom. Os professores japoneses salvam esse plano. E na próxima vez que um professor tiver de ensinar divisão de frações, ele vai usar esse plano. Então, há colaboração, desenvolvimento da melhor maneira de dar esse conteúdo e o plano está baseado no contexto daquela escola, portanto ele é local. Isso é muito poderoso. E acho que isso poderia ser usado aqui no Brasil.

Na Base do Ensino Médio, há uma discussão neste momento de que uma parte do aprendizado poderia ser feita à distância para que os alunos tivessem acesso a mais conteúdo. O que a sra. acha da proposta?
Eu acho que o ensino híbrido pode funcionar. Não sou uma grande entusiasta de que tudo seja feito online. Eu acredito que precisamos ter o contato pessoal, isso é imprescindível, mas ter algum conteúdo online pode ser útil. Em alguns casos, pode ser positivo para o aluno assistir a uma mesma aula dada por outro professor. Mas como professora, eu preciso ver os seus olhos, preciso saber se você está entendendo, se está animado com o que estou ensinando.

Aqui no Brasil consideramos muito os testes, como o Pisa. E eu sei que a sra. não é muito afeita a testes. 
Não sou mesmo.

Mas é preciso ter algum instrumento para medir se os alunos e as escolas estão indo bem. Que tipos de testes deveríamos ter, então?
Esse é um problema. Se você tem um padrão, você precisa ter uma maneira de medir se os estudantes estão atingindo esse padrão. Ter essa responsabilidade é uma coisa boa. Que tipo de testes vocês têm no Brasil?

Temos testes nacionais [faço uma breve explicação da Prova Brasil e do Enem] e consideramos muito os resultados do Pisa. Quando olhamos para o Pisa, a sensação é de que a educação brasileira está muito mal.
Tenham cuidado ao usar o Pisa. Xangai tem um dos melhores desempenhos no Pisa, mas eles testam apenas 20% dos seus alunos. Na cidade de Xangai há muitos alunos que são filhos de trabalhadores imigrantes que vieram de outros países para se estabelecer lá, mas eles não são testados. Quem faz o teste são apenas os melhores alunos, das melhores escolas.

Mas isso é trapacear.
Sim, eles trapaceiam. Por isso eu diria que é preciso ter cuidado ao olhar para o que é feito na Finlândia, em Singapura, porque você não está comparando sistemas semelhantes. No Brasil, vocês deveriam olhar para os resultados do Chile ou do México, talvez Colômbia. Mas isso não resolve o problema. Nós ainda não sabemos como testar, em larga escala, colaboração, resolução de problema ou como medir criatividade. Precisamos criar novas formas de avaliar as habilidades que são necessárias no século 21. Criatividade, colaboração, cooperação, resolução de problema. É nisso que deveríamos estar nos focando agora.

(toca o sino da escola)

Viu só? Está na hora de irmos para o próximo período. (risos).

Fonte:https://novaescola.org.br/conteudo/11802/precisamos-criar-formas-de-avaliar-as-habilidades-necessarias-no-seculo-xxi

100 dias do Presidente da África do Sul decepciona segundo o partido da oposição

Prestes a completar 100 dias na presidência da África do Sul, Cyril Ramaphosa é visto pela oposição com uma crescente desconfiança perdendo, gradualmente, o benefício da dúvida que lhe foi dado, depois do seu discurso de tomada de posse proferido a 15 de Fevereiro.

 

 

Opositores de Cyril Ramaphosa acusam o Chefe de Estado de falta de cumprimento das promessas
Fotografia: DR

Num recente encontro com jornalistas, o líder da Aliança Democrática, principal partido da oposição, referiu-se a Cyril Ramaphosa como o homem das “oportunidades perdidas”.
Segundo Mmusi Maimane, o Presidente da República lidera um “Governo frágil”, resultante de um partido “politicamente dividido” e que vai “perdendo as oportunidades que o contexto internacional lhe oferece”.
Mmusi Maimane refere que o Presidente da República está a perder as lutas em que se empenhou para combater o desemprego e os actos de corrupção e nepotismo.
Para o líder da Aliança Democrática, o principal problema é que o Presidente escolheu para o Governo pessoas que estão comprometidas com as fragilidades há muito existentes no sistema económico e, por isso mesmo, impossibilitadas de dar resposta positiva à necessidade de combater a corrupção.
Outra das críticas que o líder da oposição aponta a Cyril Ramaphosa tem a ver com o facto de, contrariamente ao que havia prometido em meados de Fevereiro, quando tomou posse, ter constituído um Governo com 35 ministros e 37 vice-ministros.
“O Presidente prometeu um Governo pequeno, mas eficaz, mas em vez disso trouxe um Governo grande e que não funciona, uma vez que não existe uma clara separação de competências entre os diversos ministérios”, disse no encontro com jornalistas convocados para fazer o balanço dos primeiros 100 dias de governação de Cyril Ramaphosa.
Outra crítica feita por Mmusi Maimane tem a ver com o facto do Governo continuar sem pagar as avultadas dívidas contraídas junto de alguns fornecedores nacionais, o que estará a contribuir para o despedimento de muitos trabalhadores, uma vez que os patrões ficam sem dinheiro para lhes pagar.
O aumento da criminalidade e o agravamento do comportamento social e moral de alguns ministros, sobretudo os que estão envolvidos em casos de corrupção e de nepotismo, são factores que segundo o líder da oposição não ajudam no balanço que se faz aos primeiros 100 dias da presidência de Cyril Ramaphosa.

A “sombra” de Jacob Zuma

Maimane afirmou também que não apoia as emendas constitucionais que o Presidente pretende efectuar, no sentido de facilitar a criação de uma nova elite económica através de financiamentos a empresários negros, defendendo que o Estado não tem dinheiro para interferir naquilo que deve ser a lei do mercado.
“O desenvolvimento da economia sul-africana não pode ser influenciado com dinheiro do Estado, mas sim através da lei do mercado que deve ditar as regras para o seu funcionamento”, assegurou.
Para o líder da oposição, seria bom que “quando se fala da política seguida por Cyril Ramaphosa, se tivesse em conta o facto dele ter sido Vice-Presidente de Jacob Zuma, durante quatro anos, “sendo conhecidas as suas expressões de solidariedade”.
Apesar de, oficialmente, apenas no dia 26 deste mês se completarem os primeiros 100 dias da presidência de Cyril Ramaphosa, já se pode fazer um breve apanhado daquilo que foram as suas principais acções políticas com impacto directo na governação.
Para compor o executivo, Ramaphosa decidiu não reconduzir do tempo de Jacob Zuma o chefe dos serviços de Segurança do Estado, Arthur Fraser.
Para o Governo, o Presidente decidiu chamar de volta Nhalanhla Nene e Pravin Gordhan para coordenarem a equipa responsável pelas Finanças do país.
Uma outra decisão de vulto permite que a justiça recolha testemunhos de agentes do Estado, sem necessidade de levantamento de imunidades sempre que estejam em causa processos passíveis de procedimentos criminais.
Mais recentemente, Cyril Ramaphosa assinou um decreto que coloca sob a administração nacional do Estado a provincial de North West.
Pelo meio está a promessa de alterações à lei que permitirá ao Governo expropriar e entregar fazendas a agricultores interessados na sua exploração.
Trata-se de uma lei polémica, uma vez que envolve diferentes sensibilidades sociais e que pode provocar fortes tensões raciais, uma vez que a oposição política tem insistido na ideia de que se trata de uma forma de prejudicar fazendeiros brancos para beneficiar fazendeiros negros.

Fonte:http://jornaldeangola.sapo.ao/mundo/africa/oposicao_sul-africana_faz_balanco_negativo_1

África do Sul cria sistema de farmácias eletrônicas

O projeto foi pensando em 2010, idealizado pela empresa Right ePharmacy, da África do Sul, e apoiado pela ONG Right to Care, em parceria com órgãos da saúde pública

  • EFE/ Nerea GonzálezEFE/ Nerea González
  • EFE/ Nerea González
EFE/ Nerea González

Mais de 10 mil sul-africanos usuários de medicamentos, a maioria com portador do vírus HIV ou com diabetes, já usam uma invenção pioneira no mundo: uma farmácia que funciona como um caixa eletrônico e evita que a pessoa tenha que passar horas na fila.

A primeira vista são poucas as diferenças da farmácia com um terminal eletrônico de banco: uma tela, um leito de cartões, botões e a boca do caixa. São verde e se apresentam com a sigla PDU (Unidade de Dispensa Farmacêutica). A pessoa então insere um cartão e, com um registro prévio no sistema e aprovação do hospital que frequenta, tem as suas receitas carregadas.

Por trás disso, um braço robótico e um centro de assistência remota para que o usuário possa falar diretamente com um farmacêutico completam o sistema e transformam em um processo de 5 minutos as quase 5 horas que milhares de pacientes precisavam passar na fila, especialmente nas áreas mais pobres, todos os meses para buscar os remédios em hospitais públicos. Para aqueles que dependiam exclusivamente da saúde pública, ficar na longa fila de espera significava perder um dia inteiro de trabalho.

“Agora, não é difícil. É só colocar o cartão, a senha, você consegue a medicação e pode ir para casa”, explicou à Agência Efe Philda Dladla, que tem 59 anos e precisa controlar o vírus da Aids.

Ela mora em Alexandra, Johanesburgo, onde foi instalada a primeira PDU, em 2017, e pala qual passam cerca de 3 mil pacientes por mês. Para Philda, a farmácia eletrônica é um grande “mudança” na vida, já que agora ela não tem mais que perder uma manhã inteira todos os meses para conseguir os remédios.

De acordo com Taffy Chinamhora, coordenadora do posto de Alexandra, uma das principais vantagens é ter um farmacêutico de plantão.

“As clínicas não têm farmacêuticos e aqui sim, com o serviço de atendimento ao cliente. Essa é a primeira vantagem. A segunda é o tempo de espera: na clínica era preciso esperar umas 5 horas e aqui a pessoa fica menos de 5 minutos. Além disso, temos um horário de funcionamento maior, como o de uma loja”, detalhou Taffy.

Este ano, dois novos pontos foram adicionados, em Soweto e em Diepsloot – ambos na região de Johanesburgo -, e a expectativa é que em breve seja instalado um centro na província do Free State (centro).

“Nos antigos guetos a maior parte das pessoas não tem acesso a muitos recursos. Assim estamos mais perto de quem precisa”, considerou ela.

Cada centro conta com várias PDU e uma equipe permanente de segurança e de atendimento, especialmente para auxiliar novos usuários.

O projeto foi pensando em 2010, idealizado pela empresa sul-africana Right ePharmacy e apoiado pela ONG Right to Care, em parceria com órgãos da saúde pública.

“Toda tecnologia foi pensada para se parecer com um caixa de banco e isso facilita o uso. Para os pacientes é incrível. Recebemos todo tipo de comentário. Tivemos o relato de um paciente que, ao chegar um dia mais cedo em casa, os filhos pensaram que ele tivesse perdido o emprego”, contou à Efe Fanie Hendriks, diretor da Right ePharmacy.

A empresa sul-africana possui a patente da tecnologia, que é feita na Alemanha. Não há, segundo a companhia, outra farmácia eletrônica deste tipo no mundo – embora exista um projeto-piloto no Reino Unido -, e a ideia é exportar o modelo futuramente não só para outros países da África, mas também a outras partes do planeta.

“Atualmente, cobre principalmente HIV, diabetes e hipertensão. Mas a tecnologia pode ser ajustada às necessidades ou uma doença específica, conforme as caraterísticas de cada país”, acrescentou o diretor da empresa.

Hendriks reconheceu que a farmácia eletrônica pode gerar muitas perguntas sobre o seu possível impacto na indústria, mas afirmou que ela foi pensada para o contexto sul-africano, onde a saúde pública tem poucos recursos. Segundo ele, a ideia também pode ser uma resposta para as necessidades das áreas rurais, menos povoadas, onde é inviável construir uma farmácia ou um hospital perto de cada paciente.

“A África do Sul tem poucos farmacêutico e os hospitais públicos estão ultrapassados. Além disso, temos muitos desafios como a grande presença do HIV”, ressaltou o diretor de Right ePharmacy, que vê a sua invenção mais como um complemento à farmácia tradicional do que como a substituição.

https://brasil.efesalud.com/noticia/africa-do-sul-ganha-farmacia-eletronica-para-facilitar-vida-da-populacao/

Fundação Mandela fala sobre a corrupção na Africa do Sul

O Presidente da Fundação Nelson Mandela, Sello Hatang, acusou hoje os políticos sul-africanos de “corrupção”, “violando” o legado democrata e social de “Madiba”, manifestando-se, porém, optimista em relação ao novo chefe de Estado sul-africano.

Numa entrevista à agência Lusa, à margem da III Conferência do Horasis Global Visions Community, que decorre desde sábado no Centro de Congresso do Estoril e termina na manhã de terça-feira, Sello considerou mesmo que a palavra “corrupção” é a que melhor define os quase dez anos de presidência de Jacob Zuma.

Para Sello, há uma “ira internacional justificada” contra a África do Sul, sobretudo depois do fim da presidência do primeiro chefe de Estado negro da África do Sul, Nelson Mandela (1994/99), conhecido localmente também por “Madiba”, em que a esperança de que tudo era possível acabou, depois, por desvanecer-se.

“A ira é justificada. Eu consigo senti-la. Uma das coisas que aconteceu é que cometemos muitos erros. Cometemos esses erros porque demos demasiado poder aos políticos e aos partidos políticos. Os cidadãos deram-lhes liberdade”, sublinhou o homem que Mandela, que morreu a 05 de Dezembro de 2013 aos 95 anos, indicou para o substituir na liderança da Fundação.

“A queda do inimigo [‘apartheid’ — sistema de segregação racial], em 1994, trouxe-nos a liderança de Mandela até 1999. Isso deu-nos a ideia de que poderíamos fazer o que quiséssemos, que éramos excepcionais, diferentes de todos os outros países do continente africano. Como consequência, relaxamos e nem conseguimos atingir os mais pequenos objectivos para responder aos que agora estão zangados: os pobres e os vulneráveis”, argumentou.

Questionando-se sobre como foi possível Jacob Zuma, Presidente sul-africano entre 2009 e 2018, desbaratar todo o legado de Mandela, que Thabo Mbeki ainda prosseguiu entre 1999 e 2009, Sello lamentou o facto de os cidadãos se terem alheado da política, permitindo às elites do poder “servirem-se da África do Sul”.

“Tivemos líderes que não foram servidores, líderes que só se serviram em favor dos seus interesses pessoais, dos das suas famílias e dos empresariais, em vez que criarem uma grande África do Sul”, frisou, apontando a Zuma que, no início, assumiu, ainda fez “algumas coisas brilhantes”, como a redução da violência.

“Mas não há dúvida de que, depois, levou o país por um caminho diferente”, declarou, apontando a “esperança” trazida pelo novo Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, “na construção de uma nova e grande África do Sul”.

Zuma foi afastado a 14 de Fevereiro desde ano da Presidência da África do Sul por um Parlamento dominado pelo ANC, deixando um legado contrário aos ideais do movimento que lutou décadas contra o “apartheid” e ficou já na História sul-africana como o “Presidente corrupto”.

A um ano do final do segundo mandato presidencial, Zuma, 75 anos, não resistiu à ambição política Ramaphosa, que tem em vista as presidenciais de 2019.

Para tal, necessita de recuperar o eleitorado do ANC, descrente, pelo que o afastamento de Zuma, a pouco mais de um ano da votação, dar-lhe-á aparentemente o tempo para voltar a convencer a maioria negra de que o ANC é o melhor para o país.

Zuma foi também vítima das suas próprias acções empresariais. Desde 2005 que são muitas as acusações de corrupção e de subornos envolvendo todas as áreas de interesse económico do país, sobretudo as ligadas a uma das famílias empresariais mais poderosas da África do Sul, a dos três irmãos Gupta. Os casos estão todos em tribunal.

Para Sello, se Ramaphosa, vencer as eleições de 2019, os cinco anos seguintes têm de ter em conta a boa governação, e os combates à pobreza e à desigualdade, sob a “vigilância muito atenta” dos cidadãos para evitar “os erros do passado” de Zuma.

“Chegou o tempo de a África do Sul parar e pensar no que fazer. Ramaphosa tem vindo a dizer, com consistência, que quer assumir as suas responsabilidades para com a África do Sul. E que os que estão zangados devem canalizar a energia para ajudar o país a tornar-se grande outra vez”, sugeriu.

Sello disse não acreditar que Ramaphosa possa seguir o mesmo caminho de Zuma — “está rodeado de boa gente, de gente que quer, de facto, mudar a África do Sul” -, mas destacou que, sem uma grande participação cívica na fiscalização, as coisas podem descarrilar.

Sobre o papel que a Fundação pode desempenhar nesse caminho, Sello destacou as acções já em curso, no combate à pobreza, desigualdade, violência baseada no género e violência, no geral — “está outra vez em crescendo” -, e também ao racismo — “algo de que nos temos esquecido de lidar, que ainda provoca divisões na nossa sociedade”.

“Ainda estamos todos feridos e ainda estamos todos a sarar as feridas”, disse, aludindo aos 24 anos já passados sobre o fim do “apartheid” na África do Sul.

Questionado pela Lusa sobre se todas as acusações de corrupção que pendem sobre Zuma podem condicionar a vitória do ANC nas eleições gerais de 2019 — o partido no poder na África do Sul venceu com maioria absoluta todas as votações desde 1994 -, Sello, admitiu que sim, mas que “dificilmente perderá” o poder.

“A verdade é que as pessoas estão desligadas [da política]. Acredito que ganhe, mas por uma margem muito menor de votos. Passa pela forma como o ANC conseguir trazer também os cidadãos para uma participação activa e de como Ramaphosa conseguir recuperar os eleitores descontentes. Mas tenho muita esperança em Ramaphosa”, frisou.

 

Fonte: https://noticias.mmo.co.mz/2018/05/fundacao-mandela-lamenta-corrupcao-de-zuma.html#ixzz5Ev5UB0aF

África do Sul faz histórico acordo de indenização sobre a silicose em trabalhadores de minas de ouro

 

 

ouro

Um terço de todo o ouro já extraído veio de minas sul-africanas, que, durante décadas sob o colonialismo e o apartheid, dependiam da exploração do trabalho de milhões de trabalhadores negros em condições perigosas e quentes. Profundamente subterrâneos, os trabalhadores corriam o risco de inalar poeira de sílica, danificando os pulmões de forma irreparável com os sintomas aparentes anos ou décadas depois.

ouro min

Sete gigantes do setor de mineração na África do Sul assinaram nesta quinta-feira um acordo histórico de quase 5 bilhões de rands (395 milhões de dólares) para a indenização de dezenas de milhares de trabalhadores que contraíram silicose ,”compensação significativa” aos doentes de silicose e tuberculose pulmonar que trabalhavam nas minas de ouro da África do Sul, algumas das mais profundas do mundo, a partir dos anos 1960..

As  empresas envolvidas são Harmony Gold ( HARJ.J ), Gold Fields ( GFIJ.J ), a African Rainbow Minerals ( ARIJ.J ), Sibanye-Stillwater ( SGLJ.J ), a AngloGold Ashanti ( ANGJ.J ) e Anglo American ( AAL.L ).A Anglo American não tem mais ativos de ouro, mas historicamente era um produtor de ouro

min

O processo foi lançado há quase seis anos em nome de mineiros que sofriam de silicose, uma doença pulmonar fatal contatada pela inalação de poeira de sílica em minas de ouro.

Quase todos os reclamantes são mineiros negros da África do Sul e países vizinhos como o Lesoto, a quem os críticos dizem que não receberam proteção adequada durante e mesmo após o fim do regime do apartheid em 1994.

O acordo, resultado de uma ação coletiva dos mineiros, foi assinado diante da imprensa em Johannesburgo após vários meses de negociações e entrará em vigor após a validação pela justiça sul-africana.

minas

silicose é uma doença pulmonar causada pela inalação de sílica. O pó de sílica é o elemento principal que constitui a areia, fazendo com que a doença acometa principalmente mineiros, cortadores de arenito e de granito, operários das fundições e oleiros. Também àqueles em que os trabalhos implicam na utilização de jatos de areia, na construção de túneis e na fabricação de sabões abrasivos, que requerem quantidades elevadas de pó de sílica.

Em fevereiro, Graham Briggs, presidente do grupo de trabalho, disse que o acordo foi visto dentro de “meses”. Além dos 5 bilhões de rand que as empresas fizeram em provisões, há 4 bilhões de rands disponíveis de um fundo de compensação ao qual a indústria vem contribuindo há anos.

Nomzamo Winnie Mandela: as mulheres na História da luta contra o apartheid

Tshepiso Mabula 12 de abril de 2018 11:48

Minha avó me disse que o nome Nomzamo em isiXhosa significa a mãe de todos os esforços, ela que nunca pára de tentar e nunca desiste

methodetimesprodwebbincad37a0c-3688-11e8-b5b4-b935584040f4

 

Cara prisioneira número 1323/69,

491-DaysPrisoner-Number-132369

Comecei a escrever muitas cartas para você, mas nunca terminei uma. Hoje, sinto-me compelido a derramar meu coração a você com o terrível conhecimento de que você nunca conseguirá lê-la. Talvez meu erro seja ter  esperado  ouvir a notícia de sua morte antes de compartilhar meus pensamentos com você.

Eu nasci em 1993 com a promessa de liberdade e democracia. Foi-me dito para esperar por oportunidades intermináveis ​​e uma vida melhor para mim e meus entes queridos. Enquanto escrevo isso, ainda estou esperando.

Eu ouvi muitas histórias sobre sua força resiliente em tempos de adversidade. Foi-me dito que você demonstrou amor resoluto em um tempo de revolução e como você levantou seu punho para dar esperança a um povo aleijado por um sistema projetado para aniquilá-lo.

Minha avó me disse que o nome Nomzamo em isiXhosa significa a mãe de todos os esforços, ela que nunca para de tentar e nunca desiste – e quando soube que era o nome dado a você no nascimento, eu sabia que ela não estava enganada.

2720

Assim como eu sou negro e sou mulher na África do Sul. Eu acordo todos os dias para me lembrar da minha posição inerentemente subserviente nessa sociedade. Eu sou lembrada diariamente que este mundo não é feito para pessoas como nós, e eu me pergunto como você sobreviveu seus 81 anos.

winnie-mandela_16

Os livros de história que li falam de homens negros fisicamente capazes como os únicos heróis da luta. Retratam  de figuras com barbas revolucionárias e ternos desbotados. São altos e fortes, esses homens que definharam nas celas da prisão e são os protagonistas da luta contra o apartheid.Nelson-Mandela-y-Winnie-por-Alf-Kumalo

Suas esposas são figuras periféricas que só são celebradas por sua capacidade de manter lares e criar filhos na ausência de seus pais. Nada é dito sobre a tortura que elas sofreram. Os muitos meses passados ​​em confinamento solitário. As ordens de proibição e a difamação. A calúnia que elas enfrentaram nas mãos da mídia do apartheid. Os livros de história esqueceram-se de mencionar que, para você, o apartheid não era apenas uma história para dormir; foi uma experiência vivida.img_797x448$2018_04_02_19_54_32_293702

Eles se esqueceram de nos ensinar que você, enquanto criava filhos em um sistema patriarcal, involuntariamente se tornou o portadora da luta pela libertação. Eles esqueceram de nos ensinar que você não era apenas a esposa de um ícone de luta, mas a figura destemida que sofreu atrocidades dolorosas por uma nação que adotou você como mãe, mas o jogou sob o ônibus proverbial depois que seu pai se divorciou de você.we

Quando penso em sua vida, lembro-me de minha mãe, minha avó e muitas outras mulheres negras que se estabeleceram como sacrifícios vivos, suportando uma dor implacável para que suas comunidades pudessem prosperar.winnie (2)

Então,  Nomzamo,  por favor aceite minhas desculpas. Sinto muito por ter ajudado a demonizar você com acusações de assassinato e violência. Lamento nunca ter falado quando você foi acusada de romper com seu casamento  com cinco filhos enquanto não responsabilizava o pai. Perdoe-me por nunca ter dito a você enquanto você ainda estava viva que, se Deus fosse um matemático, você seria a linha de simetria de Deus, onde o eixo X de sua força inabalável encontraria o eixo Y de seu inegável amor e lealdade.

winnie1a

Sinto muito pelas vezes em que deixei de mencionar que, se Deus fosse músico, vocês seriam os acordes negros e as batidas de Deus das baladas. Que se Deus fosse músico, você seria jazz.

Lamento por acreditar que você seria uma mancha na vida de Nelson Mandela, porque a verdade é que você era a tábua de salvação que mantinha seu nome vivo. Lamento por todas as vezes em que pesei a importância das mulheres negras em nossa sociedade. Lamento apenas comprar flores para elas nos dias de seus funerais. Sinto muito por minha complacência quando elas são empurradas para a periferia e por assistir silenciosamente quando são socados pelos mesmos punhos que foram levantados com gritos de “amandla”.

Fui criada por uma mãe que orava e muitas vezes ouvi a história de Adão e Eva no Jardim do Éden. Diz-se, em algum momento entre morder o fruto proibido e enfrentar a ira de Deus, Adão viu que era adequado trair Eva em vez de agradecê-la por sua libertação.winnie 1323

O Jardim do Éden tornou-se um tribunal de intolerância, onde o patriarcado recebeu seus poderes do supremo tribunal de juízes religiosos. É o lugar onde Eva foi condenada a uma eternidade de dor e sofrimento, e muitos aparentemente concordarão que ela era uma pecadora merecedora.

Passei muitos domingos na igreja imaginando qual o olhar que Eva deu a Adão durante aquele momento crucial em que seu dedo indicador apontou na direção dela depois que Deus fez essa pergunta pertinente. Essa cena muitas vezes me lembra a Comissão da Verdade e Reconciliação, onde você se sentou para responder pelos crimes hediondos que supostamente cometeu quando a guerra estava no auge. O homem com quem você lutou lado a lado sentou-se no maior assento do país. Ele se parecia com um deus. O primeiro do seu tipo, nosso presidente negro.

Fiquei imaginando quando exatamente a amnésia se instalara. Fiquei imaginando como é que todos se esqueceram de que os palitos de fósforo e os pneus pelos quais você foi julgada lhes garantiram a liberação de que agora desfrutavam. Como qualquer outra pessoa em uma guerra, você, Nomzamo, não era uma santa. Você era uma guerreira e, em sua luta, houve baixas.

Embora possamos querer crucificá-la por eles, nunca devemos esquecer que você também foi abusada e espancada pelo sistema contra o qual lutou.

Eu faço este empreendimento para você: Eu não vou te vilipidiar como Adão fez com Eva. Não vou esquecer que você abandonou o seu bem-estar para que eu pudesse ser negra e uma mulher na África do Sul. Não vou esquecer que, como minha mãe e outras mulheres negras, você estava na linha de frente da luta e não apenas como uma figura doméstica subserviente, mas como uma comandante.

Por isso, agradeço, prisioneira número 1323/69. Você pode nunca ser celebrado da mesma forma que o prisioneiro número 466/64, mas, para mim, você sempre será a mãe de todos os esforços, a heróina que nunca desistiu, e uma mulher que foi capaz de amar em um tempo de revolução.

Atenciosamente,

Uma jovem negro nascida livre

Tshepiso Mabula

Tshepiso Mabula é uma fotógrafa e escritora de 24 anos nascida no distrito de Lephalale, em Limpopo, na África do Sul.  Leia mais de Tshepiso Mabula

 

https://mg.co.za/article/2018-04-12-too-late-too-many-things-unsaid

Winnie Mandela a guerreira

methodetimesprodwebbincad37a0c-3688-11e8-b5b4-b935584040f4‘Sou o produto das massas do meu país e o produto do meu inimigo’, disse um dia aquela que foi a primeira primeira-dama negra da história da África do Sul. Winnie Madikizela-Mandela, fervorosa combatente anti-apartheid, figura cimeira da luta dos direitos dos negros, morreu esta semana aos 81 anos. Ainda deputada, com direito a funeral de Estado, apesar das manchas de violência do seu passado.

graca_and_winnie_zpsb07725ab

Nelson Mandela teve 27 anos de prisão para aplacar os seus demónios, apaziguar o espírito, renunciar à violência e construir uma ideia política de reconciliação. A mesma que veio a aplicar depois de sair da prisão, em 1990; a mesma que pôs em prática como o primeiro Presidente negro da África do Sul. Conter a sede de vingança, harmonizar inimigos, reconciliar a maioria negra que sofreu com a minoria branca que a fez sofrer. Winnie Madikizela-Mandela não passou pelo mesmo: a sua luta infatigável pela libertação do marido – com quem casou aos 22 anos – teve marcas de violência, sofridas, sobretudo, mas também impostas. Não admira que a sua ideia de uma África do Sul libertada da subjugação feroz do apartheid fosse menos pacífica e incluísse uma certa dose de violência.GCIS_Mamma_Winnie.width-800

«Mandela dececionou-nos. Concordou com um mau acordo para os negros. Economicamente, continuamos de fora. A economia é muito ‘branca’. Tem alguns exemplos negros, mas muitos daqueles que deram a sua vida pela luta morreram sem ser recompensados», afirmou quem um dia disse de si: «Eu sou produto das massas do meu país e o produto do meu inimigo.»

O seu caminho de luta foi sempre mais violento, mais olho por olho, dente por dente – passou pela prisão, 18 meses no final dos anos 1960 (escreveu sobre a experiência no livro 491 Days), foi deportada para uma zona rural em 1976. Nunca desistiu de lutar nem de recorrer à violência quando necessário.

Nos anos 1980 criou um clube, o Mandela United Football Club (MUFC), que era menos uma equipa de futebol e mais uma milícia armada ao serviço da sua vontade. Dentre as várias mortes atribuídas ao MUFC, uma ficou-lhe marcada para sempre como uma mancha infame: o assassínio, em 1988, de Stompie Sepei, um jovem ativista do MUFC de 15 anos, raptado e torturado por ter relações sexuais impróprias com um pastor metodista e acusado de ser informador da polícia.

Jerry Richardson, braço-direito e guarda-costas de Winnie, acusado e condenado a prisão perpétua pela morte de Stompie, implicou a sua líder no caso e chegou a afirmar na Comissão da Verdade e Reconciliação da África do Sul: «As minhas mãos estão hoje cheias de sangue porque me disseram para matar e eu faço o que me mandam.»

Richardson confessou o envolvimento em quatro homicídios, mas a comissão investigou 18 mortes atribuídas ao MUFC. Winnie Mandela chegou a ser condenada pela participação na morte do jovem de 15 anos (Richardson garantiu que foi ela quem começou a tortura), mas a pena de seis anos de prisão a que foi primeiramente condenada acabou reduzida em recurso a uma multa de 3200 dólares. Não seria a sua única vez a braços com a justiça. Anos mais tarde, em 2003, seria condenada por roubo e fraude a seis anos de prisão, pelo desvio de 120 mil dólares da Liga de Mulheres do Congresso Nacional Africano (ANC na sigla em inglês), que liderava. Mais uma vez, o recurso favoreceu-a, o tribunal deixou cair a acusação de roubo e reduziu a pena para três anos e seis meses.

Mas mesmo com todas as sombras biográficas, nunca a sua figura deixou de ser vista com respeito dentro do ANC e desde 1994 que foi sempre eleita deputada. Em 2009, quando Jacob Zuma (o ex-presidente que recentemente se demitiu) chegou ao poder, figurou como número cinco nas listas do ANC ao Parlamento sul-africano, sinal de proximidade política que rapidamente haveria de ganhar distância.mandela-2-4

Entre o brilho desse dia inesquecível de 1990 em que caminhou de mão dada e punho erguido ao lado do marido, acabado de ser libertado da prisão (divorciou-se em 1996, quando era primeira-dama) e todas as sombras que lhe toldaram a biografia, Winnie Madikizela nunca deixou de ser uma lutadora: «Sim, no princípio tinha medo. Mas não há muitas coisas que eles te possam fazer. Mais do que isso, só a morte. Só te podem matar e, como pode ver, ainda aqui estou.» Até esta segunda-feira, quando sucumbiu à doença, tinha 81 anos.

 

desenho de Winnie

 

Winnie Mandela, ela

a declaração de não-ficção, o vôo em

resolução de ficção,

vívido sobre a paisagem, um suntuoso

dom

para o nosso aquecimento, pomada na lacuna de

nossa ferida

as vezes

gostaria de ser uma menina novamente.

Saltando por uma estrada rural, cantando. 

Ou uma jovem mulher flertando

nenhum cuidado além de curl-tranças e pintura

e não afetando nenhuma mudança, sem desvios, sem

Jangle.

Mas Winnie Mandela, ela,

a Ela da nossa visão, o Código,

o ensaio articulado, a fundação

Mãe, deve

dirigir nosso coro de fabricantes e ampla

música.

Pense em plantas e ervas daninhas bonitas

o deserto.

Eles não podem fazer nada sobre isso (eles  são

contou)

quando o lixo é despejado em suas raízes.

Não tenha dúvidas de que eles estão indignados e

assustado.

Não é o que eles queriam.

– Trecho de Winnie por
Gwedolyn Brooks (1996)gwendolyn-brooks

Não é um engano que Winnie Madikizela-Mandela foi o tema da poesia de uma das melhores poetas americanos, Gwendolyn Brooks, que também passou a ser uma mulher negra. Não, não é um erro. Através da caneta de Brooks, vemos Winnie Mandela tanto pelo que ela era – a “pomada na brecha de nossa ferida” – quanto pelo que ela poderia querer ser – “uma mulher jovem, flertando, sem preocupações além de enrolar e pintar e pintar.” efetuando nenhuma mudança, sem desvios, sem jangle ”.

 

mandela e winnie

Mas Winnie Madikizela-Mandela foi chocante. Ela era como uma pulseira no braço de um guerreiro; o nervoso tremor de nervos quando o problema está chegando.

E ainda, neste poema Brooks nos lembra que ela era muito mais. Ela nos lembra, ao se perguntar sobre uma Winnie imaginada – uma criança Winnie – que uma das tragédias do racismo é a medida em que ela impingiu a luta aos negros. Brooks invoca a inocência da infância para nos lembrar que crianças negras quase nunca foram liberadas.

wiiniw tuut

Na literatura, a criança que pula em uma estrada secundária é quase sempre branca. Nos livros, as crianças negras estão labutando; eles estão sob coação, também “correram” para sempre serem verdadeiramente despreocupados. E assim, ao reimaginar Winnie dessa maneira, Brooks nos pede para lembrar – pelo menos durante o tempo de seu poema – que para não ter “preocupações além das curvas” (como fazem os brancos), os negros sempre foram forçados a subir para a ocasião, e ser maior do que poderíamos querer ser.

winnie1a

 

Esta semana, enquanto os sul-africanos prestavam homenagem a Madikizela-Mandela, eu suspeito que a maioria de nós sentiu a perda de sua passagem porque sabemos muito bem o fardo de ter que enfrentar a ocasião.

 

Ela era, de fato, o “sol vermelho brilhante para o nosso aquecimento”. Ainda assim, Brooks nos lembra que talvez Madikizela-Mandela – como o resto de nós que somos negros e mulheres e conscientes do peso dessas responsabilidades – teria preferido que o sol brilhasse igualmente sobre toda a humanidade. Ela teria preferido, imagino, se não houvesse racismo para combater, em primeiro lugar, nenhum demônio do apartheid para matar.

 

Este é o núcleo comovente no centro da tristeza que senti esta semana e a raiva, suponho. Ainda é difícil aceitar, todos esses anos em minha vida, que o sol não brilha igualmente para todos os sul-africanos.

 

malema e e winnie

(in the Pic – Mrs Winnie Madikizela Mandela flanked by Deputy President Cyril Ramaphosa and EFF Leader Julius Malema share a light moment). Deputy President Cyril Ramaphosa attends the 80th birthday celebrations of Mrs Winnie Madikizela Mandela held at Mount Nelson Hotel in Cape Town. 14/09/2016, Elmond Jiyane, GCIS

Madikizela-Mandela e seus companheiros que lutaram por uma sociedade mais justa sabiam disso muito antes de eu nascer. Seus esforços facilitaram minha vida e, por isso, não consigo imaginar como esse conhecimento deve ter sido pesado para eles.

graca_and_winnie_zpsb07725ab

Eu não perdeu meu tempo em me distrair com racistas. Nós vivemos em um país que agora ostensivamente pertence a todos nós. Esta semana, onda após onda de invectivas lavadas em todo o país para atender a notícia da morte de Madikizela-Mandela. Um exército de brancos irados e irritados, que não vêem futuro para si neste país, fez a sua presença conhecida como defensores de um menino cujo nome nunca tocou seus lábios antes e cuja memória não significa nada para eles.

graçp e winnie

Instituições da mídia entraram em ação: as que tinham espalhado a fealdade sobre ela através de suas páginas na vida seguiam o mesmo roteiro antigo. Os guerreiros do arco-íris – confusos porque a nova África do Sul não quer falar sobre raiva, mas gosta de falar sobre nossa história compartilhada – não sabiam o que fazer com eles mesmos.

Houve desordem.

bispo e winnie

Mas Winnie Madikizela-Mandela “a mãe fundadora da Nação” ainda estava conosco. Pairando entre este mundo e o seguinte, ela enviou um contra-exército. Um batalhão de mulheres e jovens sul-africanos reagiu. Assumimos o trabalho de corrigir o registro e contar as histórias, de questionar a ortodoxia ao seu redor, não porque nos importamos com racistas, mas porque nos importamos com nosso próprio futuro. Nossas respostas não foram distrações – elas foram cruciais para o trabalho de construção da nação.

poeta lebo mashiere

Como o poeta Lebo Mashile observou, restaurar e construir os legados das mulheres negras sempre foi deixado para as mulheres negras. Esta semana foi um show de poder – uma demonstração que, como diz o ditado: “Você bate uma mulher, você bate uma pedra.” Como Shireen Hassim, da Universidade de Witwatersrand, observou, nas horas após a morte de Madikizela-Mandela, instituições de mídia saltou para “reconhecer errado” ela – e suas legiões de apoiadores se recusaram a permitir que isso acontecesse.

winnie

 

No entanto, é crucial notar que Madikizela-Mandela não pertence apenas às mulheres negras. Eu continuo acreditando que a África do Sul ainda pode ser um país que pertence a todos que vivem nele, independentemente da cor da sua pele. Se esse ideal é para ser realizado, então os sul-africanos devem se elevar à ocasião. A história de Mama Winnie, claro, pertence a todos nós. Sua vida vale a pena ser examinada por sua coragem, realização e complexidade. A história dela é tão essencialmente sul-africana, tão fundamentalmente feminista e tão profundamente africana que deve ser ensinada nas escolas – não de passagem, como um apêndice, mas por direito próprio.

 

Depois que Mama  Winnie é colocada para descansar, precisamos continuar o trabalho de construir monumentos para ela. Pode haver algumas estátuas de pedra que são erguidas. Eu não vou me opor a eles. Ainda assim, são os monumentos de carne e osso que mais me interessam: as bolsas de estudos e palestras anuais, os fundos para uniformes escolares e absorventes que devem ser coletados em seu nome, os acampamentos para crianças de vilarejos, os passeios desafiadores que devemos organizar. É através de tudo isso que espero que Madikizela-Mandela seja homenageada.

uqeszzhzzoclobna5hx5

 

Eu imagino duas mulheres velhas que são jovens novamente. Eles se cumprimentam no limiar dos céus. Seus olhos brilham. Gwendolyn pega o braço de Winnie e, juntos, como garotinhas de novo, vejo-os “pulando por uma estrada secundária, cantando”.

Hamba kahle, mamãe.

Sisonke Msimang é o autor de Sempre Outro País: Uma Memória do Exílio e do Lar (Jonathan Ball, 2017)

Sisonke Msimang

 

Fonte: https://mg.co.za/article/2018-04-06-00-reimagining-an-unburdened-winnie

Como o Congresso Nacional Africano – ANC traiu Winnie Mandela

Ponto baixo: Winnie Madikizela-Mandela é criticada pela TRC por supostas violações de direitos humanos por seu clube de futebol.  (Odd Andersen / AFP)
Ponto baixo: Winnie Madikizela-Mandela é criticada pela TRC por supostas violações de direitos humanos por seu clube de futebol. (Odd Andersen / AFPS

ANÁLISE DE NOTÍCIAS

Apenas algumas horas após a morte de Winnie Madikizela-Mandela, os líderes do CNA começaram a se reunir em sua casa, relembrando seus momentos em comum com a queda da combatente da liberdade e oferecendo condolências à sua família.

Muitos de seus comentários sobre o legado dela foram bem recebidos. Mas a homenagem do ex-presidente Thabo Mbeki recebeu  duras críticas.

“Estou dizendo que parte dessa atividade chegaria a ser imprudente. Por exemplo, este incidente em que ela disse algo ao fato de que com nossos fósforos e colares liberaremos o país, isso estava errado ”, disse Mbeki.

Os comentários enviados a mídia social para um frenesi. “Estamos de luto e ele está ocupado insultando o legado do uMama Winnie”, dizia um comentário. “Às vezes, o silêncio é de ouro”, dizia outro.

Os comentários de Mbeki foram, no entanto, reflexo de como Madikizela-Mandela foi vista por uma geração de líderes do ANC – um que a rotulou de charlatã, interesseira e populista, questionou sua capacidade de liderar e pode ter sido cúmplice dela se tornar uma pária político.

Pós-1994, Madikizela-Mandela se tornou um espinho no lado do ANC, um lembrete grosseiro da imagem que a festa não queria mais retratar. Ela era um forte contraste com os camaradas cujos corações foram suavizados por longas sentenças de prisão e anos solitários no exílio.

Ela ofereceu lembretes constantes e não filtrados de que o projeto de libertação permanecia incompleto sem liberdade econômica. Ela se atreveu a questionar os líderes do ANC e criticou publicamente o trabalho de um governo democrático pelo qual ela havia lutado. Através de suas ações descaradas, seu próprio partido desenvolveria o que ela mais tarde chamaria de “Winniephobia” – um medo irracional ou aversão a ela.

1989: O primeiro sinal de vergonha

Uma das primeiras indicações de que Madikizela-Mandela se tornaria um pária político foi sua rejeição pública pela Frente Democrática Unida (UDF), quando as acusações de sequestro e assassinato de Stompie Seipei vieram à tona contra ela.

O movimento de massas cortou todos os laços com ela por “violar os direitos humanos em nome da luta contra o apartheid”, disse o secretário da UDF, Murphy Morobe. O movimento também instou a população negra a se distanciar dela.

As alegações prejudicariam severamente sua imagem política e, mesmo depois que Jerry Richardson fosse condenado pelo assassinato de Stompie, ainda seria usado para alimentar o desdém contra ela.

1991: Semeando sementes de dúvida

Em 1990, Madikizela-Mandela foi acusado de sequestro. Nelson Mandela, seu marido na época, expressou confiança em sua inocência. O mesmo fez o ANC. Mas em 1991, quando Madikizela-Mandela foi condenada pelo crime, ela parecia ter perdido o apoio inabalável do ANC.

“A última palavra em todo este assunto ainda não foi dita. Optamos por deixar o assunto nas mãos dos tribunais, totalmente confiantes de que, no final, a verdade surgirá ”, disse o partido na época.

A Liga das Mulheres do ANC também a consideraria muito polêmica, elegendo Gertrude Shope como presidente em sua conferência de 1991.

Embora nenhum no ANC tenha expressado publicamente suas suspeitas sobre o papel de Madikizela-Mandela no assassinato de Stompie, quando ela foi levada para a Comissão de Verdade e Reconciliação (TRC) anos depois e implorou para se desculpar pelo Arcebispo Desmond Tutu, ela o considerou um ato de traição. por seus companheiros.

Mais tarde, ela contou à TRC que suspeitava que seu ex-marido fizesse parte de um plano para desacreditá-la.

1992: Assuntos, fraudes e saídas

Em 1992, Madikizela-Mandela demitiu-se de todas as estruturas do ANC depois de ser acusada de tirar R160.000 do departamento de desenvolvimento social do partido, que ela encabeçou, e entregá-lo ao seu adjunto, Dali Mpofu, com quem se dizia estar caso.

Sua demissão veio apenas duas semanas depois que Mandela anunciou sua separação. A comissão nacional de trabalho do ANC garantiu que havia renunciado voluntariamente.

Embora o partido parecesse ter uma postura neutra, o suposto caso seria usado mais tarde por membros graduados do ANC para desmoralizar Madikizela-Mandela durante sua campanha eleitoral de 1997.

1995: Democracia e queda

A vitória do ANC na eleição de 1994 e a ascensão ao governo seriam o começo dos ardentes ataques de Madikizela-Mandela ao seu partido.

Em 1995, no funeral do policial Jabulani Xaba, que foi baleado por um colega branco, Madikizela-Mandela acusou o ANC de negros falidos por não lidar com o racismo no local de trabalho. Já impopular em seções do partido por causa de sua persona radical, seus comentários adicionaram combustível para o “Winniephobia” no ANC.

Por esse estágio, Madikizela-Mandela foi presidente da liga feminina. Sua denúncia pública do ANC viu 11 membros da liga sênior renunciar em revolta contra sua liderança.

Alega-se que o discurso também deu a Mandela o ímpeto para removê-la de seu gabinete. Um mês depois, Madikizela-Mandela não era mais vice-ministra de artes, cultura, ciência e tecnologia.

Ela foi acusada de falta de espírito de equipe, desafiando o presidente e tentando semear divisões ao criticar o governo. Seu corte seria a última vez que ocuparia uma posição executiva no governo democrático pelo qual ela lutara.

1997: pessoal contra o político

“Winnie Mandela deveria ter sido presidente da África do Sul, mas os homens do ANC estavam ameaçados”, disse Julius Malema, líder do Economic Freedom Fighter, nesta semana.

Essa narrativa pode ser vista como simplista demais. A presidência, afinal de contas, não é uma recompensa pelo sofrimento durante o apartheid. Envolve nomeações e eleições de sucursais – que Madikizela-Mandela abraçou em 1997, quando assumiu o cargo de vice-presidente do ANC contra Jacob Zuma.

Em um artigo no The Star, com a assinatura do membro do comitê executivo nacional (NEC) Steve Tshwete, ela foi rotulada por seu próprio partido como um “charlatão rebelde”. A linha entre o pessoal e o político borrada quando seus pecados percebidos contra Mandela foram desenterrados para encerrar suas críticas ao ANC.

“Ela tende a acreditar que todo mundo é contra ela e, portanto, recorre ao comportamento estranho para atrair a atenção”, diz o artigo. “Para ela tentar denegrir o presidente depois que a dor terrível que ela causou a ele não só cheira a insensibilidade, mas também serve … aqueles que querem minar a transformação social”.

Madikizela-Mandela abortaria sua candidatura para se tornar vice-presidente, mas os insultos não diminuiriam.

2001: novo século, mesmo caos

“Winnie Mandela gostava de chegar tarde, sozinha, em reuniões porque queria ser aplaudida quando entra”, disse Mbeki esta semana, refletindo sobre a desavença pública em 2001.

Naquele ano, durante um evento comemorativo de 16 de junho, Mbeki ignorou sua tentativa de cumprimentá-lo no palco. Isso causou fúria pública, mas o CNA defendeu seu líder contra uma Madikizela-Mandela “em busca de atenção”.

“Ela está determinada a exibir seu desrespeito pela ocasião e por todos os outros; ela marchou para o pódio e começou a mandar o presidente para sua tolice ”, disse a porta-voz do ANC, Smuts Ngonyama. “O presidente Thabo Mbeki continuou a se proteger dessa armadilha.”

Talvez em um esforço para consertar os erros do passado, ela foi devolvida ao NEC do ANC em 2007 e reintegrada como MP por uma nova geração de líderes que a abraçaram, falhas e tudo.

Por mais que o ANC esteja quente em relação a ela antes de sua morte, a manifestação física de seu legado diz que ela se afastou. Ao contrário de outros líderes, ela não tem nenhum aeroporto em homenagem a ela, nenhum rosto sorridente em notas de banco, nenhuma estátua imponente. A casa que ela ocupou durante seu banimento de oito anos em Brandfort está dilapidada, com promessas não cumpridas de transformá-la em um museu.

O que ela nomeou em sua homenagem, no entanto, é um assentamento informal em Ekurhuleni, a leste de Joanesburgo. Talvez seja aí que seu legado político será melhor lembrado – entre as pessoas que ela se recusou a deixar para trás.

Fonte:https://mg.co.za/article/2018-04-06-00-how-the-anc-betrayed-winnie