Presidente de Ruanda no comando da União Africana

33719-0p9a1194.jpg

O presidente de Ruanda, Paul Kagame,  foi eleito como novo presidente da União Africana para o ano de 2018.

A Assembléia de Chefes de Estado e de Governo da União Africana (UA) reuniu-se na 30ª Sessão Ordinária na Sede da UA em Adis Abeba, Etiópia, elegeu em 28 de janeiro de 2018 uma nova mesa para coordenar as atividades de a União para o ano de 2018.

O presidente Kagame  disse que o desafio da África é criar um caminho para a prosperidade para o nosso povo, especialmente para os jovens, e que  em outros lugares, isso foi alcançado através da industrialização. Mas essa trajetória de crescimento que transformou a Ásia, não é necessariamente mais uma opção viável para a África, simplesmente porque esperou-se demais para agir.

Ele acrescentou que, a tecnologia evoluiu tão rapidamente nos últimos anos, que a janela de África para seguir essa estratégia está se estreitando muito mais rapidamente do que se acreditava anteriormente.

“Estamos ficando sem tempo, e devemos agir agora para salvar a África de uma privação permanente”, afirmou o Presidente da União.

De acordo com o novo presidente da União a escala é essencial. O grande objetivo é criar um único mercado no continente, integrar a infraestrutura e infundir as economias com tecnologia. Nenhum país ou região pode gerenciar por conta própria. Temos que ser funcionais, e temos que ficar juntos. A reforma financeira e institucional da União Africana é  urgente.  África tem recursos e forças para construir, começando com esta organização, e seu firme  compromisso com a unidade.

É uma vantagem para os africanos , que nenhuma outra região do mundo possui, com tanta abundância.

“A unidade deve ser o nosso ponto de partida, pois fazemos o trabalho necessário para redefinir nossos planos e ambições, em termos continentais … Essas mudanças precisam acontecer. Não existe um país no nosso continente que não quer fazer parte de uma África mais assertiva e visível “, assim afirmou Paul Kagame.

Advertisements

Nigéria recebe apoio para empoderar as mulheres

Amina-Mohammed1.jpg

 

As Nações Unidas (ONU) instaram o governo da Nigéria a aumentar seu investimento no desenvolvimento das mulheres na promoção da paz no país.

Secretária-geral adjunta da ONU, Amina Mohammed fez a contato ontem quando se encontrou com o presidente interino, Yemi Osinbajo, na villa presidencial, Abuja.

Ela disse que a equipe da ONU liderada por ela mesma estava na cidade para discutir a implementação da agenda 2030, mas também 2063 e ver como a Nigéria poderia ser apoiada especialmente no que diz respeito ao desenvolvimento das mulheres. Promover o desenvolvimento das mulheres, o governo nigeriano precisaria começar a colocar as mulheres no centro dos assuntos.

 
Ela disse: “Tenho a honra de liderar uma delegação com foco na paz e no desenvolvimento das mulheres.

“Comigo, a presidente-executiva ONU mulheres, também está a representante especial sobre mulheres e conflitos, também temos conosco nosso parceiro a União Africana, a conselheira especial também sobre paz, mulheres e desenvolvimento.

A representante da ONU também disse que está ponderando maneiras de apoiar a Nigéria.

É um momento emocionante estar aqui, porque realmente estamos falando sobre a implementação da agenda 2030, mas também 2063 e para nós, é sobre como apoiarmos a Nigéria e em um contexto muito difícil fazer mais e fazer em escala paa que todas as mulheres nigerianas sejam assistidas.

Ela incluiu isso, embora eles enfrentam desafios, eles também têm histórias de sucesso.

“Sabemos que há muitas lições que aprenderam e há desafios que temos, mas temos alguns sucessos do Nordeste todo o caminho para o sul.

“Queremos garantir que façamos mais para que possamos ver especialmente as mulheres no centro das preocupações e dos avanços.

Presidente da República representa Cabo Verde em Brasília

presidente-de-cv
 
 
O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, vai representar Cabo Verde na cimeira de chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorre na segunda e terça-feira em Brasília, foi hoje anunciado.
 
 
Segundo uma nota da Presidência da República de Cabo Verde, a comitiva cabo-verdiana integra também o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares.
 
 
 
Na cimeira, que irá analisar e aprovar uma Nova Visão Estratégica da CPLP, 20 anos depois da sua criação, Cabo Verde insistirá na necessidade de apostar na livre circulação dentro do bloco lusófono.
 
“Cabo Verde defenderá, uma vez mais, a necessidade de se fazer da CPLP uma organização que deverá estar cada vez mais próxima dos cidadãos, uma verdadeira comunidade de povos, que deverá apostar progressivamente na meta da livre circulação de pessoas e bens. O que resultará numa maior cumplicidade e conhecimento recíproco da cultura dos nossos respetivos povos”, refere a Presidência cabo-verdiana.
 
Irá ainda defender a necessidade de se dotar o Instituto Internacional de Língua Portuguesa (ILLP), que tem sede na cidade da Praia, de meios necessários para promover esse conhecimento.
 
O chefe de Estado cabo-verdiano irá também “reconfirmar o sério engajamento” do país no cumprimento das metas estipuladas na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.
 
O Presidente pretende, neste aspeto, apresentar o caso de Cabo Verde como exemplo por entender que “existem no arquipélago os pressupostos que facilitam a sua concretização, como a estabilidade política, a paz social, democracia, a boa governação”.
 
Durante a cimeira, será ainda analisada a situação política nos países da CPLP, nomeadamente na Guiné Equatorial, na Guiné Bissau e Moçambique, bem como a admissão de novos membros observadores associados da comunidade, como a Costa do Marfim, o Uruguai, a Hungria, a República Checa e a Eslováquia.
 
O chefe de Estado cabo-verdiano terá durante a sua estada em Brasília vários encontros bilaterais com os seus homólogos.
 
A XI Conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP decorre, em Brasília, na segunda e na terça-feira, marcando a sucessão de Timor-Leste pelo Brasil na presidência da organização.
 
Na cimeira, os nove membros da CPLP deverão designar a próxima secretária executiva, Maria do Carmo Silveira, indicada por São Tomé e Príncipe, depois de um acordo, proposto por Lisboa, que prevê que, no final do mandato de dois anos, caiba a Portugal apontar o nome para este cargo.
 
Integram a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.