Sindicalistas brasileiros realizam cooperação com namibianos

sindicalistas

 
 
Representantes sindicais dos países do sul da África, principalmente da Namíbia, estiveram reunidos com sindicalistas da CUT Brasil em São Paulo na manhã desta segunda-feira (03) e ouviram atentamente a conjuntura política que os brasileiros e brasileiras estão passando depois do golpe parlamentar, jurídico e midiático que aconteceu há quase um ano.
 
 
 
O intercâmbio sindical Brasil-África, que tem apoio da CONTRACS (Confederação Nacional dos Trabalhadores no comércio e serviços), CONTRAF (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) acontecerá até a próxima sexta (7) e tem como principal objetivo a troca de experiências de lutas e através da TUCNA (Congresso Nacional de Organizações Sindicais de Trabalhadores) potencializar a internacionalização do movimento sindical para melhorar as condições de vida e de trabalho do povo africano.
 
A vinda desses representantes sindicais de Namíbia para o Brasil foi a primeira ação dessa integração. A ideia agora é que uma delegação sindical brasileira vá até lá e conheça as experiências deles de perto. “A África faz parte da nossa história e da nossa cultura. Para a CUT as relações africanas são prioridades”, frisou Lisboa.
 
Segundo o secretário, essa integração foi um processo que começou na base, de sindicato para sindicato, com apoio das centrais, e a ideia partir daqui é abrir para outros países do sul da África, como Angola e Moçambique. Lisboa contou que a participação do secretário geral da TUCNA, Mahoagora Kavihuha, no programa da Universidade Global do Trabalho (Global Labour University – GLU), em Campinas, foi à porta de entrada para este encontro.
 
Mohoagora contou que o que o trouxe para o Brasil foram as políticas progressistas implementadas no governo Lula e as políticas, influência e compromisso da CUT na luta a favor dos direitos sociais e trabalhistas da classe trabalhadora.
 
“A ideia aqui é aprendermos uns com os outros como desenvolver mecanismo de cooperação, como deslanchar a solidariedade, a capacitação dos trabalhadores, programas de justiça social, campanhas nacionais laborais e possivelmente encontro com as duas populações para fortalecer a luta do movimento sindical mundo”. O secretário geral da TUCNA terminou dizendo que “o objetivo é aumentar essa cooperação Sul Sul para melhorar as condições de vida e de trabalho do nosso povo”.
 
Para a presidenta do Sindicato dos Professores de Namíbia, Toini U.P. Nauyama , a troca de experiência com o movimento sindical brasileiro melhora e fortalece a representação dos trabalhadores e das trabalhadoras independente do setor que representa. “Não queremos que a classe trabalhadora africana seja vítima do capitalismo. Como sindicalistas a gente precisa aprender novas ideias e novas habilidades para corresponder às novas expectativas dos trabalhadores contra os abusos diretos e indiretos dos trabalhadores neste momento neoliberal e encontrar alternativas de como lutar contra isso”.
 
A secretária adjunta Nacional de Combate ao Racismo, Rosana Souza fez uma apresentação sobre o histórico e a importância da secretaria criada em 2009 junto com a criação da secretaria nacional do governo Lula para debater políticas públicas e lutar por melhores condições de vida e de trabalho para os trabalhadores e as trabalhadoras negras do país.
 
Rosana também convidou toda a delegação para conhecer a periferia de São Paulo para realmente conhecer a realidade da maioria do povo brasileiro, principalmente das mulheres negras. A dirigente além de falar de inúmeras políticas públicas dos governos Lula e Dilma que facilitaram o acesso do negro a melhores trabalhos e a educação, desmistificou a democracia racial e disse que o racismo ainda é muito forte no país. “O preconceito fica mais evidente quando você olha para a realidade população negra do Brasil, que é mais de 50% da população. Os jovens são mortos todos os dias, os negros estão nos trabalhos mais precários e são os que ganham menos, principalmente as mulheres negras”, destacou.
 
A dirigente também falou das diferenças entre homens e mulheres e fez o recorte racial da desigualdade no mundo do trabalho.
 
Toini afirmou que os problemas brasileiros são bem parecidos com os de Namíbia, principalmente no que se refere à desigualdade de gênero. Ela diz que o país e a sociedade na Namíbia são machistas e que as mulheres, mesmo sendo maioria no país, ainda estão longe de conquistar a igualdade. “Na TUCNA, por exemplo, tem política de gênero que busca a igualdade de gênero, mas mesmo em categorias majoritariamente femininas, como professores, por exemplo, elas não estão nos cargos de poder”, critica.
 
Fonte: Érica Aragão – CUT Nacional – 03/04/2017
 
Advertisements

Por uma esquerda capaz de disputar a subjetividade

 

170208-Munch-485x396

Neoliberais acenam com empreendedorismo e competição. Direita propõe restaurar projetos autoritários e xenófobos. Que nos cabe: exaltar, nostálgicos, a imagem do trabalhador?

Por Tatiana Roque, no Le Monde Diplomatique | Imagem: Edvard Munch, Trabalhadores na Neve (1913)

Meritocracia e empreendedorismo são as palavras da moda, com todo o léxico que as acompanha: capacitação, coaching, diferenciação, profiling e por aí vai. Ideias e valores derivados dos princípios da concorrência que estruturam o projeto neoliberal. Sabemos que o neoliberalismo não se reduz a um sistema econômico. Em escala pouco visível, atuam mecanismos para instalar a concorrência em todas as relações sociais e, por isso, as subjetividades viraram alvos do governo neoliberal. Governar não significa apenas deter o poder político, significa organizar, facilitar e estimular a concorrência nos mais diversos âmbitos da vida social, como resume Foucault¹ .

Todo esse projeto, que parecia viver seu auge nos anos 1990, está em crise. Ainda assim, o tipo subjetivo que o sustenta – o empreendedor de si – permanece surpreendentemente sedutor. Além de bastante difundido, trata-se de um tipo subjetivo que facilita a adesão às formas de sociabilidade contemporâneas, fundadas na concorrência e no sucesso individual. No momento de crise em que estamos vivendo, a solução neoliberal para manter a hegemonia é tentar um passo adiante, explorando as fragilidades do estado de bem-estar social e buscando submeter todas as suas instituições à lógica da concorrência. Pierre Dardot e Christian Laval² sugerem que essa ofensiva visa os instrumentos que tornavam possível – até aqui – alguma sobrevida livre de concorrência, como os serviços públicos e a aposentadoria. O sucesso da empreitada depende da capacidade das formas de governo neoliberais para continuar convencendo a população que o empreendedor de si é atraente, bem como são suportáveis as relações sociais que o sustentam. Nessa dimensão se dará a disputa de corações e mentes. Por não estar sendo capaz de enfrentar essa disputa no terreno das subjetividades, a esquerda não tem conseguido adesão às suas propostas. Logo, a tarefa mais urgente para um novo projeto de esquerda será propor modos de vida alternativos à subjetividade empreendedora fundada na concorrência. Precisamos calibrar as lentes, focar nas subjetividades e buscar figuras capazes de substituir o self empreendedor, elemento-chave da racionalidade neoliberal.

Empreendedorismo é um modo de gestão social que mobiliza desde os empresários propriamente ditos até o setor de serviços e a economia informal, ou seja, enseja modos de vida que tocam a maior parte dos trabalhadores atualmente. Quando Jessé de Souza traça os perfis do novo “batalhador brasileiro”, inclui o batalhador do microcrédito, a empreendedora que vende doces e quitutes, as redes informais, o feirante, a família ampliada e a igreja neopentecostal³.  Uma grande parcela dos antigos assalariados, moradores de periferias, dedica-se hoje a um pequeno negócio, como lanchonete, corte e costura, salão de cabeleireiro ou oficina mecânica. A maior parte dessa população empreendedora atribui qualquer melhoria de vida ao esforço pessoal e quem ainda não tem seu próprio negócio, gostaria de ter4.  Das grandes corporações às igrejas neopentecostais, é a subjetivação empreendedora que mobiliza o engajamento.

A ética da empresa – a partir da qual as pessoas se autogovernam no neoliberalismo – não envolve somente a competição, mas também exalta a autoestima, o pensamento positivo, a luta pelo sucesso, as habilidades pessoais, o vigor e a polivalência. Por isso, engloba todas as esferas da vida, desde o casamento, os filhos e os amigos até a família ampliada das igrejas – todos participam do networking necessário ao sucesso dos negócios. Mas nem tudo são flores.

A conta não tarda a chegar, pois o self empreendedor sobrecarrega o indivíduo, que deve ser o único responsável por todos os riscos, tendo que assumir sozinho a culpa quando não consegue garantir o básico para si e seus próximos. O endividamento crescente só aumenta a culpabilização, gerando uma insatisfação cada vez maior com os dispositivos de subjetivação neoliberal. Os ideais de emancipação, mobilidade e liberdade, prometidos nos anos 1990, foram desmascarados pela multiplicação de sujeitos endividados; e a subjetivação neoliberal deu lugar à Fábrica do Homem Endividado 5.

Diante da falência de perspectivas, qual a alternativa proposta pela esquerda? A direita estilo-Trump acena com a restauração dos projetos nacionais autoritários, cujos modos de subjetivação – centrados no macho-adulto-branco – são velhos conhecidos. Enquanto isso, na esquerda, aprofunda-se a dicotomia entre as lutas identitárias e classistas. A única figura subjetiva invocada sem hesitação nos projetos de esquerda é a do trabalhador. Mas essa figura está em crise, devido às transformações profundas do mundo do trabalho. O crescimento do setor de serviços faz com que a figura do trabalhador se aproxime do empreendedor. Além disso, o pacto do bem-estar social, que sustentava o mundo do trabalho, está se dissolvendo em escala mundial. Seus termos fundadores dependiam da separação entre as esferas da produção e da reprodução da força de trabalho: era preciso garantir condições mínimas de existência ao trabalhador para que fosse possível extrair valor de sua produção na fábrica. Como manter um pacto desse tipo diante das configurações atuais do mundo do trabalho? Trabalho que vem sendo expandido para diferentes âmbitos da existência, com um papel cada vez mais preponderante de todas as esferas da vida nas relações de trabalho, como mostram o setor de serviços e a economia do conhecimento.

Em todos esses casos, para continuarem produtivas, as pessoas precisam realizar um investimento contínuo sobre si mesmas, precisam empreender-se. Só que esse esforço já não traz o retorno necessário, levando à descrença e à depressão. Num ambiente social degradado, são os valores reacionários que têm conseguido suplantar a fragilização institucional generalizada. São justamente as mudanças no mundo do trabalho que explicam o crescimento das religiões neopentecostais; a cegueira das esquerdas para compreender o avanço dessas religiões só confirma sua dificuldade em recolocar o problema do trabalho no mundo atual.

 

Insistir na figura do trabalhador não fornecerá o elã subjetivo necessário para que novas pessoas possam aderir aos projetos da esquerda. Por isso, mesmo com todos os riscos que implica, a figura do empreendedor segue tendo mais apelo, mesmo nas classes populares. Que modos de vida, que suplantem a promessa desgastada de um trabalho assalariado na fábrica, conseguirão mobilizar corações e mentes? Que perspectivas de emancipação serão capazes de nos tirar do impasse atual? Sem enfrentar essa disputa no terreno das subjetividades, a esquerda continuará perdendo, mesmo reiterando a denúncia da dissolução dos ideais de universalidade, igualdade e justiça. Calibrar as lentes e enxergar o problema na escala das subjetividades é um passo incontornável para qualquer projeto

Tatiana Roque é professora de filosofia na UFRJ


1 Nascimento da Biopolítica. Martins Fontes, 2008. Aulas de 14, 21 e 28 de março de 1979.

2 A Nova Razão do Mundo. Boitempo, 2016.

3 Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Editora UFMG, 2010.

4 Indicam pesquisas, como a citada em:

https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2016/11/01/Como-a-substitui%C3%A7%C3%A3o-do-%E2%80%98trabalhador%E2%80%99-pelo-%E2%80%98empreendedor%E2%80%99-afeta-a-esquerda

5 Título de um livro de Maurizio Lazzarato disponível em francês: La fabrique de l’homme endetté: Essai sur la condition néolibérale. Éditions Amsterdam, 2011.

 

http://outras-palavras.net/outrasmidias/?p=422156

 

Confederação Sindical de Angola cobra “disciplina sexual” dos trabalhadores

unta

O sindicalista Almeida Pinto alertou na quarta-feira, em Luanda, os trabalhadores para a necessidade de haver “disciplina sexual” pelo facto de a produção das empresas e a economia do país ficarem fragilizadas quando um trabalhador fica doente.
O alerta feito pelo sindicalista, durante uma palestra sobre a “Estigmatização e os desafios do sindicalismo”, decorre do facto de a situação do VIH/Aids em Angola ser preocupante por, na maior parte das empresas, haver pelo menos um trabalhador seropositivo.

Almeida Pinto, que exerce o cargo de assistente de Higiene e Segurança no Trabalho da UNTA-Confederação Sindical, desejou que os trabalhadores sejam fiéis na relação conjugal, por ser um comportamento que evita o crescimento do número de seropositivos no país, onde o primeiro caso de sida foi notificado em 1985.

O activista sindical lembrou a existência em Angola de uma lei que protege os trabalhadores seropositivos e pediu aos empregados e empregadores para nunca discriminarem os seropositivos, por ser uma violação dos direitos humanos, um acto imoral e desumano.
O Executivo angolano foi elogiado pelo sindicalista, devido ao seu empenho no combate à sida, desde a notificação do primeiro caso da doença, há 31 anos.
“O Executivo criou a Comissão Nacional da Luta contra a Sida, o Instituto Nacional de Luta contra a Sida e o Hospital Esperança”, onde são atendidas gratuitamente pessoas infectadas pelo vírus da sida, uma doença sem cura.
Os trabalhadores devem fazer regulamente o teste de VIH, para que tenham conhecimento do seu estado serológico, aconselhou o sindicalista.
A palestra da UNTA-Confederação Sindical esteve inserida na jornada de 1 de Dezembro, dia consagrado à luta contra a aids no Mundo.

Doença sem cura

A aids é provocada pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH), que penetra no organismo humano por contacto com uma pessoa infectada. A transmissão pode acontecer através de relações sexuais, do contacto com sangue infectado e de mãe para filho, durante a gravidez ou parto e pela amamentação.
O VIH é um vírus poderoso. Quando entra no organismo, dirige-se ao sistema sanguíneo, onde começa de imediato a replicar-se, atacando o sistema imunológico, destruindo as células defensoras e deixando a pessoa infectada (seropositiva) mais debilitada e sensível a outras doenças, as chamadas infecções oportunistas, que são provocadas por micróbios e que não afetam as pessoas cujo sistema imunológico funciona convenientemente. Também podem surgir alguns tipos de cancros.
Entre essas doenças, encontram-se a tuberculose, a pneumonia, a candidose, que pode causar infecções na garganta e na vagina, o citomegalovirus, um vírus que afecta os olhos e os intestinos, a toxoplasmose, que pode causar lesões graves no cérebro, a criptosporidiose, uma doença intestinal, o sarcoma de Kaposi, uma forma de cancro que provoca o aparecimento de pequenos tumores na pele em várias zonas do corpo e pode, também, afectar o sistema gastrointestinal e os pulmões.
A sida provoca ainda perturbações, como perda de peso, tumores no cérebro e outros problemas de saúde que, sem tratamento, podem levar à morte. Este síndrome manifesta-se e evolui de modo diferente de pessoa para pessoa.

http://jornaldeangola.sapo.ao/sociedade/unta_pede_disciplina_sexual_aos_trabalhadores

Sindicatos acusam Governo de estar pouco preocupado com trabalhadores

O secretário-geral da Organização Nacional dos Trabalhadores de São Tomé e Príncipe – Central Sindical (ONTSEP-CS), João Tavares, acusou hoje o governo de falta de diálogo e de “não estar preocupado com o bem-estar dos trabalhadores”.

João Tavares disse que o executivo não “dá importância” ao Conselho de Concertação Social, órgão tripartido que integra governo, entidade empregadora e representante dos trabalhadores, criado para dirimir conflitos laborais, sublinhando que “muitas vezes são remetidas cartas a pedir encontros e que essas cartas perdem-se pelo caminho”.

“Infelizmente, o governo que nós temos ignora este órgão e isto é mau exemplo para o empregador”, disse o secretário-geral, lamentando: “quando o Governo tem essa atitude, quebra-nos a força de exigir ao setor privado um diálogo bilateral”.

A ONTSTEP é a central sindical mais antiga do país. Fundada em 1979, congrega mais de 25 sindicatos filiados, incluindo os da saúde, agricultura, telecomunicações, empresa nacional de administração dos portos (Enaport) e de Empresa Nacional de Segurança Aérea (Enasa).

João Tavares foi eleito esta tarde no V congresso da organização para um mandato de quatro anos.

No evento que decorreu sob lema “não há democracia sem liberdade sindical”, lembrou que os trabalhadores são-tomenses vivem uma situação social precária com tendência para agravar-se, lamentando que “esta preocupação não faça parte da agenda deste governo”.

Durante cerca de 20 minutos de discurso o secretário-geral da ONTSTEP-CS acusou o governo de pagar salários na função pública com “elevado atraso”, apelando aos trabalhadores para “não continuarem a consentir” essa demora.

“Atualmente os salários são pagos em cada 45 dias e em alguns casos, de dois em dois meses. Muitos trabalhadores têm dívidas com os bancos, têm compromissos com as escolas dos seus filhos, com a saúde e com a alimentação de sua família. Como é que isso fica”, questionou João Tavares.

“Os principais responsáveis por isso são os próprios trabalhadores que não reagem. Vocês têm que reagir e podem contar com o nosso apoio”, apelou.

Sobre as empresas privadas, acusou os patrões de “perseguição”, sublinhando que muitos trabalhadores “são vítimas de despedimentos simplesmente por aderirem ao sindicato”.

Tomou como exemplo o que se passa na Satocao, uma empresa de capital belga com fortes investimentos na produção e comercialização do cacau onde segundo disse, a “tendência para exclusão, maximizar os lucros e terem os trabalhadores como objeto descartável é o dia-a-dia”.

“A Satocao é um exemplo e esperamos que as entidades responsáveis possam agir em defesa do país, dos trabalhadores, da nação, pondo acima de tudo o interesse nacional”, disse.

“Nós não estamos contra o investimento privado estrangeiro, estamos contra a exploração porque sabemos que quanto maior for a exploração, maior é a pobreza”, acrescentou João Tavares.

https://www.noticiasaominuto.com/mundo/702798/sindicatos-acusam-governo-de-estar-pouco-preocupado-trabalhadores