Menu

Nigéria quer estabelecer acordo de cooperação técnica com o Brasil

A ministra de Estado da Indústria do país africano, Hajiya Aisha Abubakar, esteve em reunião no Brasil na semana passada; setor de óleo e gás e serviços financeiros também estão no foco

Exportações e importações entre Brasil e o continente africano

O conhecimento e a tecnologia que o Brasil possui nos setores da produção agrícola, automotivo, serviços financeiros e de óleo e gás estão no foco dos interesses do governo e das empresas da Nigéria.

Na semana passada, uma delegação nigeriana chefiada pela ministra de Estado da Indústria, Comércio e Investimentos do país africano, Hajiya Aisha Abubakar, esteve no Brasil para discutir esses temas com o governo e setor privado nacional.

Em entrevista ao DCI, Abubakar contou que a reunião com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Economia, na última terça (26), discutiu formas de cooperação bilateral, mas que não houve um acordo mais propositivo.

“Há muitas oportunidades de colaboração entre Nigéria e o Brasil. Para nós, nos interessa, particularmente, o conhecimento brasileiro na área da agricultura, serviços financeiros, setor automotivo e de construção civil”, destacou a ministra nigeriana.

Na reunião, também foi debatido como as duas nações podem integrar as suas cadeias de produção e internacionalizar suas empresas.

O diretor-geral do Bank of Industry da Nigéria, Leonard Kange, reforçou que o interesse nigeriano no know-how (conhecimento prático) brasileiro, especialmente na agricultura, está relacionado com as similaridades que os dois países têm em termos de clima, população e indústria. Além do setores elencados pela ministra da Indústria, Kange cita que a tecnologia brasileira na área de petróleo e gás natural é outra necessidade da Nigéria neste momento.mapa-nigeria

Números das trocasEm 2018, a balança comercial do Brasil com a Nigéria ficou deficitária em US$ 964 milhões, decorrente de exportações no valor de US$ 667 milhões e importações de US$ 1,631 bilhão. Dentre os principais produtos que o Brasil vende para a Nigéria, estão o açúcar em bruto (56%), ônibus (17%), fumo (4,6%) e tratores (2%). Já as nossas compras da Nigéria são, basicamente, petróleo em bruto (84%), seguido de ureia (8,2%) e gás natural (6,8%), segundo dados do Ministério da Economia.

A presidente da Câmara de Comércio Brasil África (Ecowas Brazil), Silvana Saraiva, afirma, por outro lado, que o processo de diversificação da economia não só da Nigéria, como de outros países africanos é uma oportunidade para o Brasil ampliar suas exportações.

“Muitos países africanos estão com crescimento acelerado, o que tem possibilitado a diversificação das suas economias. Porém o Brasil não tem aproveitado essa potencialidade”, diz Saraiva. O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do continente africano cresça 4,0% em 2019 e 4,1% em 2020.

A presidente da Ecowas Brazil afirma que, como a indústria africana ainda não está fortalecida, as oportunidades de exportação e investimentos na África estão na área de máquinas e equipamentos, além de tecnologia, seja na forma de oferta de serviços, conhecimento e mercadorias.

Central business district on Lagos Island, Lagos, Nigeria, 2009

Central business district on Lagos Island, Lagos, Nigeria, 2009

“Falta ao empresário brasileiro ter mais conhecimento do mercado consumidor africano e saber que os bancos de lá, por exemplo, estão bastante fortalecidos”, ressalta Saraiva. Em relação às nossas importações, a presidente da Ecowas Brazil diz que as compras brasileiras de manteiga de karité da Nigéria e de pasta de cacau da Costa do Marfim tem crescido, porém ainda há potencial para uma expansão maior.

A balança comercial do Brasil com a África ficou positiva em US$ 1,558 bilhão em 2018, resultado de exportações no valor de US$ 8,1 bilhões e importações de US$ 6,6 bilhões. Nossas vendas à África se concentram em açúcar, carnes e minério de ferro, enquanto as compras, em petróleo bruto.

 

Fontehttps://www.dci.com.br/economia/nigeria-tem-interesse-em-importar-a-tecnologia-brasileira-em-agricultura-1.790768

Por que nós brasileiros devemos acompanhar as eleições na Nigéria?

Nigeria_oil_26Amanhã dia 16 de fevereiro de 2019,  dos 203 milhões de habitantes da Nigéria , 84 milhões se registraram para eleger, além do presidente, a composição do Parlamento. E isto interessa muito aos brasileiros. Por que?

A Nigéria é o país mais populoso da África e o sétimo no planeta, maior potência petroleira do continente e 13ª maior produtora do mundo.  Os Nigerianos fora do país —no Brasil, são cerca de 8.000, segundo a embaixada— não têm o direito de votar.

 

Segundo o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, a Nigéria é o único país da África Ocidental com o qual o Brasil mantém Mecanismo de Diálogo Estratégico.

Em novembro de 2013, realizou-se, em Brasília, a I Sessão do Mecanismo, ocasião em que foram criados nove Grupos de Trabalho sobre agricultura, segurança alimentar e desenvolvimento agrário, temas consulares e jurídicos, defesa, mineração, energia, comércio e investimentos, cultura e infraestrutura.

A Nigéria figurou até recentemente entre os dez principais parceiros comerciais do Brasil no mundo.

 

O Brasil fechou um acordo de crédito deUS$ 1,1,bilhão de dólares  para financiar  a venda de máquinas e equipamentos agrícolas  para a Nigéria, pretende ainda  formar mais de 10000 técnicos agrícolas. Um dos objetivos é também enfrentar a concorrência da China.

Segundo o embaixador brasileiro na Nigéria, Ricardo Guerra de Araujo: “ o que nos diferencia da China é que o palno de négocio cobre toda a cadeia de valor, incluindo montagem de equipamentos em solo nigeriano e treinamento para quem vai operá-los, além de fornecimento de fertilizantes, sementes, pesticidas, markentig ( ferramentas) de comercialização chegando até o consumidor”

O Banco Islâmico de Desenvolvimento e a Agência Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF)  deverão assegurar  a garantia de crédito.

 

A Nigéria havia propost o um crédito de 10 bilhões, mas o Brasil achou melhor ir mais devagar. A Fundação Getúlio Vargas é a entidade que elaborou o projeto, que pretende modernizar a agricultura da Nigéria.

 

A Embraer recebeu,  neste mês de fevereiro de 2019, junto com a parceira americana Sierra Nevada Corporation (SNC) uma encomenda de 12 aeronaves para aa Força Aérea da Nigéria. Os aviões são de ataque leve e treinamento avançado do A-29 Super Tucano serão utilizados em missões de apoio aéreo tático.

 

Entre 2006 e  2016 o o Brasil acumulou um déficit de impressionantes US$ 57,7 bilhões com a Nigéria.

A Nigéria e é o maior deficit do Brasil nesse período com qualquer outro entre os seus parceiros  no comércio internacional. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Desde que começou a importar petróleo da Nigéria, na década de 1980, o Brasil sempre teve uma relação comercial deficitária com o país africano. No ano 2000, as exportações brasileiras para aquele país totalizaram US$  247 milhões e as importações atingiram a cifra de US$ 734 milhões, gerando um saldo negativo de US$ 487 milhões.

De lá para cá o desequilíbrio na balança comercial entre os dois países não parou de crescer. O saldo em favor dos nigerianos atingiu o valor máximo em 2013, quando as vendas daquele país concentradas em petróleo, nafta para a petroquímica e gás natural somaram US$ 9,648 bilhões, ao passo em que as vendas brasileiras foram de apenas US$ 876 milhões, gerando um deficit de  US$ 8,772 bilhões.

 

Se você tinha dúvidas por que temos que acompanhar as eleições na Nigéria é bom registrar que somos dficitários no comercio com os nigerianos. E eu nem comentei as questões culturais e religiosas que temos com os nigerianos.

Paises da África Ocidental interessados no setor sucroalcooleiro do Brasil

45ae676d-3841-459f-9578-dbbc755cc41cEmpreendedores brasileiros têm uma boa notícia. Ainda em novembro, de 20 a 30, dois grupos virão da África para o Brasil com objetivo de investir nos setores sucroalcooleiro, de produção de energia por biomassa e agrícola.

Na bagagem, os empresários africanos devem trazer cerca de 7 bilhões de dólares para investimento nos setores, o que deve movimentar essas indústrias neste último bimestre do ano.

 

O responsável por promover a vinda e por recepcionar os investidores é a Ecowas Chamber of Commerce Brazil (ECOWAS), a qual representa a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) – bloco formado por 15 países africanos (Nigéria, Gâmbia, Cabo Verde, Costa do Marfim, Senegal, Benin, Togo, Niger, Libéria, Serra Leoa, Guiné Bissau, Guiné, Burkina Faso, Mali e Chade).

US$ 2 bilhões no setor de energia e sucroalcooleiro

Um dos grupos de investidores vêm da Nigéria com 2,6 bilhões dólares de olho em aplicar capital nos setores sucroalcooleiro e produção de energia por meio de biomassa.

Eles acreditam que o Brasil é o melhor parceiro para o programa de produção de álcool e açúcar na Nigéria com vistas no desenvolvimento da indústria automobilística no país.

A presidente da ECOWAS e também realizadora da Feafro International Business Fair, Silvana Saraiva, acredita que os negócios serão promissores devido ao alto nível tecnológico das organizações brasileiras. “Em tempos de crise, será um alívio internacionalizar as empresas e transferir conhecimento”, afirma.

Oportunidades para a agricultura

O mês continua movimentado com a vinda do Forum For Agricultural Research In África (FARA), que também será recepcionado pela ECOWAS BRAZIL, e pretende investir quase US$5 bilhões em agricultura.

A ECOWAS assinou um acordo de cooperação com a FARA em maio deste ano e, após isso, ambas promoveram o lançamento do programa “HELP – Holistic Empowerment for Liverlihood Program”, o qual pretende diminuir a fome nos países mais pobres da África.

O FARA é uma organização continental, a qual é responsável por coordenador e defender pesquisas agrícolas para o desenvolvimento, servindo como apoio técnico da Comissão da União Africana em temas relacionados à ciência agrícola, tecnologia e inovação.

Nos dias 22 e 23 de novembro, os representantes da ECOWAS e da FARA também estarão no Brasil para participar do 6º Fórum Brasil África, em Salvador (BA). O evento deste ano terá como tema central “Empoderamento Juvenil – Transformação para alcançar o Desenvolvimento Sustentável” e contará com a presença de líderes de diversos países da África.

Website: http://www.ecowaschamber.com.br

Política externa do presidente eleito piora as exportações brasileiras

Embarques de carne halal, quando o abate segue os preceitos da religião muçulmana, podem ser os mais prejudicados

Foto: Alexandre Rocha/ Agências de Notícias Brasil-Árabe

Uma retaliação dos países árabes ao Brasil por conta de declarações pró-Israel do presidente eleito, Jair Bolsonaro, teria impacto negativo nas exportações brasileiras a médio prazo, especialmente de carnes, segundo especialistas em comércio exterior. O Brasil é o maior exportador de carne halal do mundo, isto é, quando o abate segue os preceitos da religião muçulmana.

“Não acredito em rompimento de relações diplomáticas e comerciais, mas os árabes poderão preferir outros concorrentes brasileiros, não certificar novas plantas para o abate halal ou não renovar a certificação”, alerta Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior do Ministério de Indústria e Comércio. Ele destaca que o mercado árabe paga preço adicional pelo produto.

No ano passado, as exportações de frango halal, por exemplo, renderam ao Brasil US$ 3,2 bilhões e responderam por 45% das receitas totais de vendas externas do produto, segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

“Algumas palavras políticas hoje poderão ter reflexos negativos na área econômica”, ressalta José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

Segundo ele, todos os desencontros que ocorreram na semana pós-eleição mostram a descoordenação da novo governo. “O reflexo negativo recai na economia e, no caso das exportações, o dano só não será maior porque não há fornecedores alternativos a alguns produtos”, pondera.

Castro destaca que, juntos, os países do Oriente Médio representaram 4% das exportações totais brasileiras de janeiro a outubro deste ano, cerca de US$ 8 bilhões, uma participação superior à da África , que foi de 3,4%. O economista ressalta que os países árabes têm muito dinheiro e, por isso, são mercados com potencial de crescimento muito grande.

O presidente da AEB lembra que o Egito é um dos poucos países que o Brasil tem acordo comercial porque negocia muitos produtos, cerca de 800. Isso significa que, a princípio, a retaliação que o país poderia fazer em relação ao produtos brasileiros não seria imediata porque existe um precedente que é o bom relacionamento.

De toda forma, o mercado já coloca no radar os efeitos negativos no lado comercial. A XP Investimentos chamou a atenção para os possíveis impactos futuros desta medida ao agronegócio brasileiro, seja por parte do Egito ou por parte de algum dos outros países envolvidos no conflito Palestina/Israel. O Egito foi o 3.º maior comprador da carne bovina brasileira, 146,95 mil toneladas e participação de 12,1%.

Procurada, a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), que reúne os exportadores de carne, não quis se pronunciar. A ABPA, por meio de nota, disse que acredita que esta questão será novamente avaliada no início do novo governo.

Para o diretor da MB Agro, José Carlos Hausknecht, o estremecimento das relações entre Brasil e Egito pode afetar as vendas de açúcar para os países árabes. O Brasil exporta cerca de 28 milhões de toneladas de açúcar por ano-safra. Só para o Egito, foram embarcadas no ano passado 1,5 milhão de toneladas.

“Não dá para se ter um impacto sobre as exportações ainda, mas o bloco árabe é um importante mercado para o Brasil”, disse Hausknecht. Procurada a União da Indústria da Cana-de-açúcar (Unica) não se posicionou

Rondônia investe na conquista do mercado Africano e Árabe

rondioniaO Mundo Árabe é formado por 22 países _ quase todos produtores de petróleo – e tem mais de 350 milhões de consumidores. Já o Continente Africana é formado por 55 países – vários deles em curva ascendente de crescimento – e pode se tornar um importante mercado aos produtos de Rondônia. E para desvendar melhor as oportunidades desses mercados que a Federação da Indústrias de Rondônia (Fiero) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), realizaram na manhã desta segunda-feira, na Casa da Indústria, um seminário abordando as potencialidades e oportunidades de negócios dos mercados árabe e africano para empresários de Rondônia. A iniciativa é da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (Fiero) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e objetiva incentivar pequenas e médias empresas à prática do comércio com os dois mercados.

Segundo o presidente da Fiero e do Conselho Deliberativo do Sebrae-RO, Marcelo Thomé, a partir deste seminário de oportunidades, perspectivas e tendências dos mercados árabe e africano, os empresários rondonienses terão a oportunidade de conhecer ainda mais ambos os mercados e as respectivas potencialidades em vários setores. “Acreditamos que esta iniciativa e as ações aqui desenvolvidas vão fortalecer os mercados árabes e africanos com o Brasil especificamente, trazendo o desenvolvimento à nossa cidade e ao nosso estado”, disse.

O seminário é um diálogo entre a Câmara de Comércio Árabe e Câmara de Comércio da África e Rondônia e o Porto Velho. “A ideia é identificar produtos de Rondônia que possam atender esses países, assim como o setor de alimentos, que consiste numa significativa oportunidade de atendimento às demandas desses países”, argumentou o vice-presidente de desenvolvimento econômico da Fiero, Adélio Barofaldi.

COMPENSA RONDÔNIA

O governador de Rondônia, Daniel Pereira, que fez questão de assinar na Fiero, a lei que permitirá aos empresários reduzir débitos e cumprir as obrigações fiscais utilizando precatórios do estado prestigiou o evento do começo até quase ao final. Sobre o decreto 23.259/11/10/2018, Daniel disse ser “um instrumento poderoso a permitir a recuperação econômica de uma série de empresas e pessoas físicas em débito com o estado de Rondônia. A Fiero acolhe essa proposta alvissareira e uma solução inteligente, que também será adotada pela Prefeitura de Porto Velho, conforme declarou o prefeito Hildon Chaves, que também prestigiou o seminário”, finalizou.

O workshop sobre o mundo árabe contou com três partes, a primeira com uma introdução sobre os países árabes e seu mercado, a segunda sobre certificação e a terceira com apresentação de oportunidades no comércio com os árabes. O diretor-geral da Câmara Árabe, Michel Alaby Alaby, falou sobre regulamentação, certificação e como entrar nesse mercado. Após cada tema tratado, houve tempo para perguntas e respostas, com bate-papo entre os empresários e os representantes da Câmara Árabe.

Alaby ressaltou a expansão do mercado que conta com mais de 400 milhões de habitantes e consumidores em potencial. O mundo árabe é o segundo maior consumidor de alimentos do Brasil. “Rondônia é um importante produtor de alimentos como carnes, frutas e grãos, e comercializa gado vivo, segmentos que têm espaço no mercado árabe que está cheio de oportunidades de negócios”, afirma.

De acordo com Alaby, a Câmara Árabe pretende expandir suas ações para uma quantidade cada vez maior de regiões do Brasil. “Queremos desenvolver mais o mercado árabe para o Brasil, não só para as grandes empresas, mas também para as pequenas e médias”, afirmou o diretor-geral.

Houve também outro workshop no mesmo formato, com a participação do presidente da Câmara de Comércio Afro-Brasileira (Afrochamber), Rui Mucaje e do diretor de Relações Diáspora, Tomegah Messanvi. A primeira parte foi voltada à introdução aos países africanos e mercado. Na segunda, o tema foi certificação. A terceira parte ficou reservada ao tema oportunidades – importação exportação.

Mucaje destaca “a relação muito próxima com o Brasil, principalmente pela suplementação das deficiências do nosso continente. Estamos trabalhando com a Câmara de Comércio Afro-brasileira, que atua nos 55 países do continente africano, promovendo as empresas brasileiras há mais de 45 anos. São muitas as oportunidades existentes no mercado africano e nós da Afrochamber temos trabalhado próximos com o governo de Rondônia, inclusive promovendo a Rondônia Rural Show em Angola e outras ações como este seminário que traz a cultura exportadora, o olhar para a África através das empresas rondonienses”, falou.

O governador de Rondônia, Daniel Pereira e o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves prestigiaram o seminário e parabenizaram a iniciativa da Fiero e do presidente Marcelo Thomé e do Sebrae RO. Empresários, diretores, conselheiros e lideranças sindicais filiadas ao Sistema Fiero marcaram presença no evento, que contou também com representantes do Sebrae-RO.

rondonia2

Fonte: https://www.diariodaamazonia.com.br/fiero-e-sebrae-de-olho-no-mercado-arabe-e-africano/

Brasileiros disputam o mercado de leite, queijos, iorgutes na Africa do Sul e Botswana

Africa_s Big 7 Saitex

Pela primeira vez, uma missão comercial de prospecção brasileira esteve nas cidades de Johannesburgo (África do Sul), Gaborone (Botsuana) e Windohoek (Namíbia) com objetivo de promover produtos do agronegócio com foco, principalmente, em lácteos (leite em pó, queijos, iogurtes, requeijão) para ampliar as exportações.

Reuniões – Delegação, formada por representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e de cooperativas agropecuárias do Mercosul, participou de reuniões com órgãos do governo e de rodada de negócios com associações e empresas importadoras. A missão se encerrou neste domingo (01/07).

Ampliação – De acordo com o secretário de Mobilidade Social, Produtor Rural e Cooperativismo do Mapa, José Doria, a missão visou ampliar exportações, aproveitando acordo de comércio entre os dois blocos, e traçar estratégias para ação conjunta na região. Acordo Mercosul – Sacu (União Aduaneira formada pela África do Sul, Namíbia, Botsuana, Lesoto e Suazilândia) assegura preferências tarifárias a produtos brasileiros, possibilitando acesso a um mercado de cerca de 65 milhões de consumidores.

Saitex_Africa_Big_7_0003.jpg

Feira – A delegação brasileira participou na última segunda-feira (25/06) da Feira Africa’s Big 7/ Saitex, em Joanesburgo. Com participação de 36 países, a feira comercial de alimentos e bebidas, reuniu fornecedores e compradores de vários segmentos de atividades de todo o continente africano.

Africas Big 7Saitex

Principais produtos – Os principais produtos agrícolas exportados pelo Brasil para a região são soja, milho, sorgo, arroz, carnes de aves, fumo não faturado, açúcar, entre outros. (Mapa)

http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/index.php/sistema-ocepar/comunicacao/2011-12-07-11-06-29/ultimas-noticias/118318-mercado-brasil-busca-mercados-em-paises-da-africa-para-produtos-lacteos

 

Café processado, torrado, moído, embalado e rotulado “Made in Kenya”

café kenya

 

NAIRÓBI (Reuters) – Um congressita do Quênia disse que levará ao parlamento uma proposta de lei que visa banir as exportações do café não processado para impulsionar os ganhos de agricultores.café kenya1

A nação do leste africano é uma pequena produtora da commodity, representando cerca de 1 por cento da produção global anual, mas seus grãos arábica de alta qualidade são procurados por torrefadores globais que os usam em misturas com outras variedades.

cofee

Grãos de cafés crus, que são a quinta maior fonte de renda do Quênia, são geralmente vendidos em um leilão semanal na capital Nairóbi ou diretamente para compradores estrangeiros que então torram, empacotam e vendem com prêmios pesados.

As exportações de café chegaram a 214 milhões de dólares no ano até março.

 kenya cofee

Moses Kuria, do partido governante Jubilee, disse que alguns países estão importando café bruto queniano, processando-o e re-exportando de volta ao Quênia para vender às custas dos agricultores que “não colhem o máximo dos benefícios do que eles produzem”.

coffe k

Ele disse que seu novo projeto de lei proibirá a exportação de café cru de qualquer forma.

“Eu estou… introduzindo um projeto de lei na assembléia nacional que providenciará que o café será exportado apenas em sua forma processada, tendo sido torrado, moído, embalado e rotulado, claramente rotulado com a inscrição ‘Made in Kenya”, ele disse em carta para o líder do parlamento, vista pela Reuters nesta quarta-feira.

(Por Duncan Miriri)

Fonte:https://noticias.r7.com/economia/congressista-do-quenia-propoe-lei-para-banir-exportacoes-de-cafe-nao-processado-13062018

Nigéria conta com o Brasil no combate ao terrorismo

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e o ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, se reuniram hoje (12), em Brasília, para discutir as relações bilaterais.

Segundo o Itamaraty, em 2017 o comércio entre os dois países foi de aproximadamente US$ 1,5 bilhão. Nos primeiros quatro meses desse ano, as trocas alcançaram US$ 538 milhões, 22% superior ao do mesmo período do ano passado.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, durante encontro no Palácio Itamaraty.
O ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, durante encontro no Palácio Itamaraty (José Cruz/Agência Brasil)

“O Brasil tem o maior interesse em aprofundar e melhorar cada vez mais, em todos os planos, as relações com a Nigéria. Seja no plano econômico, cultural ou político”, declarou o ministro brasileiro ao fim da reunião.

Em outubro, Aloysio Nunes visitou o país africano acompanhado por oito servidores de alto escalão. Durante a estada de dois dias, o ministro brasileiro se reuniu com Onyeama e com o ministro da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Chefe Audu Ogbeh. As conversações giraram em torno de acordos bilaterais atualmente em negociação, como as minutas de um acordo de cooperação e facilitação de investimentos, e sobre a transferência de presos e de extradição, além da cooperação para desenvolvimento agrícola e no campo da Defesa.

Desde então, Nunes e Onyeama vêm discutindo temas como segurança, terrorismo e a necessidade de reformas do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU). Hoje, Onyeama mencionou que enfrentar o terrorismo é um “desafio” para o qual a Nigéria espera contar com o apoio do Brasil, citado como um “produtor de equipamentos militares sofisticados”.

“Estamos buscando diversificar nossa economia. Para isso, estamos procurando países-irmãos com quem possamos intensificar os investimentos”, declarou o ministro nigeriano, alegando que o mundo “chegou a uma encruzilhada, diante da qual os países do [Hemisfério] Sul têm a obrigação de assumir uma postura mais firme”.

No encontro anterior, em Lagos, na Nigéria, os dois chanceleres discutiram a “necessidade urgente” de reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas para que, nas palavras do Itamaraty, possa “refletir a atual ordem mundial e o imperativo do combate ao terrorismo internacional, inclusive com a eliminação dos problemas sociais que contribuem para a sua disseminação”.

https://istoe.com.br/chanceleres-do-brasil-e-nigeria-se-reunem-para-tratar-de-cooperacao/

Africa do Sul realiza seminário com empresários de Santa Catarina- Brasil

Publicado em 11/06/2018 – 18:36:25

 

Seminário promovido pela FIESC mostrou que o país dá acesso ao continente africano, formado por 55 países, e com um bilhão de consumidores e um mercado de US$ 3 trilhões

Filipe Scotti
SC e África do Sul buscam fortalecimento do comércio

A ampliação do comércio entre Santa Catarina e a África do Sul foi debatida durante seminário promovido pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), nesta segunda-feira (11), em Florianópolis. O presidente da entidade, Glauco José Côrte, lembrou que Brasil e África do Sul integram o grupo BRICs (ao lado de Rússia, Índia e China), o que facilita o avanço da parceria. “Juntos, esses países representam mais de 50% da população e um quarto do PIB mundial. Realmente, um conjunto de países que tem expressão significativa no contexto da economia mundial”, observou.

“Quanto aos investimentos, Santa Catarina apresenta uma condição favorável para inserção dos investidores sul-africanos no Brasil já que são grandes as similaridades em termos culturais e de organização produtiva. Nós temos essa característica de pequenas áreas geográficas, mas que conseguem se transformar em economias diversificadas e em desenvolvimento econômico e social”, afirmou Côrte. Ele ressaltou que Santa Catarina e África do Sul são economias que se encontram em desenvolvimento, buscando uma inserção maior no mercado internacional. “Assim, essa parceria torna nossas relações econômicas ainda mais vantajosas ao ampliar as capacidades tecnológicas, fortalecer as áreas de interesse e aprofundar a integração e a cooperação”, finalizou.

Santa Catarina exportou US$ 144,8 milhões à África do Sul em 2017. Desse total, 24% são de carne de aves, seguido por partes para motor (US$ 29,8 milhões) e motores e geradores elétricos (US$ 18,2 milhões). As importações catarinenses vindas da África do Sul no período somaram US$ 46,9 milhões, com destaque para os produtos laminados de aço, ferro-ligas e ácido fosfórico.

A cônsul comercial do Consulado da África do Sul em São Paulo, Shanaaz Ebrahim, apresentou um panorama dos incentivos que o país oferece para quem investe lá. Entre eles, destacou as oito zonas comerciais especiais, que oferecem imposto diferenciado e financiamentos com condições especiais. Ela também informou que uma lei aprovada em 2015 protege o investimento de quem aposta no país. “Quando se investe na África do Sul, se tem acesso aos 52 milhões de habitantes do país e a todo o continente, formado por 55 países, um bilhão de consumidores e um mercado de 3 trilhões de dólares”, declarou, lembrando que há em vigor um acordo com o Mercosul, que pode beneficiar o Brasil.

O cônsul-geral do Consulado da África do Sul em São Paulo, Malose Mogale, ressaltou a importância de fortalecer as relações entre os países dos BRICs e informou que o país passa por mudanças estruturais na produção, com foco em conhecimento. “Cada vez mais a economia verde está se destacando à medida que o País vai adotando energia limpa. Para aumentar a confiança dos investidores, o governo criou um lugar único (one stop shop) para reduzir a burocracia na abertura de empresas. Em três dias o empresário pode registrá-la e conseguir um número de CNPJ”, disse.

Ainda no encontro, o diretor de desenvolvimento institucional e industrial da FIESC, Carlos Henrique Ramos Fonseca, apresentou um perfil da economia catarinense, e a representante da Investe SC, Joice Schafer, destacou o trabalho da agência de atração de investimentos na promoção de novos negócios para o Estado.

 

http://www.portaldailha.com.br/noticias/lernoticia.php?id=43550

Cabo Verde fica a 4 horas do Brasil: uma janela de oportunidades

Mapa de cabo verde

Apenas quatro horas de voo separam o país-arquipélago de Cabo Verde, que fica na costa ocidental da África, do Nordeste do Brasil  Há  voos para Fortaleza, Recife e, nos próximos meses,  inaugurará a rota  para Salvador. Uma nova frequência também está programada para operar no Recife, aumentando de dois para três o número de voos semanais”, destacou o CEO da Cabo Verde Airlines, Mário Chaves, durante encontro com imprensa e agentes de viagem pernambucanos que foram conhecer as potencialidades do destino.

vista-aerea-costa-cidade-do-cabo-africa-do-sul

A companhia aérea está em processo de privatização que deve ser finalizado ainda em 2018, passando a contar com a gestão da islandesa Loftleidir Icelandic. O reflexo já pode ser visto na renovação da frota de aeronaves e no posicionamento da companhia. Uma das primeiras iniciativas da nova administração foi mudar de aeroporto. Antes conhecida como TACV Airlines, a empresa voava para a cidade de Praia, capital do País. A mudança para o Sal não foi apenas uma questão focada no turismo, embora isso faça parte de uma importante estratégia para incrementar uma das principais vocações da economia local. O terminal de passageiros do Sal oferece melhor estrutura operacional para funcionar como hub intercontinental da empresa.

A-Montagem-fotos-de-rostos-cabo-verdianos-cabeçalho-a-abrir-a-peça-983x550-33n8z3aavgnwl126iei51c

O turismo hoje representa 23% do PIB do país, estimulado sobretudo pelos ingleses e alemães, que são os principais “consumidores” dos atrativos da ilha: mar de águas cristalinas, sol o ano inteiro e resorts all inclusive de altíssimo padrão. Para nós, brasileiros, ainda há a vantagem de se falar português e a gentileza do cabo-verdiano – conhecida como morabeza. Desvantagem talvez seja o câmbio. Como 95% do turismo é advindo da Europa, o euro é a moeda corrente. Nem pense em levar dólar, que poucos lugares aceitam. Para este ano, a previsão é de que 800 mil turistas internacionais passem por Cabo Verde.

cabo verde e brasil

Com a chegada dos visitantes, a geografia do Sal também vai tomando novos contornos. Há pouco mais de um ano, a capital “turística” de Cabo Verde vive um boom imobiliário. O que se vê é uma cidade em constante reforma. Sobretudo da rede hoteleira, que está em franca expansão, ampliando quartos e erguendo quatro novos hotéis, numa soma que vai elevar em três mil o número de leitos disponíveis. Hoje, a capacidade hoteleira está no limite, ultrapassando 90% de ocupação na alta estação (inverno europeu).

cabo-verde-2

A chegada dos novos leitos, a reforma dos aeroportos (três dos quatro terminais internacionais do país foram reformados em menos de um ano), e o novo posicionamento da companhia aérea faz com que o Brasil, mais especificamente o Nordeste, esteja na mira do destino. “O passageiro da Cabo Verde Airlines pode sair do Recife, passar até sete dias no País sem custo adicional no bilhete, e seguir viagem para Lisboa, Milão e Paris”, explicou Mário Chaves. “Vamos iniciar uma operação em Salvador e outras cidades do Brasil estão em nossos planos futuros”, disse o executivo português, que atuou como piloto da TAP por 17 anos. As tarifas também são um diferencial. É possível viajar a Cabo Verde a partir de 400 dólares. Se o destino for Lisboa, Paris ou Milão, o bilhete sai a partir de 600 dólares. A companhia opera com Boeing B757 com 160 lugares em econômica e 22 lugares Comfort Class.

cabo_verde-mapa

Em relação a novas conexões que liguem o Brasil à Europa, a partir de Cabo Verde, Chaves revelou que existem mais seis destinos que estão sendo estudados para aumentar a capilaridade da companhia. “Teremos um ou dois destinos a serem incrementados já a partir de 2019”.

Brasil / Cabo Verde

Brasil / Cabo Verde

O programa stopover é uma ótima oportunidade para o turista brasileiro que tem como destino a Europa de conhecer a Ilha do Sal e estender o passeio para as demais ilhas de Cabo Verde. Muito por causa dos atrativos – praias de águas cristalinas, temperatura amena e diversidade cultural e geográfica – o turismo tem grande potencial de crescimento.

Neste ano, Cabo Verde inaugurou o seu primeiro cassino – o Cassino Royal, na Ilha do Sal – e outros três estão previstos, nas ilhas da Boa Vista, Maio e Santiago. “Esse tipo de operação atrai turistas de alto poder aquisitivo. Tanto que, entre 2019 e 2020 está prevista a inauguração do maior cassino de Cabo Verde, que ficará em Praia (a capital), com investimento de 250 milhões de dólares”, comenta o cônsul de Cabo Verde em Pernambuco, Ricardo Galdino. O empreendimento ficará em um antigo presídio, que será transformado em um hotel de luxo, erguido por investidores de Macau, na China.

A área de Tecnologia da Informação também está em franca expansão, com PIB em torno dos 15%. Por lá, o Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI) já exporta tecnologia para a Comunidade dos Países da África Oeste. “Fico muito orgulhoso com a intercessão que Cabo Verde tem com o CESAR, em Pernambuco, e percebo que empresas do Porto Digital começam a se aproximar”, destaca Galdino.

cabo_verde_10

Para o cônsul, há muitas oportunidades de aproximação entre Brasil e África. “Os países europeus já fazem isso há muito tempo”, comenta. O consulado, inclusive, está em articulação com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) para, em julho, realizar um road show para apresentar o destino e possibilitar a descoberta de novas oportunidades de negócios.

Cabo Verde trabalha com plataforma de reexportação, que permite que qualquer produto manufaturado ou beneficiado em até 30% no país tenha isenção de impostos nos países destino: Estados Unidos, Canadá, toda União Europeia e África Oeste. Seis mil itens entre calçados, confecção e pesacados fazem parte dessa plataforma, que hoje corrresponde a entre 15% a 18 % do comércio local

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2018/04/15/cabo-verde-airlines-mira-clientes-do-nordeste-brasileiro-335327.php