Menu

Café processado, torrado, moído, embalado e rotulado “Made in Kenya”

café kenya

 

NAIRÓBI (Reuters) – Um congressita do Quênia disse que levará ao parlamento uma proposta de lei que visa banir as exportações do café não processado para impulsionar os ganhos de agricultores.café kenya1

A nação do leste africano é uma pequena produtora da commodity, representando cerca de 1 por cento da produção global anual, mas seus grãos arábica de alta qualidade são procurados por torrefadores globais que os usam em misturas com outras variedades.

cofee

Grãos de cafés crus, que são a quinta maior fonte de renda do Quênia, são geralmente vendidos em um leilão semanal na capital Nairóbi ou diretamente para compradores estrangeiros que então torram, empacotam e vendem com prêmios pesados.

As exportações de café chegaram a 214 milhões de dólares no ano até março.

 kenya cofee

Moses Kuria, do partido governante Jubilee, disse que alguns países estão importando café bruto queniano, processando-o e re-exportando de volta ao Quênia para vender às custas dos agricultores que “não colhem o máximo dos benefícios do que eles produzem”.

coffe k

Ele disse que seu novo projeto de lei proibirá a exportação de café cru de qualquer forma.

“Eu estou… introduzindo um projeto de lei na assembléia nacional que providenciará que o café será exportado apenas em sua forma processada, tendo sido torrado, moído, embalado e rotulado, claramente rotulado com a inscrição ‘Made in Kenya”, ele disse em carta para o líder do parlamento, vista pela Reuters nesta quarta-feira.

(Por Duncan Miriri)

Fonte:https://noticias.r7.com/economia/congressista-do-quenia-propoe-lei-para-banir-exportacoes-de-cafe-nao-processado-13062018

Advertisements

Nigéria conta com o Brasil no combate ao terrorismo

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e o ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, se reuniram hoje (12), em Brasília, para discutir as relações bilaterais.

Segundo o Itamaraty, em 2017 o comércio entre os dois países foi de aproximadamente US$ 1,5 bilhão. Nos primeiros quatro meses desse ano, as trocas alcançaram US$ 538 milhões, 22% superior ao do mesmo período do ano passado.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, durante encontro no Palácio Itamaraty.
O ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, Geoffrey Onyeama, e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, durante encontro no Palácio Itamaraty (José Cruz/Agência Brasil)

“O Brasil tem o maior interesse em aprofundar e melhorar cada vez mais, em todos os planos, as relações com a Nigéria. Seja no plano econômico, cultural ou político”, declarou o ministro brasileiro ao fim da reunião.

Em outubro, Aloysio Nunes visitou o país africano acompanhado por oito servidores de alto escalão. Durante a estada de dois dias, o ministro brasileiro se reuniu com Onyeama e com o ministro da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Chefe Audu Ogbeh. As conversações giraram em torno de acordos bilaterais atualmente em negociação, como as minutas de um acordo de cooperação e facilitação de investimentos, e sobre a transferência de presos e de extradição, além da cooperação para desenvolvimento agrícola e no campo da Defesa.

Desde então, Nunes e Onyeama vêm discutindo temas como segurança, terrorismo e a necessidade de reformas do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU). Hoje, Onyeama mencionou que enfrentar o terrorismo é um “desafio” para o qual a Nigéria espera contar com o apoio do Brasil, citado como um “produtor de equipamentos militares sofisticados”.

“Estamos buscando diversificar nossa economia. Para isso, estamos procurando países-irmãos com quem possamos intensificar os investimentos”, declarou o ministro nigeriano, alegando que o mundo “chegou a uma encruzilhada, diante da qual os países do [Hemisfério] Sul têm a obrigação de assumir uma postura mais firme”.

No encontro anterior, em Lagos, na Nigéria, os dois chanceleres discutiram a “necessidade urgente” de reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas para que, nas palavras do Itamaraty, possa “refletir a atual ordem mundial e o imperativo do combate ao terrorismo internacional, inclusive com a eliminação dos problemas sociais que contribuem para a sua disseminação”.

https://istoe.com.br/chanceleres-do-brasil-e-nigeria-se-reunem-para-tratar-de-cooperacao/

Africa do Sul realiza seminário com empresários de Santa Catarina- Brasil

Publicado em 11/06/2018 – 18:36:25

 

Seminário promovido pela FIESC mostrou que o país dá acesso ao continente africano, formado por 55 países, e com um bilhão de consumidores e um mercado de US$ 3 trilhões

Filipe Scotti
SC e África do Sul buscam fortalecimento do comércio

A ampliação do comércio entre Santa Catarina e a África do Sul foi debatida durante seminário promovido pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), nesta segunda-feira (11), em Florianópolis. O presidente da entidade, Glauco José Côrte, lembrou que Brasil e África do Sul integram o grupo BRICs (ao lado de Rússia, Índia e China), o que facilita o avanço da parceria. “Juntos, esses países representam mais de 50% da população e um quarto do PIB mundial. Realmente, um conjunto de países que tem expressão significativa no contexto da economia mundial”, observou.

“Quanto aos investimentos, Santa Catarina apresenta uma condição favorável para inserção dos investidores sul-africanos no Brasil já que são grandes as similaridades em termos culturais e de organização produtiva. Nós temos essa característica de pequenas áreas geográficas, mas que conseguem se transformar em economias diversificadas e em desenvolvimento econômico e social”, afirmou Côrte. Ele ressaltou que Santa Catarina e África do Sul são economias que se encontram em desenvolvimento, buscando uma inserção maior no mercado internacional. “Assim, essa parceria torna nossas relações econômicas ainda mais vantajosas ao ampliar as capacidades tecnológicas, fortalecer as áreas de interesse e aprofundar a integração e a cooperação”, finalizou.

Santa Catarina exportou US$ 144,8 milhões à África do Sul em 2017. Desse total, 24% são de carne de aves, seguido por partes para motor (US$ 29,8 milhões) e motores e geradores elétricos (US$ 18,2 milhões). As importações catarinenses vindas da África do Sul no período somaram US$ 46,9 milhões, com destaque para os produtos laminados de aço, ferro-ligas e ácido fosfórico.

A cônsul comercial do Consulado da África do Sul em São Paulo, Shanaaz Ebrahim, apresentou um panorama dos incentivos que o país oferece para quem investe lá. Entre eles, destacou as oito zonas comerciais especiais, que oferecem imposto diferenciado e financiamentos com condições especiais. Ela também informou que uma lei aprovada em 2015 protege o investimento de quem aposta no país. “Quando se investe na África do Sul, se tem acesso aos 52 milhões de habitantes do país e a todo o continente, formado por 55 países, um bilhão de consumidores e um mercado de 3 trilhões de dólares”, declarou, lembrando que há em vigor um acordo com o Mercosul, que pode beneficiar o Brasil.

O cônsul-geral do Consulado da África do Sul em São Paulo, Malose Mogale, ressaltou a importância de fortalecer as relações entre os países dos BRICs e informou que o país passa por mudanças estruturais na produção, com foco em conhecimento. “Cada vez mais a economia verde está se destacando à medida que o País vai adotando energia limpa. Para aumentar a confiança dos investidores, o governo criou um lugar único (one stop shop) para reduzir a burocracia na abertura de empresas. Em três dias o empresário pode registrá-la e conseguir um número de CNPJ”, disse.

Ainda no encontro, o diretor de desenvolvimento institucional e industrial da FIESC, Carlos Henrique Ramos Fonseca, apresentou um perfil da economia catarinense, e a representante da Investe SC, Joice Schafer, destacou o trabalho da agência de atração de investimentos na promoção de novos negócios para o Estado.

 

http://www.portaldailha.com.br/noticias/lernoticia.php?id=43550

Cabo Verde fica a 4 horas do Brasil: uma janela de oportunidades

Mapa de cabo verde

Apenas quatro horas de voo separam o país-arquipélago de Cabo Verde, que fica na costa ocidental da África, do Nordeste do Brasil  Há  voos para Fortaleza, Recife e, nos próximos meses,  inaugurará a rota  para Salvador. Uma nova frequência também está programada para operar no Recife, aumentando de dois para três o número de voos semanais”, destacou o CEO da Cabo Verde Airlines, Mário Chaves, durante encontro com imprensa e agentes de viagem pernambucanos que foram conhecer as potencialidades do destino.

vista-aerea-costa-cidade-do-cabo-africa-do-sul

A companhia aérea está em processo de privatização que deve ser finalizado ainda em 2018, passando a contar com a gestão da islandesa Loftleidir Icelandic. O reflexo já pode ser visto na renovação da frota de aeronaves e no posicionamento da companhia. Uma das primeiras iniciativas da nova administração foi mudar de aeroporto. Antes conhecida como TACV Airlines, a empresa voava para a cidade de Praia, capital do País. A mudança para o Sal não foi apenas uma questão focada no turismo, embora isso faça parte de uma importante estratégia para incrementar uma das principais vocações da economia local. O terminal de passageiros do Sal oferece melhor estrutura operacional para funcionar como hub intercontinental da empresa.

A-Montagem-fotos-de-rostos-cabo-verdianos-cabeçalho-a-abrir-a-peça-983x550-33n8z3aavgnwl126iei51c

O turismo hoje representa 23% do PIB do país, estimulado sobretudo pelos ingleses e alemães, que são os principais “consumidores” dos atrativos da ilha: mar de águas cristalinas, sol o ano inteiro e resorts all inclusive de altíssimo padrão. Para nós, brasileiros, ainda há a vantagem de se falar português e a gentileza do cabo-verdiano – conhecida como morabeza. Desvantagem talvez seja o câmbio. Como 95% do turismo é advindo da Europa, o euro é a moeda corrente. Nem pense em levar dólar, que poucos lugares aceitam. Para este ano, a previsão é de que 800 mil turistas internacionais passem por Cabo Verde.

cabo verde e brasil

Com a chegada dos visitantes, a geografia do Sal também vai tomando novos contornos. Há pouco mais de um ano, a capital “turística” de Cabo Verde vive um boom imobiliário. O que se vê é uma cidade em constante reforma. Sobretudo da rede hoteleira, que está em franca expansão, ampliando quartos e erguendo quatro novos hotéis, numa soma que vai elevar em três mil o número de leitos disponíveis. Hoje, a capacidade hoteleira está no limite, ultrapassando 90% de ocupação na alta estação (inverno europeu).

cabo-verde-2

A chegada dos novos leitos, a reforma dos aeroportos (três dos quatro terminais internacionais do país foram reformados em menos de um ano), e o novo posicionamento da companhia aérea faz com que o Brasil, mais especificamente o Nordeste, esteja na mira do destino. “O passageiro da Cabo Verde Airlines pode sair do Recife, passar até sete dias no País sem custo adicional no bilhete, e seguir viagem para Lisboa, Milão e Paris”, explicou Mário Chaves. “Vamos iniciar uma operação em Salvador e outras cidades do Brasil estão em nossos planos futuros”, disse o executivo português, que atuou como piloto da TAP por 17 anos. As tarifas também são um diferencial. É possível viajar a Cabo Verde a partir de 400 dólares. Se o destino for Lisboa, Paris ou Milão, o bilhete sai a partir de 600 dólares. A companhia opera com Boeing B757 com 160 lugares em econômica e 22 lugares Comfort Class.

cabo_verde-mapa

Em relação a novas conexões que liguem o Brasil à Europa, a partir de Cabo Verde, Chaves revelou que existem mais seis destinos que estão sendo estudados para aumentar a capilaridade da companhia. “Teremos um ou dois destinos a serem incrementados já a partir de 2019”.

Brasil / Cabo Verde

Brasil / Cabo Verde

O programa stopover é uma ótima oportunidade para o turista brasileiro que tem como destino a Europa de conhecer a Ilha do Sal e estender o passeio para as demais ilhas de Cabo Verde. Muito por causa dos atrativos – praias de águas cristalinas, temperatura amena e diversidade cultural e geográfica – o turismo tem grande potencial de crescimento.

Neste ano, Cabo Verde inaugurou o seu primeiro cassino – o Cassino Royal, na Ilha do Sal – e outros três estão previstos, nas ilhas da Boa Vista, Maio e Santiago. “Esse tipo de operação atrai turistas de alto poder aquisitivo. Tanto que, entre 2019 e 2020 está prevista a inauguração do maior cassino de Cabo Verde, que ficará em Praia (a capital), com investimento de 250 milhões de dólares”, comenta o cônsul de Cabo Verde em Pernambuco, Ricardo Galdino. O empreendimento ficará em um antigo presídio, que será transformado em um hotel de luxo, erguido por investidores de Macau, na China.

A área de Tecnologia da Informação também está em franca expansão, com PIB em torno dos 15%. Por lá, o Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI) já exporta tecnologia para a Comunidade dos Países da África Oeste. “Fico muito orgulhoso com a intercessão que Cabo Verde tem com o CESAR, em Pernambuco, e percebo que empresas do Porto Digital começam a se aproximar”, destaca Galdino.

cabo_verde_10

Para o cônsul, há muitas oportunidades de aproximação entre Brasil e África. “Os países europeus já fazem isso há muito tempo”, comenta. O consulado, inclusive, está em articulação com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) para, em julho, realizar um road show para apresentar o destino e possibilitar a descoberta de novas oportunidades de negócios.

Cabo Verde trabalha com plataforma de reexportação, que permite que qualquer produto manufaturado ou beneficiado em até 30% no país tenha isenção de impostos nos países destino: Estados Unidos, Canadá, toda União Europeia e África Oeste. Seis mil itens entre calçados, confecção e pesacados fazem parte dessa plataforma, que hoje corrresponde a entre 15% a 18 % do comércio local

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2018/04/15/cabo-verde-airlines-mira-clientes-do-nordeste-brasileiro-335327.php

“Le Monde”:Concorrência da China, India, Turquia e Brasil na Africa mudaram o mercado africano

 

Para um observador casual tornou-se difícil  manter os mercados africanos  concedido a empresas s Europeias. O modelo ocidental, cujo apelo antes parecia inabalável, está agora a braços com modelos concorrentes inspirados por novos parceiros de África , a primeira das quais a China e Índia .

Mais de um século de intercâmbios tendenciosos, mas também de admiração cruzada e proximidade cultural, poderiam criar a ilusão de uma fluidez inalterável entre um Ocidente seguro de seu modelo e uma África entusiasmada pelo know-how que precisava para assegurar- lhe um futuro próspero.

Algumas ideias herdadas, muitas vezes reprimidas

O traço parece forçado? Ao contrário, acreditamos que não devemos nos enganar sobre este ponto: vários atores econômicos na África – nem todos verdadeiros – de empresas a instituições de financiamento do desenvolvimento são condicionados por essas idéias herdadas, muitas vezes reprimidas, mas que não ficam menos grávidas.

Quantos desses líderes empresariais, investidores e comerciantes, que algumas vezes formam as sutilezas da negociação no estilo chinês, a etiqueta meticulosa das monarquias do Golfo, os equilíbrios políticos mais sutis da América Latina, têm sido os mesmos? perguntas sobre como abordar seus parceiros africanos?

 

Porque a língua, a história compartilhada, o contato diário com várias diásporas dar uma sensação de facilidade e coniventes ao comércio entre africanos e europeus, é fácil esquecer que essa proximidade cultural é frequentemente o resultado dos próprios africanos . Com efeito, são mais frequentemente eles que falam línguas europeias do que os europeus que falam bamileke, ioruba, bambara, fon, tshiluba ou swahili. Muitos africanos que sabem as datas-chave na história do Ocidente e muito poucos europeus que pode citar os das grandes civilizações africanas, a Cultura Nok aos grandes reinos e impérios de Axum, a Grande Zimbabwe , Kanem ou Mali.

Esse conhecimento ou “sensibilidade” é útil para fazer negócios? Não necessariamente, alguns podem pensar . E mesmo que considerem a parte cultural importante, sustentam que, a partir de agora, é necessário, antes de tudo, construir relações essencialmente com base no respeito da regra e dos interesses mútuos.

Um dos pilares da futura ordem mundial

Isso é verdade em todas as circunstâncias e especialmente nas trocas puramente comerciais, mas não deveríamos encontrar um equilíbrio entre a regra e os interesses mútuos e o respeito pelas culturas, sensibilidades, expectativas um do outro? Um equilíbrio que também leva em conta as populações, seus representantes envolvidos em grandes projetos de investimento e a necessária ”  licença social para operar”  ?

As mundo muda, assim como o equilíbrio geral em que se baseou desde o XIX th  século. A China renasce, a Índia segue em frente, a Coréia, o Brasil e a Turquia estão se espalhando e trazendo consigo o ressurgimento de um espírito de cooperação entre os países do “Sul”, que agora têm os meios de suas ambições.

Quanto à Europa , diante desses Golias econômicos e demográficos, não pesará mais de 6% da população mundial até 2030. O padrão de vida de sua população , limitado por seus recursos naturais e demográficos, dependerá mais do que nunca de recursos comerciais e financeiros externos.

E a África, hoje muitas vezes equivocadamente considerada um ator menor na economia mundial, mas cujos recursos humanos e naturais fazem dela um dos principais pilares da futura ordem mundial, já é o campo privilegiado da competição empresarial. de todos os continentes – o exemplo das terras raras, essencial no mundo eletrônico, é significativo.

A Europa tem os ativos para construir um forte eixo com a África

O cumprimento das regras é um pré-requisito essencial nessa relação de confiança, mas é apenas um pré-requisito para investimentos de longo prazo. Os empreendedores ocidentais devem a muitos deles mais consideração pelas realidades locais, costumes, leis consuetudinárias, história e sensibilidades de seus parceiros. Isso é ainda mais verdadeiro para todos os investidores estrangeiros, sejam eles chineses, russos ou brasileiros.

 

Os europeus devem se beneficiar de suas conexões históricas e conhecimento do continente que “novos investidores” não têm . E, no entanto, é o oposto que está acontecendo hoje, porque são muitas vezes bloqueados por essa abordagem histórica. A Europa tem todos os recursos para construir um forte eixo com a África.

E estamos convencidos de que um novo relacionamento, ancorado em um conhecimento melhor e verdadeiro de valores, filosofias, sensibilidades, expectativas, especialmente de populações, bem como formas de fazer e dizer , reabrirá aos investidores não apenas as portas mas também os corações e a confiança dos seus parceiros africanos.

Por Aminata Niane, consultora internacional, ex-diretora geral da Agência Nacional de Promoção de Investimentos e Grandes Projetos do Senegal (APIX); Marlyn Mouliom Roosalem, Diretora Associada do Afriland First Bank e ex-Ministra do Comércio e Indústria da África Central  ; Didier Acouetey, fundador e presidente executivo da AfricSearch; Alexandre Maymat, Chefe da África, Ásia, Mediterrâneo e Ultramar , Serviços Bancários Internacionais e Serviços Financeiros da Société Générale; Stéphane BrabantAdvogado do Tribunal, sócio da Herbert Smith Freehils LLP Paris , co-presidente do grupo Áfricano

http://www.lemonde.fr/afrique/article/2018/04/05/les-entrepreneurs-occidentaux-doivent-faire-preuve-de-plus-d-egards-pour-les-realites-africaines_5281175_3212.html

Brasil exporta eletroeletrônicos para África do Sul e Moçambique

Abinee renova parceria com a Apex-Brasil

São Paulo – A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) renovaram esta semana o Programa Electro-Electronic Brasil para o período 2018-2020. Com o objetivo de ampliar e fortalecer a participação das empresas brasileiras do setor de eletroeletrônicos por meio da promoção das exportações e da atração de investimentos, a iniciativa pretende alcançar a meta de US$ 2 bilhões em exportações no período.

Segundo o presidente da Abinee, Humberto Barbato, a renovação do convênio vem em um momento importante de retomada das exportações do setor eletroeletrônico. Em sua opinião, a recente crise do mercado interno impulsionou a atividade exportadora, que começa a ser incorporada definitivamente no planejamento estratégico das companhias. “As empresas perceberam que não se trata apenas de uma alternativa em momentos críticos, mas uma atividade perene”, diz.

Barbato destaca que o Brasil dispõe de uma situação geográfica privilegiada e de um parque industrial robusto, o que possibilita acessar mercados de países próximos. Para aproveitar esse potencial e tornar o País um polo exportador, além de iniciativas como a da Abinee e Apex-Brasil, o presidente da Abinee ressalta a necessidade de redução de custos para exportação.

Mercados prioritários e atração de investimentos

O supervisor de Projetos Setoriais da Apex-Brasil, Mauricio Manfre, salienta que o convênio é o resultado de um plano de trabalho elaborado e planejado com a contribuição das empresas. Segundo ele, para essa nova fase foram elencados cinco mercados prioritários: Estados Unidos, México, Colômbia, Peru e África do Sul. “Em cada um desses países foram definidos segmentos e produtos com maior potencial de entrada”, explica Manfre.

O programa contempla: capacitação em exportação e internacionalização, estudos de mercado com inteligência comercial; feiras internacionais; missões comerciais; projetos compradores e fortalecimento das parcerias estratégicas em âmbito nacional e internacional.

Uma novidade para o período 2018-2020 é a atração de investimentos por meio de ações para transferência de tecnologias, principalmente nas áreas de energias renováveis, como eólica e solar.

Resultados do primeiro biênio

A primeira edição da iniciativa, durante o biênio 2016/2017, contou com a participação de 49 empresas e a promoção de exportação através de planejamento estratégico, segmentação das empresas e ações na África do Sul, Colômbia, Equador, Estados Unidos da América, México, Moçambique e Peru, com importante incremento nas exportações do setor, com valor estimado de US$ 1,034 milhão.

 

Fonte:https://www.comexdobrasil.com/abinee-renova-parceria-com-a-apex-brasil-para-apoio-as-exportacoes-de-eletroeletronicos/

Negros brasileiros celebram o ato histórico da criação da Zona Livre de Comércio Continental Africana

1586271315955A criação da Zona Livre de Comércio Continental –ZCLC, foi uma das maiores realizações para o continente africano, digno de ser celebrado como uma conquista do pan africanismo. Nós brasileiros não registramos na grande mídia, mas o Brasil deverá saber montar uma estrat[égia diplomática para saber aproveitar rapidamente essa importante vitória dos africanos.

O Brasil é um dos países que tem representação diplomática em quase todos os países africanos, há laços históricos que nosa próxima do continente. A maior população negra do mundo na diáspora é o do Brasil, por conseguinte representamos a maioria das pessoas da 6ª região da Africa. Tudo isso nos torna de longe um dos principais beneficiários da criação da Zona Livre de Comércio Continental Africana.

Os negros brasileiros estão também celebrando essa conquista histórica  dos povos africanos.

pk_5-17-db835

Mahamadou Issoufou foi o primeiro a assinar por ser o líder do processo que levou à criação da ZCLC, enquanto Paul Kagame teve o privilégio de ser o segundo, por ser o presidente em exercício da União Africana (UA). Seguiu-se-lhe Idriss Deby, por ter sido o antecessor de Kagame, na presidência da UA.
Depois do Chefe do Esta-do angolano, seguiram-se os Presidentes da República Centro-Africana, Comores, Djibouti, Ghana, Gâmbia, Gabão e Quénia. Entre os países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) que assinaram os instrumentos destaca-se a África do Sul, Congo, República Democrática do Congo, Madagáscar, Mo-çambique, Lesotho, Seychelles, Swazilândia, Zâmbia e Zimbabwe.

Os Estados-membros da União Africana devem agora transportar para os respectivos ordenamentos jurídicos internos mediante aprovação parlamentar e posterior ratificação pelo Presidente da República.
Mais de metade dos países africanos deram o primeiro passo para a materialização da Zona de Comércio Livre Continental. Dos 55 Estados-membros da União Africana, mais de 40 assinaram, na capital do Ruanda, o acordo que cria a Zona de Comércio Livre Continental, um instrumento que visa a integração económica em África.

587339850

Na abertura da cimeira dos Chefes de Estados Aficanos ocorrida em Ruanda, o Chefe do Estado do Ruanda e presidente em exercício da UA felicitou Mahamadou Issoufou por ter conseguido liderar o processo de criação da ZCLC, bem como os antigos e actuais líderes africanos que estiveram envolvidos no trabalho que tornou possível a assinatura do acordo.

Rwandan-President-Paul-Kagame
“Estamos a começar a colher os frutos deste trabalho”, disse Paul Kagame. O Presidente ruandês afirmou que a Zona de Comércio Livre Continental é o culminar de uma visão estabelecida há mais de 40 anos, durante o Plano de Ação de Lagos, adotado em 1980.

Este compromisso, disse, levou os líderes africanos ao Tratado de Abuja, que cria a Comunidade Econômica Africana. Ao referir-se às vantagens que se podem tirar da Comunidade Econômica Africana, Paul Kagame apontou a prosperidade para todos os africanos, porque prioriza a produção de bens com valor adicional e de serviço feitos em África.
Além disso, sublinhou que a criação de um mercado único africano vai beneficiar os parceiros de África, o que é muito bom. Contudo, Paul Kagame disse que deve haver mais unidade entre os países africanos, para que sejam melhor aproveitados o esforço de crescimento e os interesses do continente.
O presidente da Comissão da União Africana considerou o dia de ontem de histórico, por marcar uma nova viragem para a integração continental, que disse ser um imperativo e não uma opção. Para Moussa Faki Mahamat, a cimeira de Kigali marca a ruptura com o cepticismo de muitos, pois dias melhores vislumbram-se ao continente.
Por sua vez, o Chefe de Estado do Níger e líder do processo de criação da Zona Livre de Comércio  Continental disse estar orgulhoso por fazer parte do projecto que, na sua óptica, também será um orgulho para todos os africanos.
A Zona Livre de Comércio  Continental, lembrou Mahamadou Issoufou, faz parte do programa de integração africana e da Agenda 2063.
No final da cimeira, foi produzida a “Declaração de Kigali”, uma espécie de co-municado final, em que os Estados membros e parceiros são orientados no sentido de finalizarem as questões pendentes relativas à primeira fase do acordo, bem como a sua revisão nos ordenamentos jurídicos internos.

Brasil exportará 300 ônibus urbanos para a Nigéria

A Marcopolo anunciou nesta terça-feira, 13 de março, que vai exportar 300 ônibus urbanos para a Nigéria, na África. Em parceria com a Scania, a empresa fechou a venda dos veículos para a Transport Service Limited, uma empresa de transporte que atua na cidade de Lagos.onibus viale

Dentre os 300 veículos, 250 são ônibus urbanos Marcopolo Viale e 50 são micro-ônibus Volare de modelo W9 urbano. De acordo com informações da empresa, todos serão entregues ainda no primeiro semestre de 2018.

depositphotos_102634912-stock-photo-puzzle-with-the-national-flag

A compra faz parte do plano de governo da Nigéria para fortalecer o transporte público na cidade.

“Nossa escolha pelos ônibus com carroceria Marcopolo e chassi Scania, e micros Volare se deu, principalmente, devido ao design moderno e eficiente dos modelos, configuração interna com total acessibilidade e conforto para o passageiro, bem como pelo menor custo operacional. Esta visão está alinhada com a nossa estratégia de ser um dos principais operadores de transportes públicos na Nigéria” – disse Deji Wright, diretor-gerente da Transport Service Limited, por meio de nota enviada pela Marcopolo.

maxresdefault head para africa e oriente medio

Na visão de Ricardo Portolan, chefe de operações do Oriente Médio e África da Marcopolo, a primeira entrega será um passo importante na estratégia de longo prazo da Marcopolo para intensificar a presença na Nigéria, que se iniciou ainda nos anos 80.

“Desde 2015, temos trabalhado muito forte em toda a África para conquistar novos clientes e mercados. Este fornecimento reforça as ações que a Marcopolo vem fazendo no continente e que estão gerando negócios significativos” – disse o executivo, também por meio de nota.

De acordo com Portolan, os produtos da Marcopolo são sinônimos de ônibus Premium e com padrão superior para os passageiros da Nigéria. É possível que a empresa tenha sido escolhida para as vendas por ser referência no setor.

Segundo informações da Marcopolo, os ônibus Viale desenvolvidos para a Transport Service Limited têm chassi Scania K250 UB 4×2, com 13 metros de comprimento e duas portas de acesso.

Os veículos são equipados com sistema de ar-condicionado, poltronas revestidas, câmeras internas de monitoramento, catraca, espaço exclusivo para cadeirante e tomada USB nas poltronas, conforme informações da empresa.

 

Fonte:https://diariodotransporte.com.br/2018/03/13/marcopolo-vende-300-onibus-para-a-nigeria/

Mauritânia é o país das oportunidades para o empresário brasileiro

download (1)São Paulo – Empresas exportadoras brasileiras dos setores de calçados, cosméticos, alimentos industrializados e construção civil podem encontrar boas oportunidades na Mauritânia, país do norte da África ainda com pouca tradição comercial com o Brasil. São os setores em que o embaixador do País em Nouakchott, Leonardo Carvalho, identifica espaço para os brasileiros explorarem.

“A economia da Mauritânia deve alavancar quando as empresas começarem a pagar os royalties da exploração de gás, lá para 2020 e 2021”, disse Carvalho, em visita à sede da Câmara de Comércio Árabe Brasileira nesta segunda-feira (5), em São Paulo. As reservas da commodity são grandes, segundo o embaixador, e empresas como a Kosmos Energy, dos Estados Unidos, e a britânica BP estão investindo para extrair o produto.

mauritania map na africa

Os empresários brasileiros devem, portanto, aproveitar para marcar presença na nação árabe antes disso. As exportações ainda são tímidas. No ano passado, somaram US$ 102 milhões, valor altamente concentrado em açúcar. Trigo, aparelhos elétricos, carne de frango e componentes de maquinário foram outros itens com destaque na pauta.mauritania-africa-map

Mas é no setor de alimentos industrializados que o embaixador enxerga potencial para os brasileiros. “Há um grande domínio de empresas espanholas e francesas nesse setor. Vale explorar também os cosméticos e podemos ampliar a presença nos calçados, que já somos fortes”, ponderou.

mauritania no mapa

Segundo o embaixador, a proximidade da Mauritânia – de Recife à capital Nouakchott são pouco mais de 3,6 mil quilômetros atravessando o Atlântico – é outro fator vantajoso para o empresário brasileiro. Ele citou a possibilidade de o país servir de entrada para mercados vizinhos, como Mali e Burkina Faso.

map

Carvalho ressaltou também o boom no setor de construção civil em Nouakchott. Segundo ele, há muitas obras ocorrendo na capital, o que abre espaço para as empresas brasileiras dessa indústria exportarem. “Há dinheiro circulando lá”, afirmou.

mauritania-locator-map

É possível viajar do Brasil à Mauritânia em voos ofertados pela marroquina Royal Air Maroc, com conexão em Casablanca, pela turca Turkish, com parada em Istambul, ou pela Air France, via Paris. Os turistas europeus chegam ao país africano por meio de voos fretados: “O exotismo do deserto chama muito a atenção dos turistas”, contou o embaixador, que destacou também a existência de duas culturas no país: a árabe, mais ao norte, e a da África negra, ao sul. “É o que chamo um país de transição”, explicou.

Mauritania-Nouakchott-58

Carvalho está no país há cerca de um ano e meio, mas a embaixada brasileira em Nouakchott foi aberta em 2010, mesmo ano em que a Mauritânia abriu sua embaixada em Brasília. Segundo o Itamaraty, as relações diplomáticas entre os dois países foram estabelecidas em 1961, um ano após o Brasil reconhecer a independência da nação africana.

mauritania

Em abril, a Câmara Árabe fará a sua primeira missão empresarial para a Mauritânia. Dos dias 23 a 25 serão realizados seminários, visitas técnicas e rodadas de negócios com empresários do país africano. Antes, a missão passará por Jordânia, Egito e Tunísia.

“Nossa expectativa é abrir mercado para o empresário brasileiro nesses setores que identificamos com potencial”, contou o embaixador. Segundo ele, já há produtos brasileiros de empresas como JBS e Tramontina no país, mas sua vontade é ampliar essa oferta.1-DSC_1041.jpg

As inscrições para a Missão ao Norte da África podem ser feitas pelo link http://bit.ly/2F7IsOU. Após o preenchimento do cadastro, o departamento de Inteligência de Mercado da Câmara Árabe entrará em contato com os interessados.

Iniciativas brasileiras no continente africano em 2018

 zungueiras-mulheres-manif

Brasil  finaliza projeto  de combate a violência de gênero em Moçambique

Moçambique começou 2018 com mais justiça para as mulheres. O país acaba de concluir um projeto de dois anos para combater a violência de gênero. Iniciativa de cooperação Sul-Sul contou com a parceria do Brasil e de organismos das Nações Unidas. Com o programa, a nação africana conseguiu capacitar agentes públicos de saúde, justiça, segurança e assistência social, além de implementar métodos padronizados de atendimento a vítimas de abuso.

Projeto Brasil-África, criado desde de 2015, realizou visitas técnicas, cursos de formação de servidores e intercâmbios de boas práticas, mobilizando governos e sociedade civil. Iniciativas abordaram acolhimento das vítimas de violência e conscientização em prol dos direitos humanos das mulheres. Estratégias também tiveram por objetivo promover o empoderamento econômico da população do sexo feminino, a fim de avançar na eliminação da pobreza em Moçambique.

judo

Brasileiro preparou técnicos angolanos de judô de alto rendimento

Nicodemos Figueira Júnior “Nico”, professor e representante do Judo Kudocan do Brasil, Quinto Dan (cinturão preto),  esteve em Angola para ministrar um estágio aos atletas de alto rendimento e treinadores nacionais. Foram  realizados aulas sobre “gestão desportivo, um projeto filantrópico, o programa kodocan Brasil-Angola e  a filosofia dos desportos”.   “Nico Jr” falou também sobre o treino de katas (exercícios coordenados do corpo e conjunto de técnicas fundamentais), com a observação de vídeos.

marcopoloparadiso1800ddmacon

Angola adquire 34 ônibus do Brasil

A empresa brasileira Marcopolo anunciou terça-feira a entrega de 34 unidades de ônibus do modelo Viaggio 1050 que serão utilizados nos transportes públicos nas cidades angolanas. Ricardo Portolan, gerente de negócios internacionais para a Região África e Médio Oriente da Marcopolo, destacou a transacção como uma prova do trabalho que a empresa tem realizado para ampliar a sua presença no mercado internacional desde 2015.
No caso do mercado angolano, Portolan ressalta que, “a despeito de 2017 ter sido um ano de economia desfavorável em Angola, a empres de transporte angolana, Macon, manteve o investimento na renovação da frota, o que demonstra a sua fidelização, pois nos últimos anos tem adquirido veículos” à Marcopolo.

Edificio_Central (2)

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, do Brasil, qualifica laboratório angolano

O Laboratório Agrícola da Biocom recebeu, pelo segundo ano, o conceito “A” de controle de qualidade do Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal (PIATV), mantido pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), cuja sede está na cidade de Piracicaba (São Paulo), no Brasil. Desde 1982, o programa da ESALQ avalia a capacidade dos laboratórios participantes do Programa de r análises de tecido vegetal com o máximo padrão em qualidade. Anualmente, o laboratório participante recebe da ESALQ amostras de folhas em que são determinados 13 elementos químicos, totalizando no final 176 elementos analisados.

20180205091736neurocirurgiao

Angola precisa forma 200  neurocirurgiões até 2050

Angola necessita  de pelo menos 200 médicos neurocirurgiões,até 2050, para atender à procura, numa altura em que acorrem diariamente aos vários hospitais públicos cerca de 20 pacientes com necessidades de intervenções cirúrgicas e tratamento de câncer, atendidos por apenas oito especialistas.No momento existem sete especialistas  no “Campos Cirúrgicos” a serem formados, sendo quatro em Cuba, dois em Portugal e um no Brasil. O neurocirurgião considera preocupante a situação do país e  que por falta de soluções cirúrgicas sistematizadas são inviabilizadas muitas cirurgias que poderiam ser realizadas de forma isolada quer numa unidade hospitalar pública, quer pública

Zimbabwe importa material genético de frangos do Brasil

FRANGOS

O Zimbábwe aceitou a proposta de Certificado Sanitário Internacional proposto pelo Brasil, e é o mais novo mercado aberto para o setor de genética nacional.  A informação foi repassada hoje (07) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Atual destino da carne de frango brasileira, o país africano agora passará a importar material genético e pintinhos de um dia provenientes das casas genéticas instaladas no Brasil.