Congresso Nacional Africano, maior partido da África do Sul, está dividido

zumaO presidente sul-africano, Jacob Zuma, fez hoje um apelo à unidade do Congresso Nacional Africano (ANC, no poder), agitado por divisões que o podem fazer perder em 2019 o poder, que detém desde o fim do ‘apartheid’.

Falando no final da Conferência Política Nacional do partido, que esteve reunida desde sexta-feira, Zuma defendeu ser necessário “acabar com as divergências”.

“Estamos confrontados com uma situação em que duas organizações diferentes coexistem no nosso seio. Não o podemos tolerar. Queremos um ANC destabilizado permanentemente, destruído por guerras internas?”, questionou o presidente do ANC.

À frente do país desde a queda do regime de segregação social do ‘apartheid’ e das primeiras eleições livres em 1994, o ANC está muito enfraquecido depois de uma série de casos político financeiros de que o seu líder é acusado.

Os escândalos, a que se juntam o abrandamento da economia, o desemprego em massa e a indignação social, ameaçam a posição do partido de Nelson Mandela nas eleições gerais de 2019.

O ANC deve eleger em dezembro um novo presidente para suceder a Zuma, que se tornará chefe de Estado em caso de vitória do partido nas eleições de 2019.

Os dois principais candidatos são o atual vice-presidente Cyril Ramaphosa, considerado moderado e próximo do mundo empresarial, e a ex-líder da União Africana, Nkosazana Dlamini-Zuma, que tem o apoio do seu ex-marido Jacob Zuma.Nkosazana Dlamini-Zuma

O analista Peter Fabricius, do Instituto para os Estudos de Segurança de Pretória, considera existir um “risco de rutura, mas mais tarde”.

“Zuma faz tudo para impedir Ramaphosa de chegar ao poder. Até ao mês de dezembro, a corrida à sucessão pode tornar-se verdadeiramente violenta ou mesmo sangrenta se Zuma se aperceber de que a pode perder”, declarou Fabricius à agência France Presse.

O chefe de Estado sugeriu hoje que a direção do partido seja alargada, integrando um segundo vice-presidente, para melhor representar todas as sensibilidades.

O ANC sofreu um revés eleitoral nas autárquicas de agosto de 2016, onde perdeu para uma coligação da oposição o controlo de alguns municípios emblemáticos, como Joanesburgo e Pretória.

A oposição, que não esconde a sua ambição de fazer cair o ANC em 2019, apresentou uma nova moção de censura contra Zuma, que será discutida no dia 8 de agosto no parlamento.

 

Fonte:http://www.dn.pt/lusa/interior/zuma-defende-fim-das-divergencias-no-anc-no-poder-na-africa-do-sul-8615382.html

Advertisements

África do Sul: V Conferência política do Congresso Nacional Africano (ANC)

A V conferência política do Congresso Nacional Africano (ANC), a decorrer em Joanesburgo, está já na sua fase final, com a conclusão dos trabalhos em comissões que analisam temas prioritários como a unidade, economia e sociedade.

Líder do ANC Jacob Zuma falou em novos tempos para o país
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novenbro

Os trabalhos, iniciados na passada sexta-feira, no centro de exposições de Nasrec, em Joanesburgo, abertos pelo Presidente sul-africano, Jacob Zuma.
Numa visita aos stands de Nasrec, Zuma conversou com empresários e jornalistas e destacou a franqueza dos intercâmbios, apesar de decorrerem à porta fechada. “Estou impressionado pela qualidade dos debates”, disse Zuma, que elogiou em particular as apresentações feitas pelos jovens do ANC.
O líder sul-africano reiterou que o ANC se tem afirmado quando existem desafios e expressou a sua convicção de que o partido vai saber enfrentá-los inspirado na visão de Oliver Tambo, uma das figuras chaves desta organização e cujos 100 anos do seu nascimento vão ser assinalados este ano.
Esta

conferência, prelúdio da que terá lugar em Dezembro deste ano, para eleger o novo dirigente do ANC, analisa temas relacionadas com a transformação social e económica, educação e saúde, governo e legislação, paz e estabilidade, relações internacionais e comunicações.
Os mais de cinco mil delegados a esse encontro magno analisam igualmente, entre outros assuntos, a renovação das estruturas do partido e a necessidade de fortalecer a aliança entre o Governo, o Partido Comunista e o Congresso dos Sindicatos Sul-Africanos (Cosatu, sigla em inglês).
No seu discurso de abertura, o Presidente Jacob Zuma afirmou que essa aliança “foi forjada na luta e porque comungamos os mesmos ideais desde sempre.”

http://jornaldeangola.sapo.ao/mundo/africa/anc_estuda_caminhos_para_consolidar_uniao

ANC da África do Sul lamenta a readmissão do Marrocos à União Africana

19014772_303
Maputo, 31 Jan (AIM) – O Congresso Nacional Africano (ANC), partido no poder na vizinha África do Sul, considera “lamentável” a decisão da União Africana (UA) de readmitir o Reino de Marrocos àquela organização continental.

A decisão foi tomada durante a 28ª Cimeira Ordinária de Chefes de Estado e de Governo da União Africana (UA), um evento de dois dias, em curso na cidade de Adis Abeba, capital etíope.

O regresso do Marrocos, que havia deixado a organização continental em 1984 para marcar o seu desacordo sobre a questão do Saara Ocidental, contou com o voto de 39 dos 54 países membros da UA.

Contudo, num comunicado divulgado hoje no seu portal da internet, o ANC considera que “Esta decisão representa um retrocesso significativo para a causa do povo saharawi e a sua busca pela autodeterminação e independência no Sahara Ocidental. O Sahara Ocidental é um dos últimos postos coloniais de África.

O ANC explica que goza de laços fraternais de longa data com a Frente Popular para a Libertação de Saguia el-Hamra e Rio de Oro (POLISÁRIO) e com a República Árabe Saharawi Democrática (RASD).

O ANC nota que esta decisão abre o caminho para o Reino de Marrocos tomar o seu lugar no seio da comunidade das nações e desfrutar os benefícios da adesão UA, enquanto o povo saharawi continuar a sofrer sob uma injusta ocupação de sua terra ancestral.

“Ao readmitir o Marrocos, a UA está tacitamente a apoiar a ocupação de longa data do Sahara Ocidental. Até à data, Marrocos não cumpriu com as sucessivas resoluções da ONU sobre a questão do Sara Ocidental, sobretudo para a realização de um referendo sobre a autodeterminação”, afirma o ANC.

Frisa que a maioria dos países que contestou o regresso do Marrocos é liderada por antigos movimentos de libertação, entre os quais a África do Sul, o Zimbabwe, a Namíbia, Moçambique, bem como o Botswana e Argélia.

O ANC conclui afirmando que respeita a decisão da UA, mas espera que nos próximos meses a UA não permita que a questão da independência do Sara Ocidental seja esquecida por conveniência política.
(AIM)
SG/LE
http://noticias.sapo.mz/aim/artigo/11462631012017121555.html

Jovens descontentes insurgem contra hierarcas africana

1aprotesto-de-estudante
 
Nairóbi, 16 dez (EFE).- A onda de descontentamento social que começou a florescer há alguns anos ganhou força em 2016 em diversas regiões da África Subsaariana, onde os jovens se sentem enganados por regimes autoritários de líderes que uma vez lutaram para libertar seus países.
 
As ruas da África do Sul foram tomadas este ano por estudantes revoltados com um governo que não garante educação a todas as classes sociais, por cidadãos fartos da corrupção que afeta a administração de seu presidente, Jacob Zuma, atual líder do partido que terminou, precisamente, com o apartheid.
 
 
 
“O descontentamento popular com o Congresso Nacional Africano (no poder na África do Sul desde o fim do sistema racista) está vinculada a um sentimento de setores que estão fartos dos regimes corruptos”, diz o Instituto para Estudos de Segurança (ISS, em inglês).
 
A frustração com o autoritarismo, a falta de transparência e de ambição para melhorar a vida do povo levou à mudança em 2014 em Burkina Fasso, que ainda hoje segue inspirando os movimentos populares que cruzam o continente, com sucesso irregular e diferentes motivações.
 
No sul, alguns daqueles que um dia foram heróis contra a opressão colonial se transformaram em velhos presidentes que se negam a ceder o posto e violam diariamente os direitos de seus cidadãos.
 
Robert Mugabe, o nonagenário presidente do Zimbábue, se transformou em um herói africano após favorecer a reconciliação no fim da guerra civil de seu país.
 
Três décadas depois, não só ostenta a honra de ser o líder mais idoso do mundo, mas o de ter imergido o antigo celeiro da África em um abismo econômico e institucional que suscitou uma violenta resposta social sem precedentes.
 
Nos vizinhos Angola e Moçambique, as forças que um dia lideraram movimentos de libertação (o Movimento Popular de Libertação de Angola e a Frente de Libertação de Moçambique) se transformaram em aparatos repressores da oposição e dos cidadãos.
 
“Os jovens estão acusando aqueles que estiveram no poder desde a independência de acumularem riqueza através da corrupção e de não fazerem nada para aliviar a pobreza”, enfatiza o ISS.
 
A origem deste sentimento tem uma explicação simples para o diretor para a África do observatório britânico Chatham House, Alex Vines: os eleitores jovens cresceram alheios aos dias do colonialismo, mas sofrem diariamente com o desemprego e a desigualdade.
 
“Foram incapazes de encontrar emprego e oportunidades e de expandir a riqueza, o que fez com que as desigualdades aumentassem, e os hierarcas do partido se tornaram muito ricos”, disse Vines em Pretória, na África do Sul.
 
Mais ao norte, a falta de eleições livres e justas estão alimentando os protestos: Uganda, Burundi, República Democrática do Congo e Etiópia viveram este ano violentos movimentos de contestação a seus líderes, que resistem a deixar seus cargos, passando por cima das leis.
 
Durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, o atleta Feyisa Lelisa cruzou os braços no ar ao terminar em segundo lugar e conquistar a medalha de prata na maratona, um gesto que denunciava a repressão do governo da Etiópia contra a etnia oromo durante a maior onda de protestos no país.
 
Os oromo, assim como os muitos jovens que pagaram com suas vidas em outros países africanos, não reivindicam apenas mais democracia, enfraquecida pela falta de uma tradição eleitoral e pelo neopatrimonialismo, mas, sobretudo, uma “vida melhor”.
 
“Estamos determinados a impulsionar uma solidariedade e unidade dos povos da África para construir o futuro que queremos: o direito à paz, à inclusão social e à prosperidade compartilhada”, adverte a denominada “Declaração de Kilimanjaro”, adotada em uma cúpula extraordinária em agosto em Arusha (Tanzânia).
 
Naquela reunião, grupos da sociedade civil, religiosos, sindicatos, mulheres, jovens e parlamentares tomaram a decisão de “construir um movimento pan-africano que reconheça os direitos e liberdades” do povo deste continente.
 
Um movimento que, mais uma vez, ultrapassa as fronteiras das diferentes nações africanas para não mais libertá-los do jugo colonial, mas de seus novos opressores: dirigentes que, na maioria dos casos, sequer puderam escolher.
 

Jacob Zuma escapa a mais uma tentativa de afastamento

Durante a reunião nacional da direção do Congresso Nacional Africano (ANC), alguns ministros e outros membros do partido defenderam que o chefe de Estado da África do Sul, Jacob Zuma, se deveria afastar da presidência.

default

Jacob Zuma sobreviveu a mais uma iniciativa que visava o seu afastamento da presidência. Mas ficou evidente que o ANC está dividido. Membros do partido no poder já tinham anunciado que preferiam ver o vice-presidente Cyril Ramaphosa a assumir o poder ou até Nkosazana Dlamini-Zuma, atual presidente da União Africana (UA) e ex-mulher de Jacob Zuma. Mas desta vez a iniciativa veio do próprio partido.

No entanto, o secretário-geral do ANC anunciou esta terça-feira (29.11)  que a direção do partido acabou por decidir pela manutenção de Zuma no poder.

O analista Bheki Mngomezulu considera que o ANC não tem outro caminho senão segurar Zuma até às eleições internas, em dezembro do próximo ano. “Basicamente é um jogo de equilíbrio, em que antes de tudo se olha para os interesses do partido e depois para os interesses do país”, conclui.

defaultProtesto em Joanesburgo em setembro pela saída de Zuma

Mngomezulu acredita que o ANC quer evitar mais divisões internas, tal como quando o anterior Presidente Thabo Mbeki foi afastado em 2008, e quando o líder da Liga da Juventude do ANC, Julius Malema foi expulso do partido em 2012. Malema formou o partido Combatentes pela Liberdade Económica e participou nas eleições de 2014.

“O ANC tem de olhar para todos os factores e decidir qual será a melhor opção. Mas qualquer das opções vai gerar problemas”, considera o analista sul-africano. “Depois, os membros do partido têm de preparar o ANC, em primeiro, para as eleições internas e, depois, para as eleições de 2019”.

Reputação em queda

A reputação de Jacob Zuma, de 74 anos, está pelas ruas da amargura devido aos sucessivos escândalos de corrupção em que está envolvido. O último dá conta da alegada interferência da poderosa família Gupta no Governo sul-africano – acusações negadas tanto pelo Presidente como pela família.

Jacob Zuma escapa a mais uma tentativa de afastamento

Apesar de Zuma ter escapado a mais um golpe, a analista Karima Brown alerta que o ANC está fraturado, como se viu na reunião do partido com discussões entre as fações anti e pro-Zuma. “Estamos perante um Congresso Nacional Africano profundamente dividido. O que naturalmente vai ter repercussões no Estado”, diz Karima Brown. “Será interessante ver como o Presidente Zuma se vai agarra ao pouco poder que ainda lhe resta”.

Muitos membros do ANC culpam Jacob Zuma pelo fraco desempenho nas eleições locais, em agosto, quando o partido perdeu o poder em importantes municípios como Joanesburgo e Pretória. A crise da economia joga também contra o Governo.

Recentemente, o Presidente Zuma tinha já escapado a uma moção no Parlamento encetada pelo principal partido da oposição, a Aliança Democrática, que visava o seu afastamento. Para Karima Brown, a sobrevivência política de Zuma demonstra que o Presidente sul-africano é político astuto, com pessoas de extrema confiança em cargos chave do Estado.

http://www.dw.com/pt-002/jacob-zuma-escapa-a-mais-uma-tentativa-de-afastamento/a-36583846