Encontro das Nações Unidas sobre afrodescendentes ocorrerá na Suiça

direitos humanosHaverá um Encontro regional das Nações Unidas sobre os afrodescendentes, a decorrer de 22 a 23 do corrente mês, em Genebra (Suiça),

Encontro, que vai na sua segunda edição sob a égide do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, insere-se no programa de sensibilização dos Governos e dos Estados membros para as questões dos afrodescendentes, no âmbito da década internacional dos afrodescendentes.Human-Rights

De acordo com a fonte, o certame tem como objectivos identificar as tendências, as prioridades e obstáculos existentes a níveis nacionais e regionais com vista a aplicação do programa de actividades da década dos afrodescendentes.

O encontro prevê ainda formular recomendações concretas que sirvam para combater o racismo, a discriminação racial, a xenofobia e a intolerância associada aos afrodescendentes.

Advertisements

Angola, Nigéria, Senegal e a Republica Democrática do Congo estarão no Conselho dos Direitos Humanos da ONU, em 2018

mediaImagem site OMUNGA sobre violação de direitos humanos, em incidentes, do Monte Belo, Benguela, em 2017OMUNGA/DR

Angola é um dos 3 países africanos, que com a Nigéria, Senegal e a RDC, passarão a fazer parte do conselho dos direitos humanos da ONU, em 2018, por dois anos. Uma decisão no seguimento da eleição, esta segunda-feira, em Nova Iorque, de novos membros do órgão que se ocupa dos direitos humanos da ONU, com sede em Genebra, na Suíça.

 

A assembleia-geral da Nações Unidas, em Nova Iorque, elegeu, esta segunda-feira, (16) novos 15 membros de um total de 47 países do conselho dos direitos humanos da ONU, com sede em Genebra, na Suíça, nomeadamente, 3 estados africanos, Angola, RDC e Senegal.

As autoridades angolanas reagiram, positivamente, duma maneira geral, à eleição de Angola para o conselho de direitos humanos das Nações Unidas, numa altura em que o país, sai de eleições gerais, com um novo Parlamento, um novo governo e um novo Presidente, João Lourenço.

Os ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Justiça de Angola, reagiram, sublinhando um “reconhecimento” internacional pelas “melhorias” feitas em matéria dos direitos humanos no país.

O embaixador de Angola, na ONU, em Genebra, Apolinário Correia, disse mesmo que Angola não pratica “violação dos direitos humanos” e que o caso dos jovens activistas, conhecidos pelos 15+2, foi “exagerado” de maneira tendenciosa.

Em matéria de reacções de associações angolanas, dos direitos humanos, a OMUNGA,através do seu coordenador, José Patrocínio, relativiza o entusiasmo das autoridades angolanas, mas considera que esta eleição é “uma oportunidade de estimular o diálogo na matéria com as autoridades angolanas”.

 

http://pt.rfi.fr/angola/20171018-omunga-aberta-dialogo-sobre-direitos-humanos-em-angola

Angola disputa vaga no Conselho de Direitos Humanos

  • ismael
Angola concorre a uma das quatro vagas de membros africanos ao Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas. A eleição acontece no dia 16 de Outubro, no prosseguimento da 72.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, que decorre em Nova Iorque.

O país concorre a um desses lugares, a par da Nigéria, República Democrática do Congo (RDC) e do Senegal. O mandato é para o triénio 2018-2020.

Na presente sessão da Assembleia-Geral apenas serão eleitos os 15 membros do Conselho dos Direitos Humanos da ONU (CDH), quatro dos quais em representação de África, dois da Europa Ocidental e outros Estados, dois da Europa de Leste, três da América Latina e Caraíbas e quatro da Ásia e Pacífico.iismael silva

A delegação angolana à 72.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU é chefiada pelo representante permanente de Angola junto das Nações Unidas, embaixador Ismael Martins. O debate, iniciado no dia 19 deste mês, encaminha-se para o fim.

http://www.governo.gov.ao/VerNoticia.aspx?id=33508

Angola sofre com o aumento de tensão na Republica Democrática do Congo

020af3b44-1d2e-4cd8-adc1-501c7a8abade-r-NjQweDM0NQ.jpg

O governador da Lunda Norte, em Angola, Ernesto Muangala, desmentiu no Dundo informações postas a circular nas redes sociais sobre alegadas mortes de efectivos da Polícia Nacional por forças rebeldes da República Democrática do Congo (RDC).

Ernesto Muangala afirmou que não há registo de morte de efectivos da Polícia Nacional ou de qualquer força de defesa e segurança de Angola nessa situação ao longo da fronteira e no território nacional. “As nossas forças estão preparadas para proteger as nossas fronteiras. Por isso, não permitiriam uma situação dessas”, disse, sublinhando que os vídeos que circulam nas redes sociais não são das forças policiais angolanas, porque o fardamento e as botas dos elementos mortos e a língua falada pelos insurrectos não é português ou qualquer língua nacional angolana.

85494b67f3db1cb8d88737b3c67872f4
O governador falava durante a visita ao centro de acolhimento dos refugiados da RDC, que serviu para constatar as condições logísticas e de acomodação dos refugiados.
Ernesto Muangala garantiu que as fronteiras estão seguras e em função da instabilidade política militar na RDC estão criadas as condições para o seu asseguramento com a prontidão das forças e meios de forma a impedir que o conflito militar que se regista na RDC, principalmente nas regiões que fazem fronteira com a Lunda Norte, se transfira para o território nacional.  Devido ao conflito armado na RDC, que afecta as províncias do Kassai, Kassai Central e Kassai Oriental, que fazem fronteira com a Lunda Norte, as trocas comerciais ao longo da fronteira estão encerradas enquanto persistir a situação de instabilidade.
“Não temos condições para abertura de mercados comerciais com os conflitos nas províncias da República Democrática do Congo que fazem fronteira com a nossa, porque os cidadãos congoleses não têm como se deslocar até à fronteira para as trocas comerciais”, justificou Ernesto Muangala, que ao mesmo tempo  tranquilizou os comerciantes locais sobre as medidas que estão a ser tomadas para normalizar a situação ao longo da fronteira.
O ministro disse que a situação política da RDC preocupa o governo provincial, tendo em conta os entendimentos alcançados na cooperação bilateral entre os governos das províncias vizinhas visando a construção de infra-estruturas que facilitem o intercâmbio comercial e a livre circulação de cidadãos dos dois países.
Ernesto Muangala apontou a construção da ponte sobre o rio Kassai, a reabilitação das estradas que dão acesso à ponte nos dois lados e a construção de infra-estruturas aduaneiras nos postos fronteiriços como entendimentos que correspondem às metas e objectivos dos dois governos.
O governador reconheceu as dificuldades de assistência aos refugiados da República Democrática do Congo e transmitiu um sinal de confiança e esperança para dias melhores.
“Constatámos as condições, vamos trabalhar para angariarmos mais apoios necessários para os refugiados”, disse Ernesto Muangala, acrescentando que o governo da Lunda Norte está a trabalhar com os governos das províncias do Kassai, Kassai Central e Kassai Oriental para a criação de condições para o regresso desses refugiados para as áreas de origem.
O governador testemunhou a entrega de bens alimentares oferecidos por um empresário mauritaniano. Entre os bens estão fuba de milho, arroz, óleo alimentar, açúcar, massa de tomate, leite condensado, óleo de palma, sabão e sal.
Actualmente estão sob controlo do governo provincial da Lunda Norte 122 famílias que totalizam 298 refugiados, dos quais 48 já manifestaram vontade de regressar ao seu país. Neste momento a situação nos principais postos fronteiriços da província é calma, disse o governador, que destacou os postos de Sumbula, Tshisengue, Tshinjinde, Kananga, Mines-8 e Kavumbu, nas províncias de Kassai e Kassai Central, como sendo os que registaram maior instabilidade nos últimos dias.
No centro de acolhimento de refugiados está montado um posto de saúde com dois médicos e quatro enfermeiros permanentes que estão a garantir a assistência médica e medicamentosa aos refugiados.

No centro de acolhimento de refugiados está montado um posto de saúde com dois médicos e quatro enfermeiros permanentes que estão a garantir a assistência médica e medicamentosa aos refugiados.

 

Nada justifica a violações dos direitos humanos na Republica Democrática do Congo. Mas não podemos esquecer  a brutalidade do rei Leopoldo II  da Bélgica que matou até 15 milhões de pessoas no Congo.C8FYdX-VQAEOz_k

ONU quer ponderação após expulsão de equipe de direitos humanos no Burundi

 

Alto comissário de direitos humanos apela ao país a esperar por um possível reajuste do mandato e das atividades da equipe no território; autoridades burundesas declararam persona non grata a três peritos independentes das Nações Unidas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A ONU fez um apelo ao Burundi para reconsiderar a decisão de suspender toda a cooperação com o Escritório de Direitos Humanos “até que volte a ser negociado” o mandato e as atividades da representação de entidade no país.

Esta sexta-feira, o alto comissário para os Direitos Humanos, Zeid Al Hussein, expressou “grande preocupação” com a medida, que foi anunciada há dois dias pelas autoridades de Bujumbura.

“Persona non grata”

Zeid lamentou a decisão das autoridades de declarar persona non grata a três peritos independentes que conduziam uma investigação para as Nações Unidas no país.

O chefe de Direitos Humanos disse que nos últimos 20 anos, o seu escritório no Burundi realizou uma monitoria independente e prestou ajuda valiosa para “reforçar as instituições para a promoção e proteção” do setor no país africano.

A nota pede às autoridades que continuem a empenhar-se de forma construtiva com todos os mecanismos de direitos humanos da ONU.

Suspensão

O presidente do Conselho de Direitos Humanos, Choi Kyonglim, manteve um encontro urgente em Genebra a seu pedido, esta sexta-feira, com o embaixador do Burundi para discutir a situação no país e os passos a seguir.

Este ano o Burundi assumiu o seu assento como membro do Conselho de Direitos Humanos até 2018.

Em resposta a uma questão de um jornalista, o porta-voz do Conselho disse que após a decisão do Burundi, somente a Assembleia Geral, como órgão decisório da ONU, pode tomar medidas para suspender os membros do Conselho de Direitos Humanos.

http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/internacional/2016/10/14/onu-quer-ponderacao-apos-expulsao-de-equipa-de-direitos-humanos-no-burundi.htm