A politica ignorada: Saúde da população negra

saude luizPOLÍTICA IGNORADA

Doze anos depois de ser lançada, a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra só foi colocada em prática em 57 dos 5.570 municípios brasileiros. A constatação foi feita por pesquisadores da USP e da secretaria estadual de saúde de São Paulo, que entrevistaram gestores e membros de movimentos sociais de todo o país. Na avaliação deles, os gestores não aderiram porque acreditam que o mesmo serviço deve ser oferecido para todos. “O problema é que nem todo mundo parte das mesmas condições. Ao oferecer o mesmo para todos, você corre o risco de aprofundar desigualdades”, pondera Luiz Eduardo Batista, um dos autores do estudo, em entrevista ao Globo

A Política lista uma série de doenças e condições mais prevalentes na população negra. Além das diferenças biológicas, alerta para o racismo institucional que provoca distinções no tratamento recebido nos serviços de saúde e impacta no acesso a eles. Na avaliação do epidemiologista Mário Círio Nogueira, também ouvido pela reportagem, as pesquisas no Brasil se detêm mais sobre as diferenças sociais e não há tantos estudos sobre as diferenças raciais. Outro problema é que nem sempre os serviços de saúde coletam informações sobre raça e cor dos usuários. De toda forma, há pesquisas que mostram o racismo institucional nos serviços de saúde. Nogueira é autor de uma delas, que acompanhou 481 mulheres que receberam tratamento para câncer de mama num mesmo serviço. Dez anos depois, as mulheres brancas tinham maiores chances de sobreviver – e mesmo na comparação entre brancas e negras pobres, as negras morriam mais.

Para Luiz Eduardo, os pesquisadores precisam discutir mais racismo e saúde, porque “se, no campo da saúde coletiva, é estudado que fatores sociais, econômicos, ambientais e políticos determinam o processo saúde-doença, imagina a saúde da população negra, que possui condições econômicas piores”. Luiz Eduardo destacou que a maior sagacidade do movimento de mulheres negras foi a inclusão do quesito cor no Sistema de Informação e Saúde, porque assim foi possível discutir o impacto dos fatores sociais, ambientais, políticos, econômicos, culturais na população negra, ou seja, “se o racismo estrutura a sociedade, se o racismo é um determinante social de saúde, ele determina o processo de saúde, doença e morte”.

Resultados iniciais da pesquisa realizada revelam que dentre as 27 Unidades da Federação, 7 secretarias estaduais de saúde responderam ao questionário. Dentre os 5.561 municípios, somente 32 responderam/relataram ter essa política implantada
Segundo os respondentes, a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN) dá certo quando há compromisso de gestores e técnicos, quando há uma efetiva coordenação do programa e quando o movimento social apoia a gestão.
Cinco estados e 12 municípios têm área técnica ou responsável técnico para desenvolver ações de combate ao racismo, ou seja, responsável pela condução da PNSIPN. A articulação entre setores e instituições se mostra um facilitador para a implementação da PNSIPN

A esquerda identitária e a satanização da maioria

A esquerda identitária e a satanização da maioria

421
(Arte Andreia Freire/ Revista CULT)

 

Eu não sou um homem hétero, cis, branco e cristão. Mas se fosse um deles, muito dificilmente votaria em um partido desses da esquerda identitária. Cada pessoa vota, principalmente em eleições majoritárias, calculando perdas e ganhos. Todo mundo precisa de um torrão de açúcar para se dar ao trabalho e à agonia de participar de eleições. Mas para quem é homem hétero, cis, branco e cristão, a esquerda identitária oferece apenas uma culpa e um conjunto de dívidas e obrigações daí decorrentes. Ora, ninguém gosta de se sentir culpado nem de assumir responsabilidade por pecados, principalmente quando julga que não os cometeu.  Nem gosta de ouvir o tempo todo que tudo em sua vida é resultado de privilégios, principalmente quando olha em volta e vê que tem menos do que mereceria ter. Ou nem se considera propriamente uma pessoa desprovida de méritos, esforços e sacrifícios, que não tenha que matar um leão por dia, que não tenha tido que enfrentar desvantagens e dificuldades. Mas a esquerda identitária basicamente diz para esse sujeito que sua vida se resume a privilégios, que ele é parte da injustiça social e que tem que se acostumar a perder para que os outros possam, enfim, ganhar alguma coisa.

O bolsonarismo faz parte de uma onda mundial de guinada à direita conservadora, que tem um dos seus fundamentos na chamada guerra cultural. Trata-se, dentre outras coisas, de uma reação (e de um reacionarismo) aos avanços liberais em pautas relacionadas a minorias e a controvérsias morais. Mas é também um movimento importante no jogo na política identitária.

A luta identitária

Política identitária (identity politics), para quem não sabe, é uma forma de politização das contraposições entre determinados grupos sociais cujos membros reconhecem que o seu pertencimento é compelido por aspectos da sua identidade. Exemplos de tais identificações são grupos de referência – ou “comunidades”, como dizem os americanos –, como aqueles baseados em cor, sexo, orientação sexual, etnia, em deficiências, dialetos, origem geográfica, identidade de gênero etc. O mundo da luta identitária acaba se tornando um conjunto de peças que nunca formam um mosaico, porque há superposições e há colisões, em que cada pauta identitária tende a se fragmentar em um processo infinito, uma vez que constantemente aparece uma nova microidentidade se desgarrando do núcleo a que se vinculava e reivindicando o direito à autorrepresentação. Estabelecido o princípio de que só a autorrepresentação é a autêntica representação e estabelecida uma ética de convivência que se move pela inclusão de qualquer reivindicação de identidade, o resultado é uma fragmentação infinita assumida como destino.

Uma forte vertente da política baseada em identidades é aquela que estabelece que os grupos identitários são oprimidos e que o caminho para a justiça passa pela remoção da opressão. Antes, a identificação do tipo de opressão a que cada comunidade está submetida é o princípio de corte identitário: quem sofre da mesma opressão, se identifica uns com os outros sob aquele aspecto. Depois, no interior do recorte feito, vão se identificando sucessivos estratos de opressão, a que parte dos membros da comunidade estão submetidos e outra parte não, que fornecem sucessivos pontos de corte, identidade dentro das identidades, até que não se tenha mais nada para cortar. “Átomo”, em grego, significa literalmente o que não pode mais ser cortado ou recortado. Individuum, em latim, é o que não pode mais ser dividido. A atomização é para onde se dirige a lógica dos cortes e recortes que perpassam a política identitária.

Os problemas começam quando inevitavelmente grupos identitário muito coesos e muito engajados na luta contra a opressão estrutural começam a satanizar categorias de opressores. E é aí que o tal homem hétero, cis, branco etc. aparece na equação como o demônio em comum em quase todos os grupos oprimidos. A palavra-chave aqui é privilégio. O mundo identitário vive da identificação de opressões e de privilégios. O homem, hétero, cis, branco é a quintessência da reunião de privilégios, mas a cada um desses adjetivos correspondem privilégios específicos de que participam mesmo pessoas que não os possuam todos de vez. Assim, homossexuais, cis e ricos vivem em um bolsão de privilégio, como mulheres brancas, educadas e cristãs vivem em outro bolsão de privilégio, embora nenhuma dessas subcategorias tenha direto ao máximo privilégio das cinco estrelas. Incumbe, então, a cada pessoa admitir os privilégios da sua categoria e da sua subcategoria e a cada um desses privilégios reconhecido ver reduzir, na mesma proporção, os seus direitos de representar alguma categoria e ver aumentar os limites da sua autorização identitária para falar em nome dos outros – o tal “lugar de fala”.

O passo seguinte é o processo que atribui a todos os membros do grupo de referência oprimido os dividendos da superioridade moral da sua posição, enquanto cobra de todos os indivíduos da categoria oficialmente opressora o pagamento das dívidas que é dos opressores. Assim todo homem de algum modo pode ser convocado a responder pelo machismo, independentemente da sua responsabilidade individual e compartilhamento das ideias machistas. Ou todo branco poderá ser responsabilizado pelo racismo, independente das suas posições pessoais sobre a matéria. E a coisa pode chegar a tal ponto, na retórica e na prática, que frequentemente já nem se sabe ao certo se o inimigo a ser derrotado é o machismo, o racismo, a homofobia ou o homem, branco, heterossexual e cisgênero.

Pautas identitárias e política eleitoral

Enquanto as lutas identitárias se processam em âmbitos que compartilham os seus pressupostos, como os ambientes acadêmicos ou o campo da cultura, sobretudo aqueles dominados por valores de esquerda, a posição prospera e gera avanços consideráveis na luta por direitos e por estima social. É possível gerar empatia social para além dos afetados pelas e implicados na luta identitária. É possível, inclusive, haver ganhos na transferência de, pelo menos, parte da pauta identitária para outros domínios sociais, como o âmbito jurídico ou a esfera pública. Mas quando as lutas identitárias se apresentam para públicos que não compartilham os seus exigentes pressupostos ou não aceitam as consequências implicadas nas suas premissas, é difícil imaginar que possam prosperar.

A esquerda identitária precisa decidir o que disputa no campo político, se quer ganhar eleições ou se quer simplesmente vencer o campeonato de superioridade moral. Superioridade moral é importante, mas ter razão não é superior a ter votos se o propósito é ganhar disputas eleitorais. De fato, a democracia tem em seu cerne este inconveniente: para governar você precisa ter a maioria do seu lado. Um lado não precisa necessariamente ser melhor que o outro, mas precisa ser maior. E o seu lado não se torna maior apenas porque você acredita ter superioridade moral. A esquerda tem grande dificuldade de entender isso e trata a disputa eleitoral como se fosse uma extensão das tretas e disputas que ambientes acadêmicos dominantemente de esquerda mantêm, em moto contínuo, no seu interior. Com isso, fala cada vez mais para si mesma e cada vez menos com os que estão fora dos muros de autocomplacência e de extrema afinidade em que se refugia.

Estes dois movimentos em falso (a satanização dos opressores e imposição, aos indivíduos singulares, das obrigações de pagar por opressões históricas das categorias a que pertencem) podem ser politicamente fatais. A prova disso são os sucessivos êxitos eleitorais recentes dos ultraconservadores, quando resolvem se promover como um discurso de emancipação daqueles que foram satanizados pelos seus adversários da esquerda liberal identitária. Como tal paradoxo é possível?

A questão é que heterossexuais, cis, brancos e cristãos são numerosos. Principalmente quando o discurso “aceite a culpa, admita os seus privilégios, pague o preço” pode ser mal recebido por pessoas que não se identifiquem integralmente com todas as cinco características, mas que, digamos, caia na malha fina de três ou quatro delas. A começar por mulheres heterossexuais, cis, brancas e cristãs ou homens, cis, não brancos e cristãos. À medida que o jogo das culpas e responsabilizações identitárias se estende, o universo vai ficando repleto de adversários. E mesmo quem não se sentia adversário, será lembrado disso por algum identitário em seu turno de patrulha da opinião pública. E assim se forma o paradoxo: como ganhar uma eleição quando a maioria dos eleitores precisa assumir-se culpado e privilegiado para começo de conversa?

Numa dessas entrevistas ao vivo neste ciclo eleitoral, indagado sobre políticas de compensações para negros em função do passado escravocrata do país, Bolsonaro reagiu prontamente: “Eu nunca escravizei ninguém”. A multidão de eleitores de Bolsonaro vibrou em uníssono pelos grupos de WhatsApp Brasil afora. “Que horror”, disse a esquerda identitária, “essa gente fascista saiu do armário”. Na verdade, ali se registrava pela enésima vez o fato de que não existe qualquer torrão de açúcar para este público no discurso identitário quando ele se torna discurso eleitoral. A esquerda identitária diz para a maioria numérica da sociedade que ela tem que arrastar correntes para sempre, para purgar por privilégios que ela não reconhece, expiando incessantemente uma culpa histórica que jamais poderá cessar. Estrategicamente a direita conservadora aparece no cenário para oferecer à maioria, paradoxalmente, uma oportunidade emancipatória: “Você não escravizou ninguém, a culpa não é sua, não abra mão dos seus direitos para pagar uma dívida que você, singularmente, não contraiu”.

Satanizações

No campo político, a satanização do outro é um dos expedientes de comunicação estratégica mais eficazes. O bolsonarismo precisava de um inimigo a ser satanizado para construir a sua própria identidade, do mesmo modo como a esquerda identitária precisou do homem heterossexual, cis, branco e cristão para construir o seu próprio espantalho. O bolsonarismo fuçou no imaginário político popular e achou “o comunista”. Revolveu estratos mais recentes dos sedimentos do imaginário e achou a esquerda identitária. Retirou daí a dimensão belicosa do “todo homem é um estuprador”, o antirracismo em sua forma “quem é branco me deve”, descobriu a turma da opção preferencial pelos pobres na forma “a elite branca não tem direitos ou valor”, etc. É desse barro que se esculpe “o esquerdista” como espantalho. Que, amalgamado com “o comunista”, “o defensor de direitos humanos que diz que a culpa do homicídio é da vítima e do sistema e não do assassino”, gera o inimigo conveniente para ser satanizado.

O que o bolsonarismo vendeu foi a ideia de que se você é cis, branco e hétero, a esquerda/os comunistas/os direitos humanos/os petistas lhe farão arrastar correntes para sempre, farão políticas públicas para transferir seus direitos para as suas minorias preferidas, não reconhecerão seus méritos e valores e ainda destruirão a sua imagem. A satanização consiste justamente nisto: em demonstrar que o outro deve ser temido, odiado e, quando surgir a oportunidade, exorcizado. Ambos os lados, o bolsonarismo ou a esquerda identitária, satanizam o seu inimigo predileto. Mas neste momento, no Brasil, o bolsonarismo foi mais eficiente em converter a satanização em voto. E em produzir uma “metassatanização”: a satanização da satanização das pessoas brancas, cis, hétero, cristãs.

Lutas identitárias fazem definitivamente parte do horizonte político do século 21. Há boas razões históricas e sociais para que elas existam. Mas toda luta se compõe de tentativas e erros, táticas e estratégicas que se provam eficientes e outras que não levam a lugar algum. Já há muita bibliografia sobre as consequências, para a fragmentação da esquerda, das pautas identitárias. Ou sobre o quão contraproducente para tais pautas é a dispensa da empatia social, trocada pela imposição do dogma da autorrepresentação, a famigerada “treta do lugar de fala”. Gostaria de incluir dentre essas táticas destinadas ao fracasso, como lição que se pode depreender do sucesso eleitoral da onda ultraconservadora que prospera no mundo, a satanização da maioria. Afinal, ao fim e ao cabo, a democracia liberal é um governo de maiorias. Pisar nos pés da maioria e ainda pretender vencer eleições não parece, portanto, uma ideia promissora. Ainda mais se, no fim das contas, a satanização do outro, além de taticamente ineficaz, não me parece nenhuma dimensão essencial, moralmente superior ou democraticamente justificável da luta por direitos, estima social, igualdade e respeito.

Fonte:https://revistacult.uol.com.br/home/esquerda-identitaria-e-satanizacao-da-maioria/

Presidente do Senado brasileiro alerta: “Esse povo que vem aí não é da política, é da rede social”

Ao “BuzzFeed News”, Eunício revelou o conteúdo da conversa que teve com o guru do capitão reformado. O encontro deles ocorreu em uma sala do Senado, na semana passada. Estavam no local Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, e o senador Fernando Bezerra (MDB-PE).

Guedes procurou Eunício para pedir que a reforma da Previdência fosse logo votada. O presidente do Senado, no entanto, disse que o mais importante era mesmo falar acerca do Orçamento Geral da União.

“Ele olhou para mim e disse que orçamento não é importante, importante é aprovar Reforma da Previdência”, contou Eunício, que lembrou ao ministro de Bolsonaro que a aprovação do Orçamento é pré-requisito para o recesso parlamentar, como consta na Constituição.

“Ele me disse: ‘vocês não aprovam orçamento, orçamento eu não quero que aprove não’. Mas não é o senhor querer, a Constituição diz que só podemos sair em recesso após a aprovação”, argumentou.

De acordo com o BuzzFeed, Guedes teria cortado a fala de Eunício. “‘Não, eu só quero Reforma da Previdência. Se vocês não fizerem vou culpar esse governo, vou culpar esse Congresso e o PT volta, e vocês vão ser responsáveis pela volta do PT.”

Notícias ao Minuto

Eunício contou que o guru de Bolsonaro continuou insistindo com o assunto “volta do PT”.

“(Ele me disse:) ‘se vocês não aprovarem tudo aquilo que nós queremos esse ano, o PT volta. Se aprovar a reforma o Brasil vai crescer a 6%, se não aprovar o Brasil não vai crescer, eu vou culpar vocês’”, relatou.

Neste momento, Eunício teria saído da sala. O presidente do Senado contou ainda que Bezerra ficou “horrorizado” com Guedes.

Mas o clima ainda ficou pior. Após a reunião, Paulo Guedes deu entrevista a jornalistas e sugeriu que a população desse uma “prensa” no Senado para votar a reforma da Previdência.

“E ele foi lá para a porta (do Ministério da Fazenda) e disse que tem que dar uma prensa. Eu digo que aqui ninguém dá prensa. Aqui você convence, discute, ganha perde, agora prensa ninguém vai dar em mim”, disse Eunício.

“Enquanto eu for presidente ninguém diz aqui o que vamos fazer, quem diz aqui é o dedinho de cada um, que pode votar não, sim ou abstenção”, acrescentou.

Magno Malta e o reajuste do STF

Eunício Oliveira também falou das críticas de Bolsonaro e Paulo Guedes sobre o Senado ter aprovado o reajuste de 16% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), votado na quarta-feira (7).

Para o presidente da Casa, os próprios aliados do capitão reformado contribuirão para a aprovação do reajuste.

“Vou só dizer o seguinte: não sei como eles estão fazendo, mas não aceito o Magno Malta (PR-ES) de manhã fazer discurso esculhambando a recomposição salarial dos magistrados, que troca o auxílio-moradia por salário, mas de tarde não vai votar. E mais oito que se dizem bolsonaristas não votaram, e eu sou culpado por isso?”, disse Eunício ao BuzzFeed.

“Esse povo que vem aí não é da política, é da rede social”, acrescentou Eunício.

Paulo Guedes não se manifestou sobre as declarações de Eunício de Oliveira.

Fonte:https://www.noticiasaominuto.com.br/politica/687243/esse-povo-que-vem-ai-nao-e-da-politica-e-da-rede-social-diz-eunicio

Boaventura Sousa Santos dá entrevista sobre o Brasil

O sociólogo português afirma que as classes populares foram abandonadas pelas elites políticas e eclesiásticas. “Lula cometeu muitos erros. Usou o antigo sistema político para governar com a direita”

Boaventura de Sousa Santos, no Centro de Estudos Sociológicos da Universidade de Coimbra.

Boaventura de Sousa Santos, no Centro de Estudos Sociológicos da Universidade de Coimbra. JOÃO HENRIQUES

É há décadas o oráculo de cabeceira da esquerda ibérica e latino-americana, geralmente indo além dos partidos socialistas. Hugo Chávez (Venezuela), Lula(Brasil), Gustavo Petro (Colômbia), Pablo Iglesias (Espanha), Francisco Louçã (Portugal), o escutaram e escutam para criar alternativas que vão além das siglas. O sociólogo Boaventura de Sousa Santos (Coimbra, 1940) divide seu tempo entre a universidade portuguesa, onde elogia uma solução de Governo socialista sem precedentes, e a Universidade de Wisconsin, onde se empanturra de análises da CIA. Com mais de 40 ensaios no currículo, esta semana apresenta na Espanha, Esquerdas do Mundo, Uni-vos. Embora acredite nas conspirações globais, Sousa Santos também acredita na capacidade das forças locais para criar alternativas que escapem ao determinismo dos poderes fáticos, e até acredita que a democracia liberal só pode ser defendida pela esquerda. Apesar de nem sempre acertar, Salve Santos!

Pergunta. Depois de 14 anos de Governos de esquerda parece que os brasileiros ficaram escaldados…

Resposta. Lula foi um grande presidente, mas cometeu muitos erros. Ele usou o antigo sistema político para governar com a direita. Não houve reforma fiscal nem do sistema nem dos meios de comunicação no momento em que seu partido, o PT, tinha uma grande legitimidade para fazer isso. Governar com o antigo sistema antigo foi governar com o compadrio, com a corrupção endêmica dos partidos, não só do PT.

P. As Bolsas acolheram com grande otimismo a derrota do PT e a vitória de Bolsonaro.

R. Sim, agora, depois das eleições, em vez da reação das pessoas, a primeira notícia da mídia é a reação dos mercados. A Bolsa é controlada por cinco grandes instituições financeiras, que movimentam 50 trilhões dos 90 trilhões do PIB mundial e têm, portanto, um poder enorme de chantagem sobre os sistemas políticos nacionais. A derrota da esquerda no Brasil não é alheia ao imperialismo americano.

P. Esse termo não soa como algo antigo?

R. Já sei que deixou de ser usado na mídia, mas acho que o imperialismo americano existe, embora andassem distraídos na primeira década do século.

P. Muito usado por Chávez, Evo Morales, Lula …

R. Foi uma década em que os Estados Unidos estavam concentrados no Iraque, e isso permitiu às forças progressistas da Argentina, Venezuela, Brasil, Bolívia, Equador, Chile chegarem ao poder. A partir de 2009, os americanos começam a perceber que estão perdendo a América Latina, que têm agora um novo parceiro, a China. Sua primeira reação é o golpe hondurenho de 2009. Uma década depois os hondurenhos emigram em caravana para os Estados Unidos.

P. O imperialismo americano não se contenta apenas com Honduras, é isso?

R. Os EUA precisam que todos os países aliados parem a China, mas de maneiras diferentes. Precisam da Europa, mas não da União Europeia (UE). A abordagem de Trump para a Europa é com o Tratado de Comércio Transatlântico, que quer acabar com isso porque não quer uma UE unida. É mais fácil para ele controlar o continente minando a UE, separando-a país por país. Conseguiu isso com o Reino Unido e vai tentar com outros. Um por um, dominará todo o continente melhor.

P. No entanto, os grandes investimentos da China são na África e América do Sul.

R. Leio atentamente todos os documentos da CIA para ver o futuro com seus olhos. A grande ameaça para manter sua hegemonia mundial é a China. Em 2030 será a primeira economia. Vivemos um intervalo entre duas globalizações. Tivemos várias desde 1870, cada uma dominada por uma inovação tecnológica, do motor a vapor à Internet. As últimas sempre foram dominadas pelos Estados Unidos, mas vamos entrar em uma nova onda de inovação, estrelada pela inteligência artificial, a robótica e a automação, e nestas áreas – ao contrário das anteriores– a China está bem posicionada. Quem dominar a nova onda será o país hegemônico.

P. A hora do imperialismo chinês?

“A Bolsa é controlada por cinco grandes instituições financeiras, que têm um enorme poder de chantagem”

R. A China se juntou à Rússia, Índia, Brasil e África do Sul, os BRICS. Esse projeto, ao contrário do que poderíamos imaginar, era um aviso temível para os Estados Unidos. Tinha que ser neutralizado a qualquer preço porque colocaria em questão o mais sagrado do império americano, o dólar. Em 1971, deixou de estar respaldado pelo padrão-ouro, mas os EUA entraram em acordo com a família real saudita para que o dólar fosse a única moeda de pagamento das transações petrolíferas.

P. E assim continua meio século depois.

R. Sim, ao custo de reprimir qualquer movimento para acabar com o dólar como a única referência mundial. Sempre que há um ataque a essa moeda a reação dos Estados Unidos é brutal. É verdade que o ex-presidente do FMI Dominique Strauss-Kahn esteve em uma confusão com uma camareira, mas, coincidentemente, um mês antes ele havia proposto a criação de uma cesta de moedas como referência para o comércio mundial, e não apenas o dólar. [Sadam] Hussein queria que o comércio de hidrocarbonetos fosse em euros e Gaddafi propôs uma moeda africana semelhante ao euro. Todos tiveram destinos fatais.

P. E aquele BRICS perdeu seu peão brasileiro.

R. Antes a Índia de Mohdi se entregara incondicionalmente, mas o Brasil é a sétima economia mundial e aproveitaram que tivesse uma democracia ainda frágil para acabar com esse laboratório. O BRICS ficou neutralizado.

P. As democracias trocaram Obama por Trump, Lula por Bolsonaro, Rienzi por Salvini…

R. Vivemos um ciclo reacionário, típico entre os intervalos das globalizações. É uma época em que a agressividade e a rivalidade entre os países aumentam –na Europa, deu origem a duas guerras. Sua face visível é Steve Bannon, ex-assessor de Trump. Não é coincidência que a sua organização, The Movement, tenha se instalado em Bruxelas. O seu objetivo é conseguir uma maioria de eurocéticos nas eleições europeias de maio e, assim, destruir democraticamente a UE.

P. Teme que ele consiga?

R. Vejo isso com muita preocupação. Esta onda reacionária é diferente das outras, tenta acabar com a distinção entre ditadura e democracia. A democracia liberal não sabe defender-se dos antidemocratas, de antissistemas como Trump ou Bolsonaro, que se aproveitam do sistema. A opinião pública é destruída com notícias falsas que transformam o adversário em inimigo; com o adversário se discute, o inimigo se destrói.

P. Mas como esse ciclo reacionário se formou?

R. Claro que não é uma crise repentina, tem suas causas. Se deixamos de ocupar um espaço, outros não o farão. Se os partidos clássicos se dedicam aos processos eleitorais e a suas alianças, e não trabalham com as classes populares, outros o farão. E não apenas os partidos. A Igreja Católica tinha uma forte base na América Latina com a teologia da libertação. João Paulo II a liquidou e esse vazio está sendo ocupado pela chamada teologia da prosperidade das igrejas evangélicas de influência norte-americana. Os ricos recebem a bênção de Deus, os pobres não são abençoados, são demonizados, culpados por sua pobreza. Houve um abandono das classes populares pelas elites, sejam elas políticas ou eclesiásticas.

P. O senhor tem uma solução?

R. Sim, Esquerda do Mundo, Uni-vos, o título do meu novo ensaio. A esquerda tem que acabar com seus dogmatismos e isolacionismo e estar ciente de que neste ciclo reacionário as forças esquerdistas são as que melhor podem defender a democracia liberal, porque a direita se entregou totalmente (a esquerda, parcialmente) aos poderes financeiros.

“João Paulo II liquidou a teologia da libertação católica e esse espaço é ocupado pela igreja evangélica”

P. Neste período reacionário, uma das exceções tem sido a solução portuguesa, um governo socialista com o apoio parlamentar de partidos à sua esquerda, incluindo antieuropeus, do Bloco e o Partido Comunista.

R. É a grande inovação política dos últimos anos. O partido socialista de Costa decide articular-se com partidos à esquerda em vez de fazer isso com a direita, como sempre. Com uma clarividência extraordinária, com o Bloco e o PC, chegaram à conclusão de que há muitas coisas que os separam, mas há outras que os unem, suficientes para governar. Estar unidos para acabar com a austeridade, já é muito. Se o PC é contra o euro e o PS a favor, isso não conta. Essa foi a grande sabedoria dos partidos.

P. Portugal rompeu com muitas profecias catastróficas.

R. Portugal demonstrou que o neoliberalismo era uma mentira. Com soluções contrárias a essa ideologia, o Governo deu um respiro às classes populares. A economia cresce, o investimento chega, o desemprego cai. Se isso tivesse acontecido em outro país, seria notícia mundial.

P. O modelo é exportável?

R. As soluções não podem ser copiadas, mas pode-se aprender com elas. Tenho alguma esperança de que sejam aceitas na Espanha com os jovens Sánchez e Iglesias. Esta semana vou lá para conversar com todos os partidos da esquerda. Na Espanha, o grande ator diferencial é a questão das nacionalidades e, especificamente, a Catalunha, o que impede qualquer acordo e, em minha opinião, assim vai continuar por algum tempo. Quando se joga o tudo ou nada, o acordo é impossível.

P. Na Espanha, mais do que em esquerda e direita, fala-se em castas e movimentos transversais.

R. Sei disso e fico indignado. A distinção entre esquerda e direita nunca foi tão importante. A esquerda muitas vezes apaixona, mas deixa passar oportunidades de ser outra alternativa de vida. A esquerda não pode ter vergonha de defender o Estado, obviamente democrático e não corrupto. Quem mais vai precisar de saúde pública, de mais educação, não serão as classes médias altas, mas sim aquelas que ganham o salário mínimo. É preciso ter a coragem de aumentar os impostos dos mais ricos. Prejudica o investimento, dizia-se em Portugal. Não foi assim, pelo contrário, aumentou. Há muitas mentiras econômicas. Os maiores mentirosos deste século ganharam os prêmios Nobel de Economia.

P. A solução portuguesa pode mudar a tendência da União Europeia nas eleições de maio?

R. Portugal é um país muito pequeno para mudar a UE, mas se tivéssemos uma solução de esquerda moderada na Espanha, mais a Grécia e a Itália, derrotaríamos a extrema direita, e a UE seria salva. Se não a mudamos por dentro, haverá brexititaliabrexit e austriaexit –sem contar a Hungria e a Polônia, que são europeus só para receber dinheiro comunitário– e em vez de ter uma solução de esquerda para reinventar a UE, será uma de direita para destruir a Europa. Esse é o dilema que enfrentamos.

Jornal de Angola: Lula anima a cena política e conquista voto de milhões

por Altino Matos

Lula da Silva está na cadeia desde sábado mas continua a dominar a cena no Brasil muito por “culpa do seu carisma e percurso político”que o tornaram um homem bastante admirado  e perto de conseguir, agora, mais um feito: mudar “as leis da gravidade”, por ser o pré-candidato com a perspectiva mais forte de vitória nas presidenciais de Outubro.

Tecnicamente, Lula da Silva continua em campanha para a satisfação dos seus apoiantes
Fotografia: DR

Os brasileiros e o mundo aguardam, com grande expectativa, uma resposta sobre o futuro político imediato de Lula, que se traduz unicamente na sua participação ou não nas próximas eleições. Analistas políticos e especialistas em direito eleitoral divergem tanto em matéria jurídica como em aspectos de direitos humanos.
Mas, antes deste debate, o Brasil foi apanhado por um “cem número de conversas”a favor e contra a detenção de Lula da Silva, sendo que os ataques verbais mais violentos foram registados nas redes sociais, onde os internautas citavam a torre de controlo do aeroporto Afonso Pena e os tripulantes da aeronave que o transportou, como terem falado na hipótese de se desfazerem do embrulho ainda no ar, a que muitos julgam estarem a se referir a Lula. Especulações postas a parte, o certo é que o antigo Presidente do Brasil cumpre hoje o seu terceiro dia da pena de 12 anos e um mês sob acusação de corrupção.
As manifestações de afecto e solidariedade a Lula vão ser mantidas pelos seus apoiantes e partidários, como juraram figuras de destaque do PT, o Partido dos Trabalhadores. Os meios de comunicação social no Brasil reportaram que no primeiro dia da sua prisão na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, Lula da Silva acordou num quarto “espartano”, tomou café com pão e assistiu ao jogo de sua equipa -numa TV muito simples-,  o Corinthians que venceu a disputa e se sagrou campeão paulista. A BBC Brasil cita uma fonte da Polícia Federal. Lula chegou à cadeia por volta das 22h locais de sábado (perto das 4h de domingo em Angola), e foi recebido por duas multidões separadas por um cordão da Polícia Militar do Paraná. Uma delas entoava palavras de ordem como “Lula guerreiro do povo brasileiro”, a outra gritava “Lula, ladrão, seu lugar é na prisão”.
No local, já estão montados, desde domingo, banheiros químicos, barracas de comida, eventos culturais e até um centro de informação, que distribui água e lanches. Por ironia do destino, o prédio foi inaugurado dez anos antes, em 2007, no segundo mandato de Lula, como parte dos esforços para dar mais estrutura à Polícia Federal no combate à lavagem de dinheiro – um dos crimes pelo qual Lula foi condenado.
A cela especial tem cerca de 15 metros quadrados e está localizada no terceiro andar. A sala, adaptada para receber o antigo Presidente, fica no centro do prédio e tem três janelas cobertas por vidros fumados, para impedir o contacto com o lado de fora, quarto de banho privado e não tem ar condicionado.
Apenas três oficiais têm acesso a Lula e não podem dizer nem se ele está acordado ou a dormir, de acordo com uma fonte da BBC Brasil na Polícia Federal.

Direitos políticos

Apesar da detenção de Lula da Silva, o PT mantém a intenção de inscrevê-lo como candidato à presidência na Justiça Eleitoral – e a legislação permite que isso seja feito. “Não será o PT que vai retirar Lula das eleições”, disse à imprensa o vice-presidente nacional do PT, Alexandre Padilha, nos Estados Unidos. “A lei estabelece que em Agosto são registadas as candidaturas. O nome de Lula estará lá. Vamos seguir a lei e caberá ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) avaliar esse registo. Lula continuará a ser o nosso candidato, preso ou não”, disse Padilha.
Mas existe no entanto a probabilidade de o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) travar a candidatura do  antigo Presidente com base na “Lei da Ficha Limpa”. Esse processo não é automático, afirmam analistas. Segundo juristas ouvidos pela imprensa, a análise do pedido tende a levar algumas semanas, pois é preciso tempo para o Ministério Público e a defesa se manifestarem e pode haver também depoimento de testemunhas. O prazo final para o TSE se pronunciar é 17 de Setembro.
“A análise da Justiça Eleitoral pode durar de 20 a 25 dias. Enquanto isso está a acontecer, a pessoa que entrou com o pedido de inscrição tem direito a fazer campanha”, nota Lara Ferreira, professora de Direito Constitucional na faculdade Dom Helder Câmara e servidora do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais.
Não há previsão na legislação, porém, sobre como a campanha poderá ser feita na prática se Lula estiver na prisão, ressalta a professora.
De acordo com especialistas em Direito Eleitoral ouvidos pela BBC Brasil, caberá ao juiz responsável pela execução penal autorizar que o petista deixe a cadeia por algumas horas para gravar propaganda eleitoral, por exemplo, ou permitir a entrada de equipas de imagem na prisão. “Se ele estiver preso, estará sob a guarda do juiz Sergio Moro ou do juiz de execução penal. Então ele precisará pedir autorização. Se o juiz recusar, ele poderá recorrer às instâncias superiores”, explica Alberto Rollo, advogado na área eleitoral.
Um procurador eleitoral, ouvido pela BBC Brasil sob condição de não ser identificado, disse ter o mesmo entendimento. “Se a lei permite que a pessoa seja candidata enquanto sua inscrição está em análise, devem ser dados os meios para fazer a campanha”, afirmou.
Há também a possibilidade de Lula ser solto antes da campanha (16 de Agosto a 7 de Outubro), caso o Supremo Tribunal Federal reveja a sua decisão de permitir a prisão após condenação em segunda instância. Pode ser que a Tribunal reavalie o tema já na próxima semana, já que o ministro Marco Aurélio disse que levará a discussão ao plenário na quarta. Enquanto isso, o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos aceitou a denúncia do antigo Presidente Lula da Silva sobre a conduta do juiz federal Sérgio Moro durante a Operação Lava Jacto. A informação foi divulgada pela defesa do político.
Os advogados de Lula, citados na imprensa, dizem que “na matéria protocolar de Julho, foram listadas diversas violações ao Pacto de Direitos Políticos e Civis, adoptado pela ONU, praticadas pelo juiz Sérgio Moro e pelos procuradores da Operação Lava-Jacto contra Lula”. “De acordo com a lei internacional, o Juiz Moro, por já haver cometido uma série de acções ilegais contra Lula, seus familiares, colaboradores e advogados, perdeu de forma irreparável a imparcialidade para julgar o antigo Presidente”, argumenta a defesa de Lula.

A eleição

Caso o Tribunal Superior Eleitoral recuse a candidatura de Lula, o PT pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal, alongando o processo. E se não houver uma definição até à eleição, marcada para Outubro, ele pode disputar as presidenciais.
Na hipótese de ele ficar entre os dois primeiros colocados na primeira volta, mas ser impedido da disputa antes da segunda volta, os seus votos seriam anulados e o terceiro colocado disputaria a corrida final no lugar de Lula, afirma o advogado Marcelo Peregrino, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina.
Uma eventual votação significativa mas que seja impedida na segunda volta pode levar a uma discussão séria sobre a “legitimidade do novo presidente”, observa Peregrino. Essas condições técnicas, no quadro da disposição jurídico-legal, mantêm a esperança de milhões de eleitores de votar em Luiz Inácio Lula da Silva.
O único dado certo é que Lula é de longe o político com a perspectiva mais forte de vencer as presidenciais. Caso vença, ainda pode ser impedido de assumir o cargo. “Nesse caso, o presidente da Câmara assume a Presidência da República e convoca novas eleições directas num prazo de 90 dias”, segundo o advogado Marcelo Peregrino.

Fonte:http://jornaldeangola.sapo.ao/mundo/lula_anima_a_cena_politica_e_conquista_voto_de_milhoes

Angola emergiu uma burguesia burocrática-empresarial e uma elite econômica

Jean-Michel Mabeko-Tali1.jpgO historiador e académico congolês Jean-Michel Mabeko-Tali defendeu hoje à agência Lusa que o atual Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder desde 1975) está dividido em três — massa popular, classe média e a elite.

Jean-Michel Mabeko-Tali, natural do Congo-Brazzaville e professor desde 2002 na Universidade de Howard, em Washington, falava à Lusa a propósito do livro “Guerrilhas e Lutas Sociais — O MPLA Perante Si Próprio (1960/1977)”, de 814 páginas, a lançar pela editora portuguesa Mercado de Letras.

Mabeko-Tali, que vivenciou no Congo os primeiros anos da luta dos movimentos independentistas angolanos contra Portugal, recordou que, nessa altura, existiam dois MPLA, liderado pelo “oficial”, e o “popular”, o das “massas”.

O “oficial”, sustentou, tinha uma direção que mantinha “uma relação especial com dirigentes congoleses” — “de elite para elite” -, e que beneficiava de vários privilégios, como documentos para viagens, passaportes com nomes falsos para permitir viagens no exterior em benefício da luta de libertação.

“E havia um MPLA popular, composto por militantes de base, que não tinham o mínimo acesso a estes pequenos privilégios, e muito menos contactos com a elite do país anfitrião. Embora não diretamente ligados à estrutura do movimento de libertação, tinham-no como um elemento de referência identitário e de ligação com Angola. Foi neste MPLA popular que houve o fenómeno de aprendizagem e de prática das línguas veiculares locais, como o ‘lingala’, coisa que, salvo raras exceções, não se verificava nos meios do MPLA oficial e da elite”, realçou.

Segundo o autor, doutorado em História pela Universidade de Paris VII – Denis Diderot e mestre em estudos Africanos, está aí a “génese” de o MPLA de hoje refletir a divisão da sociedade angolana pós-independência em múltiplas classes sociais, cujo cordão umbilical, em termos de identidade política para uma boa parte dessas classes, é o MPLA.

“Mas é um MPLA que aparece, cada vez mais, sob visões diferentes, consoante se está nos musseques ou em bairros privilegiados. Há um MPLA que pertence à massa popular, sua base social incondicional; há um MPLA da classe média, o sustentáculo medianeiro que serve de caixa-de-ressonância e de megafone ao discurso da elite dirigente. E há esta elite, suficientemente dotada e talentosa, ao ponto de conseguir transformar o seu discurso social em discurso nacional e integracionista, que até a oposição acaba comprando”, explicou.

“[A elite] pertence a uma burguesia largamente compradora, pois na sua maioria recipiente das prebendas que resultam da inserção de Angola na economia-mundo, numa conexão em que ainda sobrevive, em larga medida, uma economia extravertida herdada do modelo económico colonial”, argumentou.

Segundo o académico congolês, os 38 anos de consulado do agora ex-Presidente José Eduardo dos Santos, “com a sua carga de estrondosos e rápidos enriquecimentos, alienaram de certo modo, e progressivamente, o forte laço político-identitário que ligava o MPLA popular e o elitista”.

“Nisto jogou também, e objetivamente falando, o pouco, senão mesmo a falta de laços de cumplicidade que o próprio presidente não foi capaz de criar com a população, sobretudo, nas províncias. Ao contrário de Agostinho Neto, não obstante o seu curto consulado à frente dos destinos do país (1975-1979), o seu sucessor não soube criar, um contrato de confiança com a população, e menos ainda com a Angola profunda. Nada de espantar, portanto, que a imagem do presidente Agostinho Neto ainda domine largamente em muitos desses lugares da Angola profunda”, destacou.

“A transformação do próprio partido numa máquina empresarial bilionária acabou por fazer emergir uma burguesia burocrático-empresarial e uma elite económica que, ao que me parece, olha agora com temor tanto para uma juventude urbana cada vez mais irrequieta, que mal se revê na JMPLA, como também para os musseques, mesmo que esses ainda lhe sejam largamente fiéis”, concluiu.

Entenda por que Marielle era única: os negros na política

Racismo, desigualdade e distribuição desequilibrada de recursos nas campanhas e nos partidos são principais responsáveis pela subrepresentação dos negros na política. Conheça as lideranças e estudiosos que querem mudar esse cenário

publicado 21/03/2018 por PAULA SILVA

Audima

Na Câmara dos deputados, onde há apenas duas deputadas negras, sessão em homenagem a Marielle Franco. (Foto: Lula Marques)

Marielle Franco era uma das 32 vereadoras negras eleitas no Brasil em 2016. Trinta e duas vereadoras de um total de 811 vereadores. Além da avalanche de protestos nas ruas e redes sociais, o assassinato e do motorista Anderson Pedro Gomes levanta discussões sobre a sub-representação de pessoas negras na política.Num país onde pessoas negras são mais da metade da população total (54%, de acordo com o IBGE), é até irônico o fato destes homens brancos da elite carregarem a responsabilidade de representar essas pessoas no Congresso Nacional. Há pretos e pretas ocupando cargos na política, mas são minoria: na Assembleia Legislativa de São Paulo, por exemplo, dos 94 parlamentares em atividade, somente quatro são negros. O único representante negro no Senado é Paulo Paim (PT-RS).

“O racismo estrutural brasileiro é responsável pelo baixo índice de negros e negras nos espaços de visibilidade positiva, prestígio e poder no Brasil”, observa Osmar Teixeira Gaspar, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP). Em estudo sobre a sub-representação dos negros na política, ele destaca que existe uma mobilização social velada para que os brasileiros que descendem da forçada diáspora africana não ocupem locais importantes de prestígio e destaque, como é o caso da política. Assim, entende-se que quem deve ocupar esses locais são justamente as pessoas brancas e ricas. “Por esse prisma, pode-se compreender que legislar no Brasil seja, supostamente, uma atribuição exclusivamente de brancos ricos”, diz.

“Para poder me colocar em condições de ser candidato, eu precisei sair da minha condição de homem negro periférico, para uma outra condição, a de homem negro de classe média”, lembra Marcio Black, 41 anos, cientista político formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC). Membro do coletivo Bancada Ativista, foi candidato a vereador em 2016 pelo REDE. Ele conta que, para conseguir ser candidato, teve que financiar a própria campanha, já que os partidos de esquerda possuem baixos valores para financiamentos desse tipo. E estes valores são destinados, em sua maioria, para candidatos “com maior apelo eleitoral”, por assim dizer. O que não inclui os pretos e as pretas. Dessa forma, as candidaturas dessas pessoas não alavanca. “Então, os partidos de esquerda por exemplo, que, em tese, deveriam investir mais nessas candidaturas, investem em outras pessoas e não nas candidaturas de pessoas negras.”

Política de cotas: nas assembleias ou nos partidos?

Diante dessa discrepância entre negros e brancos no cenário político, fica a pergunta: o que pode ser feito? O que os partidos podem fazer para que haja uma maior inclusão de candidatos negros?

“Os partidos veem isso como algo setorial, e nós negros não somos setoriais. Nós somos maioria no país”, declara Adriana Vasconcellos, 46 anos, assessora do candidato a Deputado Estadual Toninho Vespoli (PSOL-SP). Ela, que também é professora e lançará sua candidatura a deputada federal em breve pelo mesmo partido, foi candidata a vereadora em 2016, mas não foi eleita. Ela observa que a questão do racismo precisa ser mais levada a sério pelos partidos. “Enquanto não se entender que o debate do racismo tem que ser muito profundo e efetivo, a gente ainda vai ter poucas candidaturas negras, ou vamos ter só alguns pra dizer ‘olha, nós estamos olhando para a pauta.”

A política de cotas no Legislativo seria a solução? Para Marcio Black, sim. Mas não agora. “Eu acho que é uma boa ideia, mas nesse momento investiria mais nas cotas nos partidos, e não nas Assembleias, não no parlamento. A gente ainda não tem negros em posição de se financiarem. A gente não tem coletivos negros que consigam suportar estas candidaturas e a gente não tem partidos investindo nesses projetos. O que pode acontecer é justamente a gente implementar as cotas nos parlamentos, mas a gente não ter pessoas com recursos para poderem ocupar essas vagas.”

Adriana acredita na efetividade das cotas tanto nos partidos quanto nas Assembleias por algumas razões: “Nós somos seres políticos. E o povo preto mais ainda. A gente não começou a fazer política ontem, nós fazemos política desde quando fomos sequestrados. Nós não conseguimos chegar lá devido à falta de acesso à educação que nos foi negado. Ela destaca ainda a questão da auto-estima da população negra. “Porque é colocado pra gente que aquele não é o nosso lugar. É a questão do pertencimento. Por que sempre tem que ter alguém pra falar por mim, e por que essa pessoa sempre tem que ser branca?”, questiona.

Gaspar avalia que, mesmo se beneficiando das lutas políticas dos brasileiros negros e dos benefícios decorrentes destas, boa parte dos brancos pobres no Brasil não se solidariza com os negros. “Em geral, os brancos pobres negam-lhes todo tipo de solidariedade, especialmente nas urnas, colaborando desse modo para colocar rígidos obstáculos à mobilidade social ascendente de negros e negras no Legislativo nacional”, afirma.

Segundo Gaspar, a elite branca continua na política porque um grande número de pessoas brancas pobres vota nela, acreditando que estes homens brancos e ricos podem solucionar os problemas do país. Com essa confiança adquirida, afirma ele, a elite branca presume que pode tomar para si o direito de controlar a política e falar por todos – incluindo as minorias que ignoram. “Por essa razão que advogamos a necessidade imediata de se implementar cotas raciais no Legislativo brasileiro, para reduzir o controle, a influência e a tomada de decisões políticas isoladas por um único grupo de brasileiros; os mais ricos e brancos”, completa o pesquisador.

A representatividade e a direita

Mas existem aqueles que não pensam da mesma forma, ainda que pertencentes a uma minoria social. Talvez o nome mais icônico nesta questão seja o vereador Fernando Holiday (DEM-SP). Entusiasta da política liberal, ele despreza o Movimento Negro e suas pautas com propostas como a revogação da política de cotas raciais e o fim do feriado de 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra.

Ele tornou-se um ícone da direita por meio do Movimento Brasil Livre (MBL), ao lado de seu fundador e amigo Kim Kataguiri. Holiday também é um ícone entre aqueles que compartilham dos mesmos posicionamentos que ele, mas a maioria das lideranças negras discorda de suas bandeiras. “Holiday, a meu ver, faz em seu mandato práticas políticas que podem não ser úteis para a população negra, especialmente para os mais pobres.”

“Eu acho ok ele estar lá, eu não vejo problema”, diz Marcio. “É um corpo negro que está ocupando aquele espaço. Eu acredito que representatividade de fato não é somente o corpo negro estar lá. Esse corpo negro precisa portar um projeto político para a manutenção desses corpos, de uma política que também seja negra para ser realmente representativa.”

O pesquisador da USP acredita que a internet irá auxiliar a população negra a diferenciar estes discursos (tanto da esquerda, quanto da direita e do centro), fazendo com que optem por aqueles que melhor compartilham de suas convicções. A negritude politizada não irá dar seus votos para quem carrega discursos que pouco lhes convém.

“Nesta perspectiva, tenho para mim que políticos e eleitores negros ditos de direita só poderão obter sucesso no seu próprio meio, o qual, a meu ver, é significativamente reduzido para atuação do político negro, pois, a rigor, os eleitores mais conservadores se encontram geralmente entre os mais ricos que, por sua vez, por serem conservadores, podem não apoiar candidaturas negras, salvo quando estas se destinarem a preservar os seus seculares privilégios”.

Recuo?

Para Gaspar, o cenário atual pode prejudicar ainda mais a participação do povo negro na política, visto que o Brasil perpetua as raízes do racismo diariamente em vários aspectos sociais.  Essa rígida estruturação racial acaba desestimulando-os nesse sentido. “Os negros brasileiros se encontram diante de um processo eleitoral extremamente injusto onde os candidatos mais ricos e brancos, geralmente dispõem de tempo livre para tocarem as suas campanhas muito antes do período previsto pela legislação eleitoral.”

O privilégio da branquitude entra aí: a maioria dos candidatos que vemos nas propagandas eleitorais é de homens brancos de classe média alta, com o currículo recheado de mestrados e doutorados nas melhores universidades públicas e particulares do Brasil e do mundo. Estes ganham maior atenção dos eleitores, porque a população acredita que eles têm aquilo que é necessário para administrar uma vida pública. Assim, eles ganham a confiança e o voto dos brasileiros. Enquanto isso, os candidatos de origem periférica ganham a desconfiança e o julgamento por defenderem pautas relacionadas aos Direitos Humanos.  A morte de Marielle Franco pode trazer um estímulo maior para o povo preto politizado e seus eleitores. Então agora seria o melhor momento para que o Movimento Negro se mobilize na corrida eleitoral. “Casos como o da Marielle são para nos fortalecer, porque passaram um recado muito claro para a gente: aqui não é o seu lugar. Aqui não é lugar para preto, não é lugar pra favelado, não é lugar pra quem defende os Direitos Humanos”, afirma Marcio.

Isso pôde ser percebido na repercussão que o caso tomou no dia seguinte do fato: foram convocados atos em nome de Marielle no Brasil inteiro e no exterior; artigos e grandes reportagens foram publicadas contando a história de luta da vereadora e os rumos que o cenário político atual pode tomar depois da fatídica noite de 14 de Março; os partidos de esquerda estão organizando às pressas reuniões para convocar as minorias sociais para a luta nas urnas – para enfrentar  o crescimento do conservadorismo e da confiança de candidatos à Presidência da República com forte apelo popular por entusiastas da extrema-direita, como o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), ex-militar da ditadura que possui milhões de seguidores em suas redes sociais.

A luta continua depois do luto

“Se a gente não tivesse mexendo com os donos do poder, se a gente não tivesse incomodando, a Marielle não teria morrido. Então agora a gente precisa aumentar esse incômodo”, diz Marcio.

O que se tem observado é que muita gente passou a conhecer a Marielle e seu trabalho após sua morte. Isso vem gerando um debate importante nas redes sociais sobre a necessidade de se conhecer quem está representando as minorias no Legislativo, principalmente as mulheres negras que estão nessa luta, ainda que em menor número. “Você tem o homem branco, a mulher branca, ainda que em número reduzido, e você tem pouquíssimas mulheres negras”, diz Adriana.

“A História tem nos ensinado que as mulheres negras são nossos pilares de resistência política desde o cativeiro”, reflete Gaspar. Ele também acredita que o ocorrido com Marielle poderá estimular outras jovens negras a enfrentarem o racismo brasileiro a fim de reduzir as diferenças sociais. “Penso que a morte de Mariele Franco não poderá ter sido em vão, mas em prol da luta para se enfrentar os poderosos e as profundas diferenças sociais no Brasil”.

Algumas pretas já estão na luta para mudar essa realidade: Áurea Carolina (PSOL) foi a vereadora mais votada de Belo Horizonte; Talíria Petrone (PSOL) e Verônica Lima (PT) foram as únicas vereadoras negras eleitas na cidade de Niterói, no Rio de Janeiro. Talíria era uma grande amiga de Marielle; Benedita da Silva (PT), que já foi governadora do Rio de Janeiro, senadora e atualmente é deputada federal; Leci Brandão (PCdoB) foi a segunda mulher negra eleita deputada federal, sendo reeleita em 2014; Olívia Santana (PCdoB) é secretária de Políticas Públicas para Mulheres do estado da Bahia e já foi vereadora de Salvador; Jupiara Castro é um dos nomes importantes que ajudaram a fundar partidos como PT, PSTU E PSOL. Ela também fundou o Núcleo de Consciência Negra da USP; e outras tantas que ainda virão, porque a luta continua depois do luto.

“Nós estamos no caminho certo. A gente tem que ir pra cima pra eleger ao menos mais duas ou três Marielles”, afirma Marcio. Adriana concorda: “Esse retrocesso todo foi porque eles perceberam que as meninas negras estão se politizando. Eu acredito que vamos ter muito mais Marielles por aí”.

SOBRE @ AUTOR@: PAULA SILVA

Paula Silva
Estudante de Jornalismo, preta, feminista, adora desenho japonês, Star Wars e la

Primeiro-ministro da Etiópia apresenta sua renúncia

maxresdefault

O primeiro-ministro da Etiópia, Hailemariam Desalegn, apresentou ontem o seu pedido de renúncia .

“A agitação e a crise política levaram à perda de vidas e ao deslocamento de muitas pessoas”, disse Hailemariam em um discurso televisionado na quinta-feira.

“Vejo minha renúncia como vital na tentativa de realizar reformas que levem a uma paz e democracia sustentáveis”, afirmou.

A informação desta decisão foi avançada pela televisão etíope, que referiu que Desalegn também abandona a presidência de uma coligação de partidos que governa os destinos da Etiópia. A saída de Hailemariam Desalegn acontece num momento em que têm aumentado os protestos anti-governamentais nas regiões de Oromia e Amhara, dos quais já resultaram dez mortos e centenas de feridos.Centenas de pessoas morreram em uma onda de violência em toda a Etiópia, inicialmente provocada por um plano de desenvolvimento urbano na capital, Addis Abeba, em 2015.

oromia

 

 

A demissão de Desalegn terá que ser ainda aprovada pelo Conselho da Frente Democrática Revolucionária dos Povos Etíopes (EPRDF, na sigla inglesa).

Wahlkampf Äthiopien 2010 (DW)Foto de arquivo: Campanha eleitoral do partido EPRDF (2010)

Segundo a Fana, Desalegn, de 53 anos, irá continuar em funções até à conclusão do processo de transição, ao mesmo tempo que deixará também funções de deputado da Frente Revolucionária e Democrática Popular Etíope.
Há um mês, as autoridades etíopes libertaram centenas de prisioneiros, não tendo mesmo assim conseguido travar a realização dos protestos. Desde 2015 que a Etiópia é palco de repetidas manifestações violentas com apelos por parte dos protestantes à aplicação de reformas políticas e econômicas e à exigência do fim da corrupção.
Estes distúrbios estavam a provocar profundas divisões no seio da coligação que governa o país, com as elites a acusarem o primeiro-ministro de falta de pulso para resolver o problema causado pelas constantes manifestações.

Ethiopia-protest-2017
Alguns observadores consideram que a turbulência que agora afeta a Etiópia pode estender-se a toda a região do Corno de África, afetando alguns países que até agora têm gozado de grande estabilidade política e militar.

Africa-countries-horn

corno da africa

O Governo etíope é acusado há muito por várias organizações internacionais de prender jornalistas críticos ao regime e de dirigentes da oposição “apenas por serem desfavoráveis” ao executivo.

Desalegn, que foi secretário-geral da União Africana em 2013, está no poder desde 2012, após a morte do antigo Presidente e ditador Meles Zenawi, de quem foi ministro dos Negócios Estrangeiros e depois vice-primeiro-ministro, antes de assumir a chefia do executivo.

 

O milionário Cyril Ramaphosa é o novo presidente da Africa do Sul

Cyril Ramaphosa é o novo presidente do país no mesmo dia em que o  pedido de renúncia foi  entregue  por Jacob Zuma.

Mandela+Meyer+Ramaphosa+De+Klerk+1996

Ramaphosa desempenhou um papel fundamental na fundação do poderoso Congresso dos sindicatos sul-africanos e, como secretário-geral do ANC no início da década de 1990, fez parte do time que negociou o fim do apartheid e redigiu a nova constituição progressiva da África do Sul. Em seus empreendimentos, Ramaphosa trouxe a franquia do McDonald’s para a África do Sul, e segundo a revista Forbes estima que valeria mais de 450 milhões de dólares (360,4 milhões de euros) em 2015.

 
O que Ramaphosa está oferecendo: Ele prometeu combater a corrupção e o nepotismo que mancharam a presidência de nove anos de Zuma, que desistiu após o ANC após a ameaça de um voto de não-confiança.

Sul-africanos depositam grande esperança no novo Chefe de Estado Cyril Ramaphosa que dias antes prometeu cortar o espaço aos dirigentes corruptos
Fotografia: MIKE HUTCHINGS | AFP

Deste modo é colocado um ponto final na “novela” em que se estava a transformar o braço de ferro entre Jacob Zuma e o ANC, que durante os últimos dias concentrava as atenções nacionais e internacionais no que se estava a passar no país.
O suspense quanto à definição desse braço de ferro arrastou-se até às últimas horas de quarta-feira, pois só nessa altura é que Jacob Zuma decidiu enfrentar a realidade e reconhecer, implicitamente, que já não tinha os apoios suficientes para continuar a dirigir os destinos da nação sul-africana.
Horas antes de aparecer perante os seus concidadãos a anunciar que tinha acabado de assinar o seu pedido de resignação, embora não concordasse com quem exigia a sua saída, Jacob Zuma tinha dado uma entrevista à cadeia SABC a garantir que iria continuar até ao fim do seu mandato. Mas, terá sido a decisão do ANC avançar com a apresentação de uma moção de censura para o derrubar, caso não aceitasse demitir-se, que terá feito Jacob Zuma perceber que se encontrava num beco cuja única saída apontava para a porta das traseiras, onde do lado de lá o espreitava (e ainda espreita) a justiça pronta a ajustar com ele as contas que considera estarem pendentes.

Uma sucessão natural
Face à resignação de Jacob Zuma, não restava outra alternativa legal ao ANC que não fosse a de indicar o nome do seu presidente, Cyril Ramaphosa, para acumular esse cargo com o de Presidente da República. Porém, até à última da hora surgiu a possibilidade de Ramaphosa ir ontem a votos no parlamento com um outro candidato apresentado pela oposição, mas que nunca foi sequer identificado.
Essa possibilidade gorou-se pois a interpretação que foi feita da constituição apontava no sentido de ser o vice-presidente da República, neste caso Cyril Ramaphosa, o único candidato que os deputados teriam que ratificar num gesto meramente simbólico, mas constitucionalmente imprescindível. Alguns observadores referem que Cyril Ramaphosa está com um olho na presidência da República praticamente desde que o ANC che-
gou ao poder em 1994.

mandela 3
Essa percepção é atribuída ao fato de em 1994 Ramaphosa não ter conseguido disfarçar alguma mágoa pelo facto de Nelson Mandela não o ter escolhido como seu sucessor. Terá sido, aliás, essa decepção que o empurrou para o mundo dos negócios e para os sindicatos, interrompendo uma carreira política que ele próprio já nessa altura tinha a certeza de estar condenada ao sucesso. Finalmente, Cyril Ramaphosa tem a oportunidade de concretizar o sonho de ser presidente da República, eventualmente muito melhor preparado do que estava em 1994. Essa preparação, sobretudo a sua passagem pelos sindicatos e a experiência que tem do mundo dos negócios será fundamental para vencer a sua primeira grande batalha e relançar a economia sul-africana.
Trata-se de uma batalha que não será fácil de vencer, numa altura em que o desemprego atingiu uma taxa de 30 por cento e quase metade dos jovens andam à procura do seu primeiro emprego.
Ontem, o mercado financeiro parece ter apreciado e agradecido a demissão apresentada por Jacob Zuma, com o rand a atingir a maior valorização dos últimos três anos face ao euro e ao dólar norte-americano.
jacob

O futuro de Jacob Zuma
Mas, enquanto Cyril Ramaphosa começa a dar os primeiros passos para impor o seu programa e o seu estilo de governação, a grande pergunta que agora se coloca relaciona-se com o futuro que está reservado a Jacob Zuma. Para já não se sabe se ele conseguiu, nas reuniões privadas que teve com Cyril Ramaphosa, garantir algum tipo de acordo que lhe permita ter como garantido o apoio político do ANC.
Embora se saiba que o poder judicial é independente do poder político, seria reconfortante para Jacob Zuma ter a certeza de que poderia contar com uma “retaguarda segura” e, sobretudo, “solidária” para enfrentar as malhas que a justiça tece para enredar aqueles que têm contas para ajustar com ela, como é inegavelmente o seu caso.
A última informação disponível, tornada pública no calor dos esforços para levar Zuma a demitir-se, refere que Cyril Ramaphosa não garantiu qualquer tipo de imunidade para proteger o antigo presidente das garras da justiça. Mas isso foi no início deste mês.
Daí para cá ocorreram diversas reuniões entre os dois, durante as quais alguma coisa pode ter ficado acordada no segredo das quatro paredes sem que disso fosse dado conhecimento à opinião pública. Tratando-se de um assunto extremamente sensível, por envolver um ex-Presidente da República, é natural que a própria justiça tenha, também, um especial  cuidado para não dar passos em falso. Por isso, aconselha a experiência de casos recentes, que se espere para ver o que se passará nos próximos dias e então se poder ajuizar, com mais rigor, o que pode estar reservado para Zuma.