Angola está preocupada com a saída de sua sucata para fora do pais


A ministra da Indústria solicitou ontem uma concertação entre a indústria siderúrgica e os colectores para travar a exportação de sucata e permitir que seja transformada no país.

Encontro entre o Ministério da Indústria e operadores locais
Fotografia: Jaimagens | Edições Novembro

Bernarda Martins exortou os operadores a adoptarem “uma acção que favoreça o mercado angolano”, pois Angola também precisa de sucata para transformar em matéria-prima, algo que pode reduzir o dispêndio e permitir a captação de divisas com a exportação.
O Ministério da Indústria, declarou, já legislou a favor do mercado nacional, ao decidir estabelecer “quota zero” para a exportação de sucata, a fim de manter reservas suficientes para alimentar a indústria.
O encontro, que fez um levantamento da oferta do sector, concluiu que a sucata marítima é a que mais perdura no país, seguida da militar e dos caminhos de ferro, sendo “importante encontrar um equilíbrio para ver se a sucata produzida em Angola serve para alimentar a indústria e a que preço”.
Bernarda Martins anunciou que os ministérios da Indústria, Transportes, Defesa Nacional e Ambiente reúnem-se nos próximos dias para encontrar uma politica mais equilibrada entre a colecta de sucata e os preços a praticar nas aquisições, com base numa comparação entre os custos da oferta nacional e a internacional.
A questão é elevar a indústria transformadora a um patamar em que a sucata garanta postos de trabalho.
O presidente do conselho de administração da companhia siderúrgica ADA reclamou, em declarações ao Jornal de Angola, o lugar da empresa como a primeira sucateira de Angola. Georges Choucair afirmou que a ADA, com capacidade para produzir 500 mil toneladas de aço, precisa de duas mil toneladas de sucata por dia.
A indústria siderúrgica também tem uma elevada vocação exportadora, notou Georges Chocair, que apontou como a maior dificuldade a ausência de um entendimento entre transformadores e colectores de sucata.
Georges Chocair indicou a falta de divisas como outra causa da insatisfação dos empresários, que precisam de exportar o seu material para contribuir para a diversificação da economia.
O facto de ver os angolanos comprarem arcas, tubos e panelas importadas a preços cinco vezes mais altos do que seriam se produzidos no país é “inaceitável”, disse Georges Chocair.

 

http://jornaldeangola.sapo.ao/economia/investimentos/fim_da_exportacao_de_sucata_nacional

Advertisements

Investimento chinês é questionado no Quênia

bridge at keyaA queda de uma  ponte construída pela China no oeste do Quênia trouxe para o centro da campanha presidencial queniana os investimentos de Pequim no continente africano. A estrutura desabou no último dia 26, antes de ser inaugurada e apenas duas semanas depois de uma inspeção do presidente Uhuru Kenyatta, candidato à reeleição, segundo a rede americana CNN. A ponte Sigiri foi construída ao custo de US$ 12 milhões pela Companhia Chinesa de Construção e Engenharia, em uma região historicamente carente de investimentos públicos.
keyata visitando a ponte.jpg
Em 2014, dezenas morreram depois que um barco afundou tentando cruzar o rio. Kenyatta visitou a ponte no dia 14 de junho, em um evento de campanha, e falou a uma multidão de apoiadores reunida às margens do rio que a obra traria o desenvolvimento que há décadas era negado à região.
“Há uma grande diferença entre aqueles que venderão propaganda a vocês e pessoas que venderão uma agenda real de mudança”, disse Kenyatta.
Raila-Odinga1O principal rival de Kenyatta nas eleições de 8 de agosto, Raila Odinga, culpou o governo pelo colapso da ponte Sigiri, acusando o atual presidente de acelerar a obra por motivos políticos. “No passado, tivemos trabalhos de baixa qualidade feitos em projetos públicos, geralmente estradas e pontes, que comprometeram a vida útil de tais projetos e nos negou a relação custo/qualidade”, afirmou Odinga. A China é peça-chave para Kenyatta concretizar as promessas de melhorar a infraestrutura queniana, com obras financiadas e construídas pelos chineses. No mês passado, o presidente lançou a ferrovia Madaraka Express, maior investimento no país desde que o Quênia conquistou a independência do Reino Unido, em 1963.
SGR-Madaraka-Express-Train-Booking-Schedules-and-Fare-charges.png
O megaprojeto, de US$ 3,8 bilhões, foi financiado pelo Banco Export-Import, da China, e liga a cidade portuária de Mombaça à capital, Nairóbi. No futuro, a ferrovia deve ligar o Quênia a outros países do leste africano. O alto custo da ferrovia assustou: o valor por quilômetro é mais que o dobro de outra estrada de ferro construída pelos chineses, a que liga a capital da Etiópia, Adis Abeba, ao Djibuti, no nordeste da África.
Kenya_Railways_logo
A Kenya Railways, empresa local que irá administrar a futura ferrovia, atribuiu o alto preço à complicada geografia do local. Em maio, o presidente chinês, Xi Jinping, anunciou a ambiciosa iniciativa “One Belt, One Road”, com mais de US$ 100 bilhões para bancos de desenvolvimento na China. O objetivo é financiar obras de infraestrutura na África, Ásia e Europa. Baseado em investimentos liderados pela China em pontes, ferrovias, portos e energia em mais de 60 países, o programa forma a espinha dorsal da nova agenda econômica e geopolítica de Pequim.

Governo e Vale Moçambique em mesa redonda devido à paralisação de comboios

Foto genérica
MOÇAMBIQUE
A Vale Moçambique decidiu paralisar a circulação dos seus comboios de transporte de carvão em Moatize através da linha férrea de Sena, devido à tensão político-militar que assola Moçambique e a região centro em particular há já alguns meses. Aliás, a Vale Moçambique já viu alguns dos seus comboios a serem alvos de ataque protagonizado pelos homens armados da Renamo.

A paralisação da circulação de comboios por parte da Brasileira Vale deixa preocupado o governo de Moçambique, que de imediato chamou a empresa mineira Vale Moçambique para se sentarem na mesma mesa para o reinício do transporte de carvão extraído em Moatize, província central de Tete, através da linha de caminho-de-ferro do Sena.

Segundo o ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita, o governo já teve um encontro com representantes do grupo brasileiro Vale, a quem garantiu o envolvimento das autoridades moçambicanas na proteção da linha para permitir que as operações ferroviárias sejam retomadas.

A mineradora Vale Moçambique decidiu suspender o envio do carvão para o porto da Beira há cerca de dois meses, na sequência de ataques contra as composições ferroviárias, de que resultaram alguns feridos ligeiros e danos materiais.

A linha de Sena, com 357 quilómetros, liga o porto da Beira, via Dondo, ao Malawi, dispondo ainda do ramal Inhamitanga/Marromeu (88 quilómetros) e do troço Dona Ana/Moatize (254 quilómetros), constituindo a espinha dorsal da região centro de Moçambique e do vale do Zambeze, em particular.

A paralisação dos comboios com carvão, segundo Carlos Mesquita, está a causar prejuízos à empresa estatal Portos e Caminho-de-ferro de Moçambique, estimados em cerca de 50 milhões de dólares (cerca de 45 milhões de euros).

O último ataque a um comboio da Vale foi há menos de duas semanas, quando homens armados da Renamo atacaram uma locomotiva, provocando um ferido ligeiro, no posto administrativo de Mutuali, distrito de Malema, na província setentrional de Nampula.