Menu

Aberto o primeiro Centro de Inteligência Artificial, em Gana, na África Ocidental

ghana-offshore-map

Algoritmos podem ajudar pequenos agricultores e prevenir catástrofes

Capturar.JPG
Potencial. Moustapha Cissa (dir.) disse que a inteligência artificial é mais importante para a África que para outros locais
Foto: Cristina Aldehuela/AFP

Acra, Gana. O Google abriu um laboratório de pesquisa em Gana sobre inteligência artificial, o primeiro do tipo na África, com o objetivo de responder aos problemas socioeconômicos, políticos e ambientais do continente. Existem laboratórios tecnológicos em cidades como Tóquio, Zurique, Montreal e Paris, mas a inauguração de um nesta semana em Acra pode ser especialmente importante para a África.

Como utilizar a inteligência artificial para aliviar as penúrias dos médicos, ou melhorar o diagnóstico do câncer? Como ajudar os pequenos agricultores em suas colheitas aos trabalhadores na detecção de problemas nas máquinas? Como prevenir as catástrofes naturais? “A África enfrenta muitos desafios e aqui o uso da inteligência artificial pode ser mais importante do que em outros lugares”, explicou à AFP Moustapha Cissa, diretor do novo centro Google de Acra.

Graças aos algoritmos, ao reconhecimento vocal, ou de escritura, muitos documentos podem ser traduzidos para línguas vernáculas africanas. Os pequenos agricultores também poderão detectar problemas na produção, ou avaliar os preços do mercado na rede. Especialistas em machine learning e editores de programas de informática trabalharão em jornada integral neste novo laboratório. Isso será feito em colaboração com universidades e startups de Gana, Nigéria, Quênia e África do Sul.

“Formamos uma boa equipe de pesquisadores e de engenheiros internacionais”, acrescenta o diretor, Moustapha Cissa, originário do Senegal. “O objetivo também é abrir os olhos dos políticos sobre essa nova tecnologia para que se deem conta de sua importância. Espero que invistam mais na formação em inteligência artificial na África e em sua aplicação em diferentes âmbitos”, explicou.

Mercado

Os gigantes tecnológicos conhecidos como Gafa (acrônimo de Google, Apple, Facebook, Amazon) estão muito interessados no continente africano, um mercado imenso.

Atualmente, 60% do 1,2 bilhão de africanos tem menos de 24 anos e, até 2050, a população duplicará, chegando a 2,4 bilhões de pessoas. “Há claramente uma oportunidade para empresas como Facebook e Google de se instalar e impor sua marca no território” africano, explica Daniel Ives, da consultoria norte-americana GBH Insights.

“Se você observar Netflix, Amazon, Facebook, Apple, onde (essas empresas) podem crescer? Elas têm que mirar no nível internacional”, afirma o pesquisador em tecnologia.

Gana enviará trabalhadores para o Brasil para treinamento em gestão de petróleo

ghana-offshore-map

Serviços de Produção da MODEC, empresa japonesa, lançou um programa internacional de treinamento em petróleo e gás para 16 cidadãos de Gana.

Espera-se que os beneficiários realizem o treinamento no Brasil em três lotes, a partir de fevereiro de 2019, para obter treinamento prático em Armazenamento e Transferência de Produção Flutuante (FPSOs – Floating Production Storage and Offloading).Cada trainee deve passar um total de seis meses no treinamento que aconteceria nos FPSOs da MODEC Brasil.

Os beneficiários devem ser treinados em manutenção, operações e gerenciamento de FPOSs e, após seu retorno a Gana, os trainees devem impactar seus conhecimentos para outros no setor de petróleo e gás do país, com o objetivo de construir um conteúdo local muito mais forte a nação.

petroleo1

Egbert Faibille Junior, Diretor Executivo Interino da Comissão de Petróleo, falando na inauguração do programa de treinamento em Accra,explicou que isso foi possível através de um esforço colaborativo entre a Comissão e os Serviços de Produção da MODEC.

Ele disse em 2018 que a MODEC se aproximou da Comissão, pedindo permissão para trazer 15 estrangeiros para administrar seus dois FPSOs, FPSOs Kwame Nkrumah e FPSO John Evans Atta Mills. Informou ainda que a Comissão de Petróleo, em consonância com a Lei de Conteúdo Local de Gana, propôs que a MODEC financie o treinamento de 16 ganeses no exterior em gerenciamento, operações e manutenção de FPSOs.

O Sr. Faibille Jnr indicou que a proposta pretendia que alguns Gana fossem treinados para que, quando os 15 expatriados deixassem o país, os ganeses pudessem administrar os FPSOs sem depender de estrangeiros.
Ele disse que o programa de treinamento construirá as capacidades dos ganenses para impulsionar o setor de petróleo e gás.

O Sr. Faibille Jnr exortou os beneficiários a aproveitarem bem a oportunidade e a impactarem positivamente os seus conhecimentos no Gana para melhorar o sector e ressaltou o compromisso do governo em treinar os ganenses para ocupar seu lugar de direito no espaço petrolífero à montante, exortando os beneficiários que têm trabalhado principalmente em terra, a levar a sério seu programa de treinamento quando visitarem o Brasil.

Takashi Nishino, chefe de Operações Globais da MODEC, disse que o treinamento aumentaria o conhecimento dos beneficiários para serem competitivos no setor de petróleo e gás. Citou que a MODEC apoiaria os beneficiários durante sua permanência no Brasil com as instalações necessárias para ter sucesso e contribuir para
as operações do setor de petróleo e gás de Gana.

fonte:https://www.opetroleo.com.br/ganenses-passam-por-treinamento-em-petroleo-e-gas-no-brasil/

Alemães na África discutem investimentos e a imigração ilegal

A chanceler alemã Angela Merkel tem um programa apertado no périplo que está a fazer pela África Ocidental. No Senegal, falou de investimentos e do combate à migração ilegal.

    
Senegal - Angela Merkel besucht Senegal (picture-alliance/dpa/M. Kappeler)

Angela Merkel chegou ao Senegal, na quarta-feira (30.08), com uma comitiva de empresários alemães, que também a acompanharão até ao Gana e à Nigéria.

Com este périplo, a chanceler alemã pretende, sobretudo, reforçar os laços de cooperação económica para combater a migração ilegal para a Europa. Ao desembarcar em Dakar, Merkel encontrou-se com o Presidente Macky Sall e manifestou logo o interesse da Alemanha em investir no Senegal.

“Devemos aprender a combinar de forma sensata o desenvolvimento com o investimento privado, para que o Senegal possa fazer a transição gradual para uma recuperação económica autossustentável”, afirmou a chanceler alemã. “Este é um país jovem, com 300 mil jovens a entrar no mercado de trabalho todos os anos, à procura de oportunidades. Por isso, é do nosso interesse que o desenvolvimento seja bem-sucedido.”

Senegal aberto a investimentos

O Presidente senegalês garantiu que o seu país está interessado em investimentos estrangeiros, mas não está só aberto às ofertas alemãs.

“A Alemanha é bem-vinda”, frisou Macky Sall. Mas “eu disse à chanceler que a China [também] é bem-vinda ao Senegal, tal como os Estados Unidos da América, a França e a Turquia, porque, a partir do momento em que encontrarmos uma fórmula para conseguir financiamento, transferir tecnologia, criar empregos para jovens, vamos aceitar. Não podemos rejeitar ofertas que ajudem os nossos jovens”, afirmou.

Republik Senegal - Kanzlerin Merkel besucht SenegalChanceler Angela Merkel foi recebida no Senegal pelo Presidente Macky Sall

A questão da migração

Mais de 11 mil pessoas do Senegal, Gana e Nigéria solicitaram asilo na Alemanha no ano passado. Grande parte das solicitações foi negada. Estima-se que 14 mil cidadãos destes três países africanos vivem ilegalmente na Alemanha.

Tanto no Gana como no Senegal, a Alemanha financia centros de aconselhamento para migrantes, onde os jovens retornados recebem ajuda na procura de emprego. Outro centro deste tipo deverá abrir na Nigéria até ao final do ano. Além disso, a Alemanha lançou a iniciativa “Compact with Africa” quando presidiu ao grupo das 20 maiores potências económicas mundiais, o G20. A medida prevê a transferência para as nações africanas de habilidades e tecnologias para atrair investidores ocidentais. O Gana e o Senegal já participam e a Nigéria demonstrou interesse.

Três dias, três países: Merkel faz périplo africano

Oportunidades

A chanceler alemã está no Gana esta quinta-feira e, na sexta, vai até à Nigéria, onde se encontrará com o líder da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Jean-Claude Kassi Brou, e com o Presidente Muhammadu Buhari, para discutir questões económicas.

Além disso, Angela Merkel também se encontrará com a sociedade civil. Moses Siasia, do Fórum de Jovens Profissionais da Nigéria, tem grandes expetativas quanto à visita: “Penso que esta é uma das formas mais diretas de se fazer parcerias comerciais. Além disso, os governos da Nigéria e da Alemanha podem criar um ambiente de relações comerciais para as empresas dos dois países e também oportunidades para beneficiar do conhecimento”, afirma.

Em média, a economia do Senegal cresce a um ritmo de 7% ao ano, enquanto o Gana é visto como um refúgio de estabilidade na região. A Nigéria, apesar de ser vítima da insurgência do grupo radical Boko Haram e da volatilidade do preço do petróleo, continua a ser o segundo maior parceiro comercial da Alemanha na África subsaariana.

Etiópia e Gana visitam Piauí para conhecer experiência de saneamento

f4b10faa06e674e7015cfaff26308e1bBrasiUma comitiva de representantes do governo e ministro de Estado de Gana, Etiópia e Indonésia desembarca nesta segunda-feira(25) em Teresina, acompanhados de membros da equipe do Banco Mundial, para conhecer mais de perto o Programa Lagoas do Norte, apontado como referência em ações de melhoria dos recursos hídricos.

A ideia da visita é conhecer o funcionamento da iniciativa aplicada em Teresina e adquirir conhecimento para adotar medidas semelhantes nos seus respectivos países no gerenciamento de recursos hídricos. Os visitantes conheceram diversas áreas da Zona Norte da capital e assistiram a uma apresentação sobre o histórico e detalhes da implantação do Programa.

Gana, Etiópia e Indonésia tem problemas semelhantes com inundações e com urbanização em áreas de baixa renda. Então o Banco Mundial sugeriu esse compartilhamento de experiências. Teresina é um exemplo de bom trabalho, com um bom projeto que está sendo implantado há muito tempo e é muito exitoso. Nós consideramos que seria um bom modelo para a África e para a Indonésia

A apresentação será feita pelo prefeito Firmino Filho no auditório do Hotel Metropolitan, a partir das 11 horas.25c1110573425a241934f31415cd5d3a

Na comitiva de quase 40 pessoas estarão presentes autoridades dos seus respectivos governos, como o Ministro de Desenvolvimento Urbano e Habitação da Etiópia, Hailu Meskellie; e o Ministro do Trabalho e Habitação de Gana, Samuel Akyea, acompanhado de outro representante ministerial do país, Joseph Adda, Ministro de Saneamento e Recursos Hídricos.

Atualmente em sua segunda etapa, o Programa Lagoas do Norte tem mostrado resultados expressivos nas áreas de drenagem e saneamento na Zona Norte de Teresina.

Em sua primeira fase, levou saneamento há mais de 25 mil pessoas, reassentou 500 famílias que viviam em situação de risco e construiu o Parque Lagoas do Norte, que fornece drenagem adequada para a região além de servir como lazer e fonte de renda para a comunidade.

a comitiva foi levada a pontos que ainda não sofreram intervenção do PLN, como a Lagoa do Mazerine, no bairro Nova Brasília, e a Lagoa da Piçarreira, no bairro São Joaquim. Os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer a geografia e a situação socioeconômica da região in loco, inclusive conversando com moradores.

Após a visita na Zona Norte, a comitiva retornou ao hotel para assistir a apresentações de detalhes do PLN. O prefeito Firmino Filho falou sobre a implantação e os principais desafios até a execução da Fase I e o início da Fase II, que está em andamento atualmente. Na sequência falaram o especialista em drenagem e consultor do Banco Mundial, Carlos Tucci, que apresentou questões técnicas do projeto executado em Teresina, e o ex-secretário de planejamento e consultor para políticas públicas da prefeitura, Washington Bonfim, que demonstrou resultados alcançados até o momento com o programa.

O prefeito destacou que o programa não se restringe apenas às obras, mas também a medidas educativas, de conscientização ambiental e de melhoria ambiental e de governança nas comunidades da região.

“Nosso objetivo é colocar na região Norte sistemas de drenagem, sanear as águas daquela região, qualificar a paisagem e melhorar as condições de emprego e renda das pessoas da comunidade. Por ser um projeto inovador e um dos poucos do terceiro mundo que tem mostrado resultados objetivos, o Lagoas do Norte é alvo de apresentação para outros países em situação análoga a do Brasil”, afirma.

“Temos três delegações presentes e bastante interessadas desde a idealização do programa até a efetivação, mostrando o que deu certo, como funcionou e quais foram as dificuldades até se chegar a requalificação entregue hoje para a população que mora na área. São países que tem um histórico de dificuldades urbanísticas e a ideia deles é replicar o que fazemos aqui”, completa Márcio Sampaio, diretor geral do PLN.

O Programa Lagoas do Norte

O PLN vem mostrando resultados expressivos em Teresina desde o início da sua implementação. Apenas na primeira fase do Programa, cerca de 25.000 pessoas tiveram acesso a saneamento básico, 500 famílias que viviam em situação de risco foram reassentadas e foi construído o Parque Lagoas do Norte, que além de auxiliar na drenagem das águas fluviais na região, representa um ponto de lazer e fonte de renda para as comunidades do entorno.

Atualmente o Programa está em sua segunda fase, com maior investimento e previsão de intervenção em uma área quatro vezes maior. As obras serão executadas com investimento de 88 milhões de dólares do Banco Mundial e contrapartida do mesmo valor pela Prefeitura de Teresina, totalizando 176 milhões de dólares investidos na região, pouco mais de 500 milhões de reais na cotação atual.

“É um programa de requalificação da área, não só de urbanização. Tem requalificação ambiental, melhorando a qualidade da água e a arborização da região, e também melhorando a questão econômica, trazendo a população para condições melhores de habitação”, explica Márcio.

 

Gana e Etiópia visitam o Piaui para aprender experiências de saneamento

f4b10faa06e674e7015cfaff26308e1b

Uma comitiva de representantes do governo e ministro de Estado de Gana, Etiópia e Indonésia desembarca nesta segunda-feira(25) em Teresina, acompanhados de membros da equipe do Banco Mundial, para conhecer mais de perto o Programa Lagoas do Norte, apontado como referência em ações de melhoria dos recursos hídricos. 

A ideia da visita é conhecer o funcionamento da iniciativa aplicada em Teresina e adquirir conhecimento para adotar medidas semelhantes nos seus respectivos países no gerenciamento de recursos hídricos. Os visitantes conheceram diversas áreas da Zona Norte da capital e assistiram a uma apresentação sobre o histórico e detalhes da implantação do Programa.

Gana, Etiópia e Indonésia tem problemas semelhantes com inundações e com urbanização em áreas de baixa renda. Então o Banco Mundial sugeriu esse compartilhamento de experiências. Teresina é um exemplo de bom trabalho, com um bom projeto que está sendo implantado há muito tempo e é muito exitoso. Nós consideramos que seria um bom modelo para a África e para a Indonésia

A apresentação será feita pelo prefeito Firmino Filho no auditório do Hotel Metropolitan, a partir das 11 horas.25c1110573425a241934f31415cd5d3a

Na comitiva de quase 40 pessoas estarão presentes autoridades dos seus respectivos governos, como o Ministro de Desenvolvimento Urbano e Habitação da Etiópia, Hailu Meskellie; e o Ministro do Trabalho e Habitação de Gana, Samuel Akyea, acompanhado de outro representante ministerial do país, Joseph Adda, Ministro de Saneamento e Recursos Hídricos.

Atualmente em sua segunda etapa, o Programa Lagoas do Norte tem mostrado resultados expressivos nas áreas de drenagem e saneamento na Zona Norte de Teresina. 

Em sua primeira fase, levou saneamento há mais de 25 mil pessoas, reassentou 500 famílias que viviam em situação de risco e construiu o Parque Lagoas do Norte, que fornece drenagem adequada para a região além de servir como lazer e fonte de renda para a comunidade.

a comitiva foi levada a pontos que ainda não sofreram intervenção do PLN, como a Lagoa do Mazerine, no bairro Nova Brasília, e a Lagoa da Piçarreira, no bairro São Joaquim. Os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer a geografia e a situação socioeconômica da região in loco, inclusive conversando com moradores.

Após a visita na Zona Norte, a comitiva retornou ao hotel para assistir a apresentações de detalhes do PLN. O prefeito Firmino Filho falou sobre a implantação e os principais desafios até a execução da Fase I e o início da Fase II, que está em andamento atualmente. Na sequência falaram o especialista em drenagem e consultor do Banco Mundial, Carlos Tucci, que apresentou questões técnicas do projeto executado em Teresina, e o ex-secretário de planejamento e consultor para políticas públicas da prefeitura, Washington Bonfim, que demonstrou resultados alcançados até o momento com o programa.

 O prefeito destacou que o programa não se restringe apenas às obras, mas também a medidas educativas, de conscientização ambiental e de melhoria ambiental e de governança nas comunidades da região.

“Nosso objetivo é colocar na região Norte sistemas de drenagem, sanear as águas daquela região, qualificar a paisagem e melhorar as condições de emprego e renda das pessoas da comunidade. Por ser um projeto inovador e um dos poucos do terceiro mundo que tem mostrado resultados objetivos, o Lagoas do Norte é alvo de apresentação para outros países em situação análoga a do Brasil”, afirma.

“Temos três delegações presentes e bastante interessadas desde a idealização do programa até a efetivação, mostrando o que deu certo, como funcionou e quais foram as dificuldades até se chegar a requalificação entregue hoje para a população que mora na área. São países que tem um histórico de dificuldades urbanísticas e a ideia deles é replicar o que fazemos aqui”, completa Márcio Sampaio, diretor geral do PLN.

O Programa Lagoas do Norte

O PLN vem mostrando resultados expressivos em Teresina desde o início da sua implementação. Apenas na primeira fase do Programa, cerca de 25.000 pessoas tiveram acesso a saneamento básico, 500 famílias que viviam em situação de risco foram reassentadas e foi construído o Parque Lagoas do Norte, que além de auxiliar na drenagem das águas fluviais na região, representa um ponto de lazer e fonte de renda para as comunidades do entorno.

Atualmente o Programa está em sua segunda fase, com maior investimento e previsão de intervenção em uma área quatro vezes maior. As obras serão executadas com investimento de 88 milhões de dólares do Banco Mundial e contrapartida do mesmo valor pela Prefeitura de Teresina, totalizando 176 milhões de dólares investidos na região, pouco mais de 500 milhões de reais na cotação atual.

“É um programa de requalificação da área, não só de urbanização. Tem requalificação ambiental, melhorando a qualidade da água e a arborização da região, e também melhorando a questão econômica, trazendo a população para condições melhores de habitação”, explica Márcio. 

 

Menino ganense de quinze anos construiu uma casa, com material reciclavel

Com dois andares e um sistema elétrico completo, a mansão foi construída em Gana e é forte o suficiente para que a família viva ali de maneira segura

A
Reprodução/Facebook

A “mansão” de madeira foi construída na região de Brong-Ahafo, em Gana

Benjamin Mensah tem apenas 15 anos e ainda está cursando o Ensino Médio, mas, apesar da pouca idade, possui habilidades e talentos muito especiais. Morador da região de Brong-Ahafo, em Gana, ele construiu uma verdadeira ‘mansão’ usando apenas seus conhecimentos e tábuas de madeira encontradas no lixo.

 

De acordo com o portal Naij , a ‘ mansão ’ foi construída na cidade de Seikwa e pode não ser uma representação fiel da imagem de uma casa luxuosa, mas possui dois andares e sua estrutura é forte o suficiente para que pessoas vivam ali dentro. Além disso, ela também conta com um sistema elétrico e todas as instalações necessárias para a família.

Em entrevista para a imprensa local, o adolescente contou que não precisou de muito dinheiro para projetar a residência e colocar suas ideias inovadoras em prática. Todos os materiais usados foram coletados do lixo: quando ele se deparava com algo que poderia ser útil, não pensava duas vezes antes de pegá-lo.

E se você pensou que os talentos do garoto estavam limitados à arquitetura e engenharia civil, saiba que ele já está trabalhando em um novo projeto. Dessa vez, ele consiste em um carro feito de madeira , assim como sua nova casa.

O responsável pela construção da mansão (esquerda) tem apenas 15 anos e ainda está cursando o Ensino Médio
Reprodução/Facebook

O responsável pela construção da mansão (esquerda) tem apenas 15 anos e ainda está cursando o Ensino Médio

Fonte:http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2018-06-13/mansao-madeira.html

Protestos em Gana

10857825

Nesta quarta-feira (28) milhares de ganeses saíram às ruas da capital do país, Acra, para protestar contra o acordo de cooperação militar com os EUA que as autoridades do país aprovaram na semana passada.

No âmbito do acordo, prevê-se que Washington vai investir aproximadamente US$ 20 milhões em treinamento e equipamento militar para as Forças Armadas do país africano, informou a edição New York Times.

Presidente da Comissão da União Africana Moussa Faki Mahamat, à esquerda, posa ao lado do ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Wi, à direita. Encontro aconteceu em Pequim, no dia 8 de fevereiro de 2018.
© AP PHOTO/ GREG BAKER

Em meio às manifestações maciças na capital ganesa as pessoas estão denunciando as ações das autoridades do país, bem como do presidente norte-americano, Donald Trump. Os cartazes mostrados pelos manifestantes dizem: “Gana não está à venda”, “Trump, retire suas bases militares” e “Gana vale mais que US$ 20 milhões”.De acordo com a polícia, das manifestações participaram cerca de 3,5 mil pessoas. Alguns participantes se expressaram preocupados quanto à crescente expansão militar dos EUA em Gana e mais além. “Como cidadão que pensa corretamente, estou aqui para lutar por meu país. Sou contra a venda da nossa paz e segurança por US$ 20 milhões”, afirmou um deles, Gifty Yankson, comerciante de 49 anos, à Africa News.

“Eles [militares dos EUA] se tornam uma maldição em todos os lugares onde estão, e eu não estou pronto para hipotecar minha segurança”, acrescentou o homem. Embora agentes da polícia de choque estivessem presentes no local, nenhuma violência foi relatada.

O acordo, aprovado pelo presidente ganês Nana Akufo-Addo na sexta-feira passada (23), tem sido fortemente criticado pela oposição, que votou contra o acordo e insistiu que se tratou de um golpe contra a soberania do país.

Homem com uma Estrelada (bandeira da Catalunha) durante o referendo pela independência, em Barcelona, em 1 de outubro
© REUTERS/ SUSANA VERA

O acordo contém vários pontos “duvidosos”, em particular, sobre a possibilidade de utilização dos aeroportos ganeses pela Força Aérea dos EUA ou sobre possível instalação de um contingente militar norte-americano no país.A embaixada dos EUA em Gana afirmou que Washington “não solicitou, nem pretende instalar uma base militar ou bases” no país africano. Os exercícios conjuntos agendados para este ano “requerem acesso a bases ganesas pelos participantes dos EUA e de outras nações”, adicionou a embaixada.

Protestos semelhantes contra a presença militar dos EUA ocorreram em locais diferentes por todo o mundo. A ilha japonesa de Okinawa é um dos locais mais ativos de protestos antiamericanos. Nos últimos anos, manifestações contra a expansão militar dos EUA ocorreram na Itália e na República Tcheca.

Professor ganense ganhou computadores depois que suas aulas viralizaram nas redes sociais

Muitos de vocês devem se lembrar da emocionante história do professor de Gana que, na falta de acesso a computadores, acabou por desenhar uma janela inteira do Word para ensinar seus alunos sobre o funcionamento dessas tecnologias. O caso, embora recente, levou a uma resposta intensa do público, com direito a uma declaração da própria Microsoft informando que iria fornecer equipamentos para o Prof. Richard Akoto.

Felizmente, toda a comoção do público não ficou nas palavras. Para começar, a gigante de Redmond manteve sua promessa e levou Akoto até Cingapura para participar do evento educacional Microsoft Education Exchange e receber um computador para ajudá-lo nas tarefas.

Além disso, como relata o site Quartz, outras doações foram feitas para o professor pouco depois. Um notebook novinho em folha, por exemplo, teria sido doado por um benfeitor da University of Leeds, no Reino Unido. Dias depois, cinco desktops teriam sido doados para a escola pela NIIT, uma escola de treinamento em computação localizada em Accra, capital de Ghana, junto de um laptop para uso pessoal de Akoto.

Não parece suficiente? Então que tal dizer que muitos estão cotando o Akoto para receber o prêmio anual “Melhor Professor Nacional”, que dá ao vencedor uma casa de três quartos para ele morar em qualquer lugar de sua escolha, entre outros ganhos? Pois é. Não dá pra negar que as mudanças na vida desse professor foram enormes – e, convenhamos, bastante merecidas.

Fonte:https://www.tecmundo.com.br/ciencia/128208-professor-gana-recompensado-varios-computadores-doados.htm

Criciúma recebeu diplomatas de Gana

gana.JPGA  embaixadora de Gana no Brasil, Abena Pokua Adompim Busia, o cônsul de Gana no Rio Grande do Sul, Willis Tarange, e o cônsul de Gana em Brasília, Samuel Cherry Lord Quashie visitaram a cidade Criciúma em Santa Catarina

A visita foi realizada com o objetivo de fortalecer e ampliar a parceria e ajuda mútua entre Gana e Criciúma. O vice-prefeito, Ricardo Fabris, secretários, vereadores e autoridades do município participaram do encontro, bem como o presidente da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), Moacir Dagostin, já que o foco principal é expandir as relações comerciais entre ambas as partes.

Foi colocada também a possibilidade de uma viagem de empresários locais até o país africano para o desenvolvimento de negócios. Atualmente, duas empresas da região mantêm transações comerciais com Gana.

Nos últimos anos, o município já acolheu aproximadamente 300 imigrantes ganeses. Para o prefeito Clésio Salvaro, é de fundamental importância este estreitamento de relações. “Quando eu era deputado, viajava muito aos Estados Unidos para acompanhar a realidade dos brasileiros que viviam por lá. Hoje, como prefeito, eu quero o mesmo para os imigrantes que moram aqui, que sejam muito bem tratados e felizes na nossa cidade”, ressaltou o prefeito.

A embaixadora Abena Pokua Adompim Busia expôs o desejo de que o Brasil seja exemplo na derrubada de barreiras que separam os povos. “Achei apropriado que minha primeira visita fora de Brasília fosse em Criciúma. Essa região pode não ter a maior população de imigrantes, mas tem a mais ativa e organizada comunidade de ganeses no Brasil”, comento a embaixadora.

A programação da visita das autoridades a Criciúma segue neste sábado (10) com uma festividade no Auditório Jaime Zanatta, na Associação Empresarial de Criciúma (Acic), com a presença dos imigrantes ganeses que vivem no município. Na ocasião, será comemorado o 61º aniversário de independência de Gana, e também os três anos da Associação de Ganeses de Criciúma (Cogacri). O evento será realizado com o apoio da Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial de Criciúma (Copirc).

 

http://am570.com.br/noticia.php?id=1863

A catedral em Gana

David Adjaye projeta a catedral nacional de Gana (Foto: Divulgação)

“A Catedral preencherá o elo perdido na arquitetura de nossa nação, fornecendo uma Igreja de propósito nacional. Será uma casa de adoração e oração inter-denominacional e também servirá de palco para eventos de estado de natureza religiosa, como inaugurações presidenciais, funerais estaduais e serviços nacionais de ação de graças “, explicou Nana Akufo-Addo, presidênte de Gana.

David Adjaye projeta a catedral nacional de Gana (Foto: Divulgação)

A Catedral ficará em um terreno de cerca de 6 hectares próximo ao cemitério Osu e vai abrigar uma série de capelas impressionantes, um batistério, um auditório com capacidade para 5.000 pessoas, uma escola de música e uma galeria de arte, além de espaços comerciais e do primeiro Museu da Bíblia do continente africano.

David Adjaye projeta a catedral nacional de Gana (Foto: Divulgação)

“É uma honra imensa ter a oportunidade de contribuir com algo desta escala no continete africano. Procurei elaborar um edifício que não só entenda sua paisagem, mas que seja exclusivo de Accra e da Nação de Gana “, afirmou David Adjaye ao comentar o projeto

O arquiteto e sua equipe ainda tomaram o cuidado de trabalhar em parceria com artista ganenses e de outros países da áfrica no desenvolvimento dos móveis e dos adorno da decoração.

 

Fonte:https://casavogue.globo.com/Arquitetura/noticia/2018/03/david-adjaye-projeta-catedral-nacional-de-gana.html