Menu

O sucesso das cotas nas Universidades brasileiras

Desde implantação das cotas, mais do que dobrou o número de negros nas universidades brasileiras
A psicóloga Josilene de Oliveira Foto: Barbara Lopes / Agência O Globo
A psicóloga Josilene de Oliveira Foto: Barbara Lopes / Agência O Globo

Quando foi aprovada no vestibular de psicologia, Josilene de Oliveira pegou a bicicleta Caloi que lhe fazia companhia desde a infância e se pôs a pedalar. Com um sorriso estampado no rosto, ela cruzava as ruas de Parque Flora, bairro da Baixada Fluminense, como quem comemora uma conquista há muito esperada. A 46 quilômetros dali, em Curicica, Zona Oeste do Rio de Janeiro, a dona de casa Ofélia Ventura não se preocupou em fazer surpresa e contou às duas filhas que a aprovação havia chegado. Luciene Ventura seria caloura do curso de matemática, e Luciana passaria os próximos cinco anos estudando engenharia química.

Ao serem aprovadas no vestibular, Josilene e as irmãs Ventura fariam parte dos 3.055 cotistas que há 15 anos inauguraram o sistema de cotas na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), a primeira instituição pública de ensino a implementar a medida. Adotadas durante o governo Lula, as ações afirmativas fizeram o percentual de universitários negros dobrar, mas o valor continua distante daquele alcançado pela população branca. Crítico à medida, Bolsonaro já a classificou de “coitadismo” e indicou que pretende extingui-la.

“Entrar na faculdade abriu minha mente, proporcionou amizades que jamais teria e melhorou minha autoestima. A universidade mudou minha vida”, definiu Josilene, que passou a almejar o diploma universitário quando uma pesquisa escolar revelou que, entre os pais de seus colegas, poucos haviam feito faculdade. “Aí eu decidi que teria nível superior. Falei que meus filhos teriam pais com nível superior.” Ao comentar sobre o objetivo, no entanto, algumas pessoas ressaltavam os percalços da prova, outras faziam questão de lembrá-la sobre o risco de ficar desempregada. E, em virtude de uma dificuldade de concentração, na escola se via tachada de “lerdinha”.

“Ouvi muitas palavras negativas. Então já fui para o vestibular achando que não ia conseguir. Quando tirei um resultado mínimo, vi que era possível e comecei a estudar.” Para se preparar, ela tinha aulas pela manhã no pré-vestibular, à noite na escola e, ao voltar para casa, continuava estudando, não raro até de madrugada. As idas à biblioteca tornaram-se parte de sua rotina. Se as dúvidas se avolumavam, não demorava a pedir ajuda aos professores. “Acham que, porque entrou por meio das ações afirmativas, a pessoa não estudou. Pelo contrário. Eu estudei muito.”

A educação sempre teve lugar cativo em sua casa. Se quisesse sair para brincar, o dever tinha de ser feito com antecedência. Quando as vagas a uma escola pública tornaram-se concorridas, a mãe passou a madrugada na fila para lhe garantir a matrícula. “Achava que tinha de melhorar. O meu pai passou fome, passou muita dificuldade. Já que não tivemos esse problema, pensei em conquistar uma outra coisa, como um carro, algo que a gente nunca teve.” O carro Oliveira já conseguiu, agora pretende ser professora universitária, quem sabe até da Uerj. Por ora, atua no Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) e leciona na Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec). Para ela, as ações afirmativas foram basilares para essa ascensão social. “Estou bem realizada. Ainda não cheguei aonde quero chegar, mas consegui bastante.”

A psicóloga Josilene de Oliveira, formada pela Uerj Foto: Bárbara Lopes / Agência O Globo
A psicóloga Josilene de Oliveira, formada pela Uerj Foto: Bárbara Lopes / Agência O Globo

Aos olhos de Ofélia Ventura, educação também era um meio pelo qual Luciana e Luciene poderiam aspirar a uma vida melhor. Ela queria para as filhas tudo que não havia tido: uma vida profissional, acesso a educação de qualidade e, sobretudo, oportunidades. Vê-las aprovadas no vestibular foi resultado de um trabalho que incluiu cursos e horas de estudo. Apesar disso, comentários nos corredores da Uerj afirmavam não ser aquele um espaço para elas. “Ouvia o tempo inteiro que os alunos eram totalmente contra as cotas. Que era um absurdo, que eu tinha de entrar pelos méritos das notas, e não por essas vagas reservadas para negros”, afirmou Luciana. Ao entrar na faculdade de matemática, a experiência por que Luciene passou não foi diferente. “O clima era péssimo. Todo mundo achava uma injustiça o fato de as pessoas terem conseguido entrar por cota. Não respeitavam e diziam mesmo que não achavam correto, que o critério deveria ser a capacidade”, disse ela.

“A incorporação de cotas pela Uerj é uma história banhada de conflitos e desafios. Basta lembrar que vários departamentos fizeram atos contra as cotas ali ainda em 2001”, comentou Luiz Augusto Campos, professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Uerj (Iesp-Uerj). Para ele, o conceito de mérito que sustentou boa parte das críticas às cotas é simplista na medida em que atrela inteligência à nota no vestibular. O que a prova seria capaz de mensurar, analisou o acadêmico, é a qualidade da educação recebida pelo estudante, não o potencial cognitivo dele. “Em alguns setores da sociedade, imperava a ideia de que tem mais capacidade de aprendizado quem tem as maiores notas no vestibular. Isso é falso. Tiram as maiores notas no vestibular os alunos que tiveram acesso a uma condição privilegiada.”

Levantamento divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em 2016 mostrou que, entre as 150 escolas com os melhores resultados no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), apenas seis eram públicas, quatro delas federais e duas estaduais. Para cursar o terceiro ano no colégio mais bem avaliado do ranking, o estudante teria de desembolsar pelo menos R$ 2.933 por mês. Já no segundo lugar, a mensalidade para o último ano do ensino médio gira em torno de R$ 3.260. O salário mínimo, no entanto, ainda não chega a mil reais. “Isso faz com que essas pessoas tenham acesso a menos conteúdo não por terem menos capacidade de aprendizado, mas por não terem tido acesso a espaços onde existe uma circulação mais efetiva desse conteúdo”, destacou Campos. Um dos grandes desafios para Luciene foi justamente se adequar ao ritmo das aulas.

Vinda de uma escola pública, ela teve de recuperar as lacunas educacionais assim que entrou na graduação, e isso incluía estudar aos finais de semana e levar um livro a tiracolo quando ia à praia. Precisava ainda se formar em menos tempo para assumir a vaga a que foi aprovada em um concurso público. Após três anos, a carioca saiu da faculdade com um diploma e uma certeza — a partir daquele momento nada a distinguia de seus colegas não cotistas. “Hoje atuo como funcionária pública. Sou competente no que faço porque tive uma boa educação na Uerj. Lá comecei a ter um ensino de qualidade. Aí, sim, consegui reconhecer que tive oportunidades iguais.”

A engenheira Luciana Ventura, formada pela UERJ Foto: Emily Almeida / Agência O Globo
A engenheira Luciana Ventura, formada pela UERJ Foto: Emily Almeida / Agência O Globo

DESIGUALDADE HISTÓRICA

Segundo dados do IBGE, o número de universitários negros saltou de 5,5% em 2005 para 12,8% em 2015, mas ainda continua longe dos 26,5% alcançados pela população branca. Para quem defende as ações afirmativas, a medida é uma forma de diminuir essa desigualdade e reparar erros históricos. Luciene partilha dessa opinião. Em suas palavras, pessoas negras ainda encontram entraves no acesso à educação de qualidade e a boas oportunidades profissionais. Muito disso, explicou ela, tem a ver com uma herança escravocrata que custa a desaparecer. “Abolir a escravidão não foi suficiente. É preciso dar condições. E, durante a escravidão, não deram condições aos negros. Isso é o retrato do passado e esse retrato ainda persiste.”

De acordo com a primeira Constituição do Brasil, promulgada em 1824, todos os cidadãos deveriam ter acesso à instrução primária gratuita. Como o conceito de cidadania não se aplicava a escravizados — vistos e tratados como mercadoria — na prática esses indivíduos estavam alijados do acesso formal à educação. A impossibilidade fica nítida em 1854, quando o Decreto Couto Ferraz foi promulgado, orientando as diretrizes educacionais na Corte Imperial. De acordo com a medida, não poderiam estudar meninos com moléstias contagiosas, crianças não vacinadas e pessoas escravizadas.

Antes disso, porém, a maioria das províncias já impunha barreiras legais à escolarização dos cativos, seguindo o precedente aberto por Minas Gerais, em 1835. Durante o mesmo período, na maior parte do sul dos Estados Unidos, as chamadas Anti Literacy Laws (leis anti-letramento) também proibiam a alfabetização de negros e previam duras penas a quem descumprisse a medida. Acusado de ensinar negros livres a ler e escrever, William Luke, um professor branco do Alabama, foi enforcado em 1870 pelo grupo terrorista Ku Klux Klan. Aqui no Brasil o censo de 1872, o primeiro realizado no país, revelava uma população em que 99% dos escravizados eram analfabetos. Mas havia as exceções.

Missivas, poemas, cartas de alforria. Tudo isso tem ajudado pesquisadores a redesenhar a historiografia tradicional, mostrando que a palavra escrita poderia estar presente também na senzala. “Se inicialmente se pensava o escravo como um escravo-coisa, um escravo coitadinho, com o tempo se passou a perceber que eles eram detentores de sua própria ação. Eles produziram inúmeras resistências em atos cotidianos”, explicou Marialva Barbosa, doutora em história e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Um desses atos era ser letrado em um país que esperava de um negro apenas a ignorância. “O letramento tinha um simbolismo muito importante: dava a eles a percepção de que tinham capacidade. Saber ler e escrever era a possibilidade de produzir atos de simbolismo, atos de auto-reconhecimento e astúcias para viver.” Ao se apropriar de maneira informal de um saber que deveria ser exclusivo às elites brancas, esses indivíduos ocupavam simbolicamente um lugar melhor na sociedade.

Para ilustrar isso, a pesquisadora recorreu a documentos que anunciavam fuga de pessoas escravizadas e constatou que os alfabetizados não eram descritos apenas por atributos físicos. Expressões como “fala bem”, “sabe ler”, “é inteligente” sinalizavam marcas distintivas consideradas incomuns a um negro. “E tem o aspecto mais interessante, que é o simbolismo da escrita. O que concedia a liberdade a eles era um papel cheio de letras. A carta de alforria era algo escrito. Em última instância, para eles, a escrita equivalia à liberdade.”

A professora de matemática Luciene Ventura, formada na UERJ Foto: Emily Almeida / Agência O Globo
A professora de matemática Luciene Ventura, formada na UERJ Foto: Emily Almeida / Agência O Globo

ALTO DESEMPENHO

Vozes e cores misturavam-se nos corredores que levam à turma 1012. Era fim de recreio, e Luciene desviava de alunos que seguiam apressados em direção às salas. Ao entrar na turma onde daria aula de matemática, ela não tardou a pedir que abrissem o livro na página 32. Em meio ao burburinho que se seguiu, uma jovem questionou preocupada: “E quem não tem livro? Desce?”. A resposta em tom quase ofendido veio rápido: “Não, só tiro aluno que está atrapalhando a aula. Eu preciso dar aula, senão não tem por que vir”. Apesar do 1,63 metro de altura, Luciene parece ganhar alguns centímetros quando se põe a falar. A voz alterna momentos de ternura com instantes de rigidez. Caminhando entre as carteiras, ela lia o enunciado enquanto a sala se enchia aos poucos.

“Essa turma é uma turma que colabora. Nem todas são assim. Claro que existem aqueles que não fazem a parte deles como alunos. A gente tenta incentivar, mas as estrelas são para aqueles que querem atingi-las. Quem deseja atingir as estrelas, vai atrás disso.” Luciana Ventura parece fazer coro à opinião da irmã. Depois de formada, a engenheira química fez mestrado na Uerj, doutorado na PUC-Rio e trabalhou por dois anos como gerente de qualidade do ar do Rio de Janeiro. Em 2018, seguiu para os Estados Unidos, onde fez pós-doutorado na Universidade da Califórnia.

“Hoje me se sinto realizada. Tudo o que queria alcançar antes dos 35 anos eu alcancei. Tenho casa própria, viajei para dentro e para fora do Brasil, tenho um carro e tudo isso graças à educação e às ações afirmativas.” Para além de garantir um futuro profissional, a dedicação à faculdade servia também como resposta àqueles que estigmatizavam quem se valeu das ações afirmativas. “A gente encarava as críticas mostrando nossos resultados. Sempre me destaquei na turma e hoje, quando retorno à universidade, os professores me reconhecem pelo nome.”

“”HOJE ME SE SINTO REALIZADA. TUDO O QUE QUERIA ALCANÇAR ANTES DOS 35 ANOS EU ALCANCEI.””

LUCIANA VENTURA
Sobre conquistas após se formar na faculdade

O bom desempenho dos cotistas não foi um caso isolado. Embora em geral tenham notas menores no vestibular, uma vez na universidade o rendimento deles se equipara ou até mesmo supera o de seus colegas. Uma pesquisa feita pela Uerj no primeiro semestre de 2003 constatou a aprovação de 49% dos cotistas, contra 47% dos não cotistas. O temor de que haveria uma evasão em massa também não se concretizou. De acordo com dados da instituição, 50,4% dos alunos que entraram por meio das ações afirmativas em 2003 concluíram o curso, enquanto esse percentual é de 40,4% para quem entrou sem a reserva de vagas.

A psicóloga Josilene de Oliveira posa na Uerj, faculdade em que se formou Foto: Bárbara Lopes / Agência O Globo
A psicóloga Josilene de Oliveira posa na Uerj, faculdade em que se formou Foto: Bárbara Lopes / Agência O Globo

Em 2017, uma comissão instaurada pela Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro (PGE-RJ) avaliou o sistema de cotas e concluiu que não há diferenças significativas no rendimento de cotistas e não cotistas. “A análise dos dados apresentados permite desmistificar a ideia de que a cota provocaria um decréscimo de qualidade do ensino em instituições públicas de ensino superior do Estado do Rio de Janeiro”, diz o relatório elaborado pelo órgão. O documento mostra ainda que, entre 2003 e 2016, 26% dos cotistas da Uerj abandonaram o curso, enquanto esse percentual sobe para 37% no caso dos não cotistas.

Os resultados da Uerj refletem em boa medida o que foi constatado em âmbito nacional. Jacques Wainer, professor do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Tatiana Melguizo, professora da University of Southern California, analisaram os resultados de 1 milhão de universitários no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e constaram que cotistas tiveram rendimento semelhante àqueles que não entraram pelas ações afirmativas. “O resultado importante disso”, comentou Wainer “é a conclusão de que, pelo menos até aquele período, os alunos cotistas saíram com a mesma qualidade que seus colegas de classe, ou seja, o problema não é a universidade, e sim o resto da sociedade. No caso do cotista que se formou em odontologia, eu vou ter medo dele? Não, ele é tão bom quanto seus colegas de turma.”

“Onde está o dentista?” Essa é uma pergunta que Marina (nome fictício) está particularmente acostumada a responder. Formada pela Uerj, ela faz parte da primeira geração de cotistas e sabe bem como o preconceito costuma se manifestar. Ainda na graduação, presenciou um professor afirmar ser aquele um curso caro, e que quem não tivesse dinheiro deveria fazer outra coisa. Já foi recusada de antemão por uma empregadora que, ao perceber ser ela a candidata mais bem qualificada, se viu obrigada a contratá-la. E hoje precisa lidar com o racismo na clínica em que trabalha. “Ainda existe preconceito em relação a minha cor. Até porque é difícil encontrar um negro que seja dentista. A minha auxiliar é branca e os pacientes se reportam a ela como se fosse a dentista e, depois, percebem que a dentista sou eu. Ela fica em uma posição bastante constrangedora por precisar desfazer a confusão.”

A professora de Matemática Luciene Ventura, formada pela Uerj Foto: Emily Almeida / Agência O Globo
A professora de Matemática Luciene Ventura, formada pela Uerj Foto: Emily Almeida / Agência O Globo

Marina diz perceber desafios à inserção profissional dos negros num país onde 63,7% dessas pessoas estão desempregadas e 66,7% atuam como ambulantes. Para não fazer parte desta estatística, a dentista busca aperfeiçoamento profissional com frequência, algo que seus pais sempre lhe ensinaram. “O ensino médio completo não ia adiantar nada. A faculdade também não. A gente sempre precisa buscar algo a mais para ter uma colocação no mercado e conseguir sobreviver dentro dessas adversidades.” De acordo com ela, os clãs familiares que existem na odontologia tornam o mercado ainda mais restrito. Por essa razão, escolheu atuar no funcionalismo público, onde, em geral, a escolha não passa por critérios pessoais.

Diferentemente de muitos cotistas, que precisaram trancar a faculdade por falta de auxílio financeiro, ela encontrou na família a ajuda necessária para se manter na graduação. “Tive suporte financeiro e emocional para mostrar que era possível. Com muito esforço e abdicação deles também. Deixaram de fazer várias coisas para permitir que a gente estudasse. E, hoje em dia, graças a Deus, me considero uma pessoa estabilizada na profissão.” Seja na universidade, seja no mercado de trabalho, resistir é uma palavra que ela considera apropriada para definir a experiência do negro no Brasil.

“Você está na contramão de tudo. Precisa ter força para ultrapassar todas as barreiras que te colocam e, ainda assim, é pisado por ser negro.” A necessidade de empreender grandes esforços para driblar obstáculos pôde ser observada com frequência na fala da primeira geração de cotistas. Ora é preciso estudar até nas horas de lazer para preencher lacunas educacionais, ora tem-se de lidar com a hostilidade de colegas e professores. De acordo com a socióloga Vânia Penha-Lopes, professora da Bloomfield College e membro do seminário para assuntos brasileiros da Universidade Columbia, essa realidade não é restrita a algumas pessoas.

“Nós vivemos em uma sociedade racista. Para o negro ser considerado bom, ele tem de ser excelente, porque se ele for bom, será visto pelas pessoas como medíocre. Em 2006, participei de um encontro de mulheres afro-latinas de muitos países e todas ouvimos o mesmo discurso dos pais: “Você tem de ser a melhor, senão ninguém vai te levar a sério”. De acordo com a pesquisadora, essa lógica pode trazer prejuízos psicológicos na medida em que o esforço empreendido muitas vezes esbarra nos limites impostos pelo racismo. “De um lado está o indivíduo se esforçando, de outro está a sociedade dizendo que ele é uma porcaria. Então a pessoa tem de ter o apoio muito grande da família e dos amigos para não pirar.”

Penha-Lopes explicou que toda essa dedicação de negras e negros para obter ensino formal se justifica porque eles enxergam no diploma um caminho em direção ao progresso financeiro. “Para quem veio da escravatura, a educação era o único meio. As escolas públicas do sul dos Estados Unidos foram fundadas por ex-escravos, porque os libertos viam a educação como uma forma de ascensão. Imagina o esforço de pessoas iletradas para construir escolas, para contratar professores.” Apesar disso, ela destacou que muitos fazendeiros retiravam crianças das carteiras escolares para que elas ocupassem lugar na colheita de algodão. “Era um esforço muito grande, mas era a única maneira, porque o governo não deu nada a ninguém.”

Para a advogada Clarissa França, mais que uma forma de ascender socialmente, a educação foi também um instrumento de sobrevivência. Filha de médicos, ela cresceu em um mundo de escolas particulares, onde destoava em uma paisagem pouco diversa. “Minha infância foi perpassada pelo racismo. Você é sempre o feio, sempre aquele que está fora do padrão. Como pessoa, você vai traçando suas estratégias para sobreviver. A minha estratégia foi estudar. Sempre fui uma das melhores alunas porque essa era a minha estratégia de destaque já que eu era o diferente. Eu não me via entre iguais.” Em 2003, ao entrar na faculdade de Direito da Uerj, França passou a ver outro cenário. Naquele ano, começou a estar com pessoas que, como ela, tinham a pele preta e o cabelo crespo. Naquele ano, afirmou, começou a se enxergar como negra.

“”NÓS VIVEMOS EM UMA SOCIEDADE RACISTA. PARA O NEGRO SER CONSIDERADO BOM, ELE TEM DE SER EXCELENTE, PORQUE SE ELE FOR BOM, SERÁ VISTO PELAS PESSOAS COMO MEDÍOCRE.” ”

VÂNIA PENHA-LOPES, PROFESSORA DA BLOOMFIELD COLLEGE

Desigualdade racial no Brasil

Durante a graduação, França fez parte do primeiro coletivo de alunos cotistas da Uerj. O grupo se organizou para pleitear melhorias na infraestrutura universitária, que estava longe de conseguir suprir a demanda do novo público. De acordo com a advogada, não havia alojamento para aqueles que moravam em outro município, bandejão para quem não conseguia pagar pela comida, nem mesmo bibliotecas que emprestassem livro. Após meses sem bolsa-auxílio, os alunos em vulnerabilidade social receberam uma ajuda financeira insuficiente para quem fazia uso de múltiplos meios de transporte. “As cotas foram impostas, mas não houve uma lei para implementar a política de assistência. As cotas foram estabelecidas, mas ninguém pensou na permanência.”

RESISTENCIA INTERNA

Em 28 de dezembro de 2000, o então o governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, sancionou a lei 3.524 reservando 50% das vagas das universidades estaduais para todos aqueles que tivessem cursado o ensino médio e fundamental na rede pública. Em 9 de novembro do ano seguinte, foi a vez da lei 3.708 ser aprovada, determinando que 40% das vagas deveriam ser ocupadas por alunos negros e pardos. A Uerj foi pega de surpresa pelas decisões e não teve qualquer papel na formulação de ambas as medidas, cabendo a ela apenas executá-las. “Nós não estávamos prevenidos, avisados pelo governador sobre essa propositura. E, na verdade, o projeto de lei que ele encaminhou para a Assembleia Legislativa era curto e sem nenhum tipo de explicação”, lembrou Nilcea Freire, reitora da instituição durante o período.

Essa ausência de detalhes explica em parte por que alunos e professores não viram as determinações com bons olhos. Em 2002, uma pesquisa realizada pela instituição mostrou que as cotas raciais eram reprovadas por 57,4% dos alunos e por 39,5% dos professores. No caso das vagas destinadas a estudantes de escolas públicas, a reprovação aumentava, chegando a 65,7% para alunos e a 50,6% para professores. À época, muitas eram as dúvidas. Como a universidade deveria implementar a medida? Haveria bolsa-auxílio para estudantes em vulnerabilidade social? Os alunos vindos de escolas públicas teriam alguma ajuda para driblar eventuais defasagens educacionais? Em meio a tantas perguntas e nenhum diálogo, o incômodo com o governo estadual foi inevitável.

“Existiu ressentimento pela ausência de discussão com a universidade, que tem a sua autonomia. Foi um processo que não primou pela discussão democrática”, definiu a ex-reitora. Além de questões de ordem prática, havia o temor de que as cotas pudessem precipitar uma guerra racial entre brancos e negros. Tida como elitizada, a faculdade de medicina gerava especial apreensão. Para saber se haveria algum conflito, Freire decidiu assistir à recepção dos calouros da faculdade e o que viu não poderia ser mais diferente do esperado.

“Quando os estudantes chegaram ao auditório principal, percebia-se claramente quem eram os cotistas e os não cotistas não pela cor da pele, não por qualquer outro elemento que não fosse o brilho nos olhos deles. Aquela cara de ‘eu conquistei este lugar’. Enquanto os alunos de classe média estavam de bermuda, com uma postura de ‘este lugar já estava destinado a mim’, os cotistas estavam ali orgulhosos. Eles colocaram as melhores roupas que tinham. Havia uma postura muito respeitosa em relação à universidade.” Freire comentou ainda que a implantação das cotas descortinou de uma só vez a baixíssima presença de universitários negros e o reduzido número de docentes que não fossem brancos. “Parei um dia e consegui contar em duas mãos quantos professores negros conhecia na universidade.” Em 2003, havia 1.970 docentes na Uerj.

Embora não tenha ocorrido uma guerra racial, França percebeu uma nítida cisão entre cotistas e não cotistas. Era possível notar visualmente a divisão, com cotistas sentados em um lado da sala e não cotistas em outro. Havia inclusive uma espécie de porta-voz de cada um dos segmentos para representá-los durante os acalorados debates que aconteciam em sala de aula. Mas lidar com os professores poderia ser ainda mais desafiador. Para ela, os docentes tinham uma expectativa sobre os alunos da instituição que já não correspondia à realidade. “Eles partiam de uma ideia de que aluno Uerj tinha de terminar o curso em cinco anos, não trabalhava e não fazia algumas coisas que, para esse novo público, não era o que acontecia, e a universidade não tinha sensibilidade para entender isso.”

Um episódio em especial a marcou. A advogada tinha aula com um professor cujo escritório oferecia a determinados alunos estágios remunerados, mas dentre os escolhidos a ausência de negros saltava aos olhos. França e outros cotistas decidiram então questionar a postura do docente. “Mas é que, em meu escritório, só entra gente que tem média acima de 9.5.”, ele justificou. “Existem três negros com média acima de 9.5 falando com o senhor.” A resposta não deixou alternativa. Ainda que contrariado, ele contratou um dos alunos. Se na sala de aula a relação com os professores era delicada, nos corredores o contato com os seguranças gerava semelhante hostilidade.

Ao circular juntos, os alunos negros não raro eram seguidos por vigias enquanto estudantes brancos cutucavam uns aos outros como que para alertar sobre um perigo iminente. Aqueles que entraram pela reserva de vagas não escaparam nem mesmo da preocupação do reitor. Clarissa lembra que ela e alguns alunos negros foram chamados na reitoria só para ouvir que a chapa que formavam para concorrer ao diretório estudantil estava tirando a paz da universidade. Para explicar essas situações, a advogada especula que ver negros unidos é uma imagem que ainda gera apreensão e desconforto. “O racismo enfraquece. Se uma pessoa negra não se enxerga enquanto tal, não tem por que ela se unir aos seus. E essa tomada de consciência racial gera medo porque ela é capaz de promover mudanças estruturais.”

Fora dos muros da universidade o ambiente não era menos desafiador. Por ocasião dos Jogos Jurídicos, competição esportiva que reúne as principais faculdades de direito do estado, as torcidas da PUC-Rio e da UFRJ gritavam como demérito para os alunos da Uerj que na instituição havia apenas negros, que o reitor da universidade seria o sul-africano Nelson Mandela. “Foi algo muito agressivo e, como mulher negra, era muito importante estar com outros negros ali. Quando em grupo, a gente se blinda mais, a gente consegue se proteger”, comentou. Em junho de 2017, os Jogos Jurídicos voltaram a ser palco de episódios de racismo, quando torcedores da PUC-Rio imitaram macacos para ofender estudantes negros da Uerj.

Apesar do clima de tensão dentro e fora da universidade, França não esconde o orgulho de ter feito parte da primeira geração de cotistas. Para ela, que atualmente é diretora jurídica e administrativa de uma empresa, a universidade representa a reconexão com suas raízes. “A Uerj foi o lugar em que me descobri enquanto uma pessoa com uma história, que pertence a um grupo, que merece estar naquele espaço. Estar na Uerj e ser uma cotista mudou minha vida.” Quando fala sobre os estudos, a advogada faz lembrar aquela menina aplicada que costumava ser a primeira da classe. “O que sou hoje é graças à educação. Se minha mãe e meu pai tinham alguma condição, era para a gente estudar. Não somos herdeiros de nada. Não temos indicação nem nome. A educação é tudo.

 

Fonte: https://epoca.globo.com/primeiros-cotistas-da-uerj-refletem-sucesso-do-programa-15-anos-depois-23595995

Escritos da Dra Joy DeGruy

Fogos de artifício

Os fogos de artifício estão sendo comprados na expectativa de ver explosões bastante coloridas. Um retiro momentâneo para pessoas grandes e para crianças, lembranças em formação. Eu não posso invejar ninguém em seu momento de paz … para me perder em halos brilhantes.

Enquanto nossa terra tremer de febre, então chora e vomita fogo, e enquanto a Mãe Natureza convulsiona em seu sono, a busca continua por “unabtainium” em asteróides flutuantes e Marte … Os primórdios da colonização terrestre …

Estamos entorpecidos? Paralisado de medo? Dúvida preenchida? Apático? Esperançoso? Quer permanecer neutro / politicamente correto? 
Mas as igrejas estão queimando! Embora ninguém esteja falando muito sobre isso … as pessoas estão sendo caçadas, as comunidades estão sendo desmanteladas, as diferenças entre os que têm e os que não têm se ampliam, os fanáticos e narcisistas disputam o cargo mais alto da terra para governar pessoas e objetos saqueados. perto e longe. E a característica mais distintiva de muitos desses novos candidatos a líderes é sua falta coletiva de integridade.

“Eles se apressam para o fogo do inferno e o confundem com a luz” (Gleanings)

Aproveite o quarto … Cuidadosamente

dra1

Uma Preponderância de Evidências

Enquanto isso parece dolorosamente fútil, meu coração partido e minhas preocupações pesadas me levam a escrever, eu acho, numa débil tentativa de acordar o sono para uma tragédia iminente. 
Este problema de ‘racismo’, um problema perigosamente subestimado em sua magnitude “permitido drift” pelos governados e governadores ”está construindo em sua severidade e agora visivelmente ameaça as vidas das pessoas de ascendência africana especificamente e eventualmente todas as pessoas deste país. 
A “liberdade”, a base moral sobre a qual o condado é construído, foi cooptada pela barbárie humana, pela arrogância, pela vaidade e pelo excesso.
A violência contra os afro-americanos não é nova nem isolada. Os ataques que muitos de nós testemunharam ou experimentaram diretamente são sistemáticos e brutais envolvendo o Governo Federal, a Polícia, os Terroristas Vigilantes de longa data e os poderosos Grupos e Organizações Políticas, entre outros! 
“Crimes contra a humanidade são certos atos cometidos como parte de um ataque generalizado ou sistemático dirigido contra qualquer população civil. A primeira acusação por crimes contra a humanidade ocorreu nos Julgamentos de Nuremberg. Crimes contra a humanidade já foram processados ​​por outros tribunais internacionais.
Eles não são eventos isolados ou esporádicos, mas são parte tanto de uma política de governo (embora os autores não precisa identificar-se com esta política) ou de uma ampla prática de atrocidades (tolerada ou tolerada por um governo ou uma autoridade de facto.) 
Murder ; massacres; desumanização; extermínio; experimentação humana; punições extrajudiciais; esquadrões da morte; uso militar de crianças; sequestros; prisão injusta; escravidão; canibalismo, tortura; estupro; perseguição política, racial ou religiosa; e outros atos desumanos podem atingir o limiar de crimes contra a humanidade se fizerem parte de uma prática generalizada ou sistemática ”.
Da captura, estupro, espancamento, tortura, mutilação, experimentação médica e linchamento, assassinato pela polícia, encarceramento em massa, deslocamento em série e terrorismo de vigilância. 
Há uma preponderância de evidências de que houve e continua sendo um ataque perpétuo generalizado contra os afro-americanos. 
Crimes que precisam ser julgados nos ‘Tribunais Mundiais’ 
Você está acordado?

Rosas pretas em Atlanta

São seis da manhã e acabei de fazer as malas. Eu estou indo para casa depois de ter apresentado a mais de 300 estudantes da Clark Atlanta University na Biblioteca Robert W. Woodruff no meu aniversário. 
Foi realmente o meu público de sonho… jovens, entusiastas, talentosos estudantes universitários afro-americanos. 
Eu os admirava mais do que eles podiam imaginar. Eles vieram me ouvir e ficaram muito tempo depois conversando comigo sobre vários tópicos. Fiquei emocionada ao ver tantas mentes ansiosas e brilhantes dispostas e bem capazes de tomar seus lugares como líderes, como alguns dos lendários heróis dos direitos civis que estavam na sala haviam feito décadas antes. 
Eu gostaria que mais de nós pudéssemos ver essa juventude notável em vez da constante enxurrada de imagens negativas que são exibidas na mídia tradicional.
Rosas Negras todas elas carinhosamente nutridas e crescendo. Que maior presente eu poderia ter recebido do que aquela de inestimável esperança e potencialidades ilimitadas que me cercam na forma dessas preciosas “confianças”? 
Obrigado Imara e Hermione e Summer por sua ajuda e apenas o jeito! 
Indo para casa para o meu homem … Eu realmente amo dizer isso lol !!!

Se você não pode vencê-los, seja eles!

Se você não pode vencê-los, seja eles!

Quando comecei minha pesquisa sobre trauma multigeracional e afro-americanos, procurei uma mentora e uma colega, Dra. Maria Yellow Horse Braveheart. Eu havia lido vários de seus artigos sobre traumas históricos sobre o impacto do colonialismo sobre os povos nativos e a dor não resolvida com a qual eles continuam sofrendo. Eu nunca tinha visto ou falado com Maria, então quando ela atendeu o telefone de seu escritório no Colorado eu secretamente me pergunto se ela estava bem. . . REALMENTE. . Nativo. Nós compartilhamos nossas sutilezas iniciais e sendo a pessoa surpreendente que ela é ela disse abruptamente: “Você está se perguntando se eu sou um verdadeiro índio”, ela riu e disse: sim Alegria eu sou um verdadeiro índio e eu ainda pareço indiano! “

Maria soube instantaneamente o que eu estava pensando e sentindo porque, como muitas de nós, havia encontrado a pessoa branca declarando subitamente o sangue indiano.

Eu não posso contar as inúmeras vezes que eu conheci uma pessoa de olhos azuis de cabelos loiros que de repente descobriu que eles possuíam um smidgeon de sangue indiano e prontamente saíram e compraram jóias turquesa, trançaram seus cabelos, e apareceram na sede da Tribal. Conversei com muitos dos meus amigos nativos sobre esse fenômeno “repentinamente indiano” e eles me conheceram com literatura que esclareceu as coisas para mim. Eu vou compartilhar um pouco com você!

E os não-índios que afirmam ser descendentes de princesas indianas?

Em um trecho de Custer morreu por seus pecados: Um Manifesto Indígena, nativo americano, Vine Deloria Jr. explica o fenômeno: 
Durante os meus três anos como Diretor Executivo do Congresso Nacional dos Índios Americanos foi um dia raro quando alguns brancos não visite meu escritório e orgulhosamente proclame que ele ou ela era descendente de índios.

Cherokee foi a tribo mais popular de sua escolha e muitas pessoas colocaram os Cherokees em qualquer lugar do Maine ao estado de Washington. Mohawk, Sioux e Chippewa eram os próximos em popularidade. Ocasionalmente, me contavam sobre uma tribo mítica da Baixa Pensilvânia, da Virgínia ou de Massachusetts, que gerara a posição branca diante de mim.

Às vezes me tornei bastante defensivo sobre ser um Sioux quando essas pessoas brancas tinham um pedigree que era muito mais respeitável que o meu. Mas acabei entendendo a necessidade deles de se identificar como parcialmente indianos e não se ressentir deles. Eu confirmaria suas histórias mais selvagens sobre seus ancestrais indígenas e acrescentaria alguns contos de minha própria esperança de que eles seriam capazes de se aceitar um dia e nos deixar sozinhos.

Os brancos que reivindicam sangue indiano geralmente tendem a reforçar as crenças míticas sobre os índios. Todos, exceto uma pessoa que eu conheci que reivindicou sangue indiano, reclamaram do lado de sua avó. Certa vez fiz uma projeção e descobri que, evidentemente, a maioria das tribos era inteiramente feminina nos primeiros trezentos anos de ocupação branca. Parece que ninguém queria reivindicar um índio macho como um ancestral.
Não é preciso muito discernimento sobre as atitudes raciais para entender o verdadeiro significado do complexo da avó indiana que atormenta certos brancos. Um ancestral masculino tem muito da aura do guerreiro selvagem, o primitivo desconhecido, o animal instintivo, para torná-lo um membro respeitável da árvore genealógica. Mas uma jovem princesa indiana? Ah, havia royalty para a tomada. De alguma forma, o branco estava ligado a uma casa nobre de gentileza e cultura, se sua avó fosse uma princesa indiana que fugiu com um intrépido pioneiro. E a realeza sempre foi um objetivo inconsciente, mas que tudo consome do imigrante europeu.

Os primeiros colonos, acostumados à vida sob déspotas benevolentes, projetaram sua compreensão da estrutura política européia sobre a tribo indígena na tentativa de explicar sua estrutura política e social. As casas reais européias estavam fechadas para ex-presidiários e servos, então os colonos fizeram todas as princesas das donzelas indianas, e então começaram a subir uma escada social de sua própria criação. Dentro da próxima geração, se a tendência continuar, uma grande parte da população americana acabará por se relacionar com Powhattan.
Enquanto uma verdadeira avó indiana é provavelmente a melhor coisa que poderia acontecer a uma criança, por que uma princesa indiana remota é tão necessária para muitos brancos? É porque eles têm medo de serem classificados como estrangeiros? Eles precisam de um laço de sangue com a fronteira e seus perigos para experimentar o que significa ser um americano? Ou é uma tentativa de evitar enfrentar a culpa que eles carregam pelo tratamento do índio? 
Vine Deloria Jr. Autor, teólogo, historiador e ativista (1933 – 2005 
Privilege em seu pior…) 
Em 25 de outubro de 1994, Susan Smith, uma psicopata completa, conseguiu engajar a nação em um frenesi emocional, recrutando agentes da lei para lançar um homem nacional caçar um negro fictício que ela alegou ter raptado seus filhos de 3 e 14 meses.
Choramingou na televisão nacional pelo agressor negro para devolver seus filhos inocentes. Esboços do raptor foram rapidamente produzidos e dois suspeitos negros foram eventualmente identificados. 
Esta mulher era traiçoeira e bárbara o suficiente para matar seus próprios filhos, amarrando-os em seus assentos de carro e afogando-os em um lago próximo. Nenhum ser humano não se angustia com o terror que deve ter experimentado. Mas como ela conseguiu esse poder? A resposta simples é “privilégio branco”.
Estamos realmente vivendo em tempos estranhos e bizarros e meu palpite é que vamos ver um comportamento muito mais estranho. Recentemente uma mulher branca alegou ser negra a ironia desta história é. . .espere por isso. . . espere por isso . . . ela provavelmente seria capaz de usar seu privilégio branco para ganhar sua reivindicação em um tribunal hoje. 
O que eu vejo é uma obsessão crescente e perigosa com o corpo físico que alguns podem oferecer ao “medo da morte” como um fator causal proferindo o último conflito humano de mortalidade como principal protagonista neste drama. 
Eu sinto que estou vivendo em algum lugar entre o Mágico de Oz e a vila de contos de fadas dos Imperadores New Clothes. O cordão foi puxado para trás e consigo ver o homem triste e assustado que se esconde atrás da cortina e o homem nu convencido de que está usando roupas.
Eu entendo o Mago e o Imperador, mas estou ligado a outro lugar, talvez um lugar ainda mais difícil de imaginar ou acreditar, o verdadeiro Never, Never Land, um lugar chamado. . . Realidade! 
O fim

Na memória de Malcolm:

marroquino

Minha viagem ao Marrocos, África e Barcelona, ​​Espanha, foi verdadeiramente inspiradora, onde o antigo, o novo e o antigo se combinam para produzir um mapa pitoresco da história. Ambos os lugares compartilham legados de conquistas, colonização, desestruturação, reconstrução e renovação.

Mais uma vez, eu estava na África e mais uma vez toquei o solo do misterioso continente que tanto amo e desejo.

A cultura marroquina é uma mistura de influências indígenas berberes, subsaarianas, árabes e européias. Intensamente orgulhoso, corajoso e desesperado.

Barcelona fundada por volta do século III aC. dito para ser nomeado após o pai de Aníbal, (Hamilcar Barca), em seguida, levado por Roma na Idade Média.

A Espanha é povoada por pessoas da Catalunha do Paquistão, Itália, China, Equador, Bolívia e Marrocos. Há uma consciência tácita do cabo-de-guerra cultural que existe, mas o espaço é dado àqueles “diferentes” para se moverem e viverem com cautela.

Ambos os países são ricamente diversificados, mas ainda lutam com questões de identidade cultural e inclusão. Mas essas tensões dificilmente são percebidas pelo turista desconhecido no solo.

Minha tripulação foi bem recebida onde quer que estivéssemos, os poucos olhares cautelosos que recebemos vinham apenas de turistas.

De volta para casa eu ainda estou brilhando com o calor da minha viagem, mas logo recebi com os tão familiares males sociais da América, novos novos casos de violência, racismo e loucura de sua variedade de jardim. As tensões são palpáveis, mas a negação ainda está em alta. 
Lembro-me de repetidas advertências à América de que se as questões raciais entre negros e brancos 
puderem se desviar … 
“… isso fará com que as ruas das cidades americanas corram com sangue …” ~ Cidadela da Fé ~

Pode algum observador honesto não ver a evidência de nossa negligência? As décadas de convulsões raciais? O sangue literal correndo pelas ruas como resultado direto de um verdadeiro racismo estrutural, institucional e desenfreado?

Pergunte às famílias de Emmet Till, Martin Luther King Jr., Medgar Evers, Martin Trayvon, Jordan Davis, Eric Garner, Michael Brown, Tamir Rice, Walter Scott e as inúmeras outras famílias de homens negros, mulheres e crianças cujo sangue fluiu literalmente na rua … eles dirão a verdade que muitos ignoraram ou negaram.

Talvez tenhamos ficado tão acostumados a ver o “sangue negro” sendo derramado que essa tragédia passou despercebida. Estamos no precipício com mudança de alcance, uma mudança paradigmática na forma como nos envolvemos uns com os outros como seres únicos neste planeta é perceptível ainda “Travail and sorrow” aguarda. 
É sempre mais escuro antes do amanhecer e, em antecipação ao amanhecer de amanhã, os pássaros começaram a cantar. 
É hora de levantar!

Lembre-se, lembre-se …

Eu nasci em 1957 e em apenas alguns dias vou ter 57 anos, quando minha mãe morreu quando morreu. Talvez seja por isso que estou me sentindo muito e prestando muita atenção às coisas que estão acontecendo ao meu redor e no mundo. 
Tenho pensado sobre meus filhos e os filhos de outras pessoas, ouvindo sobre muitos dos desafios nacionais e globais que enfrentamos. Eu posso ver e até mesmo ouvir o gemido da terra que está verdadeiramente cansado de nós … 
E eu me pergunto se nós preparamos adequadamente aqueles que vêm depois de nós … para assumir o comando. Estou tão empolgado com a energia deles e visões do futuro. Seu conhecimento e arte sua coragem e tenacidade!
Que mundo eles herdaram tão avançado e fantástico capaz de coisas tão maravilhosas e ainda assim sempre precisando de heróis e heroínas para resgatá-lo, um mundo aparentemente sempre na linha entre a sombra e a luz oscilando à beira do precipício … 
Eu montei minha ando de bicicleta 10 milhas hoje e sorri enquanto o vento me refrigera do sol da Califórnia e da seca, me deixando esquecer os incêndios que estão ocorrendo nas proximidades… Todo o tempo ouvindo Roberta Flack cantar “A primeira vez que vi seu rosto” 
Então aqui está Meu aniversário Desejo àqueles a quem eu desajeitadamente entreguei o bastão: 
Fique atento. Comemore, sirva e ensine diariamente, seja Keepers da música! Saiba que rir é terapêutico, amar e cuidar de si mesmo e dos outros e encontrar alguém com quem caminhar o caminho da vida. 
Sempre – 
Lembre-se deles …
Lembre-se de nós… 
Lembre-se do que tantos de nós esquecemos… Esse “Amor” é o poder ilimitado que cria e restaura, que nos mantém e une os átomos do universo, sem composição e, portanto, indestrutível. 
Por causa do amor você nunca estará sozinho. 
… Sempre a 
alegria

Seja ainda e saiba ...

Seja ainda e saiba …

Seja ainda e saiba. . .

Meu prato está cheio e as tarefas à frente estão girando em torno de mim. Alguns como algo me disse para parar! Para ficar quieta e o que aparecia diante de mim e dentro de mim era uma lembrança de paz e conhecimento tranquilos. Veio como um beijo carinhoso na minha bochecha e uma brisa quente me lembrando do que é mais importante. . . amor tornado visível através de nossos “esforços e finais”.

A verdade é um ponto único

imhotepmuseum20b (1)

A verdade é um ponto único

“O conhecimento é apenas um ponto, mas o ignorante o multiplicou.” 
(The Seven Valleys p. 25,)

Eu estava explicando a um amigo outro dia sobre o conceito de Kuhn da estrutura das revoluções científicas. Eu estava mais focado na ideia de como as mudanças de paradigma ocorrem. Parece que os seres humanos são tão resistentes à mudança que se comportarão de maneiras muito peculiares quando confrontados com informações que conflitam com sua experiência e compreensão limitadas. Por exemplo, Giordano Bruno foi torturado e queimado até a morte por suas crenças sobre um universo expansivo. Outros com grande gênio são demonizados ou deliberadamente removidos da literatura ocidental, como Imhotep, o africano responsável pelo primeiro edifício de pedra monumental do mundo conhecido, a pirâmide de degraus e o pai da medicina.

Mesmo quando confrontados com fatos claros e inegáveis, os seres humanos evitam as verdades que os assustam. Quando foi a última vez que você esteve em uma reunião onde bandejas de cinzas estavam sobre a mesa e indivíduos liberavam cigarros? Ainda me lembro de estar em tais reuniões. Hoje, haveria um ultraje tão coletivo que ninguém se atreve a expor as pessoas a tais perigos de saúde flagrantes. Mas o que é necessário para que uma mudança nas crenças e ações ocorra? Claramente, não é suficiente simplesmente compartilhar alguns fatos e evidências apenas. Não, precisa haver uma preponderância de evidências! Em outras palavras, tanta evidência é impossível refutar. Esse conhecimento torna-se tão profundo e penetrante que força uma mudança de paradigma em nosso pensamento e, finalmente, em nossas ações e comportamento.

Enquanto não dormia em Minnesota, decidi olhar meus e-mails. Duas pessoas me enviaram mensagens abordando questões idênticas com links para vários vídeos totalmente diferentes sobre o tema das desigualdades estruturais historicamente impostas aos afro-americanos em geral e aos homens negros especificamente. Os vídeos mostravam homens e mulheres, brancos e negros, acadêmicos, jornalistas, atores e até astrofísico. E todos eles estavam dizendo a mesma coisa sobre raça e racismo na América.

Será que as massas não coloridas da América finalmente despertaram para uma verdade tão dolorosamente óbvia e visivelmente clara para as pessoas de cor? É possível que uma mudança vagamente perceptível esteja ocorrendo no pensamento dos brancos na América sobre o racismo? Enquanto sou encorajado, estou bem ciente de quanto tempo levou a humanidade a não ser o fato de que a Terra não era o centro do universo e quantos milhões de mortes por fumar ocorreram antes que a indústria do tabaco admitisse o que sempre souberam sobre a doença. perigos do tabagismo. E agora há todo o debate sobre o aquecimento global que está aumentando, e o tempo todo o planeta está gritando ‘salve-me!’

Eu estou ao lado de tantos que estão exaustos em levantar a verdade sobre o racismo e os danos que isso causa a todos os cantos do país, de faculdades e universidades, a corporações e prisões, do Senado aos púlpitos, de palácios a esquinas. Eu divago … Talvez seja a minha falta de sono ou a percepção frustrante de que alguns ainda têm a opção de reconhecer, negar, perverter ou simplesmente ignorar a verdade. Eu não vou, não posso …

E quanto a você?

Um sinal dos tempos

Um sinal dos tempos

Eu estava sentado em uma peça quando recebi o telefonema do meu filho que o veredicto estava em e eu poderia dizer que ele não estava bem. Saí do meu lugar e entrei no saguão para tentar descobrir o que dizer a ele. Este seria um momento que todos nós nunca esqueceríamos. As toneladas de respostas, a angústia e os protestos aumentaram até o ponto de ebulição e o pote ainda está fervendo. Muitos descreveram a sensação de serem pegos de surpresa, mas acho que fomos todos esquecidos ; esquecendo-nos e esquecendo nossa história. ”

Em pé ao sul das estrelas e listras, há um povo que há muito sofre, é torturado e desprezado. Nós nos movemos e agimos como se não acreditássemos que é assim. Continuamos com nossas vidas diárias tentando nos convencer de que o passado não importa mais, que estamos seguros agora. Talvez seja o bairro de classe média ou o nível de educação que fornece essa fina camada de confiança para alguns. Eu não vou enlamear as águas adicionando mais uma avaliação do caso ou, os detalhes em torno dele. Eu sofri como uma mãe e como um estranho muito longe para saber como era a verdadeira dor.

Uma família que buscava e merecia justiça tornou-se peões em um jogo de xadrez que eles nem sabiam que estavam jogando. Adicionar minha opinião à discussão agora seria infrutífera, é como participar daquela temida reunião da força-tarefa para discutir as razões da reunião da força-tarefa a fim de determinar a tarefa real da reunião da força-tarefa, para nunca realmente completar a tarefa. A maioria de nós já “esteve lá” antes de alguma forma ou forma e é uma perda de tempo e, neste caso, um desperdício de vida.

Os americanos foram amamentados com base no racismo, desce com o leite e reagimos com surpresa quando vemos as evidências disso no mundo e em nossas próprias vidas. Estamos andando no grande Titanic que é a América e nos recusamos a acreditar que estamos indo para baixo. Que vergonha Nossos filhos precisam muito mais do que o que estamos dando a eles. Nós irresponsavelmente os enviamos para um campo de batalha de uma guerra furiosa sem armadura. Ainda os preparamos para a escola; nós os preparamos para esportes e os preparamos para o trabalho. Em uma palavra, somos responsáveis ​​por prepará-los para a vida!

No entanto, se quisermos ser bons mordomos dos jovens, pais cuidadosos e adultos maduros de que nossos filhos precisam em sua aldeia, não podemos simplesmente prepará-los para as tarefas comuns. Também devemos prepará-los para resistir ao ataque do terrorismo, à ilegalidade, ao ódio e à decadência moral que se tornou uma parte muito importante do mundo que eles estão herdando. As pessoas estão me perguntando o que estou fazendo pessoalmente sobre a crescente crise; Eu vejo todo mundo colocando os dedos dos pés e das mãos no dique rachando da América o tempo todo chamando por mim dizendo: “Dr. Alegria! Venha colocar os dedos no dique para ajudar a reter a água! 

Eu digo a eles que não posso. Ofereço-lhes apoio e encorajamento em suas tarefas, mas recuso-me a colocar meus dedos das mãos e dos pés em um dique que está além do reparo.

Eu estou, junto com outros, tentando construir um novo edifício para conter o fluxo de racismo que é, e sempre foi, sobre nós. A nova estrutura precisa de toda a nossa ajuda para construir e requer melhores materiais; é construído de compromisso inabalável, e vem de conhecimento e sabedoria, habilidade, entusiasmo insaciável, organização e destemor.

Toda grande civilização tem seu começo, seu pico e, inevitavelmente, sua queda. A questão é … que horas são para a América? Quais são os sinais nos dizendo? A resposta a essa pergunta determinará o caminho que todos devemos seguir. Ainda assim, em meio ao tumulto recente, a indignação e alarme, as vítimas e seus vitimizadores, o fluxo constante de revoltas e tristeza sobre tudo o que estava perdido, um raio de luz apareceu para mim em um lugar imprevisto e no momento perfeito no tempo.

Recebi uma mensagem do meu neto de 10 anos. Ele me enviou uma foto de um lagarto, porque ele realmente ama lagartos. Ele estava animado por tê-lo visto com suas marcas coloridas antes de se afastar para um lugar de segurança. Parou apenas o tempo suficiente para ele tirar a foto como um farol, para lembrar as pessoas como eu que não acabou! Beleza e terror coexistem juntos e de alguma forma nós sobrevivemos.

Eu me vi entre dois mundos – o de uma crise nacional e global prestes a explodir, e o mundo de um garoto de dez anos que ainda vê a ordem e o encanto no caos. Um menino cujas esperanças e sonhos estão sempre presentes e em crescimento, cujo coração permanece imaculado pela fealdade que o circunda e apesar da história comum que une o tirano e os oprimidos.

Esta pequena criatura lutando era um lembrete e uma mensagem de advertência que todos nós devemos segurar como muitos heróis e campeões de muito tempo atrás, cujo sangue agora percorre as veias do meu neto doce.

Eu escrevi de volta para ele e disse: “Sim, Nasir! Na verdade, é um lindo lagarto.

Um Ensaio pelo Grande Grande Sobrinho de 10 Anos da Alegria

O seguinte é um ensaio que o grande sobrinho de 10 anos de Joy escreveu e queria compartilhar.

 

Na minha opinião, uma mulher forte é alguém que ajuda as pessoas, alguém que luta pelo que está certo, apesar dos obstáculos, e alguém que é cheio de coragem. A definição do dicionário de forte é ter força ou autoridade ou ter força maior que a média. Acredito que a Dra. Joy DeGruy é uma mulher forte porque demonstrou muitas dessas qualidades em sua vida e, acima de tudo, através de sua pesquisa e trabalho.

Dr. DeGruy é um pesquisador, autor e educador renomado nacional e internacionalmente. Ela é um clínico por formação e tem um PHD em pesquisa de trabalho social. Ela é pioneira em seu campo, e sua pesquisa é sobre “traumas multi-geracionais, especialmente no que se refere ao povo afro-americano”.

Com base em seu trabalho e pesquisa, ela publicou um livro que falava da Síndrome do Escravo Pós-Traumático (TEPT). Em minha entrevista com ela, o Dr. DeGruy explica que o PTSS é “sobre trauma multi-geracional que começou com a escravização dos africanos em 1600 e os tipos de traumas mentais, emocionais e físicos que eles experimentaram, que eles repassaram alguns daqueles traumas, alguns dos comportamentos ou os sintomas desses traumas para seus filhos … ”Seu trabalho ajudou pessoas afro-americanas e pessoas que trabalham com afro-americanos a aprender sobre esses traumas e entender alguns dos comportamentos sem“ descartá-los ou julgá-los ”.

De acordo com o Dr. DeGruy, “PTSS identifica como as pessoas (afro-americanos) foram profundamente feridos mentalmente, emocionalmente e espiritualmente por mais de centenas de anos.” Dr. DeGruy explica que sua pesquisa em PTSS ajuda os afro-americanos a entender seu valor intrínseco e a nobreza como seres humanos ”e“ ajuda-os a superar esses sentimentos de baixa auto-estima ”.

A Dra. DeGruy ajuda as pessoas porque ela diz que é sua forte crença espiritual que, como membro da fé bahá’í, é uma de suas responsabilidades ajudar as pessoas. Ela também diz que está cumprindo seu propósito na vida através de seu trabalho ajudando os outros.

Ela me inspira porque ela abriu o caminho para uma nova maneira de pensar sobre trauma relacionado a afro-americanos e ela está tentando ajudar a curar as feridas dos afro-americanos que aconteceram ao longo de muitas gerações.

Estou muito orgulhoso dela.

Ela é corajosa para falar sobre este assunto, embora seja muito difícil para muitas pessoas entenderem especialmente o que está acontecendo na história do povo afro-americano. Ela não parou e eu não acho que ela vai parar por muito tempo.

A Dra. DeGruy também é da família e é uma das minhas tias mais adoráveis.

– Akhil

Lembrando…

 

“Direito temporariamente derrotado, é mais forte que o mal triunfante.”

Martin Luther King jr.

 Já passou da meia-noite e voltei de uma jornada cansativa, mas memorável. O dia começou com uma viagem para a Carolina do Sul para falar na celebração anual MLK das Organizações dos Ministros do Condado de Anderson. Eu me ofereci para falar em nome do United Negro College Fund. Eu escutei o Coro da Juventude cantar e fiquei com a platéia enquanto cantávamos o Hino Nacional Negro juntos. Enquanto aguardava a minha vez de falar, meus pensamentos voltaram ao início do dia e à posse do presidente Barack Hussein Obama. Eu escutei um Comandante e Chefe mais velho e libertado que, de todas as aparências, estava finalmente dando sua palavra.

Fiquei impressionado com a esperança, a diversidade e a excitação unida enquanto observava uma multidão enfeitiçada olhar admirada com o que parecia um momento congelado na história. Um homem afro-americano que cumpria um segundo mandato como presidente dos Estados Unidos era de fato histórico. No entanto, aqui estava eu ​​na Carolina do Sul, o único Estado que 236 anos atrás se recusou a votar para acabar com a escravidão na Convenção Constitucional de 1787, permitindo que a escravização e o sofrimento de milhões de africanos continuassem, enquanto insistia que eles pudessem contar os escravos. como residentes, a fim de reunir mais poder político para continuar sua prática bárbara.

Fiquei imaginando quantas pessoas nessa audiência de mais de mil pessoas estavam cientes da história de seu estado. De alguma forma, senti uma desconexão; Era como se as várias gerações diferentes na sala não soubessem o que as unia. Eu pensei que talvez eu pudesse ajudar a preencher a lacuna, mostrando um fio comum, que ligava o passado com o presente e o futuro. Uma tarefa difícil de cumprir em um discurso de vinte minutos e um desafio muito maior para mim do que qualquer palestra que eu já tivesse feito.

Senti um peso no coração enquanto olhava para o filme do falecido Dr. Martin Luther King Jr. Fiquei imaginando como ele conseguiu continuar quando estava cansado e com medo. Eu seria negligente se não reconhecesse as longas batalhas pela liberdade, a luta incessante e a recusa de desistir mesmo diante da morte. Ainda assim, nunca senti tal dissonância; por um lado, sou grato por aqueles que ficaram nas cidades dos rifles e, por outro lado, sinto-me dolorosamente consciente da tênue corda bamba da justiça e da liberdade que meus filhos e netos agora andam.

Relembrando, lembrei-me de minha avó, como seu rosto se iluminava cada vez que ela me olhava como se eu fosse o maior presente que ela já recebera e eu soubesse desde o começo que era amada e que havia muita coisa esperada de mim. Agora eu estava sendo apresentado e o que eu achava que seria uma simples leitura da pequena biografia no programa impresso se transformou em uma recitação embaraçosa do meu currículo, o resultado de muita informação on-line. Eu implorei ao MC para intervir, mas eu apenas tive que sorrir e aguentar. Parecia pretensioso e arrogante e eu me encolhi a cada minuto extraordinariamente longo.

Eu me aproximei do pódio, olhei para a multidão e soube instantaneamente que não ia mostrar um único slide da minha apresentação em power point totalmente preparada. Esta noite eu ia simplesmente compartilhar minha história. Não é nenhum mistério como eu me tornei um contador de histórias e tudo começou num dia quente de verão, quando estávamos jogando beisebol no nosso quintal. Eu era pequena demais para segurar o bastão para que papai batesse para mim e eu corresse as bases. Estávamos dando um tempo, mamãe trouxe limonada e papai estava em pé ao sol, apoiado em seu bastão, quando de repente ele começou a recitar o famoso poema de beisebol “Casey at the Bat”. Perdi toda a consciência de qualquer coisa ou alguém, eu só podia veja papai, Casey e todas as pessoas nas arquibancadas. Fui transportado para outro local e tempo e nesse momento a trajetória da minha vida mudou e o resto é história.

Foi um dia longo e incrível e estou vazio. Espero ansiosamente por um sono repousante que reabasteça minha força e espírito, para que amanhã eu esteja apto a servir com distinção e coragem, seja qual for o desafio.

Alguns dizem, e muitos acreditam, que com esta eleição presidencial os EUA receberam um breve alívio, uma segunda chance para acertar e curar; para manter a retaliação por seus pecados não resolvidos. . . Eu suponho que isso continua a ser visto.

Lembrando. . .

Alegria

A verdade do evangelho

Não importa quem você é, ou quais são as suas crenças, ninguém pode negar a emoção que cada um de nós sente cada vez que ouvimos Nat King Cole cantar “A Canção de Natal: Castanhas Assadas em um Fogo Aberto.” Não é só a música, ou mesmo as palavras. É o espírito corporificado por aquela voz melodiosa e inconfundível que nos move a todos; Independentemente das nossas origens, experiência, classe ou raça, a música realmente “eleva” o campo de jogo porque é uma linguagem que todos podem entender. Como a oração, seja realizada ajoelhada, curvada ou de pé, com as mãos juntas, ou palmas voltadas para cima, quer sejam ditas em silêncio, sussurradas, ditas ou cantadas, elas comunicam o mesmo sentido de devoção e fé.

09 de dezembro th2012 seria a primeira vez que eu participaria do programa Gospel Christmas do Oregon Symphony. Este foi também o primeiro ano em que as famílias afro-americanas que participaram de um programa local de Portland focado em curar a família negra foram convidadas a comparecer. Embora a maioria das famílias que convidamos para a Sala de Concertos de Arlene Schnitzer provavelmente tenha passado pelo local em algum momento, a maioria das famílias nunca teve a oportunidade de assistir a um evento lá ou assistir ao show do Oregon Symphony. As famílias negras provavelmente tinham visto as filas de pessoas, em sua maioria brancas, vindas de todas as direções, vestidas elegantemente em vestidos brilhantes e smokings comprados apenas para tais ocasiões. Eles podem até ter sido esbarrados por mais que alguns dos freqüentadores da sinfonia que correram para o grande salão alheios aos transeuntes.

Hoje à noite, porém, eles estavam entre os convidados da sinfonia. E elesChegou lindamente vestido, animado e com antecipação de uma noite maravilhosa. Ainda assim, era possível detectar alguma inquietação quando olhavam em volta para os olhares vazios vindos de pessoas que pareciam surpresas ao vê-los ali. Alguns participantes mais regulares da Symphony pareciam até assustados com a presença dessas famílias negras, parecendo confusos como se estivessem vendo uma foto fora do lugar. O desconforto que as famílias sentiam começou a diminuir à medida que chegavam mais rostos familiares. Uma a uma, as famílias começaram a saudar, rir e conversar calorosamente – quase inconscientes das multidões de freqüentadores regulares, algumas com colares de diamantes e anéis com pedras tão grandes que dificilmente poderiam passar despercebidas; muito o ponto que eu imagino.

Uma vez lá dentro, a música começou, todos entraram em silêncio. O maestro foi o compositor e performer realizado Charles Floyd, um homem afro-americano originalmente de Chicago. Ele ergueu seu bastão da maneira habitual e o repertório de clássicos do evangelho que se seguiu levaria o público a uma jornada mágica.

O Sr. Floyd recrutou alguns dos talentos negros locais de Portland, muitos dos quais eram vocalistas, compositores e músicos bem-sucedidos, e seu desempenho era nada menos que incrível e brilhante!

Now our black families felt very much at home; the music transported them to a familiar and safe place so they stood up from their seats, closed their eyes and held their hands high as they listened, unconcerned and scarcely aware of those around them.  Soon I began to see more of them sprinkled throughout the hall standing like the only remaining trees that had survived a major storm, bending and swaying with the wind instead of being broken by it.  They clapped and shouted in the customary black call and response tradition.

Minha família sentou-se na sacada, onde minha neta de 2 anos e meu neto de nove meses adoraram juntar-se a todos batendo palmas minúsculas ao final de cada música. mais pessoas continuaram a subir de seus assentos para balançar para trás e para a música. Quando minha família ficou de pé e aplaudiu durante, e não depois , as canções, as pessoas sentadas na fila à frente frequentemente olhavam para trás como se estivessem confusas com nossos aplausos espontâneos e começaram a sussurrar nervosamente umas para as outras.

No começo eu pensei que eles estavam ficando irritados com a animação que vinha da nossa fila, mas notei que eles estavam cautelosamente olhando pela sala e depois de um tempo eles lentamente começaram a se levantar e bater palmas, alguns até começaram a cantar junto. Parecia que sua aparência nervosa e tagarelice era a busca por “permissão” para agir fora de sua norma. Eles estavam esperando por algo que os sancionasse a expressar-se externamente, o que eles estavam sentindo internamente. Sem dúvida para muitos, isso foi tanto uma anomalia cultural e religiosa, um enorme afastamento de seu culto de adoração dominical típico, onde o comportamento de alguém é refletir um frescor calmo de maneiras, especialmente quando o coro canta.

A meio caminho de “Vá contar na montanha” quase todo mundo estava de pé batendo palmas, cantando e balançando. A solista sabia como nos trazer para casa e foi exatamente isso que ela fez! Mesmo o Condutor incomumente ‘composto’ não conseguia esconder suas emoções enquanto lutava para falar.

Nós naquela sala compartilhamos uma verdade naquela noite, uma verdade que desafiou a retórica de inferioridade e superioridade, de crença e incredulidade, de medo e de coragem. No entanto, é provável que ele não seja revelado e continue sendo um segredo mantido pelos detentores de ingresso mais experientes, ainda cautelosos com a desaprovação de seus parentes e amigos.

Mas não se preocupe, como MLK disse:

“A verdade temporariamente derrotada sempre será mais forte que o mal triunfante”

Hoje reflito sobre essa maravilhosa experiência compartilhada de música e espírito à luz de tragédias ocorridas em casa e no exterior e sou grato por aquela noite, onde a devastação das doenças, a corrupção de mulheres e meninas, o assassinato de criancinhas e tudo mais. a fealdade severa do mundo foi mantida à distância. . . se apenas por um curto período de tempo.

Sua irmã

Alegria

A mulher impar e a mosca do dragão

A mulher impar e a mosca do dragão

Duas coisas distintamente diferentes, mas comoventes, aconteceram comigo hoje, eu estava voltando para casa e para evitar o tráfego da auto-estrada, eu tomei as ruas. Foi uma decisão sábia. As ruas estavam claras na maior parte do tempo, o sol estava se pondo, e eu aproveitei a brisa fresca que entrava pelas janelas enquanto eu dirigia.

Havia cerca de dois carros à minha frente, então reduzi a velocidade um pouco e, de repente, à minha direita, estava uma mulher que parecia estar de meia-idade com um rosto envelhecido tão vermelho quanto uma beterraba me encarando. Ela parecia enfurecida e estendeu o dedo do meio na minha janela, seguida pela palavra profana que definiu seu gesto. Fiquei assustada, mas sem me mexer com o comportamento dela, pois ficou bem claro, no breve momento de passar por ela, que ela não estava “toda lá”. Era óbvio que ela estava direcionando sua raiva para mim, mas seus olhos pareciam fixos em outra coisa, como se ela estivesse olhando através de mim para um adversário logo atrás ou atrás de mim.

Eu descreveria seu olhar como um olhar de loucura em oposição à raiva. Depois de cerca de um quarteirão, decidi me virar para observar se ela continuava agitado e, de fato, ela estava. Só agora ela estava balbuciando para si mesma e andando rapidamente. Logo à frente, vi um grupo de crianças andando em sua direção, então diminuí a velocidade e distraí-la o tempo suficiente para as crianças passarem, escapando de sua atenção.

Eu não tinha certeza do que mais deveria fazer, afinal, ela poderia ter sido inebriada ou simplesmente irritado com alguém. Mas talvez fosse algo mais, algo que pudesse levá-la a pisar na frente de um carro ou do trilho leve, ou empurrar alguém na frente de um. Eu decidi ligar para a polícia e compartilhar o que eu tinha testemunhado e deixar a critério deles agir ou não. Eu não estava tentando “ser um bom cidadão” e relatar qualquer atividade ou comportamento incomum. Eu estava agindo fora do meu intestino, conselho que meu pai me deu há muito tempo. “Confie em seu instinto Joy”, ele diria, “pode ​​salvar sua vida um dia”.

Eu estava pensando sobre o que acabara de acontecer quando cheguei em casa. Eu estava decidindo se escrever sobre isso quando notei um enorme dragão voar na calçada bem na minha frente. Este não foi meu primeiro encontro próximo com uma mosca-dragão; No verão passado, um deles tinha voado para a janela do meu carro e, freneticamente, ziguezagueou ao redor da minha cabeça até que eu puxei o carro para fora e passei os dez minutos seguintes tentando afugentá-lo de qualquer uma das minhas quatro portas abertas.

Este estava lutando e zumbindo no chão, mas incapaz de voar. Não era tão grande quanto a que agraciava meu Camry, mas era muito mais bonita com marcas coloridas de amarelo, verde e preto. Eu tentei assustá-lo no vôo para que ninguém pisasse nele, mas ele caiu várias vezes até pousar de novo em suas pequenas pernas tremulando nervosamente. Inclinei-me para ver se havia quebrado uma asa, mas eles pareciam estar se movendo perfeitamente. Então me ocorreu, que diferença faria se as asas fossem feridas ou se as pernas estivessem quebradas? Não havia absolutamente nada que eu pudesse ou provavelmente faria sobre isso de qualquer maneira.

Eu vi dois meninos pequenos do outro lado da rua e pensei em chamá-los para que pudessem vir e ver a linda e espetacular mosca do dragão ferida. Então me lembrei do que os garotinhos da minha vizinhança faziam com criaturas indefesas e resolvi passar essa ideia. Enquanto me afastava, senti – embora apenas um pouco – “derrotado”.

Refletindo sobre os dois eventos, agora estou assustada com minha presunção. Quem sou eu para assumir que a mulher irada não tinha direito justificável à sua própria raiva? E mesmo que a raiva dela em relação a mim não parecesse razoável, ainda é seu direito. Quanto à bela e delicada mosca-dragão, tudo o que vive finalmente morre. A mosca do dragão, ao contrário dos humanos, não pode agir fora dos limites da natureza, então as coisas eram como deveriam estar no mundo do meu pequeno amigo alado e quão arrogante da minha parte imaginar que eu tinha qualquer poder ou necessidade de mudar o curso da vida até mesmo desta pequena criatura.

Eu me juntei às fileiras do que é considerado “adultos maduros” e recebo o respeito e os privilégios que são culturalmente devidos a alguém da minha idade devido a um aprendizado acumulado conferido. Há um ditado familiar de que a juventude é muitas vezes desperdiçada nos jovens; talvez uma verdade igual seja que a sabedoria é às vezes desperdiçada no velho.

Não se preocupe, porém, há também espaço para aqueles que, como eu, estão em algum lugar entre a juventude e a sabedoria, feliz por eu ter hoje … mais um dia … para aprender e crescer!

Paz…

Conversa corajosa

Conversas honestas e diretas sobre raça estão atrasadas. Para alguns, a conversa é nova e desafiadora e, para outros, é um fato cotidiano da vida, necessário e contínuo. Nossa história está repleta de homens e mulheres que avançaram a discussão sobre raça, racismo e desigualdades estruturais. Eles foram ex-escravos e ex-donos de escravos, foram pobres e ricos, educados e analfabetos, todos tendo avançado a conversa à sua maneira e sofrido as consequências de abordar o assunto.

Hoje, aqueles de nós capazes de enxergar através da “diversidade” manufaturada de maneira estéril, começaram a desafiar o pensamento convencional em relação ao racismo institucional e sua consequente destrutividade. Glenn Singleton abordou a questão através do programa que ele desenvolveu chamado “Conversa corajosa”, com um foco específico na construção de abordagens e habilidades eficazes para eliminar as disparidades raciais na educação.

Estamos longe de alcançar a equidade e a justiça social, então vamos todos nos juntar à conversa!

———–

* Em outubro de 2012, o Dr. Joy será um orador principal na “Cúpula pela Conversação Corajosa 2012” em San Antonio, Texas.

O imperador não tem nenhuma roupa

My Son recentemente me mostrou um vídeo de Tupac Shakur como um holograma tocando no palco com Snoop Dogg. O concerto estava acontecendo em um lugar onde Tupac nunca havia se apresentado e claramente em uma época em que ele não estava mais vivo. É incrível o que a tecnologia pode fazer. No entanto, vou oferecer uma nota de advertência.

Eu me lembro quando Bo Derek, o astro do filme “10”, foi creditado com a criação de tranças “corn row”. Lembro-me de outra época em que, em um documentário sobre a história e as origens da música jazzística, Wynton Marsalis, encontrando dificuldades para manter a compostura, identificou um músico branco que afirmava  ter  origem no jazz.

Vivemos numa época em que as distorções da verdade abundam e, talvez mais alarmantes, as distorções de nossa realidade humana. Nós aceitamos a violência como uma função natural e esperada da vida. Continuamos a normalizar a crueldade e a desonestidade, na medida em que temos que criar leis ou movimentos para nos proteger contra os valentões e aqueles que insistem em que eles têm o direito de “defender sua posição”.

Mas o que dizer das “virtudes”? Onde bondade, confiabilidade, integridade e justiça estão nestes tempos? E quais valores reverência, lealdade e cortesia têm hoje? O que estamos dizendo aos nossos filhos sobre essas qualidades? Não apenas compramos com todo o coração a noção de que “o imperador está de roupa”, começamos a construir expertise em torno da qualidade do tecido e como as roupas se encaixam bem! E se alguém ousar questionar essas distorções da realidade, elas são consideradas irrelevantes, perdidas no passado, tendenciosas e / ou irracionais.

Esse seguimento cego é um problema muito maior do que você pode suspeitar, e está minando nossos corações e prejudicando nossa aldeia global. Este mundo está cheio de fôlego, captando imagens da natureza em toda a sua beleza, vastos espaços e ainda mistérios desconhecidos, todos feitos de ‘matéria’ e destinados a eventualmente se decompor e se transformar em algo diferente, incrível e incrível de se ver … como Tupac executando vivo. Ainda não vivo.

Basta lembrar que é apenas um holograma! 
Alegria

Inscrição na lista de e-mail:

Endereço de e-mail :

Cuti: Quebranto

cuti5O poema Quebranto foi uma questão de múltipla escolha que caiu no Enem de 2018. Motivo de celebração pelo reconhecimento da literatura negra

cuti7

Questão de múltiplia escolha

Quebranto às vezes sou o policial que me suspeito me peço documentos e mesmo de posse deles me prendo e me dou porrada às vezes sou o porteiro não me deixando entrar em mim mesmo a não ser pela porta de serviço

[—]

às vezes faço questão de não me ver e entupido com a visão deles sinto-me a miséria concebida como um eterno começo

fecho-me o cerco sendo o gesto que me nego a pinga que me bebo e me embebedo o dedo que me aponto e denuncio o ponto em que me entrego. às vezes!…
CUTI. Negroesia. Belo Horizonte: Mazza, 2007 (fragmento).

Na literatura de temática negra produzida no Brasil, é recorrente a presença de elementos que traduzem experiências históricas de preconceito e violência. No poema, essa vivência revela que o eu lírico

 

Correta incorpora seletivamente o discurso do seu opressor.
submete-se à discriminação como meio de fortalecimento.
engaja-se na denúncia do passado de opressão e injustiças.
sofre uma perda de identidade e de noção de pertencimento.
acredita esporadicamente na utopia de uma sociedade igualitária.

 cuti1

Integra do poema de Cuti :QUEBRANTO

às vezes sou o policial
que me suspeito
me peço documentos
e mesmo de posse deles
me prendo
e me dou porrada

às vezes sou o zelador
não me deixando entrar
em mim mesmo
a não ser
pela porta de serviço

às vezes sou o meu próprio delito
o corpo de jurados
a punição que vem com o veredito

às vezes sou o amor
que me viro o rosto
o quebranto
o encosto
a solidão primitiva
que me envolvo com o vazio

às vezes as migalhas do que
sonhei e não comi
outras o bem-te-vi
com olhos vidrados
trinando tristezas

um dia fui abolição que me
lancei de supetão no espanto
depois um imperador deposto
a república de conchavos no coração
e em seguida
uma constituição que me promulgo
a cada instante

também a violência dum impulso
que me ponho do avesso
com acessos de cal e gesso
chego a ser

às vezes faço questão
de não me ver
e entupido com a visão deles
me sinto a miséria
concebida como um
eterno começo

fecho-me o cerco
sendo o gesto que me nego
a pinga que me bebo
e me embebedo
o dedo que me aponto
e denuncio
o ponto em que me entrego.

às vezes!…

 

16 regras dos falsificadores ocidentais

conference_p_obenga116 REGRAS DOS FALSIFICADORES OCIDENTAIS

Na sua obra ” Discours Afrocentriste Sur L’aliénation Culturelle”, Jean-Philippe Omotunde, nascido em Guadalupe, revela-nos 16 regras aplicadas pelos historiadores ocidentais com a finalidade de justificar a mão da Europa sobre às riquezas do planeta e particularmente d’África:
.
REGRA n° 1: Não perder de vista o objectivo supremo: negar toda inteligência civilizacional aos povos “d’África negra”. Qualquer demonstração deve levar explicitamente ou implicitamente a essa conclusão. Convém manter no espírito do público a visão de uma África selvagem, não civilizada que serve de justificação hipócrita para o Ocidente.
.
REGRA n° 2: Evitar mencionar os escritos valorizadores dos povos estrangeiros tendo entrado em África, não importa o período. Negar por todos os meios os seus atestados quanto à origem negra dos factos civilizacionais descritos (realizações arquitectónicas, organização social, descobertas, etc…).
.
REGRA n° 3: Fazer tudo para negar a origem negra africana dos antigos egípcios (documentários, artigos de imprensa, obras históricas, Sites…). Negar ou burilar os escritos dos gregos antigos, dos árabes antigos e dos judeus antigos, testemunhas visuais da origem africana dessa civilização. Nunca citar as passagens em causa. Tratar com escárnio qualquer autor retomando as citações em causa.Omotunde
.
REGRA n° 4: Mexer a documentação histórica africana: falsificar os textos, as datações, os murais de parede, multiplicar os erros de tradução. Evitar qualquer documento africano revelando a origem negra dos egípcios antigos.
.
REGRA n° 5: Evitar divulgar os verdadeiros resultados das escavações arqueológicas e das datações de carbono 14, com a finalidade de colocar continuamente a Mesopotâmia diante de África para as descobertas cruciais (invenções da escrita, matemática, astronomia, etc… ). Para a Mesopotâmia, manter o representação artística: quem descobriu? Quem tem datado? Quando? Onde? Como? Eis as perguntas a que nunca se deve responder.
.
REGRA n° 6: Nunca citar os resultados dos colóquios internacionais de confronto de teses históricas e científicas entre pesquisadores panafricanistas e ocidentais. Manter em silêncio a existência dos relatórios, pois estes estão todos em desvantagem das teses históricas ocidentais.
.
REGRA n° 7: Nunca convidar um pesquisador não-Ocidental para um debate público sobre a história da humanidade, pois correria o risco de revelar os seus subterfúgios.
.
REGRAS n° 8: Apresentar as análises históricas actuais como exatas mesmo que estejam em perfeita contradição com a confissão dos historiadores antigos. Passar em silêncio a existência de documentos contraditórios às suas teses.
.
REGRA n° 9: Defender explicitamente ou implicitamente, através de toda a análise histórica, a superioridade intelectual dos povos Nórdicos sobre a África negra. Negar a herança africana (Ciências, cultura, espiritualidade, etc…) por todos os meios desonestos.
.
Regra n° 10: Nunca revelar a íntegra da documentação histórica universal, pois esta diligência arrisca-se a prejudicar as teses ocidentais. Nunca citar os trabalhos de qualquer pesquisador ou especialista africano. Preservar por todos os meios a tutela intelectual ocidental.
.
Regra n° 11: Injectar artificialmente nas consciências dos africanos, a lembrança de uma África selvagem, perpetuamente escravizada, à deriva, civilizada pelo ocidente e sem futuro. Tirar proveito da ignorância dos negros sobre a sua própria história para mantê-los eternamente em servidão.
.omotunde1
Regra n° 12: Colocar em quarentena qualquer pesquisador ocidental recusado a colaborar. Rescindir as encomendas de suas obras, evitar convidá-los para debates e excluí-los das listas bibliográficas nas Universidades.
.
Regra n° 13: Nunca promova uma obra emanada de um autor panafricano que apresente a África de forma positiva e pragmática. Pelo contrário, chamar qualquer autor africano, depreciativo ao continente.
.
Regra n° 14: Fazer com que os africanos se convencem da sua responsabilidade no declínio de África e esperarem a sua salvação de fora.
.
Regra n° 15: Negar a herança espiritual de África e manter a imagem de uma África maldita, tendo recurso a textos religiosos subversivos e sem fundamento histórico (ex. Maldição de Cam).
.
Regra n° 16: Através das obras históricas destinadas às crianças, induzir explicitamente ou implicitamente a visão da hierarquização das raças. Apresentar os personagens negros exclusivamente em posição servil mesmo que se trate de civilizações implantadas em África. Preferir, cenários precários (Cabanas de palha) aos grandes impérios negros como local de desenrolar das ações. Passar em silêncio as aulas reais dos grandes impérios, e o prestígio internacional das civilizações africanas.

Muniz Sodré fará palestras em Angola

muniz-sodre_0031__1O Ministério da Comunicação Social promove, nos dias 22 e 23 deste mês, em Luanda, palestras sobre o actual contexto global da comunicação, no âmbito do lema “Século XXI – A era da comunicação”.

As palestras serão dadas pelo sociólogo e jornalista brasileiro Muniz Sodré, que, para o efeito, chega a Luanda no domingo, para uma visita de trabalho de quatro dias a Angola, a convite do Ministério da Comunicação Social.
A jornada de Muniz Sodré inicia na segunda-feira, 22, na Assembleia Nacional, onde vai participar na sessão de abertura da reunião da Plataforma das Entidades Reguladoras da Comunicação Social dos Países e Territórios de Língua Portuguesa (PER).
No mesmo dia, Muniz Sodré dá uma palestra sobre “Comunicação, liberdade e regulação”, no Hotel Diamante, à Baixa de Luanda, destinada aos participantes da reunião da PER.
Na terça-feira, 23, o programa reserva um encontro com estudantes sobre “Redes sociais: liberdade de expressão do ódio”, na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto.muniz
No mesmo dia, o académico brasileiro, autor de dezenas de livros, falará no HCTA sobre “Globalização, comunicação e poder”, para dirigentes políticos, empresários, associativos, religiosos, intelectuais e líderes de opinião.
A agenda inscreve ainda uma deslocação à província de Benguela e visitas ao Memorial Dr. António Agostinho Neto, Mercado do S. Paulo e aos museus de Antropologia, da Moeda e da Escravatura, todos localizados em Luanda.

Fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao/politica/sociologo_brasileiro_fala_de_comunicacao

A crise educacional na África

gracamachel_2608950a-1

A África está no meio de uma crise educacional. Apesar das promessas de melhorar o acesso à educação para todas as crianças até 2030, muitos governos africanos não estão conseguindo financiar este componente ambicioso dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Ainda há tempo para resolver o déficit de financiamento, mas somente se novas estratégias de investimento forem adotadas com vigor.

Hoje, aproximadamente metade dos jovens do mundo, incluindo cerca de 400 milhões de meninas,não estão sendo educadas para ter sucesso no local de trabalho do futuro. Este desafio é mais agudo na África; embora 75% das meninas na África Subsaariana iniciem a escola, apenas 8% concluem o ensino médio. A África Subsaariana é a única região em que as mulheres ainda não se matriculam ou concluem o ensino superior nas mesmas taxas que os homens .

Esses problemas são bem conhecidos, se nem sempre abordados. Menos entendido é o impacto contraditório que o crescimento futuro da África terá na disponibilidade de financiamento da educação.

Até 2030, espera-se que quase 30 países na África tenham atingido um status de renda média mais baixo , definido pelo Banco Mundial como renda nacional bruta per capita (RNB) entre US $ 1.026 e US $ 4. 035. À medida que os países se aproximam desse nível de desenvolvimento, serão necessários investimentos para pagar as atualizações de saúde e educação, e mobilizar a receita tributária doméstica se tornará um componente crítico das estratégias orçamentárias.

No momento, no entanto, as receitas fiscais estimadas na maioria dos países serão insuficientes para cobrir os custos associados à melhoria dos resultados educacionais. Como resultado, uma crise de financiamento educacional ameaça as esperanças de um crescimento rápido sustentado e de uma prosperidade duradoura.

As formas tradicionais de ajuda internacional continuarão a desempenhar um papel no desenvolvimento do setor educacional da África. E, no entanto, devido aos aumentos projetados no RNB, a maioria dos países de renda média-baixa deixará de se qualificar para as subvenções e os empréstimos com juros baixos ou zero atualmente disponíveis. Como resultado, milhões de jovens africanos sofrerão os efeitos de um paradoxo no desenvolvimento internacional: os países serão muito prósperos para se qualificarem para as melhores opções de financiamento, mas muito pobres para satisfazer as necessidades educacionais de seus cidadãos por conta própria.

Felizmente, a Comissão Internacional sobre Financiamento da Oportunidade Global de Educação , na qual atuo como comissário, ajudou a desenvolver uma solução. Chamada de International Finance Facility for Education , essa abordagem inovadora visa ajudar os países de renda média baixa a investir em educação – especialmente programas para mulheres e meninas – de maneiras mais sustentáveis.

Ao alavancar US $ 2 bilhões em garantias de doadores, pretendemos entregar cerca de US $ 10 bilhões em financiamento de subsídio e educação concessional para os países que mais precisam. Mas há uma armadilha: os governos que buscam acesso a esses fundos devem primeiro demonstrar interesse e capacidade para reformas educacionais de longo prazo.

Esta abordagem foi concebida para melhorar a eficácia das subvenções e dar aos países a capacidade de reforçar a sua capacidade de resistência económica com uma força de trabalho melhor formada. Pesquisas mostram que, em países de renda média-baixa, cada US $ 1 gasto em educação aumenta o poder aquisitivo dos graduados em US $ 4. Em outras palavras, nosso objetivo de longo prazo é mais amplo do que construir escolas ou ensinar matemática; é criar condições para uma mudança social e econômica duradoura.

Estratégias semelhantes de financiamento já provaram ser bem sucedidas no setor de saúde. Por exemplo, o Mecanismo de Financiamento Internacional para Imunização foi criado para fornecer financiamento para a GAVI, a aliança de vacinas . Eventualmente, bilhões de dólares em novos fundos foram mobilizados para ajudar a vacinar mais de 640 milhões de crianças e salvar mais de nove milhões de vidas. Os retornos econômicos também foram dramáticos; Um estudo que pesquisou os resultados em 73 países descobriu que cada US $ 1 gasto em imunizações traduziu-se em US $ 18 em economias relacionadas à saúde . O mecanismo de financiamento da educação tem o potencial de produzir um impacto semelhante.

Milhões de jovens em todo o mundo, e particularmente meninas jovens na África, não conseguem se sobressair porque continuam a ter acesso negado à educação de qualidade. Faltando apenas 12 anos para a expiração dos ODS, a crise educacional da África deve ser levada ao topo da agenda de desenvolvimento. Os líderes do governo afirmam rotineiramente que as crianças são o nosso futuro. Se eles realmente acreditam, programas como o Mecanismo de Financiamento Internacional para a Educação devem receber a prioridade que merecem.

Graça Machel

Graça Machel

Graça Machel é uma política e humanitária moçambicana. Machel é uma defensora internacional dos direitos das mulheres e das crianças e, em 1997, tornou-se uma honorária dama britânica pelo seu trabalho humanitário. Graça Machel é membro do Africa Progress Panel (APP), um grupo de dez indivíduos distintos que advogam aos mais altos níveis. para o desenvolvimento equitativo e sustentável em África. Como membro do painel, ela facilita a formação de coalizões para alavancar e intermediar o conhecimento e convoca os tomadores de decisão a influenciar políticas para mudanças duradouras na África. Ela também é a fundadora do Graça Machel Trust e membro do The Elders.

Fonte:https://mg.co.za/article/2018-06-04-how-to-pay-for-africas-education-gains