Menu

Mugabe deve renunciar a presidência do Zimbabwe, cargo que exerce desde 1980,

Zimbabwe's President Robert Mugabe SMILE

Zimbabwe’s President Robert Mugabe SMILES during three-day summit on food security at UN Food and Agriculture Organisation (FAO) in Rome on June 3, 2008. Zimbabwe’s President Robert Mugabe accused Britain Tuesday of fomenting Western efforts to effect “illegal regime change” in his country by crippling it economically. AFP PHOTO / POOL / Alessandro Di Meo (Photo credit should read ALESSANDRO DI MEO/AFP/Getty Images)

Eleazar Van-Dúnem |

A situação do Zimbabwe está hoje mais clarificada depois de na noite de ontem os militares terem reforçado as suas posições em toda a cidade de Harare, com especial incidência para as ruas que dão acesso à residência oficial do Presidente Mugabe e de ter detido alguns dos seus principais ministros.

Militares zimbabweanos reforçaram as suas posições nas ruas que dão acesso à residência de Mugabe
Fotografia: AFP |

A comunidade angolana está bem e foi aconselhada a permanecer em casa, enquanto a SADC vai enviar emissários especiais a Harare e a Luanda depois de Jacob Zuma ter falado ao telefone com Mugabe. A TAAG cancelou o voo de ontem para Harare.    

Robert Mugabe pode renunciar ao cargo 
O Presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe, deve renunciar hoje ao cargo que exerce desde 1980, após garantir a saída, do país, da primeira-dama, Grace Mugabe, numa altura em que uma intervenção militar alimenta rumores sobre um golpe de Estado.
O canal televisivo sul-africano  News24 noticiou ontem que hoje à tarde é anunciada a renúncia de Robert Mugabe e que o Exército mantém a família presidencial e a sua guarda sob custódia, depois de soldados do Exército bloquearem o acesso a edifícios do governo na capital do país, Harare, como o Mwenemutapa, que abriga o escritório do Chefe de Estado, o Parlamento e o Supremo Tribunal.
Ontem, informações apontavam para uma forte presença militar na estrada que leva à residência rural de Mugabe, no distrito de Zvimba.
Três explosões fortes foram ouvidas na noite de terça-feira em Harare, antes de os militares tomarem as ruas e prenderem ministros.
O jornal zimbabweano “NewsDay” noticiou que, após incursões militares nas suas residências, os soldados detiveram os ministros das Finanças, Ignatius Chombo, da Educação Superior, Jonathan Moyo, e do Governo Local, Obras Públicas e Habitação e comissário político a nível nacional da União Nacional Africana do Zimbabwe – Frente Patriótica (ZANU-PF), Saviour Kasukuwere. O trio faz parte do chamado “grupo G40”, facção da ZANU-PF que, segundo especialistas, procura afastar os veteranos da guerra da independência – como o Vice-Presidente Emmerson Mnangagwa, destituído na semana passada – e abrir caminho para a primeira-dama, Grace Mugabe, assumir o poder. No “NewsDay” lê-se que Jonathan Moyo é o cérebro do grupo, um dos muitos em que se dividiu a ZANU-PF para organizar a sucessão do Presidente Robert Mugabe, de 93 anos.
De acordo com a fonte, o presidente da juventude da ZANU-PF e o número dois dos serviços de inteligência foram detidos. Outras informações dão conta de que o director da Polícia também pode ter sido preso pelos militares. Na noite de terça-feira, o Exército negou que esteja em curso um golpe de Estado, mas prometeu combater o que chamou de “criminosos” próximos de Robert Mugabe.
Em comunicado lido à nação na TV estatal, o porta-voz militar disse que não se trata de “uma tomada militar do Governo”. O que os militares querem “é pacificar uma situação degenerada  que, se não for tomada uma providência, pode resultar num conflito violento”. “Assim que cumprirmos a nossa missão, esperamos que a situação volte ao normal”, afirmou.
O porta-voz pediu que todos os “veteranos de guerra” da luta de libertação do Zimbabwe assegurem a paz, a estabilidade e a unidade. E pediu que as forças de segurança cooperem para o bem do país.
“O Presidente e a sua família estão em segurança”, garantiu. Mais cedo, a ZANU-PF acusou num comunicado o chefe das Forças Armadas de “conduta de traição” por ter dirigido ao partido que Governa, na segunda-feira, um aviso sem precedentes, na primeira divergência pública entre Robert Mugabe e os militares.

Apelos à não violência 
Jacob Zuma, o Presidente da África do Sul, manifestou-se contra qualquer mudança de regime “inconstitucional” no Zimbabwe. Em comunicado, Jacob Zuma diz estar “muito preocupado” com a situação e manifesta esperança de que os desenvolvimentos no Zimbabwe “não levem a uma alteração inconstitucional do Governo”.
A ZANU-PF  anunciou no Twitter que “o Zimbabwe é pacífico e não há instabilidade. A Constituição não foi violada e continua a existir uma democracia”.
Em entrevista à agência DW África, Tendai Biti, antigo ministro das Finanças e líder do MDC, principal partido da oposição do Zimbabwe, condena a acção militar em curso no país, mas admite ser tempo de Robert Mugabe deixar o poder.  “Condenamos a retirada ilegal do Presidente, mas é preciso reconhecer duas coisas. Uma é que não houve violência, e acho que o Exército planeou esta acção cuidadosamente. Outra questão é que há uma crise política centrada no Presidente e na sua sucessão. Existe o grave risco de uma dinastia Mugabe se a sua esposa assumir o poder.”
O secretário-geral do MDC afirmou que “o Exército está em processo de tomar o comando”. Em entrevista pelo telefone a partir do Zimbabwe com o canal sul-africano ANN7, Douglas Mwonzora afirmou: “Esta é a definição padrão de um golpe de Estado. Se isto não é um golpe, o que será?”, questionou, antes de acrescentar que a ZANU-PF “está em fase de negação, mas já não tem o controlo”.
Sobre a mensagem do Exército, na qual foi descartada um “golpe militar”, Douglas Mwonzora considerou que “é um comunicado normal quando os militares intervêm”. “Há muito ressentimento contra (o Presidente) Robert Mugabe e a sua esposa (Grace)”, sublinhou. O político pediu aos cidadãos que “tenham cuidado” e disse ser a hora “de salvar o país”, mas advertiu que “não vai ser permitido derramamento de sangue”.
Até ontem, o clima em Harare era calmo, e o comércio funcionava normalmente.

Golpe sofisticado 

Sara Rich Dorman, pesquisadora especializada na História política do Zimbabwe, afirmou à UOL que esta acção militar “é um tipo peculiar de golpe, com um padrão diferente, que não vimos em outros lugares” e que se tiver êxito, pode  ser exportado e intervenções do género podem acontecer noutros países do continente.“Este modelo de intervenção pode ser atraente para outros países em que a maioria das disputas acontece dentro dos partidos dominantes.
Não havíamos visto os militares agindo de forma aberta assim em questões deste tipo. Agora que isso se tornou possível, abre-se a possibilidade de trajectórias semelhantes em outros lugares. Não daria para ver claramente onde, mas é uma nova forma de jogar a política africana, e, se der certo, as pessoas podem tentar repetir.”  Em vez de derrubar o governante e o grupo do poder, os militares parecem querer assumir o governo dizendo que o estão a defender.
“Dada a posição de Robert Mugabe e esta tradição, parecia improvável que alguém o tentasse derrubar. Daí o que estamos a ver, uma intervenção militar que aparentemente não o tirou do poder. Assim, eles conseguem assumir o governo sem precisar romper de forma tão definitiva com o sistema. Fizeram um golpe em defesa do partido que está no poder. É um modelo diferente de golpe”, disse Sara Rich Dorman.
A acção do Exército do Zimbabwe, que assumiu o controlo do país para supostamente proteger o Presidente Robert Mugabe, deve ser entendida como um golpe de Estado, afirma a também autora do livro “Entendendo o Zimbabwe – Da Libertação ao Autoritarismo”, publicado no ano passado, no qual analisa a História política do Zimbabwe. Mesmo que o Exército negue, não há outro nome para o que acontece no país, refere pesquisadora especializada na História política do Zimbabwe.
“É um golpe. É uma intervenção militar na política. Os militares alegam que estão a agir para defender os interesses de Robert Mugabe, que constitucionalmente é o presidente, mas não está claro se ele pediu isso. Não há motivo para achar que ele pediu. Conta como golpe. Não vejo forma de chamar de outra coisa”, disse a cientista política especializada em questões africanas, professora da Universidade de Edimburgo, na Escócia, e editora sénior da revista académica “Journal of Southern African Studies”.
Sara Rich Dorman explica diz ser raro haver golpes no Sul de África, por a maioria dos países da região ter sistemas partidários fortes.

Ler os sinais dos tempos 

Analistas políticos angolanos contactados pelo Jornal de Angola condenaram a tomada do poder pela Forças Armadas e disseram que Robert Mugabe não soube ler os sinais dos tempos. Para o analista político Herlander Napoleão, é imperativo que as lideranças africanas interpretem os sinais dos tempos e as revoluções sociais que foram ocorreram no nosso continente com a chamada “Primavera Árabe”.
O analista diz ser preciso que se destrua a ideia de que não existe vida depois do poder, e sublinha que as novas gerações africanas perderam o medo, que é o ingrediente fundamental para as ditaduras. África precisa de instituições fortes e de homens sérios, comprometidos com o seu progresso e desenvolvimento , afirma.
Herlander Napoleão lembra que em África, ironicamente, quem chega ao poder através de golpe de Estado normalmente sai da mesma maneira.  “Existe uma linha muito ténue entre o Presidente muito temido e o Presidente muito odiado”, afirma. Lamenta que muitos líderes africanos dificilmente abandonam o poder  voluntáriamente e alerta que os líderes que não conseguirem fazer a leitura dos tempos podem não acabar os seus dias na sua terra natal.”
Para o analista, a boa governação, transparência, alternância democrática continuam “nublados e confusos, e muitos líderes  africanos esqueceram-se dos grandes líderes impulsionadores das lutas de libertação de África. Exorta os governantes africanos a evitarem promover o que chama de “sucessão dinástica” (tentativa de alguns chefes de estado em entregar o poder a filhos e mulheres) em países republicanos, o que, entende, está na origem de muitos conflitos em África.

Dirigentes africanos têm de acabar com a ideia de que são insubstituíveis e o seu poder é eterno

Augusto Báfua Báfua, especialista em relações internacionais, lembra que o antigo Presidente nigeriano, Olusegum Obasanjo, alertou no inicio deste  2017 aos líderes africanos longevos. “Se não deixarem o poder, o poder vai  deixar-vos”.
Para Báfua Báfua, Robert Mugabe deu indícios de perder o controlo da situação quando o seu maior problema passou a ser primeiro a ex-vice-presidente Joyce Mujuro e agora o sucessor desta, Emmerson “Ngwena” Mnangagwa.  Segundo o analista, cogita-se que os militares exigem a (re)nomeação de Emmerson Mnangagwa como vice-Presidente da República e o pedido de demissão de Robert Mugabe, ficando deste modo “Ngwena” como Presidente interino e candidato da ZANU-PF à Presidência da República já em 2018.
As próximas horas vão dizer muito sobre o futuro a curto prazo do Zimbabwe, perspectiva Augusto Báfua Báfua.
Osvaldo Mboco, docente universitário, lembra que o Zimbabwe independente sempre foi governado por Robert Mugabe, e que nos anos 80 e 90 este era um dos países mais prósperos de África, com um nível de desenvolvimento invejável, um índice de desenvolvimento humano médio e um sistema de saúde e educação dos melhores em África.
O analista pede uma posição clara da União Africana e dos blocos regionais nos quais o Zimbabwe está inserido sobre a situação.  O Zimbabwe, recorda, atravessa uma profunda crise económica, com 70 por cento da população a viver abaixo da linha da pobreza.

                                     União Africana condena “o que parece um golpe de Estado” contra Robert Mugabe no Zimbabwe

O Presidente da Guiné-Conacri, Alpha Condé, condenou, na qualidade de presidente em exercício da União Africana, “o que parece um golpe de Estado” no Zimbabué e  instou os militares a “submeterem-se à legalidade constitucional”, segundo um comunicado oficial.
“A União Africana manifesta a sua grande preocupação em relação à situação em curso no Zimbabwe, onde manifestamente soldados estão a tentar tomar o poder pela força”, lê-se no comunicado da organização.
A União Africana “condena com a maior firmeza o que parece um golpe de Estado e reitera o seu total apoio às instituições legais do país” e pede “aos militares que ponham imediatamente termo à sua ação e se submetam à legalidade constitucional”, acrescenta o texto.
Robert Mugabe destacou-se como líder guerrilheiro contra o regime racista branco de Ian Smith, o líder da Rodésia. Em 1980 tornou-se primeiro-ministro, e permitiu a Ian Smith, o homem que o manteve preso por uma década, viver os últimos anos no Zimbabwe. Nos anos 80, sob sua direcção, a economia do Zimbabwe era uma das mais pujantes do continente. Com uma taxa de alfabetização de 90 por cento, o Zimbabwe era  um exemplo para África.
Em 1981, Robert Mugabe recebeu o Prémio Internacional de Direitos Humanos da Universidade Howard em Washington e, em 1988, a ONU  distinguiu -o pela sua luta contra a fome em África.
De lá para cá, a sua imagem  perante a comunidade internacional mudou radialmente.

 

http://jornaldeangola.sapo.ao/mundo/africa/militares_tem_o_controlo_da_situacao_no_zimbabwe

Advertisements

União Africana  exige o fim de interferências das forças estrangeiras na mediação africana

união-africana-51766487A União Africana  exige o fim de interferências das forças estrangeiras na mediação africana, da Organização das Nações Unidas (ONU) e dos países vizinhos na crise líbia, na declaração final da quarta reunião dos trabalhos do Comité de Alto Nível da organização continental sobre a crise na Líbia, realizada sábado e domingo em Brazzaville, capital da República do Congo.

Comité de Alto Nível da União Africana pede fim da ingerência estrangeira na Líbia e aposta na criação de um calendário de transição ainda este ano
Fotografia: Mota Ambrósio | Edições Novembro

“Não existe solução militar para a crise líbia que pode ser resolvida sem intervenções externas, mas graças a um diálogo inter-líbio”, lê-se no documento.
A marginalização do papel dos países vizinhos da Líbia e da União Africana na resolução da crise líbia foi contestada pelos membros do Comité de Alto Nível da organização continental sobre a Líbia, que querem que a sua missão seja facilitada para lançarem, até ao final de 2017, “um período de transição”.
A iniciativa africana trabalha, desde a reunião de Brazzaville, para preparar o terreno com vista a um diálogo completo antes de definir um quadro jurídico da fase de transição a ser lançada antes do final de 2017, devendo ser antecedida por uma reunião preliminar a ser realizada em Novembro.
A Comissão de Emenda ao Acordo Político Líbio no Alto Conselho de Estado na Líbia, liderada por Moussa Faraj, esteve reunida no sábado com a Câmara dos Representantes (Parlamento), à margem da cimeira africana de alto nível de Brazzaville sobre a Líbia.
Denis Sassou Nguesso, o Presidente da República do Congo, assistiu à reunião com o presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mohamed, e membros das duas comissões.
Da agenda de trabalho da Cimeira de Brazzaville constaram as etapas preliminares necessárias para se começar o trabalho de duas comissões e emendas limitadas ao Acordo Político líbio para completar a sua aplicação integral com vista a pôr fim à crise actual.
Moussa Faki Mahamat convidou na Cimeira de Brazzaville os líbios a fazerem um esforço transcendental e de responsabilidade.
“Convido-vos, do fundo do coração, a envidarem esse esforço transcendental e de responsabilidade. Nesta senda, podemos contar, sem limite, com a União Africana, todos os seus órgãos, mecanismos e meios”, disse  o diplomata chadiano na abertura da quarta reunião do Alto Comité da União Africana sobre a Líbia.
“A exclusão, o fanatismo, o extremismo e a tendência funesta a impor soluções sectárias, as do tudo ou nada, é o perigo encarnado. Juntem as vossas posições para salvarem o vosso povo do seu sofrimento comum, para conjugarmos, juntos, os nossos esforços comuns em prol dos vossos interesses comuns. A solução da crise líbia está no consenso, reconciliação, participação e envolvimento de todos”, afirmou.
Moussa Faki Mahamat referiu que as dores da tragédia comum só se superam com sacrifício colectivo de todos os que sofrem, choram e rezam pela paz, e frisou que uma grande oportunidade se apresenta para a paz e reconciliação dos líbios, exortando-os a terem  a coragem e sabedoria de “não traírem o vosso povo, os vossos irmãos africanos, árabes em religião e os vossos amigos no mundo”.
O presidente do Conselho Presidencial do Governo de União Nacional, Fayez al-Sarraj, manifestou a esperança de que a cimeira de Brazzaville consiga encontrar soluções para a crise política actual na Líbia e pôr termo ao sofrimento dos líbios.
Outros protagonistas da crise líbia, dos quais o presidente do Parlamento, Aguila Saleh, o presidente do Alto Conselho de Estado, Abderrahman al-Sweihli, participaram no encontro, destinado a aproximar as posições líbias e buscar concessões para ultrapassar “o estado de obstrução política que entrava a conclusão da implementação do acordo político, e consolidar os esforços de reconciliação nacional no país”.
Participaram na Cimeira de Brazzaville 15 Chefes de Estado africanos.
O Comité de Alto Nível da União Africana sobre a Líbia integra cinco países, África do Sul, Etiópia, Níger, Mauritânia e República do Congo.

 Missão das Nações Unidas pode regressar no mês de Outubro

A agência de notícias France Presse noticiou ontem que o enviado da Organização das Nações Unidas para a Líbia, Ghassan Salamé, espera o regresso da missão das Nações Unidas (MANUL) no país do norte de África em Outubro, após a sua retirada em 2014, devido à violência.
“É nosso dever estar cada vez mais próximo das pessoas, afim de as apoiar e ajudar. É por isso, que queremos aumentar novamente a nossa presença, obviamente, observando atentamente a situação de segurança”, afirmou Ghassam Salamé, que disse esperar que a partir de Outubro seja concluído novamente uma parte das suas actividades na Líbia.
O enviado da Organização das Nações Unidas acrescentou que uma missão de pelo “menos de 250” militares da ONU deve ser destacada para garantir a segurança do pessoal da MANUL.
Tal como a maioria das missões diplomáticas, a Missão das Nações Unidas deixou a Líbia em 2014, devido ao recrudescimento da onda de violência, tendo desde então ficado baseada em Tunis, mas os seus membros realizam regularmente missões itinerantes na Líbia.
Ghassam Salamé disse  estar preocupado com a situação nos campos de imigrantes. “Eu acho que esses campos podiam ser muito mais humanos”, disse, para acrescentar que \”a vida diária\” devia \”mudar radicalmente\”.
A Líbia mergulhou-se no caos, após o derrube do Presidente Muammar Kadhafhi em 2011.
O país tem mais de um Governo e as autoridades rivais e várias milícias lutam pelo poder. Tornou-se  ponto de passagem de migrantes clandestinos que pretendem alcançar a Europa.

http://jornaldeangola.sapo.ao/mundo/uniao_africana_pede_contencao

Tropas do Senegal entram na Gâmbia para afastar antigo presidente

Com luz verde das Nações Unidas, o exército senegalês entrou na vizinha Gâmbia, cujo novo presidente já assumiu o cargo na embaixada do país no Senegal. Só falta que o ex-chefe de Estado, derrotado nas eleições, abandone o poder

Gâmbia - Yahya Jammeh (presidente derrotado)/  Adama Barrow (presidente eleito)
Gâmbia – Yahya Jammeh (presidente derrotado)/ Adama Barrow (presidente eleito). Reuters

Por unanimidade, os 15 membros do Conselho de Segurança aprovaram uma resolução dando cobertura aos países da CEDEAO, a Comunidade dos Países da África Ocidental, para intervir na Gâmbia.

Apoio total à CEDEAO nos seus compromissos para assegurar, primeiro, através de meios políticos, o respeito pela vontade do povo da Gâmbia, expresso nos resultados das eleições de 1 de dezembro”, refere a resolução das Nações Unidas.

Desde a meia-noite desta quinta-feira que o Senegal, onde a Gâmbia constitui um enclave, tinha tropas estacionadas na fronteira do pequeno país. Prontas a intervir de forma a afastar o presidente derrotado nas eleições de dezembro.

Já entrámos na Gâmbia”, foi a mensagem enviada à agência noticiosa Reuters por um porta-voz do exército senegalês.

O propósito da intervenção militar dos países da CEDEAO é o de afastar do poder Yahya Jammeh, de 51 anos, que se tornou presidente do pequeno país de língua inglesa através de um golpe militar em 1994.

Após as eleições de 1 de dezembro, tem-se recusado a abandonar o cargo. Não reconhece a derrota eleitoral e recorreu até para o Supremo Tribunal do país. Que entretanto considerou não ter competências para esse tipo de avaliação.

Empossado fora de portas

Eleito em dezembro, Adama Barrow é o novo presidente do país. Refugiou-se no vizinho Senegal, a potência regional de língua francesa, que tem fronteira a sul com a Guiné-Bissau, à espera que os esforços diplomáticos levados a cabo nas últimas semanas convencessem Yahya Jammeh a deixar o poder.

Face à irredutibilidade do presidente derrotado, que não se deixou convencer pelas várias missões de países da CEDEAO, o eleito Adama Barrow preferiu jurar a Constituição do país e assumir o cargo na embaixada da Gâmbia no Senegal.

c2jxkbbxuaqau7u

Presidente eleito da Gâmbia foi para o Senegal

Adama Barrow.jpg

17 de Janeiro, 2017

A Agência de Notícias Senegalesa anunciou ter confirmado “de fontes oficiais” a chegada ao Senegal do Presidente eleito da Gâmbia, Adama Barrow, na madrugada de domingo.

Segundo a fonte, o Chefe do Estado senegalês, Macky Sall, aceitou acolher o Presidente eleito Adama Barrow até quinta-feira, dia da sua investidura na Gâmbia, a pedido da Presidente da Libéria e líder em exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Ellen Johnson Sirleaf.
A decisão foi tomada à margem da cimeira África-França, que terminou sábado na capital maliana, Bamako. A situação política na Gâmbia foi discutida pelos Chefes de Estado presentes na cimeira de Bamako, onde também estava o vencedor das eleições, o político Adama Barrow.
O Presidente eleito da Gâmbia deixou Banjul na sexta-feira, depois do fracasso das negociações de uma delegação de alto nível da CEDEAO com o Presidente cessante gambiano, Yahya Jammeh, que contesta a vitória do candidato da oposição gambiana às eleições presidenciais de 1 de Dezembro de 2016.
Adama Barrow juntou-se à XXVII cimeira África-França de Bamako com os Presidente Muhammadu Buhari da Nigéria, Ellen Johnson Sirleaf da Libéria e John Dramani Mahama, antigo Presidente do Ghana.
A CEDEAO anunciou que vai continuar as discussões para uma transferência pacífica do poder no fim  do mandato  do Presidente Yahya Jammeh, amanhã. A União Africana (UA) deu o seu apoio à mediação, e marcou uma posição clara sobre o assunto.
Reunido sexta-feira na sede da instituição em Addis Abeba, capital etíope, o Conselho de Paz e Segurança da União Africana indicou que, a partir de quinta-feira, 19 de Janeiro, vai deixar de reconhecer Yahya Jammeh como Presidente legítimo da Gâmbia, para dar lugar ao vencedor das últimas eleições.

http://jornaldeangola.sapo.ao/mundo/presidente_eleito_foi_para_o_senegal

O medo da intervenção militar na Gâmbia

Especialista acredita num período confuso a partir do dia 19.01, data marcada para Yahya Jammeh deixar o poder.

Gambia Wahlen Yahya Jammeh (Reuters/C. Garcia Ralins)

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) pondera a possibilidade de intervenção militar, segundo agências internacionais. Esta terça-feira, o Presidente Yahya Jammeh decretou estado de emergência e falou numa “ingerência estrangeira”, o que aumenta o temor de um intervenção militar no país.

Antes disso, Alex Vines, especialista em África do Instituto Real de Relações Internacionais de Londres, já previa “um período confuso após o dia 19 de janeiro”, quando ocorre a cerimónia de posse do Presidente gambiano eleito.

O especialista diz que Jammeh, há 22 anos no poder, e os seus apoiantes consideram que o Presidente “deva permanecer no cargo até a decisão da Suprema Corte sobre seu pedido” de anulação das eleições de 1 de dezembro. “O que significa que teremos uma oposição entre os apoiadores de Jammeh e os adeptos de Adama Barrow”, acrescenta Alex Vines.

Além disso, o especialista acredita que “a curto prazo surgirão mais esforços para mediação”. De facto, ministros já renunciaram ao Governo do Presidente Yahya Jammeh, de acordo com a televisão estatal da Gâmbia e a situação política permanece tensa, à medida em que cresce a incerteza sobre o futuro da liderança do país.

Anulação das eleições

defaultO Presidente da Gâmbia, Yahya Jammeh, recebeu o seu homólogo nigeriano a 13 de dezembro, para dialogar sobre a crise

Adama Barrow deverá assumir o poder a 19 de janeiro. Mas o Presidente cessante espera que a Suprema Corte considere a petição que o seu partido apresentou, rejeitando a vitória de seu opositor e pedindo a anulação legal das eleições de 1 de dezembro com a realização de novas eleições.

Na semana passada, chefes de Estado da CEDEAO visitaram a Gâmbia para tentar persuadir Jammeh a deixar o cargo, mas o intento falhou.

Por causa da crise, centenas de gambianos já começaram a abandonar o país em direção ao Senegal e à Guiné-Bissau. Também Adama Barrow, a quem o chefe de Estado cessante recusa ceder o poder, foi acolhido no último domingo (15.01) pelas autoridades senegalesas.

“O Senegal tem contribuído muito para a pluralidade política e tem um histórico de pobres relações com a Gâmbia e, particularmente, com Yahya Jammeh. Por isso, penso não ser coincidência o Presidente eleito da Gâmbia, Adama Barrow, ser agora acolhido no Senegal”, explicou Vines, especialista em África do Instituto Real de Relações Internacionais de Londres.

Insatisfação na Gâmbia

O medo da intervenção militar na Gâmbia

Muitos gambianos declaram-se insatisfeitos e já começaram a deixar o país rumo ao Senegal, temendo, inclusive, a perseguição política, a exemplo do co-fundador do movimento “A Gambia já decidiu” (#Gambiahasdecided), o advogado Salieu Taal.

“O ex-Presidente Jammeh não tem poder, é um cidadão como qualquer outro; não possui status especial diante da corte. Ele tem se negado a aceitar a vontade do povo da Gâmbia”, disse Taal em entrevista à DW.

http://www.dw.com/pt-002/o-medo-da-interven%C3%A7%C3%A3o-militar-na-g%C3%A2mbia/a-37168702