A saúde do Presidente de Angola é uma questão política

jes

O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, encontrava-se em Barcelona na Espanha por razões de saúde

O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, encontrava-se na Espanha por razões de saúde.A informação foi adiantada, hoje, pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Georges Chikoti, numa entrevista à rádio francesa RFI, de acordo com o Notícias ao Minuto.Georges Chikoti,

Porém, o governante angolano fez questão de afastar rumores sobre problemas de saúde mais graves, acrescentando que José Eduardo dos Santos costuma ser avaliado na Espanha e que, como tal, “é perfeitamente normal” encontrar-se naquele país por razões de saúde.

Recorde-se que a especulação em torno do estado de saúde do Presidente angolano aumentou nas últimas semanas, algo que terá sido precipitado pelo adiar do regresso de José Eduardo dos Santos à Luanda.

Em Luanda tem-se evitado abordar o assunto publicamente. Uma das excepções ocorreu há cerca de duas semanas quando Isabel dos Santos abordou o caso, no Instagram, com a publicação de um desenho onde se lia “notícias falsas”.isabel dos santos

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, regressou ontem, dia 29 de maio,  ao país, terminada a sua visita privada a Barcelona, Espanha.

 

À chegada a Luanda, o Chefe de Estado recebeu cumprimentos do Vice-Presidente da República, Manuel Vicente, do Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, do juiz presidente do Tribunal Constitucional, Rui Ferreira, e de outras entidades do Governo e da Presidência da República.

Advertisements

Dois filhos de José Eduardo dos Santos no Comité Central do MPLA, Isabel dos Santos fica fora

09 de Agosto de 2016, 13:49
Luanda, 09 ago (Lusa) – José Filomeno dos Santos e Welwistchea dos Santos, filhos do Presidente angolano, integram a lista de nomes propostos para o Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), ficando de fora Isabel dos Santos.

A informação foi prestada à Lusa por fontes do partido à margem da reunião extraordinária do Comité Central do MPLA, que está a decorrer em Luanda para preparação do VII congresso ordinário, que arranca a 17 de agosto e que aprovará a recandidatura de José Eduardo dos Santos ao cargo e a lista com os 363 nomes àquele órgão deliberativo.

A empresária Isabel dos Santos, filha mais velha do chefe de Estado angolano, que a nomeou para o cargo de presidente do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol, ficou de fora desta lista, apesar de ter sido apontada, até agora, como potencial candidata à sucessão de José Eduardo dos Santos.

O presidente do MPLA e chefe de Estado há 36 anos, anunciou em março último que deixa a vida política ativa em 2018, quando completará 76 anos, mas sem concretizar até agora como será feita a transição ou se pretende ainda concorrer às próximas eleições gerais, dentro de um ano.

José Filomeno dos Santos (conhecido como ‘Zenú’), 38 anos, é proposto pela estrutura da juventude do partido, a JMPLA. Fundou um banco em Angola em 2008, depois de fazer a formação académica na Europa, e lidera desde 2013 – também por nomeação do chefe de Estado – o Fundo Soberano de Angola, cuja carteira de investimentos públicos ascende a 5.000 milhões de dólares.

Welwistchea dos Santos (conhecida como ‘Tchizé’), também com 38 anos, é uma empresária e militante ativa do MPLA, integrando a lista ao Comité Central proposta pela estrutura feminina do partido, a Organização da Mulher Angolana (OMA).

José Filomeno dos Santos tem sido recorrentemente apontado como possível sucessor do pai no partido, mas descartou anteriormente objetivos políticos.

O presidente do MPLA anunciou hoje, no discurso de abertura da reunião, uma renovação nos mais de 300 membros do Comité Central do partido que governa Angola desde 1975, mas abaixo do previsto.

“A comissão de candidaturas elaborou a lista dos candidatos que o Bureau Político apresentará ao Comité Central, para que a submeta ao VII congresso do MPLA, com vista à sua eleição. Foi observado o princípio da continuidade e renovação dos atuais membros do Comité Central, embora as percentagens preconizadas ficassem ligeiramente aquém do previsto”, reconheceu José Eduardo dos Santos.

Em novembro do ano passado, o líder do MPLA tinha anunciado a renovação de 45 por cento dos cargos de direção, nos vários escalões previstos nos estatutos do partido.

 

http://noticias.sapo.ao/lusa/artigo/21101452.html