Vale é condenada a pagar R$ 50 mil a empregado que foi chamado de ‘imbecil’

Nova-Logo-Vale

Ele também sofreu comparação com ‘Os Três Patetas’ durante uma reunião com 60 colegas

Brasília – Um empregado da Vale ganhou na justiça uma indenização de R$ 50 mil por danos morais, após ser chamado de “imbecil” pelo supervisor. A decisão, divulgada na última terça, é da 7º Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que rejeitou de forma unânime o recurso da empresa e aumentou a a condenação, que na primeira instância foi de R$ 30 mil.

O técnico eletromecânico trabalhava em uma mina da empresa na Serra Carajás, em Parauapebas (PA).  De acordo com o processo, ele estava em uma reunião com mais de 60 colegas e foi xingado pelo superior após ter se acidentado durante o trabalho dias antes. O supervisor teria dito que “quem se acidenta na Vale é um imbecil” que sofre acidente “para não trabalhar”. Além disso, teria comparado o empregado aos ‘Três Patetas”, famoso grupo de humor.

Na defesa, a Vale afirmou que o supervisor usou os termos “imbecil” e “pateta” de modo genérico, sem direcionamento pessoal ao empregado, mas não obteve sucesso.

Brasileiros e o drama dos refugiados moçambicanos

B44A55E8-2C06-4AB8-9E6F-2DD80BF559B8_cx0_cy16_cw0_w1023_r1_s

O drama dos refugiados moçambicanos levou milhares de pessoas a terem a sua vida transformada para a miséria no Malawi. Crianças sem escola, doenças , exploração do trabalho são marcas que os acompanharão ao longo da vida. Que olhar o Governo moçambicano dará para estas famílias que só querem a paz?

Para nós brasileiros fica difícil imaginar a vida dos refugiados moçambicanos,  uma realidade distante. A noticia que registramos dá uma ideia do sofrimento a quem foram submetidos crianças, mulheres, idosos e pessoas deficientes. Da região de onde as pessoas fugiram o Brasil está presente na exploração do  carvão por meio da empresa brasileira Vale.

Onze milhões de toneladas por ano: é a capacidade instalada atualmente de produção de carvão da mina de Moatize, na província de Tete. Para melhor responder à demanda de processamento de carvão, a Vale investiu na construção da maior central de enriquecimento de carvão do país. A Mina Carvão Moatize produziu em 2013 cerca de 4 milhões de toneladas de carvão

Para aumentar a capacidade de produção de carvão da mina para 22 milhões de toneladas anuais, que representa a sua capacidade máxima, há um investimento na Expansão da mina de Moatize.

Nesta região da mina de Moatize é que ocorreram conflitos com a fuga de milhares de refugiados. A exigência da Renamo (partido de oposição) de governar nas seis províncias do centro e norte de Moçambique, onde o partido reivindicou vitória nas eleições gerais de 2014, e a consequente recusa do Governo constituíram a principal razão do renascer do conflito armado no país, que opôs as duas partes, até Dezembro de 2016.

Milhares de moçambicanos refugiados ao longo de vários meses no Malawi para escapar às hostilidades militares no conflito entre o Governo e a Renamo, viram agravar a sua pobreza, à semelhança de outros milhares de deslocados internos, acusados de favorecer as forças beligerantes.

mocambiquemoatizeHomens, mulheres e crianças no distrito de Moatize, na província de Tete, no centro do país, regressam hoje sem o mínimo de condições para se reerguerem.

“Foram meses tristes no Malawi. Assistir crianças a mendigar por uma mandioca ou batata, que tinham fartos em casa, ver homens e mulheres a trabalharem duro para conseguir um copo de farinha, foi duro”, disse Fatima Niquisse, de 45 anos, nesta terça-feira, 20, quando se celebra o Dia Mundial dos Refugiados.

“O mais triste foi a perseguição contra inocentes políticos. Nós fugimos e foi o nosso enterro econômico. Pessoas ficaram mais pobres, outras apanhavam lixo, como se não fossem seres humanos devido à fome, até que pequenos apoios começaram a vir do ACNUR. Foi doloroso”, relatou à VOA, Waisson Rogério.

À espera da paz definitiva

O Governo de Tete estima que mais de seis mil refugiados moçambicanos que se encontravam no Malawi regressaram ao país até início de Junho, mas centenas deles estão ainda instalados nas sedes da localidade, enquanto aguardam por um acordo definitivo de paz.

“Foi pela segunda vez que me refugiei ao Malawi. Na guerra dos 16 anos fugi para o Malawi e nos finais de 2015 repeti, devido ao conflito. Lá a vida era uma lástima, e agora em casa o cenário é pior, vai demorar para voltar ao normal”, frisou Lídia José, avançada em idade.

Enquanto os refugiados tentam refazer a sua vida, os deslocados em sete distritos das províncias de Manica e Sofala, que estavam abrigados em centros de deslocados – extinguidos pelo Governo em Maio -, passam fome extrema, recorrendo a ervas e ratos para aliviar a fome, admitindo que ficaram mais pobres com o conflito.

Fome

“Há fome. Viver como deslocado foi a pior experiência do conflito porque apesar de pequenas ajudas o tratamento muitas vezes é desumano, pois falta quase tudo e sem onde recorrer”, declarou Fátima Mateus, sustentando que recorreu a trabalhos domésticos para escapar à fome.

Lembrando a fartura antes do conflito, Ester Paulino, outra deslocada, admite que se tornou três vezes mais pobre e sustenta que a convivência em campos de deslocados era “desastrosacom experiências “muito prejudiciais, sobretudo para mulheres e crianças”.

 

https://www.voaportugues.com/a/dificil-recomeco-refugiados-mocambicanos-regresso-casa/3907895.html

O imperativo da parceria com a África


Amanhã(7/05/2017), darei início a um périplo pela África Austral, uma das regiões com maior potencial de crescimento econômico do planeta. Em uma semana, visitarei cinco países: Namíbia, Botsuana, Malaui, Moçambique e África do Sul. O objetivo é reforçar a agenda de diálogo político e cooperação econômica, demonstrando a prioridade da África nas relações exteriores do Brasil.

O Brasil é o maior país africano fora da África, uma identidade da qual nos orgulhamos e um cartão de visitas capaz de abrir portas e angariar a boa vontade dos países africanos. Queremos traduzir essa afinidade histórica em ações concretas, aprofundando projetos de cooperação, ampliando o comércio e os investimentos e criando novas parcerias em áreas como defesa, energia, e ciência e tecnologia. Queremos também aprofundar o diálogo diplomático sobre temas da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Mantemos programas importantes de cooperação com a maioria dos países africanos, sobretudo nas áreas de saúde, agricultura, educação e formação profissional. Esses programas demonstram o interesse brasileiro em contribuir para o desenvolvimento econômico e social do continente, mas é preciso ir além. As lideranças africanas pedem a presença do Brasil não apenas como prestador de cooperação, mas também e cada vez mais como investidor e parceiro nos negócios.

Visitarei alguns dos países acompanhado de empresários interessados em identificar as imensas oportunidades para o comércio e os investimentos. Pretendo avaliar exemplos emblemáticos de parcerias que desejamos multiplicar. Em Moçambique, participarei da inauguração do corredor de Nacala, empreendimento da Vale com empresa local, que representa o maior investimento estrangeiro naquele país. Na África do Sul, buscarei identificar novas oportunidades inspiradas, por exemplo, no êxito do programa de desenvolvimento conjunto de um míssil ar-ar de curto alcance, além de estreitar nossa coordenação em temas multilaterais e no âmbito dos grupos Brics e Ibas.

Em cada um dos países visitados, há uma robusta agenda em andamento e muitas oportunidades inexploradas. Com a Namíbia, temos uma cooperação histórica na área de defesa, tendo sido o Brasil responsável pela criação da Marinha daquele país e formado mais de mil militares namibianos nos últimos anos. Botsuana é um país estável, de crescimento acelerado e uma das maiores rendas médias da África, ou seja, um mercado promissor para as exportações brasileiras. A minha visita ao Malaui será a primeira de um chanceler brasileiro ao país, que também conta com investimentos brasileiros em mineração e com cooperação no setor algodoeiro.

Neste século, o continente africano tem apresentado índices de crescimento acima da média mundial. Apesar da crise nos últimos anos, as exportações brasileiras para a África alcançaram US$ 7,8 bilhões em 2016, em sua maior parte compostas por manufaturados (40%) e semimanufaturados (22,6%). A tendência de longo prazo é positiva. Aproveitarei meus contatos para estimular a organização de missões comerciais à África, de modo a aproveitar melhor a entrada em vigor do Acordo de Preferências Comerciais Mercosul-Sacu.

Parto para a África com a certeza de que temos muito a ganhar com o fortalecimento desses laços de cooperação, sobretudo no contexto das atuais transformações políticas e econômicas no mundo, em que o continente africano, ao lado do asiático, é um polo em ascensão. A parceria com a África é não apenas uma decorrência natural de nossas afinidades históricas e culturais, mas um imperativo na construção de uma ordem mundial mais favorável aos nossos interesses e aspirações.

Aloysio Nunes Ferreira
Ministro das Relações Exteriores

http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/discursos-artigos-e-entrevistas-categoria/ministro-das-relacoes-exteriores-artigos/16241-o-imperativo-da-parceria-com-a-africa-correio-braziliense-06-05-2017

Governo e Vale Moçambique em mesa redonda devido à paralisação de comboios

Foto genérica
MOÇAMBIQUE
A Vale Moçambique decidiu paralisar a circulação dos seus comboios de transporte de carvão em Moatize através da linha férrea de Sena, devido à tensão político-militar que assola Moçambique e a região centro em particular há já alguns meses. Aliás, a Vale Moçambique já viu alguns dos seus comboios a serem alvos de ataque protagonizado pelos homens armados da Renamo.

A paralisação da circulação de comboios por parte da Brasileira Vale deixa preocupado o governo de Moçambique, que de imediato chamou a empresa mineira Vale Moçambique para se sentarem na mesma mesa para o reinício do transporte de carvão extraído em Moatize, província central de Tete, através da linha de caminho-de-ferro do Sena.

Segundo o ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita, o governo já teve um encontro com representantes do grupo brasileiro Vale, a quem garantiu o envolvimento das autoridades moçambicanas na proteção da linha para permitir que as operações ferroviárias sejam retomadas.

A mineradora Vale Moçambique decidiu suspender o envio do carvão para o porto da Beira há cerca de dois meses, na sequência de ataques contra as composições ferroviárias, de que resultaram alguns feridos ligeiros e danos materiais.

A linha de Sena, com 357 quilómetros, liga o porto da Beira, via Dondo, ao Malawi, dispondo ainda do ramal Inhamitanga/Marromeu (88 quilómetros) e do troço Dona Ana/Moatize (254 quilómetros), constituindo a espinha dorsal da região centro de Moçambique e do vale do Zambeze, em particular.

A paralisação dos comboios com carvão, segundo Carlos Mesquita, está a causar prejuízos à empresa estatal Portos e Caminho-de-ferro de Moçambique, estimados em cerca de 50 milhões de dólares (cerca de 45 milhões de euros).

O último ataque a um comboio da Vale foi há menos de duas semanas, quando homens armados da Renamo atacaram uma locomotiva, provocando um ferido ligeiro, no posto administrativo de Mutuali, distrito de Malema, na província setentrional de Nampula.