Josefina Massango: uma atriz de teatro moçambicano

JOSEFINAMASSANGO.jpg

Josefina Massango é das actrizes mais experientes no país. Recentemente, participou na gravação do filme Ruth, estreado em Maputo semana passada. Nesta entrevista, a actriz fala da sua participação nesta produção cinematográfica preparada, igualmente, para ser série de tv. Além disso, Massango deixa um comentário sobre a qualidade dos actuais actores moçambicanos.

Desempenha o papel de mãe de Eusébio, no filme Ruth. Como foi encarnar essa personagem?

Estaria a mentir se dissesse que foi um trabalho como qualquer um. Aqui havia uma responsabilidade acrescida porque não estamos a falar de uma figura qualquer. Ainda assim, dediquei ao personagem toda entrega que dedico às outras.

Com o mesmo rigor?

Tem que ser. Essa é a palavra-chave para o artista. O rigor é mestre de tudo. Se não formos rigorosos com aquilo que fazemos, se calhar, passamos à personagem o que constitui o nosso dia-a-dia. É preciso sonhar com o personagem, namorar e dialogar com o personagem e viver com ela aqueles dias em que antecedem o trabalho. É preciso sonhar e amar com o personagem.

E como é que se aprende a sonhar com o personagem?

É muito simples. Desde o primeiro momento que nos atribuem o personagem, logo devemos começar a fazer uma viagem com ela, na base do texto que nos permite perceber o papel ao longo da história.

E esta é uma viagem quase sempre solitária…

Muitas vezes é. E é esta disciplina que os actores são convidados a ter.

No caso do papel interpretado no Ruth, teve que recuar no tempo?

Para este personagem não. Mesmo porque esse exercício depende de cada realizador. Uma das coisas que me pediram para este personagem é a questão do peso, não no sentido massa corporal, mas no das coisas que se dizem, na maneira como a mãe do Eusébio aparece e na estrutura daquela mulher. E, também por isso, a responsabilidade foi maior, porque, no fundo, tinha que retratar o desconhecido sobre uma figura que é muito conhecida.

O que lhe foi pedido interferiu na maneira como preparou a personagem?

Sem dúvidas. É necessário e é bom que isso aconteça. Até porque, quando estamos diante de um desafio destes, próximos às filmagens, as pessoas que nos conhecessem vão notando alguma diferença em nós porque estamos a exercitar o papel. E nós até gostamos desse feedback de as pessoas estarem a notar uma diferença entre o eu, no meu dia-dia, e quando estou a fazer o exercício para o personagem.

Precisou de voltar a percorrer as ruas da Mafalala, quer do ponto de vista real ou virtual, de modo a familiarizar-se com o papel?

Cresci brincando na Mafalala. Conheço aqueles becos todos. Os meus melhores amigos ainda hoje residem na Mafalala – refiro-me, por exemplo, a mamã Marieta, que, sempre que posso, vou lá ter para comer uns rissóis que ela bem faz. Cresci naquele mundo, mas, com este filme, tive, sim, de ir várias vezes, até para, em conversas, saber como era a forma de estar lá, mesmo porque vivi 17 anos em Portugal e há coisas que ali mudaram. Mas a memória do espaço, daquela vivência, os sons e o resto ainda existe em mim.

O papel de mãe de Eusébio foi atribuído a Josefina depois de um casting. Este tipo de vitórias ainda dá-lhe gozo?

Sim. Qualquer actor ainda tem esse momento de satisfação, quando isso acontece. Os castings são aquelas coisas muito chatas. Confesso, são muito chatas, mas também necessárias, porque os realizadores querem testar alguma coisa. Aliás, casos há em que os castings têm a ver com a questão da imagem e com a necessidade de se perceber que aquela figura vai bater com certo actor. E hoje em dia acontece eu estar nos castings com colegas de longa data e, inclusive, novos formados por mim. Dependendo do que o realizador quer, ele faz a sua escolha. E quando se é escolhido, naturalmente, há momentos de grande satisfação e de grande responsabilidade.

Ao ver o filme na estreia, já com público alargado, o que lhe ocorreu?

Muitas vezes, eu não gosto de me ver, é estranho. Para mim, depois do filme, tem que se passar para outra coisa. Se me perguntar qual era a personagem, até pode acontecer não conseguir responder daqui a dois meses, porque já estou noutro papel.

Desliga-se facilmente das personagens?

Neste caso do Ruth é difícil porque o filme ainda está a correr. Neste momento ainda estou a viver a mãe do Eusébio. Mas, geralmente, sim. Desligo-me.

É professora de teatro. Sente-se pressionada, quando está a preparar um papel, pela ideia de que os seus alunos actores vão exigir mais de si?

Não. De forma nenhuma. Se um dia isso acontecer, nós estamos acabados como actores. As camadas mais jovens têm tanto para nos ensinar que nós só devemos estar abertos para receber… Aliás, há actores que têm privilégio de partilhar o palco com quem estão a formar. É uma experiência única. Com isso recuperamos momentos que julgávamos perdidos. Pessoalmente, tenho prazer de fazer isso.

Como está o país em termos de qualidade de actores neste contexto em que temos um curso de teatro e muitos grupos a surgirem?

É impensável para alguém que se encontra a trabalhar na área de formação em teatro não ter uma postura optimista em relação a esta questão. Sinto que há coisas que se conquistaram, que se deve conquistar e devem ser recuperadas. Há um conjunto de coisas que estão a acontecer e são positivas. Mas há coisas sobre as quais devemos reflectir. Eu sou de uma geração em que o teatro, no país, era algo quase obrigatório, porque haviam apresentações que mexiam com as pessoas, como ainda hoje mexem. Na altura, não ir ao teatro e não saber o que se passou num certo final de semana, significava ficar sem assunto.

Era como perder o capítulo de uma telenovela, hoje?

Mais ou menos isso. Aliás, essas duas coisas caminhavam juntas. Lembro-me que, na altura, depois das 20h, dificilmente mantinha-se os expectadores no teatro porque havia hora da telenovela. Sinto que estamos a dar passos positivos e o público está mais exigente agora. Ainda por cima, porque há gente formada no teatro. Faltam meios, é verdade, mas isso também é um motor para estimularmos a criatividade.

O que gostava de ter no nosso teatro?

Melhores condições. Por exemplo, uma sala municipal, um equipamento de iluminação para os espectáculos à disposição. Muitas vezes não há. Gostava de ter uma série de coisas que fazem com que o espectáculo, de facto, aconteça. No meu caso, eu faço muita investigação dentro desta área e quero continuar a estar em palco e no cinema. Há muitos sonhos e eu vivo nesse desejo de que o sonho não deve acabar, porque isso é o motor do que pretendemos fazer. Eu sonho com o sonho.

 

A vossa geração não foi um produto de escola, entendo, no sentido de lá terem recebido ferramentas teóricas sobre teatro. Hoje, o que a escola está a acrescentar à qualidade dos novos actores?

Estaria a mentir se dissesse que não há uma escola por detrás do teatro que se fazia no meu tempo. Havia uma escola, a escola primária. Nós viemos de lá. Aquele espaço é que nos levou a tomar o gosto e a desenvolver outras áreas. E nós temos que recuperar isso. Hoje, nós estamos a lidar com estudantes que vão parar ao ensino superior em teatro sem as bases que nós, em tempos, adquirimos na escola primária. Então, aí, é preciso dar tempo ao tempo. Eu tive escola, e a minha escola foi a 24 de Julho, onde fizemos muitas actividades culturais e eu tomei gosto nisso. Seja como for, os novos actores, nossos estudantes, trazem consigo o gosto, o prazer, esse querer…

E o compromisso?

De certa forma… Porque essa escolha de fazer teatro é feita pelo indivíduo, e nem é uma escolha, arrisco-me dizer, que um pai faça pelo seu filho. Se, hoje, vimos artistas, é porque essa escolha partiu deles e eles têm um compromisso com essa escolha. Isso é o que diferencia a arte e o ser artista de muitas outras áreas.

Palco ou cinema, o que prefere?

Gosto de tudo isso, embora o palco seja o local onde tenho mais liberdade. No cinema estamos um pouco limitados, mas o actor tem que lidar com isso. Embora goste de estar nos dois espaços, o teatro é aquele que me dá mais liberdade, ainda que o processo de preparação dos papéis seja mais complexos no teatro.

É vantajoso para o actor partir do teatro para o cinema e não o contrário?

Eu ando à procura dessa resposta.

O que espera que venha a ser o Ruth?

Que contribua para que, em outras áreas, surja o atrevimento de se imortalizar certas figuras, artisticamente.

Sugestões artísticas para os leitores do jornal O País?

Sugiro que vejam FITI, Comboio de sal e açúcar e o livro Os pilares da terra.

fonte: http://opais.sapo.mz/josefina-massango-ou-uma-entrevista-a-mae-de-eusebio

Advertisements

Alou Cissé o unico negro técnico de futebol na Copa do Mundo em 2018

cisseA seleção de Senegal estreia hoje pela Copa do Mundo sob o comando do único treinador negro do torneio, Aliou Cissé, de 42 anos.

cisse5

Como jogador, Cissé foi capitão da melhor seleção de Senegal de todos os tempos, aquela que chegou até as quartas de final na Copa do Mundo de 2002, após deixar França, Uruguai e Suécia no caminho.

Como técnico, levou seu país às quartas de final da Olimpíada de Londres em 2012. Depois de vários bons resultados com as seleções de base, foi promovido e classificou Senegal para a Copa do Mundo de 2018.cisse6

Na véspera de sua estreia na Rússia Aliou Cissé revelou algum orgulho e algum incômodo com o fato de ser o único técnico negro entre os 32 que estão na Rússia para a Copa do Mundo.

cissse

– É verdade, sou o único negro, mas este é um longo debate e não tem a ver com futebol. O futebol é um esporte universal, a cor da pele não deveria ser algo relevante. Mas sim, é importante ter um técnico negro – comentou o treinador

Em seu país, Cissé costuma ouvir críticas por ser pragmático demais – especialmente porque Senegal hoje conta com meias rápidos e atacantes perigosos, como Sadio Mané, o craque do Liverpool.

O estilo mais pragmático imposto por Cissé serviu para Senegal voltar a disputar uma Copa do Mundo após 16 anos e talvez seja o melhor caminho para uma seleção africana finalmente superar a barreira das quartas de final.

– Tenho certeza que um time africano vai vencer a Copa do Mundo. Vinte anos atrás, seleções africanas vinham só para completar a Copa, fazer parte. Já mostramos que podemos fazer muito mais. Temos muitas dificuldades em nossos países, mas não temos nenhum tipo de complexo. E precisamos de técnicos africanos para isso – disse.

Universidade Agostinho Neto em Angola pode vir a cobrar mensalidades.

A Universidade Agostinho Neto (UAN) vai apresentar à Assembleia Nacional uma proposta para regular a cobrança de propinas aos estudantes das unidades orgânicas como forma de garantir melhor qualidade ao ensino e à gestão, anunciou ontem, em Luanda, o vice-reitor da universidade pública para a Área de Gestão, Pepe de Gove.

Deputados da comissão de especialidade reuniram ontem com os responsáveis da UAN
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

O académico, que apresentou a proposta durante um encontro com os deputados da VI Comissão de trabalhos da Assembleia Nacional, garantiu que a UAN tem já elaborada a proposta para apresentar ao Parlamento.
“Não há nenhuma legislação que diz que o ensino superior é gratuito. Falta vontade política para inverter o quadro” , disse o académico, acrescentando que a UAN não pode continuar a depender do Orçamento Geral do Estado. Pepe de Gove lembrou que não há no mundo ensino superior gratuito. O docente universitário afirmou que em universidades modernas o orçamento é feito à base do custo do estudante.
O vice-reitor da UAN para Área  de Gestão falou das várias dificuldades vivida pela instituição e destacou que a conclusão das obras no Campus Universitário está atrasada devido a dívidas com empreiteiros.
Pepe de Gove pediu a intervenção dos deputados para ultrapassar os vários problemas sentidos na Universidade Agostinho Neto.
O reitor da UAN, Pedro Magalhães, reforçou, na ocasião, que a Lei de Base do Ensino Superior estabelece que a gratuidade de ensino vai até à nona classe, mas não regulamenta como se pode praticar a questão das propinas no Ensino Superior. “Seria bom que isso estivesse estabelecido para termos um suporte legal”, disse.

Novos docentes
A UAN quer urgência na admissão e promoção dos docentes. Segundo informações dada aos parlamentares, o processo para a admissão de docentes encontra-se, há mais de oito meses, no Tribunal de Contas sem resposta.
Os docentes pediram um concurso especial para Universidade Agostinho Neto que carece de docentes em todas unidades orgânicas.  A universidade remeteu ao Executivo a proposta de um total de 827/ano. O reitor falou de problemas relacionados com os cursos de licenciaturas, bacharelatos e pós-graduação, que contam com escassez de recursos humanos, que, na sua opinião, está a afectar a qualidade dos serviços prestados à população.
“Há faculdades que se encontram numa situação mais difícil em termos de recursos humanos, há aquelas que já funcionaram há dois ou três anos e, neste momento, estão com uma grande escassez de recursos humanos”, afirmou o reitor.
A UAN tem actualmente um total de sete faculdades e conta com 27.824 estudantes, divididos em estudantes de graduação, num total de 80 por cento, e 1.833 estudantes de pós-graduação. A universidade conta com um total de 53 cursos, dos quais 45 de licenciatura e oito de pós-graduação.
Pedro Magalhães disse que, dos projectos que a universidade, tem, num total de 155, grande parte deles definidos 2016, estão condicionados devido à falta de recursos financeiros.
A vice-reitora para Área de Investigação Científica e Pós-Graduação, Maria Antonieta Baptista, adiantou que a UAN, devido à falta de laboratórios, tem como estratégia estimular parcerias com instituições do Ensino Superior, públicas e privadas.

Posição dos deputados
O presidente da Comissão de Saúde, Educação, Ensino Superior, Ciência e Tecnologia da Assembleia Nacional, Manuel da Cruz Neto, reconheceu as dificuldades da universidade e, por isso, os trabalhos universitários ficam “altamente comprometidos”. Quanto ao pagamento de propinas, o parlamentar concorda que nenhuma legislação proíbe a cobrança de propinas. “É preciso começar por aí. Nada nos impede de assumir-mos um compromisso de melhoria do ensino”, disse.

Fonte:http://jornaldeangola.sapo.ao/politica/universidade_publica__pode_cobrar_propinas

Garça interior de São Paulo, professora morre vítima das condições do trabalho

escola

 

Mais uma vítima do regime de más condições de trabalho e de destruição do ensino público pelos governos tucanos em São Paulo.

Na última quarta-feira, a professora da escola de tempo integral teve uma Acidente Vascular Cerebral (AVC) durante a sua aula, em Garça (SP).

Muitos narraram que a professora primeiro havia chamado atenção de uma aluna por causa da indisciplina, pediu ajuda para a direção, mas não obteve êxito.

A indisciplina nas escolas, longe de ser um fenômeno de resultado de uma opção pessoal dos alunos é produto direto da degradação das escolas, salas de aulas lotadas, falta de equipamentos apropriados para desenvolver o trabalho de ensino-aprendizagem, desvalorização dos professores promovida diretamente pelo Estado, começando pelos salários miseráveis que lhes são pagos.

Depois da crise com a aluna, a mãe da mesma foi à Escola e discutiu com a professora na sala de aula, intensificando a pressão já existente nas escolas em torno dos professores que é ainda maior nas escolas de tempo integral.

A professora, sentindo-se acuada teve um AVC, desmaiou em um primeiro momento; foi chamada a ambulância, porém ela se levantou e desceu as escadas andando, por isso, ocorreu outro AVC.

A educadora foi levada ao hospital, obteve uma ligeira melhora, porém no domingo dia três de junho, teve outro AVC e, por consequência. morte cerebral.

É preciso abrir um debate nas escolas, pois os professores estão adoecendo e até falecendo pelas condições péssimas de trabalho. O marido autorizou a doação de seus órgãos. Nossos sinceros sentimentos ao marido, familiares e amigos.

https://www.causaoperaria.org.br/professora-morre-em-escola-de-tempo-integral-de-garca-sp/#.WyRDgGPMSiJ.facebook

Obra de Amílcar Cabral indicado para Programa “Memória do mundo” da UNESCO

A CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa expressou apoio institucional à candidatura da obra de Amílcar Cabral ao programa “Memória do mundo” da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

CPLP apoia candidatura da obra de Amílcar Cabral ao programa da UNESCO

A CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa expressou apoio institucional à candidatura da obra de Amílcar Cabral ao programa “Memória do mundo” da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Conforme divulgado pelo A Semanaonline, a responsabilidade é da Fundação Amílcar Cabral, uma organização cabo-verdiana sem fins lucrativos e que foi fundada em 2005, gozando do estatuto de Observador Consultivo da CPLP. É que uma das atribuições da FAC é preservar a obra e a memória deste dirigente histórico e fundador do PAIGC,designadamente através de acção editorial própria e da animação do espaço museológico, criado em 2015, “Sala-Museu Amílcar Cabral”.

“Assegurar o acesso permanente e universal e a preservação do património documental” é o objectivo do Programa “Memória do Mundo” da UNESCO, estabelecido em 1992, contribuindo para uma maior consciencialização mundial da importância, para todos, do legado documental. Daí a preposta da FAC de se candidatar a obra de Amílcar Cabral ao programa «Memória do Mundo» da UNESCO.

https://www.asemana.publ.cv/?CPL-apoia-candidatura-da-obra-de-Amilcar-Cabral-a-programa-da-UNESCO

90 anos de Che

Cuba comemora hoje os 90 anos do líder revolucionário Ernesto “Che” Guevara (1928-1967) com eventos em todo o país, que terão como centro a cidade de Santa Clara, onde jazem os restos mortais do guerrilheiro cubano-argentino e que recebe uma grande cerimónia no Mausoléu dedicado a si.

Fotografia: DR

As comemorações começaram ontem pela manhã com uma peregrinação do obelisco em homenagem ao herói independentista cubano António Maceo até à praça do Mausoléu, na qual foi carregada uma estátua de mais de 16 metros que representa o Che com uniforme militar e com um braço numa tipoia. O túmulo de Chee dos seus companheiros de luta em Santa Clara foi visitado por mais de 4,5 milhões de pessoas desde que os seus restos mortais chegaram ao país em 1997, e serviu de sede central em Outubro para a celebração nacional dos 50 anos da morte do guerrilheiro.
Com o aniversário de Che Guevara, a ilha também celebra o nascimento de António Maceo (1845-1896), o “Titã de Bronze” das guerras contra o domínio espanhol.

 

Fonte:http://jornaldeangola.sapo.ao/mundo/cuba_assinala_90_anos_de_che

Café processado, torrado, moído, embalado e rotulado “Made in Kenya”

café kenya

 

NAIRÓBI (Reuters) – Um congressita do Quênia disse que levará ao parlamento uma proposta de lei que visa banir as exportações do café não processado para impulsionar os ganhos de agricultores.café kenya1

A nação do leste africano é uma pequena produtora da commodity, representando cerca de 1 por cento da produção global anual, mas seus grãos arábica de alta qualidade são procurados por torrefadores globais que os usam em misturas com outras variedades.

cofee

Grãos de cafés crus, que são a quinta maior fonte de renda do Quênia, são geralmente vendidos em um leilão semanal na capital Nairóbi ou diretamente para compradores estrangeiros que então torram, empacotam e vendem com prêmios pesados.

As exportações de café chegaram a 214 milhões de dólares no ano até março.

 kenya cofee

Moses Kuria, do partido governante Jubilee, disse que alguns países estão importando café bruto queniano, processando-o e re-exportando de volta ao Quênia para vender às custas dos agricultores que “não colhem o máximo dos benefícios do que eles produzem”.

coffe k

Ele disse que seu novo projeto de lei proibirá a exportação de café cru de qualquer forma.

“Eu estou… introduzindo um projeto de lei na assembléia nacional que providenciará que o café será exportado apenas em sua forma processada, tendo sido torrado, moído, embalado e rotulado, claramente rotulado com a inscrição ‘Made in Kenya”, ele disse em carta para o líder do parlamento, vista pela Reuters nesta quarta-feira.

(Por Duncan Miriri)

Fonte:https://noticias.r7.com/economia/congressista-do-quenia-propoe-lei-para-banir-exportacoes-de-cafe-nao-processado-13062018

Menino ganense de quinze anos construiu uma casa, com material reciclavel

Com dois andares e um sistema elétrico completo, a mansão foi construída em Gana e é forte o suficiente para que a família viva ali de maneira segura

A
Reprodução/Facebook

A “mansão” de madeira foi construída na região de Brong-Ahafo, em Gana

Benjamin Mensah tem apenas 15 anos e ainda está cursando o Ensino Médio, mas, apesar da pouca idade, possui habilidades e talentos muito especiais. Morador da região de Brong-Ahafo, em Gana, ele construiu uma verdadeira ‘mansão’ usando apenas seus conhecimentos e tábuas de madeira encontradas no lixo.

 

De acordo com o portal Naij , a ‘ mansão ’ foi construída na cidade de Seikwa e pode não ser uma representação fiel da imagem de uma casa luxuosa, mas possui dois andares e sua estrutura é forte o suficiente para que pessoas vivam ali dentro. Além disso, ela também conta com um sistema elétrico e todas as instalações necessárias para a família.

Em entrevista para a imprensa local, o adolescente contou que não precisou de muito dinheiro para projetar a residência e colocar suas ideias inovadoras em prática. Todos os materiais usados foram coletados do lixo: quando ele se deparava com algo que poderia ser útil, não pensava duas vezes antes de pegá-lo.

E se você pensou que os talentos do garoto estavam limitados à arquitetura e engenharia civil, saiba que ele já está trabalhando em um novo projeto. Dessa vez, ele consiste em um carro feito de madeira , assim como sua nova casa.

O responsável pela construção da mansão (esquerda) tem apenas 15 anos e ainda está cursando o Ensino Médio
Reprodução/Facebook

O responsável pela construção da mansão (esquerda) tem apenas 15 anos e ainda está cursando o Ensino Médio

Fonte:http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2018-06-13/mansao-madeira.html

Construtora chinesa construirá entreposto de fiscalização de madeira em Angola

A província do Cuando Cubango vai contar, a partir de Agosto, com o primeiro entreposto de fiscalização e comercialização de madeira, que regula toda a actividade de exploração florestal na região.

André Moda e Pedro Mutindi exibem maqueta do entreposto de comercialização de madeira
Fotografia: Nicolau Vasco | Ediçoões Novembro| Cuando Cubango
A obra, a cargo da construtora chinesa CBTGC, teve início na segunda-feira, com o lançamento da primeira pedra pelo secretário de Estado para os Recursos Florestais, André Moda, acompanhado do governador provincial do Cuando Cubango, Pedro Mutindi.
Orçada em cinco milhões de dólares norte-americanos, a infra-estrutura construída numa área de 27 hectares, a 14 quilómetros da cidade de Menongue, vai integrar  serviços de pesagem, processamento, tratamento de lixo, armazenamento e reparação de meios técnicos.
Na cerimónia de lançamento da primeira pedra, André Moda assegurou que o empreendimento vai permitir controlar o transporte e comércio de madeira e, deste modo, facilitar o trabalho do Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF), das direcções locais dos mi-nistérios do Comércio e Indústria, Finanças, Polícia Fiscal e da Administração Geral Tributária (AGT).
O entreposto de fiscalização e comercialização do Cuando Cubango é o primeiro de vários que o Ministério da Agricultura pretende construir em todo o país, com a finalidade de combater a fuga ao fisco e estimular a arrecadação de receitas, parte das quais destinadas ao desenvolvimento local.
Os primeiros beneficiários do novo serviço, de acordo com o secretário de Estado para os Recursos Florestais, são os madeireiros que, até recentemente, vendiam a madeira em circuitos ilegais a preços muito baixos, chegando a cobrar 30 mil kwanzas por metro cúbico, quando em países como a China e Vietname a mesma quantidade pode custar entre cinco e dez mil dólares.
Com a entrada em funcionamento do entreposto, os preços estarão bem definidos, o que vai ajudar os madeireiros  a aumentar os seus recursos financeiros.
Por força da nova legislação, que começa a ser observada no sector este ano, os madeireiros autorizados ficam obrigados a proceder à plantação de árvores nas áreas de abate, para permitir o repovoamento florestal.
Sobre o produto apreendido nas províncias do Cuan-do Cubango, Moxico, Namibe e Uíge, desde Fevereiro do ano em curso, altura em que entrou em vigor um instrutivo do Ministério da Agricultura que interditava a extracção, transporte e comercialização, André Moda revelou que, “por orientação superior”, toda a madeira vai ser transportada para Luanda, onde será comercializada e as receitas revertidas a favor do Estado.
Sem entrar em detalhes sobre a quantidade da madeira apreendida em todo o país, o secretário de Estado para os Recursos Florestais disse que o volume é grande e em algumas províncias equipas multissectoriais ainda procedem ao levantamento de dados para melhorar as informações em posse do Ministério da Agricultura.
André Moda anunciou a atribuição de carteiras de exploração de madeira, ainda este ano, para distinguir os agentes autorizados, em conformidade com a lei.
Até 2019, o Ministério da Agricultura promete instalar seis entrepostos de fiscalização e comercialização de madeira em igual número de províncias, onde a actividade florestal ganha força.

Mais-valia para a região
Pedro Mutindi enalteceu a iniciativa do Ministério da Agricultura, salientando que o entreposto de fiscalização e comercialização de madeira é uma mais-valia para a província do Cuando Cubango.
Tendo em conta o potencial florestal da província, o Cuando Cubango vai ter dois entrepostos de fiscalização e comercialização, um dos quais na zona fronteiriça, onde a actividade de exploração é feita de forma intensa, com relatos de roubos e fuga ao fisco.
“A implementação deste projecto, cujo lançamento da primeira pedra testemunhamos hoje, vai contribuir para o melhoramento da fiscalização e controlo no corte, circulação e comercialização da madeira”, afirmou Pedro Mutindi.
No âmbito desta estratégia da redução das importações e fomento das exportações, lembrou, o sector madeireiro é um dos eleitos para contribuir para a captação de divisas.

 

Fonte:http://jornaldeangola.sapo.ao/economia/agricultura_garante_disciplinar__a_comercializacao_de_madeira

A greve dos enfermeiros de Luanda em Angola

Mazarino da Cunha e César Esteves

Depois de três dias de greve, os enfermeiros de Luanda retomam hoje o trabalho em todos os hospitais públicos, após um acordo entre o Governo Provincial (GPL) e o Sindicato dos Técnicos de Enfermagem da capital.

Militares devem deixar hoje hospitais civis com o fim da greve
Fotografia: José Cola|Edições Novembro

Após nove horas de diálogo, as partes acordaram concluir o processo de reformulação da carreira de enfermagem e a promoção das categorias, tão logo as condições financeiras estejam disponíveis.
De acordo com o comunicado produzido no final do encontro, foi estabelecida a criação de um grupo técnico constituído por elementos do GPL, Delegação Provincial das Finanças e do  Sindicato dos Técnicos  de Enfermagem com o objectivo de realizar encontros trimestrais para tratar das questões ainda pendentes.
Também ficou decidido que os técnicos de enfermagem, que tenham aumentado o nível académico e profissional e de acordo com a avaliação de desempenho, nos termos da lei, poderão ser priorizados no próximo concurso público.
Em declarações à imprensa, o governador de Luanda, Adriano Mendes de Carvalho, disse que “o Governo Central e o GPL não são contra as greves”, mas que “devem ser feitas com base na lei, dos princípios de diálogo e do patriotismo”.
Apesar do tempo que durou o encontro, Adriano Mendes de Carvalho salientou “o espírito de cordialidade que reinou entre as partes”.

FAA mobilizadas

Os hospitais de Luanda foram ontem reforçados com profissionais de saúde das Forças Armadas Angolanas (FAA) e da Polícia Nacional para fazer face a greve dos enfermeiros, entretanto, terminada. O mu-nicípio do Cazenga recebeu um total de 30 técnicos para trabalhar em várias unidades hospitalares daquela circunscrição de Luanda.
Com o fim da greve, os militares devem deixar hoje os hospitais civis. Um total de 189 técnicos de saúde das FAA, entre médios e superiores, tinham sido mobilizados.

Greve em Cabinda
Os funcionários públicos da província de Cabinda iniciaram ontem uma greve de três dias, em solidariedade com os 1.775 trabalhadores que foram retirados das folhas de salários pelo Ministério das Finanças por alegada ilegalidade no vínculo laboral.
Devido à greve, decretada pela União dos Sindicatos de Cabinda (USCA), as escolas públicas não funcionaram durante o dia de ontem e apenas foram assegurados os serviços básicos nas unidades hospitalares no enclave.
O Ministério das Finanças suspendeu em Abril os salários de mais de 64 mil  funcionários públicos em todo o  país, por se encontrarem em “situação de irregularidade”, entre elas “falta de documentos, dados incompletos e ainda dupla efectividade na função pública”, no âmbito do processo de recadastramento dos funcionários públicos.
Segundo o secretário-geral da USCA, Manuel Guilherme, citado pela Angop, a greve em Cabinda tem como fim único “a reposição incondicional no Sistema Integrado de Gestão Financeira do Estado os funcionários desactivados desde Abril passado, a liquidação imediata dos seus ordenados e dos respectivos subsídios”.
Entretanto, o Governo  Provincial de Cabinda anunciou, em comunicado, a evolução positiva das acções de reactivação dos funcionários nas últimas 24 horas, tendo já dos 1.775 desactivados sido reinseridos 1.082 no sistema, prosseguindo-se as actualizações.

http://jornaldeangola.sapo.ao/sociedade/enfermeiros_de_luanda_voltam_hoje_ao_trabalho